Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quinta-feira, 26 de maio de 2022

15 Capitais de Minas Gerais - Parte II

(Por Arnaldo Silva) Essa é a segunda parte da série 30 "capitais de Minas Gerais. Foram 15 na primeira parte, completando 30, com a segunda parte.
          Belo Horizonte é a capital administrativa de Minas Gerais, mas em todas as 12 regiões mineiras, cidades se destacam como "capitais", não só de Minas Gerais, mas do Brasil e do mundo, que as torna referências nesses ramos. 
          Seguindo a ordem alfabética da parte I, apresentamos as outras 15 “capitais” de Minas Gerais, totalizando 30 importantes cidades mineiras, se destacando como "capitais" em diferentes atividades como na gastronomia, indústria, artesanato, cultura, confecções, religiosidade, bebidas, moda, carnaval, confecções, pedras preciosas, agricultura, pecuária, etc.

01 - Monte Sião - Capital da Moda, Tricô e das Porcelanas

          Cidade tradicional em Minas, dota de ótima estrutura urbana e qualidade de vida, Monte Sião fica no Sul de Minas, distante 470 km da Capital, Belo Horizonte. A cidade conta hoje com cerca de 24 mil habitantes. (fotografia de Marcos Pieroni)
          Com uma ótima rede gastronômica e hoteleira, belas praças, um casario charmoso, além de ser uma estância hidromineral, Monte Sião é muito bem estruturada para receber visitantes.
          Se destaca pela Festa do Peão, que acontece no mês de março e por ser a única cidade no Brasil, que fabrica porcelanas nas cores azul e branca.
          Sem dúvida alguma, o destaque da cidade é a indústria têxtil, principal atividade econômica do município, com mais de 2 mil estabelecimentos, entre indústrias e comércios de malhas e tricô, tradição que chegou à cidade no século XX, pelas mãos de imigrantes italianos. Por sua tradição, qualidade de suas malhas e tricôs, além de sua estrutura, Monte Sião é a Capital Nacional do Tricô. A cidade recebe todos os dias, um grande fluxo de visitantes, que vem em caravanas para conhecerem as novidades das indústrias de tecidos da cidade, bem como, fazerem compras.
          A presença de turistas é bem maior em épocas especiais, como no Encontro de Fuscas, na Trilha das Malhas, no Festival de Inverno, nas festas de fim de ano e durante a Feira Nacional do Tricô (Fenat), que acontece entre os meses de abril e maio.
02 - Nova Serrana - Capital dos Calçados Esportivos
 
          A cidade fica a 120 km de Belo Horizonte, na Região Centro Oeste de Minas e conta atualmente com mais de 105 mil habitantes. Cidade industrializada, com ótima estrutura para o turismo de negócios e eventos diversos, graças a sua indústria calçadista. A cidade produz calçados desde 1948 e cresceu em torno desse ramo industrial. Conta atualmente com milhares de empresas de pequeno, médio e grande porte, gerando emprego e renda para milhares de pessoas. (fotografia acima de @newdronens)
          Nova Serrana responde pela produção de 55% dos calçados esportivos no Brasil, sendo considerada por isso, a Capital dos Calçados Esportivos. Todos os anos, duas vezes ao ano, organiza a maior feira de calçados de Minas Gerais, a Fenova, evento que mobiliza todo o setor e atrai compradores de todo o país.
03 - Patos de Minas – Capital Nacional do Milho
          Patos de Minas, na Região do Alto Paranaíba, hoje com cerca de 154 mil habitantes é conhecida no país inteiro como a Capital do Milho. A tradição é tanta, que o milho e seus derivados, fazem parte da história da cidade. Desde 1958, em Patos de Minas, acontece uma das maiores festas rurais do Brasil, a Festa Nacional do Milho, a FENAMILHO, na data de aniversário da cidade, 24 de maio, dia declarado como o Dia Nacional do Milho. (foto acima de Deocleciano Mundim)
          A cidade é bem estrutura, industrializada, e com uma agricultura forte, com produção, além do milho, de girassóis, cana-de-açúcar, tomate, sorgo, batata-doce, mandioca, soja, café, feijão, dentre outras culturas. Além disso, é muito bem organizada, com uma boa rede hoteleira e gastronômica, além de atrativos arquitetônicos como o Memorial da Casa da Cultura do Milho, a Igreja de Nossa Senhora das Dores, a Casa de Olegário Maciel, a Catedral de Nossa Senhora da Guia, a Igreja de Santo Antônio, Shoppings, a Lagoa Grande, a Cachoeira das Irmãs, dentre outros atrativos. 
04 - Piranguinho - Capital do Pé de Moleque
          Com cerca de 9 mil habitantes, distante 435 km de Belo Horizonte, Piranguinho, no Sul de Minas, se destaca por ser a capital de um dos mais saborosos doces do Brasil, o Pé de Moleque. É o maior símbolo gastronômico da cidade, um uma das identidades gastronômicas de Minas Gerais. (foto acima do André Uchôas)
          O doce tem tradição desde a chegada das ferrovias na região, nas primeiras décadas do século passado e movimenta a economia da cidade, gerando emprego e renda para centenas de famílias. O autêntico e legítimo Pé de Moleque de Piranguinho tem selo de qualidade. A cidade ainda organiza, no mês de junho, a Festa do Pé de Moleque, em conjunto com as Festas Juninas. No evento, além das tradições comidas típicas, danças, músicas e shows, é apresentado o maior pé de moleque do Brasil, com uma média de 24 metros de comprimento, servido à população presente.
05 - Paracatu - Capital Mundial do Pão de Queijo

          Paracatu, é uma cidade histórica, da Região Noroeste de Minas Gerais. Distante 483 km de Belo Horizonte, com cerca de 95 mil habitantes. Fundada em 20 de outubro de 1798, no século XVIII, Paracatu é uma das mais belas, charmosas e acolhedoras cidades mineiras. (na foto acima de Thelmo Lins, o caminho que ligava Minas a Goiás, no século XIX)
          Cidade com excelente estrutura urbana, turística e tradicional, Paracatu, desde sua origem, se destaca por sua pecuária leiteira. Nas cozinhas paracatuenses, do leite, eram feitos queijos. Tanto um, quanto outro, sempre foram os principais ingredientes para as quitandas, que saem dos fornos das casas e cozinhas das fazendas do município. Uma dessas quitandas, é o nosso tradicional, pão de queijo.
          O pão de queijo tradicional, como conhecemos, é escaldado, com uma mistura de leite e óleo quente. Em Paracatu, não se escalda a massa do pão de queijo. Todos os ingredientes e o modo de preparo do pão de queijo tradicional, são os mesmos, mas o leite e o óleo, não são aquecidos. É um pão de queijo sem escaldar, simples assim. E é ótimo!
          Esse modo de fazer pão de queijo de Paracatu, é uma tradição secular, embora não seja possível precisar quando a tradição começou, acredita-se que sua origem tenha sido do século XIX. Foi passada de geração para geração sendo hoje uma das maiores identidades do município, estando a iguaria, mencionada no Livro de Registros dos Saberes, desde 2015, como Patrimônio Imaterial da cidade e presente em todas as casas, fazendas, padarias e lanchonetes do município.
          Pão de Queijo em Paracatu é uma identidade tão autêntica e enraizada na história da cidade, que a iguaria coloca o município, como a Capital Mundial do Pão de Queijo.

06 - São Tiago – A capital nacional do Café com Biscoito
          Com cerca de 11 mil habitantes, São Tiago, no Campo das Vertentes se destaca em Minas Gerais desde o século XVIII, quando o povoado era ponto de descanso de tropeiros, que aproveitavam para descansar e comer os biscoitos preparados pelos moradores do povoado. (foto acima enviada pelo Deividson Costa/mdm - Agência Digital)
          A tradição perdura por séculos e São Tiago se destaca no país por seus biscoitos e café, feitos no forno de barro e nas dezenas. Além disso, seus biscoitos são produzidos nas várias indústrias locais, que produzem dezenas de biscoitos diferentes, mantendo a mesma qualidade e sabor dos biscoitos feitos, nos fornos de barro.
          Todos os anos, no segundo fim de semana do mês de setembro, acontece a Festa Nacional do Café com Biscoito, um dos maiores eventos gastronômicos do Brasil. Para se ter ideia, durante os dias de evento, a cidade recebe entre 60 a 80 mil visitantes. Isso numa cidade com apenas 11 mil habitantes. Daí dá para perceber o tamanho da importância da cidade e de sua principal festa. É a Capital Nacional do Café com Biscoito.
07 - Sabará – A capital da jabuticaba
        Sabará, foi a terceira vila do ouro de Minas e está apenas 20 km de Belo Horizonte. A cidade histórica, que guarda relíquias do Barroco Mineiro, com obras do Metre Aleijadinho e Ataíde, se destaca hoje pela jabuticaba. (a Jabuticaba-Sabará, na foto acima de Sabará e Sabor/Restaurante Jotapê em Pompéu, distrito de Sabará MG)
          Fruta nativa da Mata Atlântica, a jabuticaba é tão importante para a cidade, que uma das 15 espécies existentes de jabuticaba, carrega seu nome: Jabuticaba-Sabará. Nos quintais do município, a fruta está presente e dos quintais sabarenses, saem vinho de jabuticaba, cachaça, licor, bolo, doce, geleia, molho, sorvete, pudim e diversos pratos com a fruta Jabuticaba-Sabará, que é um dos patrimônios do município, bem como os derivados da fruta, que tem selo de origem. 
          Todos os anos, entre novembro e dezembro, época de temporada, acontece o Festival da Jabuticaba, com shows, exposição de arte local e são apresentados todos os derivados da jabuticaba nos 3 dias de eventos. A cidade é a Capital da Jabuticaba.
08 - Salinas - Capital da Cachaça
          Distante 640 km de Belo Horizonte, Salinas, no Norte de Minas se destaca no mundo inteiro por sua bebida destilada de cana. A cachaça, movimenta alambiques e indústrias, gerando emprego e renda para centenas de famílias. São cercas de 50 marcas de cachaças, com destaque para a Havana, reconhecida como Patrimônio Cultural e Imaterial de Salinas. As cachaças de Salinas são comercializadas em todo o Brasil, sendo ainda exportada para vários países. (na foto acima de Epídio Justino de Andrade, uma das salas do Museu da Cachaça de Salinas)
          A cidade de 42 mil habitantes, conta óptima estrutura urbana para receber visitantes, bem como um museu dedicado a contar a história da bebida, além de organizar todos os anos, no mês de julho, o Festival Mundial da Cachaça, bebida que faz de Salinas a Capital da Cachaça, reconhecida pela Lei Federal, nº 13.773, publicada no Diário Oficial da União em 19/12/2018. 
09 - Santo Ant. do Monte - Capital dos Fogos de Artifício
          Com cerca de 30 mil habitantes, a cidade de Santo Antônio do Monte, no Centro Oeste de Minas, a 185 km de Belo Horizonte, se destaca no Brasil por suas indústrias de fogos de artifícios, os populares, foguetes. A cidade responde por 80% da produção de fogos de artifícios no Brasil, além de exportar para vários países, sendo por isso, a Capital Nacional dos Fogos de Artifícios. A cidade organiza todos os anos, geralmente em novembro, a tradicional Festa do Foguete, com shows pirotécnicos, musicais, comida típicas e mostra da indústria. (foto acima de Arnaldo Silva) 
10 - Santa Rita do Sapucaí - Capital dos Eletrônicos
          A cidade fica na Região Sul de Minas, a 406 km da capital e conta atualmente com cerca de 45 mil habitantes. É um dos mais importantes polos eletrônicos do país, sendo a cidade uma potência tecnológica em Minas Gerais. (fotografia acima de Leonardo Souza/@jleonardo_souza_srs)
          Por sua importância, é comparada ao famoso Vale do Silício, polo tecnológico da Califórnia, nos Estados Unidos, nos anos 1950. O município abriga o Vale da Eletrônica, formado por mais de 150 empresas de setores que vão da informática à telecomunicação, produzindo mais de 13 mil produtos, como fios, placas e softwares, chip do passaporte eletrônico, transmissor de TV, urnas eletrônicas, utilizadas nas eleições, dentre outros produtos eletrônicos. 
          Santa Rita do Sapucaí é a única cidade brasileira que produz e exporta tokens e transmissores digitais. Seus produtos, abastecem o mercado nacional e internacional. Além disso a cidade é considerada “cidade criativa”, por suas inovações e reciclagem, além de oferecer uma excelente estrutura urbana, um setor de serviços eficiente, uma boa rede hoteleira e gastronômica, além de ser uma cidade muito bonita e acolhedora.
11 - São Gotardo – A capital nacional da cenoura
          São Gotardo, na Região do Alto Paranaíba, conta atualmente com cerca de 36 mil habitantes. Está na região onde encontra-se o PADAP (Programa de Assentamento Dirigido do Alto Paranaíba), formado pelos municípios de Campos Altos, Ibiá, Matutina, Rio Paranaíba, Tiros e São Gotardo, que conta com grande presença de descendentes de imigrantes japoneses, que vieram para a região, trabalhar na agricultura. Essas cidades juntas, formam um dos maiores polos hortifruti do país, com grandes variedades de frutas, legumes e hortaliças, plantados em cerca de 50 mil hectares. A atividade agrícola é hoje, uma das maiores geradoras de emprego e renda nas cidades do PADAP. (na foto acima do Emílio Mendes Ferreira, a Paróquia de São Sebastião)
          Um dos maiores produtos da região, é a cenoura, com a cidade de São Gotardo se destacando no país, sendo atualmente, a Capital Nacional da Cenoura, além de produzir outras variedades de hortifrutis. A cidade organiza, desde 1997, uma das maiores festas do interior do Brasil, a Festa Nacional da Cenoura (FENACEN). A festa atrai milhares de turistas para a cidade e apresenta mostras de novas tecnologias agrícolas, concurso de culinária e barracas com pratos típicos, principalmente, feitos com cenoura, bem como a eleição da Rainha Nacional da Cenoura, grandes shows musicais, etc.
12 - Teófilo Otoni - Capital das Pedras Preciosas
          Com mais de 145 mil habitantes, Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, é uma das maiores e mais importantes cidades de Minas Gerais e de grande destaque internacional. Distante 450 km de Belo Horizonte, a cidade tem tradição na mineração, já que seu subsolo é riquíssimo em pedras preciosas como berilo, ametista, água marinha, topázio, espodumênio, opala, calcita, alexandrita, turmalina, crisoberilo, olho-de-gato, quartzo rosa, dentre outras tantas pedras preciosas. (fotografia acima de Sérgio Mourão)
          São mais de 3 mil oficinas na cidade, dedicadas a essa atividade, gerando emprego e renda. Por isso que Teófilo Otoni é referência internacional em pedras preciosas e considerada a Capital Mundial das Pedras Preciosas. Não é capital de Minas e nem do Brasil, em termos de pedras preciosas, Teófilo Otoni é reconhecida como polo mundial na lapidação e comercialização pedras preciosas. É a Capital Mundial das Pedras Preciosas.
          A cidade conta com uma excelente estrutura urbana, com rede hoteleira, gastronômica e de eventos eficientes, já que na cidade acontece todos os anos, feiras, congressos, workshops e exposições culturais e científicas. Um desses eventos que atrai para cidade turistas vindos de todas as regiões do Brasil e de vários países do mundo, é a Feira Internacional de Pedras Preciosas (AFIPP), um dos maiores eventos do gênero, no mundo.
13 - Timóteo - Capital do Inox
          Timóteo, distante 196 km de Belo Horizonte, conta com cerca de 91 mil habitantes, fazendo parte do Vale do Aço. É uma das mais industrializadas cidades mineiras, com diferentes ramos de atividades, além de um comércio diversificado, uma excelente estrutura urbana, principalmente para turismo de negócio e rede hoteleira e gastronômica de qualidade. (fotografia acima de Elvira Nascimento)
          Desde 1944, Timóteo se destaca na produção do aço inox, com instalação na cidade da Companhia de Aços Especiais Itabira (Acesita), privatizada em 1992, com o comando da empresa assumido, desde essa época, pela Aperam South America. Atualmente é comandada pela ArcelorMittal Inox Brasil, uma das maiores empresas do setor metalúrgico e siderúrgico do mundo, dotada de altíssima tecnologia. Atualmente, a empresa em Timóteo, é a maior produtora de aço inoxidável da América Latina.
          O Aço Inox faz parte da identidade e orgulho do povo timotense, com a cidade se destacando no Brasil como a Capital do Inox. Vem ganhando destaque ano a ano, um dos grandes eventos de negócios de Minas Gerais, a Expo Inox. Uma grande feira que reúne as novidades do setor de inox, com a presença de expositores do ramo.
14 - Ubá - Capital mineira da indústria moveleira
          Distante 290 km de Belo Horizonte, na Zona da Mata e com cerca de 120 mil habitantes, está Ubá. É uma das principais cidades de Minas, destaque no Brasil, não apenas pela manga que leva o nome da cidade, mas por sua fortíssima e diversificada indústria moveleira. Sua produção de móveis, além de estar presente no mercado nacional, vem ganhando a cada ano, espaço no mercado internacional. (fotografia acima de Elpídio Justino de Andrade)
          Ubá é o primeiro polo moveleiro de Minas e o terceiro do país. O polo moveleiro de Ubá é formado ainda pelas cidades de Guidoval, Piraúba, Rio Pomba, Rodeiro, São Geraldo, Tocantins e Visconde do Rio Branco. Consolidando sua liderança no setor moveleiro em Minas, todos os anos, a cidade organiza a Feira de Móveis de Minas Gerais (FEMUR), um dos maiores eventos desse ramo no país.
15 - Uberaba - Capital Mundial Gado do Zebu
          Uberaba, no Triângulo Mineiro, conta mais de 340 mil habitantes e está, distante 480 km de Belo Horizonte. A cidade se destaca em Minas pela sua qualidade de vida, excelente estrutura urbana, pelas suas indústrias e atividades agrícolas como a soja, sementes de girassol, cana-de-açúcar, milho, etc., e principalmente na pecuária, em destaque, a criação de gado da raça Zebu. (na foto acima o Parque de Exposições Fernando Costa de Uberaba. Foto:ACBZ/Divulgação)
          O Zebu é uma raça de gado de origem indiana e chegou à cidade, no início do século XX. Desde a chegada do Zebu à Uberaba, a raça bovina se desenvolveu, graças a estudos, pesquisas, investimentos em melhoramentos genéticos da raça zebuína e na melhora da qualidade dos embriões bovinos. Isso fez de Uberaba ser uma referência na área de genética animais e ser a capital do gado zebu, no mundo. São 215 milhões milhões de cabeça de gado Zebu, no Brasil, o que faz do país ser o maior exportador mundial de carne e o o quarto maior produtor leiteiro do mundo.
          Em Uberaba, está uma das mais conceituadas empresas de inseminação pecuária, a Alta Genetics. A matriz da empresa tem sede em Calgary, Canadá, com filiais em mais de 90 países, além do Brasil, em Uberaba, a empresa tem filiais na China, Holanda, Argentina, Estados Unidos, etc.
          Na cidade está instalado o Museu do Zebu e a sede da Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ACBZ) com 23 mil associados, 100 técnicos no campo e 24 escritórios distribuídos em todo o país. Todos os anos, em maio, acontece na cidade uma das mais importantes exposições agropecuárias do mundo, a EXPOZEBU (na foto acima da ACBZ/Divulgação). O evento conta com a presença de personalidades nacionais, empresas e empresários do agronegócio do Brasil e de vários países do mundo. Nos dias da exposição, são apresentadas novidades tecnológicas do setor, leilões de gado, exposição da raça zebuína, além de mega shows com grandes artistas, barracas com comidas típicas, etc.

segunda-feira, 23 de maio de 2022

Senador Amaral: a cidade mais alta de Minas Gerais

(Por Arnaldo Silva) Senador Amaral faz divisa com os municípios de Cambuí, Bom Repouso, Camanducaia, Munhoz e Bueno Brandão. Está a 447 km distante de Belo Horizonte, a 171 km de São Paulo, a 94 km de Bragança Paulista, a 66 km de Pouso Alegre e a 20 km distante de Cambuí. O acesso à cidade é a partir do km 895 da Rodovia Fernão Dias – BR-381, na altura de Cambuí, entrando na MG-295.
          Antigo distrito de Cambuí, no Sul de Minas Gerais, Senador Amaral é uma cidade jovem. Foi elevada à cidade emancipada em 1992. Com 1496 metros de altitude, acima do nível do mar, é o município mais alto de Minas Gerais. (fotografia acima Arquivo Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Senador Amaral e abaixo, a Praça da Matriz, de autoria de Léo Flores)
          Além disso, Senador Amaral é o também o segundo município de maior altitude do Brasil, atrás apenas de Campos do Jordão/SP que está a 1640 metros de altitude.
O nome e origem
          Senador Amaral tem origem no final do século XIX, a partir de 1890 com a formação de um povoado no entorno da Igreja de São Sebastião, em Cambuí MG, em terras doadas pela família Borges. O lugar passou a se chamar São Sebastião dos Campos da Lagoa Grande. Adotou o nome de Senador Amaral em 1948, quando a vila foi elevada à distrito, permanecendo esse nome até os dias de hoje. (vista parcial da cidade. Fotografia da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Senador Amaral)
          O nome da cidade é em homenagem a Eduardo Amaral, nascido em 16 de agosto de 1857 em Pouso Alegre MG. Foi vereador em Pouso Alegre, deputado Estadual entre 1911 e 1914 e senador entre 1915 e 1922.
Atrativos
          Cidade tranquila, pacata, com povo hospitaleiro e acolhedor, conta atualmente com pouco mais de 5.500 habitantes. (fotografia acima e abaixo: arquivo Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Senador Amaral)
          A cidade possui uma boa estrutura urbana, com um comércio variado, bom setor de prestação de serviços, charmosas e atraentes fazendas, pousadas, hotéis e restaurantes com comidas típicas, belezas naturais como matas nativas, campos e cachoeira paradisíacas, além de seu clima e de altitude, que a torna uma estância climática.
          Tem no setor agropecuário a base de sua economia, destacando-se as culturas do morango, brócolis e batata, além de ser um dos grandes produtores de flores e frutas vermelhas, graças a riqueza de seu solo. (foto acima: arquivo da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Senador Amaral)
Baixas temperaturas
          Além disso, é uma das cidades mais frias de Minas Gerais e do Brasil, com invernos rigorosos, abaixo de zero grau nos dias mais frios entre maio, junho e julho, que muda totalmente a paisagem do município.
          Para quem ama o frio, é uma das cidades mineiras mais atrativas. O inverno em Senador Amaral se iguala ao de Maria da Fé, Barbacena, Alto Caparaó, Gonçalves, Bueno Brandão e Marmelópolis, cidades mineiras consideradas as mais cidades frias do estado. (Fotografia acima de Evanil Emiler e abaixo, de Pedro Donizete de Freitas, do Pesqueiro do Caneca, a -2°C).
          Mesmo com temperaturas negativas e fortes geadas, nessas cidades só não neva devido o bloqueio das frentes frias pela massa de ar seco que predomina em Minas Gerais, durante o inverno. Essa massa de ar seco tem como característica principal a baixa umidade, o que dificulta com isso a ocorrência de neve em Minas Gerais.
Atrativos
          Entre os atrativos de Senador Amaral está o mirante da Pedra dos Garcias, a Pedra da Onça, a Cachoeira 3 Irmãos, a Cachoeira do Luís, a Cachoeira dos Avestruzes, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, o artesanato, os queijos e doces, Apiário Flores da Serra.
          Além disso, o visitante tem a oportunidade de conhecer plantações com diversidades de flores produzidas no município como orquídeas, astramélias e cravos. São campos de flores e mais de 3 mil estufas, além de plantações de morangos, framboesa, amora e blue berry (mirtilo).
O Vale do Egito
          É um pitoresco e inusitado complexo turístico formado por torre com uma vista em 360 graus, conhecida como “Castelinho”, que lembra as torres de antigos castelos, esfinge e enigmáticos túneis em estilo egípcio, construídos abaixo de uma serra. (foto acima e abaixo arquivo: Pousada Castelinho/Divulgação)
          São construções inspiradas na arquitetura do Vale dos Reis, do antigo Egito. O Vale dos Reis do Egito é um complexo de túneis, escavados entre montanhas. Esses túneis era passagem para tumbas, construídas para os faraós e nobres egípcios, entre os séculos XVI e XI, a. C.
          Inspirado no Vale dos Reis no Egito, foi construído em Senador Amaral, no Sul de Minas, seguindo o estilo egípcio. Da entrada principal, até a saída, são 210 metros de túneis. No trajeto, podem ser vistos os espaços para as tumbas, onde eram colocados os faraós e nobres. Para percorrer todo o trajeto, é necessário lanterna e guia. (Fotografia acima e abaixo arquivo da Pousada Castelinho)
          O projeto foi executado pelo proprietário da Fazenda, José Francisco Campos, o “Seu” Campos. A inspiração surgiu quando “Seu” Campos visitou o Egito, há décadas atrás.
          Apaixonado pela cultura e arquitetura desse país africano, idealizou em sua fazenda, construções que lembrasse o Egito antigo, principalmente do Vale do Reis. Com o Sr. Campos veio profissionais do próprio Egito para projetarem a obra, que se iniciou na década de 1980 e concluída, mais de 15 anos depois, já no final da década de 1990. (foto acima arquivo: Pousada Castelinho/Divulgação)
          A casarão sede da fazenda, onde no entorno estão as construções egípcias, foi transformado numa pousada, com o nome de Vale dos Reis, o mesmo nome do Vale dos Reis egípcio, mas é popularmente chamada de Pousada Castelinho (na foto acima. Arquivo Pousada Castelinho/Divulgação).
          Além de uma excelente infraestrutura, com quartos espaços confortáveis e requintado, aceita-se camping na área próxima ao Castelinho. Fotografias acima da Pousada Castelinho/Divulgação)
          É a oportunidade de conhecer um pouco da história, cultura e arquitetura egípcia, sem sair de Minas. (fotografia acima e abaixo, interior da Pousada Castelinho/Divulgação)
          Em Minas Gerais está um pouquinho da cultura e arquitetura egípcia.
          Conheça Senador Amaral, terra de gente amiga, hospitaleira e acolhedora!

sexta-feira, 20 de maio de 2022

Cássia e o maior santuário de Santa Rita do mundo

(Por Arnaldo Silva) A cidade de Cássia, no Sudoeste de Minas, distante 392 km de Belo Horizonte, conta atualmente com cerca de 18 mil habitantes. Faz divisa com Ibiraci, Capetinga, Passos, Delfinópolis, Pratápolis e Itaú de Minas.
          O povoado que deu origem à cidade, foi formado em meados do século XIX, a partir d e1850, numa região de parada de tropeiros. Alguns foram ficando e com isso, um pequeno povoado foi se formando. Seus primeiros moradores devotavam Santa Rita de Cássia. Em honra à santa, edificaram uma pequena capela no povoado. (na foto acima de Douglas Arouca, o Santuário e abaixo do Nacip Gômez, a Praça da Matriz de Cássia)
          Em 2 de janeiro de 1866, o povoado foi elevado à distrito, subordinado a Dores do Aterrado, atual município de Ibiraci, com o nome de Jacuí. Em fevereiro1890, o distrito de Jacuí foi elevado à vila e à cidade emancipada nesse mesmo ano. A data oficial do aniversário do município sendo 22 de maio que é o dia e mês do falecimento de Santa Rita de Cássia, padroeira da cidade. Em 1919, a cidade passou a adotar o nome de Cássia.          
A cidade mineira de Cássia
          A cidade é tranquila, charmosa e dotada de uma boa estrutura urbana, com boas pousadas, hotéis, restaurantes, bom setor de prestação de serviços. Seu povo é hospitaleiro e acolhedor.
          Município com forte presença na agricultura regional, se destaca no cultivo de café e banana e também no turismo, já que a Cássia está na divisa com Delfinópolis, uma das cidades da Serra da Canastra. (na foto acima do Nacip Gômez, casario de Cássia e abaixo, a balsa sobre o Rio Grande entre Delfinópolis e Cássia)
          Além disso, suas belezas naturais se destacam como o Rio Grande, a charmosa balsa, paisagens naturais, córregos, nascentes e belíssimas cachoeiras como a Cachoeira da Paz, a Cachoeira da Gruta, a Cachoeira do Luquinha, a Cachoeira do Ouro, a Cachoeira do Itambé (na foto abaixo do Felipe Brazão/@fbimagensaerea), dentre outras belezas naturais.
          A área urbana conta com belos casarões, belas praças e igrejas, o Centro Memorial Antônio Teodora Grilo e agora, a igreja Matriz e agora, o Santuário de Santa Rita de Cássia, inaugurado em maio de 2022.
          A cidade se movimenta nos dias festivos e religiosos, principalmente no dia de Santa Rita de Cássia, 22/05, padroeira da cidade
O maior Santuário do mundo
          A fé e a devoção à santa italiana são tão fortes e marcantes na cidade, que toda a comunidade se uniu na construção do novo Santuário de Santa Rita de Cássia.
          Idealizado pelo empresário Paulo Flávio de Melo Carvalho, 73 anos, natural da cidade e devoto de Santa Rita de Cássia. Carvalho visitou a cidade de Cássia, na Itália, para conhecer e ter mais referências para seu projeto. A obra levou 4 anos para ser concluída e contou com apoio de mais de 100 empresas e da comunidade, além de ter gerado mais de 500 empregos diretos. O edifício foi doado pelo empresário à diocese de Guaxupé. (na foto acima de Douglas Arouca, o Santuário de Santa Rita de Cássia em Cássia MG)
          Erguido numa área de 180 mil m², o santuário possui 100 mil m² só de edificação. Com isso, se torna o maior santuário dedicado à Santa Rita de Cássia no mundo.
          O imponente edifício tem capacidade para receber 5 mil fiéis sentados e 2 mil em pé e estacionamento para 200 ônibus e até mil carros. Conta ainda com centro comercial, velário, sanitários, vestiários, fraldário, praça de alimentação, heliponto e uma réplica da casa, construída entre 1200 e 1300, onde viveu Santa Rita de Cássia.
          O novo santuário atrairá dezenas de milhares de turistas e peregrinos à cidade todos os anos, impulsionando com isso o crescimento da cidade, principalmente no setor de turismo, hoteleiro e gastronômico.
          É o maior santuário dedicado à Santa Rita de Cássia e o terceiro maior santuário do mundo. O maior é a Basílica de São Pedro, no Vaticano e o segundo é o santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida.
          O Santuário de Santa Rita de Cássia é símbolo da fé do povo cassiense e concretização do sonho do empresário Paulo Flávio de Melo Carvalho, que acreditou em seu sonho. Com apoio da comunidade em geral, devoção e fé, o que começou num sonho, se tornou realidade, fortalecendo a cidade como dos mais importantes centros de peregrinação religiosa no Brasil.
Santa Rita de Cássia
          Margherita Lotti, nome de batismo de Santa Rita de Cássia, foi uma freira agostiniana italiana. Nasceu em 1381 na cidade de Roccaporena, próxima à cidade de Cássia, na Itália, onde faleceu em em 22 de maio de 1457.
          Após ficar viúva, optou por seguir a vida religiosa, vocação que sentia ter desde criança, ingressando na Ordem dos Agostinianos. Sábia, amável, caridosa e fervorosa, suas orações curavam, tornando-a amada e sempre procurada pelos fiéis. Após sua morte, passou a ser venerada pelos milagres a ela atribuídos em vida e após sua morte.
          Margherita foi beatificada em 1627 e canonizada em 1900 pela Igreja Católica passando a ser Santa Rita de Cássia, em alusão à cidade em que viveu sua vida religiosa, na Itália.

terça-feira, 17 de maio de 2022

Mexido de banana

(Por Wander Sena) Esta receita é da minha Bisavó “Dª. Sinhá”, e tem sabor de infância. Faz parte da memória das Minas Gerais provavelmente desde o tempo dos tropeiros e bandeirantes.
O mexido de banana é muito forte e provavelmente foi criado por tropeiros em suas andanças. Deduzo isto porque os ingredientes para esta receita podiam ser encontrados em qualquer casa das Minas Gerais.
          Certamente foi criado com esses ingredientes pelas mesmas razões que criaram o feijão tropeiro – Os ingredientes eram fartos e fáceis de serem encontrados.
          Na minha infância ficávamos esperando que os adultos cumprissem a promessa de fazer mexido de banana - submetidos à pedagogia das trocas:
          Se nós ficássemos quietos e fizéssemos tudo o que nos pediam, fariam o mexido de banana. Isto ‘emprestou’ outro sabor ao prato, que ficou impregnado nas nossas memórias. Esta memória de criança é um ingrediente que faz toda a diferença e não está na receita e sim em você. Coloque à vontade! Mesmo que não tenha experimentado deste mexido em sua infância.
          Aí está a receita que me traz boas lembranças.
INGREDIENTES:
• 2Kg de banana prata muito madura com a casca pintando de preto é o ideal porque os açúcares terão mais intensidade.
• 04 ovos.
• Óleo em pouca quantidade, o suficiente para cobrir o fundo da panela que deve ser grande para facilitar a mistura.
• ½ xícara de açúcar.
• ½ queijo Minas em estado de meia cura importante que o queijo seja meia cura para que não derreta totalmente.
• ½ quilos de farinha de milho a farinha de milho com bejús é melhor e a quantidade a ser usada varia conforme a consistência que se deseja dar ao mexido de banana. A consistência ideal é de uma massa que permita fazer as bolinhas de mexido com os dedos, pois comer de colher é não seguir a moda como os tropeiros comiam o mexido.
MODO DE PREPARAR:
• Pique a banana em pedaços bem pequenos e não muito grossos para que se dissolva mais facilmente e separe;
• Pique o queijo em cubos mais grossos e separe;
• Coloque a metade do óleo na panela em fogo alto e antes que esquente muito, coloque os quatro ovos para estrelar. Quando os ovos estiverem no ponto (firme e sem queimar) retire da panela e separe;
• Coloque a outra metade do óleo na panela e deixe esquentar. Depois coloque a banana e ½ xícara de açúcar e vá mexendo para a banana dissolver. 
DICAS
- Utilize uma colher de Pau para fazer o mexido, pois as colheres de metal liberam metais da panela;
- Quando a Banana estive totalmente derretida, diminua o fogo e observe no fundo da panela quando ‘ameaçar’ agarrar (dar a rapa) coloque o queijo e vá mexendo lentamente e em movimentos circulares. 
- Se o queijo for de boa qualidade e estiver em estado de meia cura serão desprendidos fios de queijo no mexido e este é o momento para colocar os ovos e a farinha;
- Adicione o ovo mexido;
- Adicione farinha aos poucos cuidando para que o mexido fique na consistência de uma pasta não muito seca e com a farinha totalmente integrada à massa. Deixar farinha solta no meio do mexido não é bom, pois torna o mexido muito seco. 
          Este mexido de banana varia conforme as preferências e conforme os ingredientes, principalmente conforme o tipo de banana, que deve estar muito madura - já fiz com banana caturra e também fica muito bom, embora com sabor mais forte e mais doce.
Selecione o queijo Minas, de ‘meia cura’ e evite os queijos que hoje em dia vem com amido misturado e não dá a consistência desejada.
          Cuide para que a banana seja totalmente dissolvida para uma consistência adequada do mexido.
          Controle a quantidade de farinha que se for muita, deixa o mexido seco demais.
          Atenção para o ponto da massa que deve estar com a banana totalmente dissolvida e um com um leve indício de sapecado (muito cuidado neste ponto para não ficar com gosto de queimado), com o queijo aparecendo em fios e em pequenos pedaços.
          O ponto da massa é o de se poder comer com as mãos, fazendo bolinhas.
          Vai ser difícil, mas modere na quantidade que vai comer.
Bom apetite! 
(Wander Sena é de Divinópolis MG. O mexido de banana está presente na família por gerações. Fotografias de Arnaldo Silva)        

sábado, 14 de maio de 2022

O pão de Cristo: origem e receita tradicional

(Por Arnaldo Silva) Surgiu na Europa, mas não se sabe quem criou e nem onde começou a tradição de preparar o Pão de Cristo, apenas a certeza que é um dos mais antigos pães da Era Cristã e um dos pães mais consumidos no mundo, desde os tempos antigos, principalmente na Europa. 
          A receita chegou ao Brasil pelas mãos dos portugueses. Por sua origem, simbologia religiosa e superstições que o envolve, tornou-se uma iguaria de grande importância, principalmente a mineira, pela própria tradição religiosa do mineiro. É consumido principalmente aos domingos e em dias festivos, principalmente na Páscoa.
          O fermento é natural e só pode ser obtido com alguém que já o tenha. Ao obter a isca, que é o fermento, a pessoa deverá cultivá-lo até o ponto de formar três porções. Esse fermento (isca) é formado por organismos vivos, que se multiplicam ao longo do tempo.
          Uma dessas porções é fica com quem fez, a outra terá guardá-la, para fazer novos pães e a terceira parte deverá doar a alguém. Quem receber o fermento (isca), terá que fazer o mesmo e assim, sucessivamente.
          O pão leva 3 dias para ficar pronto. Ao sovar a passa, deve-se fazer orações e pedidos a Cristo enquanto sova. Quando o pão estiver pronto, deve ser guardo e consumido 3 dias após de feitos e por fim, consumir uma parte e dividir o restante com os amigos.
          O número 3 está presente nesse receita e não é por acaso. Mas porque o número 3 e não outro?
          Pai, Filho e Espírito Santo formam a Santíssima Trindade. A fé, a esperança e a caridade, são as 3 virtudes que devem ser praticadas pelo cristão. Os Reis Magos eram 3. Pedro negou Cristo por 3 vezes. Jesus morreu numa sexta-feira e ressuscitou ao 3° dias. 
          O fermento (isca) não podia ser preparado durante a Quaresma. Tinha que ser preparado após a Páscoa, pois foi após sua ressurreição que Jesus se torna o Cristo, segundo a fé cristã. O pão é de Cristo e não o pão de Jesus.
          Toda essa simbologia e o ritual de ter que doar uma parte do fermento a alguém preservou a receita original que atravessou milênios. 
          O pão representa para os cristãos, o Corpo de Cristo, embora toda essa simbologia, além do pão simbolizar o corpo de Jesus, gerou ao longo da história, várias superstições. Quem recebia a parte do fermento, não arriscava a perdê-la de jeito nenhum e muito menos deixar de doá-la. Fazia tudo e passava a terceira parte para frente.
          Entre o povo mineiro, religioso, conservador e devoto das tradições não foi diferente e até hoje, nos lares mais simples do sertão mineiro, o ritual de preparo do Pão de Cristo se faz presente.
          O pão de Cristo é mais que um pão assado, que se come acompanhado de um café. Simboliza a fé e religiosidade preservada desde os primórdios da Cristandade. É uma das receitas mais antigas da era Cristã.
          Entendido essa parte, vamos à receita:
INGREDIENTES
- 1º dia (isca)

. 4 colheres (sopa) de farinha de trigo
. 1 litro de água
. 4 colheres (sopa) de açúcar
. 1 colher (sopa) de sal
- 2º dia
. Farinha de trigo até dar o ponto
. 4 ovos mal batidos
. 7 colheres (sopa) de açúcar
. 1 xícara de óleo
MODO DE PREPARO
- 1º dia - Isca:
 Coloque numa bacia a água, as 4 colheres de açúcar, 4 colheres de farinha de trigo e o sal numa bacia.

- Não mexa nos ingredientes, apenas cubra-os com um pano branco.
- 2º dia- Massa: Pela manhã, mexa devagar os ingredientes da isca com uma colher de pau e volte a cobri-la
- A tarde divida o liquido em três partes iguais.
- Passe duas partes para duas amigas e na parte restante acrescente os ovos mal batidos, 1 xícara de óleo, as 7 colheres de açúcar e a farinha de trigo.
- Comece a sovar. Enquanto sova, faça orações e um pedido a Cristo
- Depois de bem sovado, cubra novamente com o pano branco.
- 3º dia - Pão: Pela manhã, pegue um punhado da massa com as mãos, faça moldes grandes e redondos dos pãezinhos e amasse um pouco.
- Coloque-os na assadeira untada com pouco óleo, cubra com pano branco e descansando até a parte da tarde.
- Leve-os ao forno para assar em forno pré-aquecido a 180ºC até que estejam dourados.
- Se preferir, espalhe por cima dos pães coco ralado e sirva com café.
Fotografias Sila Moura em Morada Nova de Minas

terça-feira, 10 de maio de 2022

A região queijeira do Serro

(Por Arnaldo Silva) Fundado em 1714, Serro é um dos mais antigos municípios de Minas Gerais e um dos berços da gastronomia mineira. Cidade de gente simples e acolhedora, preserva sua história, arquitetura colonial e tradição culinária, desde suas origens.
          O Serro conta com pouco mais de 21 mil habitantes, e está localizada ao centro-nordeste de Minas Gerais, na região Central da Serra do Espinhaço, a 325 km de Belo Horizonte. (na foto acima do Sérgio Mourão/@sergio.mourao, os queijos do Serro aos pés da escadaria para a Capela de Santa Rita)
          Sua principal iguaria, o Queijo do Serro, foi reconhecido em 2002 como Patrimônio Imaterial do Brasil, pelo Instituto Patrimônio Histórica e Artístico Nacional (IPHAN). Foi o primeiro queijo brasileiro a receber esse reconhecimento oficial. O queijo do Serro foi o primeiro Patrimônio Imaterial de Minas, reconhecido em 2008 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA/MG).
Características
          É um tipo de queijo artesanal, que há mais de 300 anos tem características definidas. Embora seja um queijo Tipo Minas, não é propriamente Queijo Minas (frescal) e nem os queijos duros, curados.
          É um queijo diferente que recebe influência direta do clima serrano de altitude que varia de 885 até 2002 metros, acima do nível do mar, o tipo de solo úmido e calcário, que favorece o desenvolvimento de pastagens e água de qualidade, além de sua flora bacteriana láctea e fungos únicos, boa parte, somente encontrados nessa região. Esses são os segredos que dão característica, cor, sabor e textura ao queijo do Serro. (na foto acima enviada pelo produtor de queijos Túlio Madueira, do Serro MG, o tradicional Gado Gir)
          Cada peça pesa entre 700 a 1 kg, 13 a 15 cm de diâmetro e 4 a 6 cm de altura. Seu sabor é leve e ligeiramente ácido. Sua massa é compacta e semidura, fina, sem trincas e de coloração amarelo-claro. (na foto acima de Rodrigo Leal, queijos do Serro feitos em Rio Vermelho MG e abaixo, de queijos em maturação do produtor Túlio Madureira, criador da grife do queijo "Trem-ruá", em Serro MG)
          Com o tempo de cura, sua crosta tende a ficar mais fina, levemente amarelada e dependendo do tempo da maturação, apresenta formação de mofos brancos.
          Queijo e Serro, Serro e queijo são sinônimos de tradição. O queijo e a cidade do Serro, são orgulhos do povo serrano, da região e de Minas Gerais.
Receita e harmonização
          Feito a base de leite cru e totalmente artesanal, a receita preservada há mais de 300 anos, foi trazida pelos portugueses, no início do século XVIII, com a receita original adaptada às características serranas, desde essa época. Comparando-se com o queijo da Serra da Estrela, o queijo do Serro se difere por ser mais úmido e ácido, além da flora bacteriana láctea e fungos, em sua maioria somente encontradas nessa região.
          Das queijarias do Serro saem um queijo fino, especial e único que harmoniza perfeitamente com goiabada, marmelada, doce de leite, café, cachaça e vinhos finos. (na foto acima da Nilza Leonel, o Queijo Turvo Grande, do produtor Deodelino, do Serro MG)
          Além disso, em Serro e região são produzidos outros tipos de queijos como o Queijo Prato, a Mozzarella, o Requeijão Moreno e Ricota. E por ser a região um dos berços da culinária mineira, os pratos tradicionais mineiros, bem como quitandas e doces, fazem parte da cultura e história gastronômica serrana.
A Região Queijeira
          O queijo do Serro, com as mesmas características, textura, sabor e modo de preparo, é feito em Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim, Materlândia, Paulistas, Rio Vermelho (na foto acima de Rodrigo Leal), Sabinópolis, Santo Antônio do Itambé, Serra Azul de Minas e Coluna. Essas 10 cidades, juntamente com o Serro, formam a Região Queijeira do Serro, reconhecida pela Secretaria Estadual de Agricultura e Pecuária/Seapa/MG, através de seus órgãos Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e Empresa Mineira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/MG).
          Os queijos produzidos nessas11 cidades são reconhecidos como Queijo do Serro. São cidades de tradição, com uma rica e preservada arquitetura colonial, além de preservarem suas identidades gastronômicas. (na foto acima da Nilza Leonel, o Queijo do Serro feito em Materlândia MG)
          Os queijos do Serro produzidos nessa região, vem com o selo da tradição, da cultura e qualidade da arte tricentenária de fazer queijos do povo serrano.
          É um dos melhores queijos do mundo, premiado em todo o Brasil e em vários concurso mundiais de queijos, entre eles, o Mondial Du Fromage, a copa do mundo dos queijos, competição bienal realizada em Paris/França. (na foto acima, premiações internacionais dos queijos do Serro feitos pelo produtor Túlio Madureira)

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores