Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Conheça Monte Verde: a Letônia mineira

(Por Arnaldo Silva) No início do século XX, a Europa vivia numa crise econômica seríssima, com grande aumento da pobreza no Velho Continente, com evidências de uma Guerra Mundial, o que ocorreu entre 1914 e 1918. Prevendo aumento da pobreza e violência que o futuro conflito mundial causaria, centenas de milhares de famílias europeias, começaram a deixar o Continente, buscando nas Américas do Sul, Norte e Central, uma nova vida. O Brasil recebeu centenas de milhares de imigrantes, entre eles, imigrantes vindos da Letônia, que juntamente com Estônia e Lituânia, formam os países Bálticos, situados no Nordeste da Europa, às margens do Mar Báltico. (foto abaixo do termômetro em Monte Verde MG, de autoria de Ricardo Cozzo)          
              Esses países, desde o seu surgimento na Idade Média, tem uma longa história de dominação por por várias nações, desde suas origens, sendo a última, pela extinta União Soviética. Somente a partir de 1990, com o fim da era soviética, que os Países Bálticos, se tornaram nações independentes. A Letônia, em letão a pronuncia é Latvija ou Latvia, fazendo fronteira com a Estônia, Rússia, Bielorrússia e Lituânia. A Letônia é banhada pelo mar Báltico. É um pais pequeno, com apenas. 1,92 milhão de habitantes. Sua capital, Riga, conta com cerca de 633 mil habitantes. Quem nasce na Letônia é chamado de letão ou leto. No decorrer da matéria você conhecerá a história de Monte Verde, fundada por imigrantes letões e verá fotos atuais da charmosa vila europeia mineira.
          Entre esses imigrantes, estava a família de Verner Grinberg, nascido em 1910, na Letônia. Chegaram ao Brasil em 1913, quando Verner tinha apenas 3 anos. O pai de Verner, era um exímio construtor de casas, em madeira. Trouxe esse ofício para o Brasil e ensinou aos filhos. A história dessa família é de grande importância para Minas Gerais. Foi letão Verner Grinberg que fundou Monte Verde, charmoso distrito de Camanducaia, no Sul de Minas Gerais. O fundador de Monte Verde, morreu em 13 de agosto de 2006, aos 96 anos. (foto abaixo de Ricardo Cozzo, apresentação de letões em Monte Verde)
     Na Letônia, tinham boas notícias do Brasil, vindas de letões que por aqui já viviam. Um país de grande extensão territorial, florestas densas, terras férteis, inverno menos rigoroso que na Europa, além de terem como plantar e colher duas vezes ao ano.
          A família e outros imigrantes letões, chegaram em São Paulo e foram viver, inicialmente, em Pariquera-Açu, no Vale da Ribeira. Mas não se adaptaram à região, se mudando para São José dos Campos, em seguida, foram viver em Campos do Jordão. Essa região tinha grande presença de letões e como madeireiro, a família de Verner, se dedicava a fazer casas, hotéis e móveis, usando árvores nativas, como o pinheiro e a peroba. O trabalho era duro, com serras manuais, mas um trabalho que deixou uma grande herança cultural nas cidades em que a família e todos os letões passaram. Nesta época, Campos do Jordão estava em formação e era um lugar para tratamento de tuberculose.
          Aos 7 anos de idade, a mãe de Verner faleceu e a família se mudou para a região de "Alta Paulista", vivendo em Inúbia Paulista, onde estavam construindo uma estrada de ferro, havendo necessidade de muita mão de obra. Os letões trabalhavam na construção da ferrovia. A família de Verner, se dedicava a construção de casas de madeira para os operários e funcionários da ferrovia. Usavam a peroba, nas construções. Nessa época, por volta de 1922, já havia uma grande colônia de letões nesta região, tendo chegado de uma só vez, cerca de 2 mil letões. Foi desse grupo que chegou, que Verner conheceu Emília Grinberg, com quem se casou em 1934. Emília era soprano e solista e contava no coro da Igreja Batista de Varpa, distrito de Tupã/SP. (foto acima e abaixo de Ricardo Cozzo, apresentação de letões em Monte Verde)
          Como aprendeu com seu pai, Werner se dedicou a profissão que o pai lhe ensinara e montou uma serraria, abastecendo a região com madeiras, já que a carência era muita, devido ao crescimento da região e chegada de novos moradores e imigrantes. (fotografia  abaixo de Ricardo Cozzo, apresentação de músicos letões em Monte Verde)
          Desde quando a família decidiu deixar a Letônia, sonhavam em encontrar no Brasil, um lugar que tivesse semelhança com seu país de origem, em clima, paisagens, belezas naturais e que fosse um lugar saudável para se morar. Verner já tinha ouvido falar, desde menino, que existia um lugar assim, desse jeito que a família queria, que lembrava muito a Letônia, chamado de "Campos do Jaguari", mas ninguém saiba sabia onde era lugar.
          O tempo passou, a vida e o trabalho continuaram, até que em uma de suas viagens de negócios, um de seus compatriotas, disse que encontrou o tal lugar que Verner falava, o "Campos do Jaguari". Procuraram informações sobre esse lugar. Werner e seu pai, saíram do Oeste de São Paulo de trem, em 1938, seguiram o trajeto de jardineira e por fim, a cavalo, porque não havia estradas para lugar que buscavam. O cantinho da Letônia, que tanto sonhavam, encontrava-se a 1555 metros de altitude, numa região com baixíssimas temperaturas, onde poucos arriscavam viver. Esse lugar que tantos buscavam, "Campos do Jaguari, ficava em Camanducaia, no Sul de Minas Gerais. (fotografia acima e abaixo de Ricardo Cozzo)
          Quando chegaram, havia no local alguns poucos mineiros, que trabalhavam numa fazenda. Procuraram conhecer toda a região, subindo montanhas e topos de picos, como o do Selado. Ficaram encantados com o lugar. Uma região montanhosa, com florestas de pinheiros (araucárias) e campos abertos, além de rios, cachoeiras, córregos e nascentes. Do jeito que sonhavam e imaginavam. A região lembrava exatamente as belezas naturais da Letônia. Se interessaram de imediato em comprar terras na região. 
          Inicialmente, adquiriram 5 alqueires de terras e registram a nova propriedade no cartório de Camanducaia. Compraram as terras, com as economias que fizeram, nos anos de trabalho duro na serraria da família. Voltaram e retornaram com a família para demarcar suas terras. Vieram com Verner, seu pai, seu tio, Karlis Kempis, seu primo, Raymondo Kempis, sua esposa, Emília, e sua cunhada, Ilga.
          Vieram recomeçar suas vidas, a partir do sonho de viver num lugar que lembrasse seu país de origem. O começo não foi nada fácil. Montaram uma barraca de lona, dividida em 2 quartos e uma pequena fogueira, na parte externa, que servia de fogão. Começaram logo os trabalhos de demarcação da área e construção de casas, em madeira, além de comprarem mais terras.
          Ao todo, a família adquiriu cerca de 400 alqueires de terras. Construíram suas moradias no estilo tradicional arquitetônico letão. As casas eram feitas em madeira, já que era esse o ofício da família, bem como o estilo das construções típicas dos letões. A família continuou vivendo em Inúbia Paulista, indo e vindo à região para cuidar da propriedade, mudando-se em definitivo em 1952. (fotografia acima e abaixo de Anthony Cardoso)
          A propriedade dos letões prosperava e mais gente chegava à região, atraídos pela beleza das paisagens e oportunidade de viver numa comunidade e lugar, com paisagem, clima e arquitetura, semelhantes ao seu país de origem. Vinham, gostavam e queriam ficar, de vez. A partir de 1954, Werner e a família, decidiram vender lotes aos no entorno da sede da fazenda. Assim com mais gente chegando a cada dia, foi-se formando um povoado, que crescia com a chegada de letões. De uma fazenda familiar, surgiu assim uma charmosa e movimentada Vila de origem europeia, em Minas Gerais. Começou com 5 pessoas. Hoje são cerca de 6 mil moradores, vivendo no distrito de Camanducaia. Maior até que muitas cidades do Brasil.
          Com o crescimento da Vila, surgiu a necessidade de um nome para o lugar. A esposa de Verner, Emília, resolveu associar seu sobrenome letão, Grinberg, ao local. Grinberg ou "Grün Berg", na escrita alemã. No português, significa, Monte Verde. Lugar de montanhas, rodeada por extensas matas e paisagens bem verdes, com certeza, tudo a ver com o nome. Optaram em chamar o lugar de Grimberg, mas em português, Monte Verde. (fotografia de Anthony Cardoso)
          Em 1956, fundaram a Igreja Batista na Vila, já que os letões que chegavam, eram batistas. Pouco tempo depois, com o grande número de crianças na Vila, Verner percebeu a necessidade de criar uma escola e assim o fez. Introduziu ainda na Vila, energia elétrica, através de um gerador, além de fazer captação de água das nascentes, para abastecer as casas. Foram construídos cerca de 40 km de rede tubular, que levava água à Vila, além de ter construído caixas d´águas nas casas dos moradores. Além disso, fez aberturas de ruas e acesso ao povoado, bem como outras melhorias, que visavam melhorar qualidade de vida de seus moradores. Tudo isso por sua iniciativa própria e ainda bancava do próprio bolso, as melhorias que fazia na Vila.
          Verner enxergava longe. Percebia o potencial turístico do lugar, com as constantes visitas, que chegavam, gostavam e queria voltar. Buscava oferecer melhores condições para que os visitantes se sentissem bem em Monte Verde. Investia e incentiva os moradores a buscarem sempre melhorias em seus estabelecimentos comerciais, calçadas e ruas, melhorando sempre a Vila, para que os visitantes, além de gostar da receptividade, da arquitetura, das belezas, das tradições, da culinária, voltassem e recomendassem Monte Verde para os amigos. (fotografia acima e abaixo de Anthony Cardoso)
          Verner Grinberg, além de grande empreendedor e visionário, tinha paixão por seu país de origem, pela região que escolheu para viver e que muito o orgulhava de ter sido, junto com a esposa, pai, tio e primo, os fundadores de Monte Verde. Amava sua profissão, tinha paixão por carros e também por aviões. Conseguiu seu brevê de piloto em 1942 e claro, adquiriu um avião. Ter um avião era para poucos naquela época e até hoje é. Mas Werner tinha e usava o avião em suas viagens de negócios.
Monte Verde, ao longo dos anos seguintes a sua fundação, foi crescendo, principalmente no turismo. Novas construções foram surgindo, inspiradas no estilo arquitetônico letão como pousadas, hotéis, restaurantes, lojas diversas. Além da arquitetura e tradição, os letões trouxeram também um pouco da cultura e gastronomia do Leste Europeu, combinando perfeitamente com a riquíssima culinária mineira.
          O frio abaixo de zero grau, a arquitetura, a culinária europeia, o estilo de vida diferente do estilo original de Minas Gerais começou a atrair cada vez mais turistas para o distrito.
Desde os anos de 1980, Monte Verde começou a ser descoberta por turistas, não só de Minas, mas do Brasil e do mundo. Hoje é um dos principais pontos turísticos do Estado, no mesmo nível das cidades históricas e estâncias hidrominerais. A vila mudou muito desde sua fundação, mas não perdeu o charme e a simplicidade deixada pelos antigos moradores, ao contrário, o espirito empreendedor e o carinho de Verner Grinberg tinha por Monte Verde, está incorporado em seus moradores e empresários, que investem cada dia mais em melhorias na Vila, tornando-a cada mais charmosa, aconchegante, atraente com mais estrutura para receber os visitantes. (fotografia acima de Anthony Cardoso)
          Do amor e carinho pelo lugar em que vivem, nasceu a vocação de Monte Verde para o turismo.
Hoje a vila possui diversas pousadas, hotéis, desde os mais simples aos mais sofisticados. Tem restaurantes que servem comidas típicas mineiras e europeias. Tem ainda fábricas de chocolate, de cerveja artesanal, queijos, licores, cachaças artesanais e um artesanato original, variado e muito rico. O visitante tem ainda pista de patinação no gelo e várias opções de passeios por trilhas e mirantes da Serra da Mantiqueira. (fotografia de Wellington Diniz)          
          Um detalhe importante é que mesmo com a origem europeia, Monte Verde preserva a mais pura e genuína tradição mineira, seja na culinária, seja nas tradições culturais e folclóricas do Estado de Minas. É uma mescla da cultura europeia, com a cultura rica mineira. Monte Verde hoje é uma das melhores opções de turismo no Brasil que atende a todos os gostos e bolsos de quem quer fugir da agitação da cidade e respirar o ar puro das montanhas mineiras.          Casais adoram passar lua de mel em Monte Verde, pelo romantismo da vila, pelas opções que o local oferece de hospedagem para ocasiões especiais a dois como banheira de espuma ou mesmo saborear um delicioso fondue, tomar chocolate quente ou vinho ao lado de uma lareira nas frias noites de inverno. (fotografia acima de Dener Ribeiro na Chocolateria Monte Verde e abaixo de Ricardo Cozzo)
          Por sua origem, pela arquitetura, pelas paisagens e semelhança do seu clima com o europeu, Monte Verde é conhecida carinhosamente como a "Suíça Mineira" ou “Suíça brasileira”, isso porque toda cidade no Brasil, fundada por imigrantes europeus, já é logo chamada de “Suíça”, mesmo sendo fundada por alemães, ingleses, franceses, dinamarqueses, etc. 
          O fato é que Monte Verde, não tem origem Suíça, seus fundadores vieram da Letônia e a arquitetura original da Vila, tem origem nas construções da Letônia e não da  Suíça. Portanto, Monte Verde é a Letônia brasileira, mas como todos chamam de "Suíça Mineira" e até de "Suíça brasileira", é aceitável como termo carinhoso, já que a Suíça é um país mais conhecido e mais badalado no turismo que a Letônia, mas Monte Verde, além de ser a "cidade dos namorados" e "cidade do chocolate", é a Letônia Mineira ou mesmo, a Letônia brasileira. Em  respeito e honra aos imigrantes da Letônia, pelas dificuldades que tiveram quando aqui chegaram, o esforço para melhorar a Vila, carinhosamente, nós da Conheça Minas, chamamos Monte Verde de "Letônia brasileira" e assim deveria ser, em honra ao país de origem de seus fundadores, Letônia. 
          Não é justo tanto sacrifício, tantas dificuldades vividas pelos letões desde 1938, quando chegaram na região e agora, chamarem Monte Verde de "Suíça". O termo "Letônia brasileira" cai muito bem na cidade dos namorados, da cerveja artesanal, dos queijos, dos doces e do melhor chocolate de Minas Gerais. E por falar em chocolate, as chocolaterias de Monte Verde dão show de sabores e cores com deliciosos sorvetes e chocolates, como este abaixo da Chocolates Montanhês.
          Se for a Monte Verde em dias de verão ou clima ameno, pode curtir passeios de biques, quadriciclos, escaladas, trilhas, corredeiras, mega tirolesa e outras atividades radicais, que o distrito oferece aos visitantes.
          Assim surgiu Monte Verde, pela beleza de suas paisagens, por seu clima europeu e por sua semelhança com a Letônia, país de origem de seus pioneiros. Hoje reconhecida como um dos melhores destinos turísticos do Brasil, dotada de uma excelente estrutura urbana, com uma excelente rede hoteleira, gastronômica e de entretenimento, além de um casario em estilo europeu muito bem cuidado, atraente, com ruas calçadas, arborizadas e floridas, com seus belos e bem cuidados jardins. (fotografia acima de Anthony e abaixo de Ricardo Cozzo)
          Monte Verde, recentemente, entrou para a lista dos 10 destinos turísticos mais acolhedores do mundo, com lista divulgada pela plataforma Booking.com em 2020. Na lista da Booking Monte Verde ficou em nono lugar, sendo o único destino nas américas, presente na lista. Os outros 9, estão na Europa e Ásia
          Se for a Monte Verde em dias de verão ou clima ameno, pode curtir passeios de biques, quadriciclos, escaladas, trilhas, corredeiras, mega tirolesa e outras atividades radicais, que o distrito oferece aos visitantes. (foto acima de Mônica Milev e abaixo de Ricardo Cozzo)
          Camanducaia e Monte Verde estão na divisa dos municípios de Cambuí, Córrego do Bom Jesus, Paraisópolis, Gonçalves, Sapucaí-Mirim, Extrema e Itapeva, com acesso pela BR-381, que liga Belo Horizonte a São Paulo. 
(Agradecimentos à Mônica Milev, Wellington Diniz, Ricardo Cozzo e Anthony Cardoso/@anthonyckn, pela cessão das fotos)

39 comentários:

  1. Nossa! encantada com essas imagens,
    e tem tanta coisa linda!?
    Obrigada amiga, vou passar um precioso
    tempo, vendo essas maravilhas
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. A BELA MONTE VERDE, A SUÍÇA DE MINAS!

    ResponderExcluir
  3. Estou querendo conhecer!!! Acho que vou amar!!

    ResponderExcluir
  4. Que linda cidade, a Suiça em Minas!

    ResponderExcluir
  5. Matéria muito tímida, por tudo que MONTE VERDE oferece. Dá de 10 em Camposdo Jordão. Todo casal merece, pelo menos, um fim de semana romântico na cidade!

    ResponderExcluir
  6. Matéria muito tímida, por tudo que MONTE VERDE oferece. Dá de 10 em Camposdo Jordão. Todo casal merece, pelo menos, um fim de semana romântico na cidade!

    ResponderExcluir
  7. Fui rapidamente. Quero voltar para aproveitar. Lindo demais. Gostaria de morar lá! Maravilhoso!

    ResponderExcluir
  8. Como o Brasil tem lugares lindos, encantada!

    ResponderExcluir
  9. Muito lindo o lugar. Sou residente de Marlborough, estado Massachusetts regiao perto de Boston nos EUA. Entao, convivo com clima extremamente frio no inverno. Bom saber desse lugar tao lindo no Brasil tropical.

    ResponderExcluir
  10. Trajeto de juiz de fora até Monte Verde por asfalto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a mesma rodovia caxambu-juiz de fora. Quando chegar na fernão dias é só seguir placas....
      Luiz

      Excluir
  11. Sim, vindo pela Fernão Dias, e depois, estrada totalmente asfaltada da sede do município, Camanducaia, até a vila. Somos a SUÍÇA MINEIRA. Suíça Brasileira é Campos do Jordão!!!!

    ResponderExcluir
  12. Já fomos em Monte Verde e não tivemos boa experiência. Ao fechar o hotel procura bastante informações e sempre leva uma cópia do ficou combinado. Realmente a cidade maravilhosa mais tem cada hotel horrível!!!!

    ResponderExcluir
  13. Quero conhecer Está Cidade maravilhosa

    ResponderExcluir
  14. Parece outro país...adoraria conhecer e curtir esse clima;sair do calor abafado de Miranda...

    ResponderExcluir
  15. ÓÓÓ Minas Gerais. Quem te conhece não esquece jamais....

    ResponderExcluir
  16. gostaria de um contato deste lugar

    ResponderExcluir
  17. 35-91853417. Chalés Dona Zenta.
    Daniel ou Nice
    Jat fiquei diversas vezes
    Ambiente simples, aconchegante e caloroso

    ResponderExcluir
  18. Quem for vai querer voltar sempre.

    ResponderExcluir
  19. Quem for vai querer voltar sempre.

    ResponderExcluir
  20. A rodovia ligando o aeroporto de guarulhoa à cidade é toda asfaltada?

    ResponderExcluir
  21. Conheço Monte Verde, muito lindo, maravilhoso, fiquei no Green Montes, um hotel fazenda e não queria mais vir embora!! Chales lindos, comida maravilhosa, café da manhã então...sem palavras!!

    ResponderExcluir
  22. Eu amo essa cidade pena já fazer tempo eu não ir. Eu vou me mudar quando puder e viver aí pra sempre.

    ResponderExcluir
  23. Conheci há mais de quarenta anos e fiquei encantada com o lugar. Voltei há quatro anos e foi uma decepção.

    ResponderExcluir
  24. Leve bastnte dinheiro, fia. Tudo muito caro!

    ResponderExcluir
  25. Sinceramente a foto valoriza o lugar que não é tudo isso não..

    ResponderExcluir
  26. Afinal, Monte Verde é cidade ou distrito de Camanducaia?

    ResponderExcluir
  27. Gostaria muito de ir nesse período,pq da da outra parte de minas gerais está muito calor.

    ResponderExcluir
  28. minas gerais abandona sua identidade para se apresentar como "suíça". Muito triste!

    ResponderExcluir
  29. Eu e minha esposa tivemos a felicidade de conhecer essa linda e aconchegante cidade.
    Gostamos tanto que estamos pensando em nos mudar de SP para Monte Verde.

    ResponderExcluir
  30. Correção: acredito ser o contrário: Grin = verde e Berg = monte. Afinal os Icebergs são montes de gelo e não gelos de verde.

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores