Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Aprenda a fazer pão caseiro mineiro

Fazer pão é uma arte. Antigamente os pães eram assados em fornos de barro. Hoje com a praticidade da vida urbana, podemos fazer pão caseiro no forno de um fogão normal. Tem gosto e cheiro de infância feliz. Foi o que fez a Graciela Lopes, que fez esse pão bem mineirinho, que lembra o tempo de nossas avós e nos enviou a receita. Macio, leve, deliciosamente gostoso. Faça também, a receita é bem simples.
Ingredientes:
. 1 kilo de farinha de trigo
. 2 saquinhos de fermento biológico seco de 10 gramas cada.
. 350 ml de água bem morna
. 3 colheres de (sopa) de manteiga
. 3 colheres de (sopa) de açúcar
. 1/2 colher de (sopa) de sal
. 2 ovos caipira

Modo de Fazer
- Numa vasilha grande, dissolva o fermento com a água morna. Reserve
- Numa vasilha acrescente o açúcar, manteiga e os ovos e misture bem.
- Despeje aos poucos a farinha de trigo, mexendo devagar com uma colher de pau. 
- Com a massa mole, acrescente o sal, o fermento e misture devagar.
- Sove bem a massa, se possível numa bancada
- Volte com a massa à vasilha, cubra com um pano e deixe descanso por 1 hora.
- Após esse tempo, divida a massa em três parte, enrole de acordo com a fôrma que possui, untada e enfarinhada. Eu uso as fôrmas de bolo inglês.
- Cubra novamente com um pano e deixe descansando por mais 30 minutos.
- Pincele a superfície dos pães com gema de ovo batido e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC e deixe assando até que fiquem dourados.
Está pronto. Agora é passar o café e  bom apetite!!

Conheça Varginha

(Por Arnaldo Silva) A “Princesa do Sul”, como Varginha é conhecida, (na foto acima de Marselha Rufino) é uma das mais desenvolvidas e importantes cidades mineiras, tendo sido considerada uma das melhores cidades do Brasil para se viver, pela Revista Veja, em 2011. São 135.558 habitantes na cidade, em 2019, segundo o IBGE. Está na região Sul de Minas, a 320 km de Belo Horizonte, fazendo divisa com os municípios de Três Corações, Elói Mendes, Monsenhor Paulo, Três Pontas e Carmo da Cachoeira. A cidade está próxima de famosas estâncias hidrominerais do Sul de Minas como Cambuquira, Caxambu, São Lourenço, Poços de Caldas e das cidades da Região dos Lagos como Fama, Alfenas, Boa Esperança, Guapé (na foto abaixo de Carias Frascoli)
           Como atrativos turísticos, Varginha oferece a seus moradores e visitantes, passeios de barcos, jet skis, casas flutuantes sobre o Lago de Furnas, além de atrações urbanas como a Nave Espacial, uma caixa d´água que lembra um disco voador (na foto abaixo de Carias Frascoli); Estação ferroviária; Parque Zoobotânico; Parque Novo Horizonte; Represa de Furnas; Museu municipal; Parque Centenário; Casarões em estilo colonial e o Clube Campestre de Varginha, na Ilha Grande do Rio Verde.
          A cidade é banhada pelo Rio Verde, que juntamente com o Rio Sapucaí, forma o braço sul da Represa de Furnas, um potencial atrativo turístico da cidade que conta uma ótima estrutura gastronômica e hoteleira, para receber visitantes, seja a passeio ou a negócios já que a cidade possui um dos maiores PIB do Sul de Minas e do Estado, tendo ainda um IDH-M elevado, com baixos índices de desigualdades sociais. 
          A economia do município é baseada no comércio e indústrias em diversos segmentos, destacando a indústria automobilística, eletrônica, injeção de plásticos e de grãos, principalmente, a indústria cafeeira. Varginha é polo na produção de cafés de alta qualidade, sendo um dos maiores produtores e exportadores de grãos atualmente no mundo, encontrando-se no município filiais de grandes empresas do comércio cafeeiro mundial. Segundo dados do Índice Sebrae de Desenvolvimento Econômico Local – ISDEL, divulgados em 2018, Varginha é a quinta cidade com economia mais desenvolvida de Minas, atrás de Belo Horizonte, Contagem, Uberaba e Juiz de Fora. 
          O município é de fácil acesso rodoviário para as principais cidades do país e aeroviário. (foto acima de Athos Alamini Dias) A cidade conta com o aeroporto, Major Brigadeiro Trompowsky (IATA: VAG, ICAO: SBVG). São 2100 metros de extensão por 30 metros de largura, asfaltados, recebendo aeronaves de pequeno, médio e grande porte na categoria 3C do tipo Airbus A319 e Boing B737-700 de 145 passageiros, credenciado pela Agência Nacional de Aviação Civil. A capacidade do aeroporto é de 165 mil passageiros/ano. No aeroporto são prestados ainda serviços de táxi aéreo. Ao lado do aeroporto, está a Estação Aduaneira do Interior, o Porto Seco do Sul de Minas, em franca expansão. 
          Mesmo sendo um dos principais centros produtores de café do mundo, Varginha é famosa no mundo inteiro pela aparição de Extraterrestre. Falou em Varginha, falou de ET, isso é fato. (foto acima de Carias Frascoli)
          A história começou numa tarde de 20 de janeiro de 1996, quando as irmãs Liliane e Valquíria Duarte e a amiga Kátia Andrade Xavier, afirmaram terem visto uma criatura, bípede de 1,6 metros de altura aproximadamente, cabeça grande e corpo fino, com pés em forma de V, pele marrom e olhos vermelhos e grandes. O fato foi exaustivamente divulgado por todas as mídias, chamando a atenção do mundo inteiro para uma possível aparição de Objetos Voadores Não Identificados, o que fez da cidade o centro das atenções no mundo na época e até hoje, o fato, conhecido como “Incidente de Varginha” é estudado pelos estudiosos das questões de OVNIS.
          Mas esse não foi o primeiro caso de supostas aparições de OVINI´s em Varginha. Em 1971, alguns moradores relataram terem visto um OVNI sobrevoando o município, bem como o mesmo objeto foi visto sobrevoando a Escola de Sargentos das Armas, ESSA, em Três Corações. O relato foi divulgado em 2017 pelo Ministério da Aeronáutica. 
          O ET de Varginha, como é chamado, trouxe modificações na paisagem urbana da cidade, com praças e monumentos lembrando o ET e OVINI´s como estátuas, caixas d´água (na foto acima de Carias Frascoli) em formato de disco voador, etc. A figura de ET e discos voadores na cidade são atrativos para os visitantes.      

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Leite ao pé da vaca

(Por Arnaldo Silva) Lembranças e doces emoções sempre marcam nossas vidas. Na roça, antes do galo cantar, todos já estão de pé. Acordava com o mugido do gado no curral que ficava a alguns metros da casa. Abria a janela e aquela cena sempre me vem à mente. Verdes campos a minha frente, ao lado esquerdo plantação de arroz e acima, plantação de café.
          No curral lá estava meu avô, ordenhando. (foto acima de Vilma Santos)
          Ia pra cozinha, pegava um copo esmaltado e colocava farinha de mandioca e um pouco de sal e ia rumo ao curral correndo e feliz. Agachava-me e meu avô ia tirando o leite. O copo enchia. Ás vezes me deixava tirar, mas não saia quase nada, porque eu não tinha força nas mãos ainda, era bem menino.
          O barulho do leite enchendo o copo soa como música aos meus ouvidos. Meu avô sabia tirar leite, saia muito e o copo até espumava.
          Levantava feliz, pegava uma colher e mexia e ia de colherada em colherada, tomando meu leite com farinha e sal. Ainda faço isso até hoje.
          Às vezes tomava o leite puro mesmo. O leite saia quentinho e deixava até bigodinho na gente.

          Eu sempre guardava leite para fazer coalhada. É fácil fazer e mesmo criança, eu fazia. Eu enchia um vasilhame de leite, tampava e deixava coalhar. Esperava um ou dois dias e pronto, era a minha coalhada. Comia com açúcar. (foto de Vilma Santos)
          Hoje a receita de coalhada mais usada é essa que segue:
Os Ingredientes são: 

. 1 litro de leite 2 colheres (sopa) de leite em pó integral 
. 1 iogurte natural 
. Canela e açúcar ou mel, se desejar
A noite é o melhor horário para fazer a coalhada porque o leite tem que descansar.
O jeito de fazer é o seguinte: 
- Ferva o leite e espere esfriar um pouco; 
- Enquanto o leite ferve, misture bem o leite em pó no iogurte até formar um creme; 
- Faça isso na vasilha onde pretende que fique a coalhada; 
- Despeje o leite, já na temperatura ideal, sobre esse creme que está na vasilha e misture bem; 
- Tampe bem sem deixar frestas e se quiser, embrulhe em bastante jornal e deixe até o amanhecer.
- Pela manhã, repare se a coalhada está consistente. Caso esteja, coloque na geladeira
          A coalhada, após muitos dias, fica meio aguada, o que é normal. Dê uma mexidinha e coma, sem problemas. Pode usar essa coalhada para fazer outra, sem utilizar mais iogurte.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Conheça Cristina: a cidade da Imperatriz

Cristina é uma pequena, aconchegante e charmosa cidade no Sul de Minas Gerais. Tem sua origem nos meados do século XIX. Foi fundada em 19 de junho de 1850. A cidade é conhecida como cidade imperatriz por ter seu nome em homenagem a imperatriz Teresa Cristina, esposa de Dom Pedro II, Imperador do Brasil. Quem nasce em Cristina é cristinense. Está a 1025 metros de Altitude e 416 km de Belo Horizonte. Sua população estimada em 2019 era de 10.482 habitantes.
           A cidade está localizada no sul do Estado. Faz divisa com os municípios de Maria da Fé, Dom Viçoso, Carmo de Minas, Olímpio Noronha, Pedralva, Conceição das Pedras.        
            A cidade se chamava anteriormente de Espírito Santo dos Cumquibu. Quem sugeriu a mudança desse nome para o de Cristina foi Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, que nasceu no município, era Conselheiro e tinha influência na Corte Imperial, tendo também ocupado os cargos de Vice-presidente e Presidente Interino da Província de Minas Gerais e o de Deputado Geral do Império, além de ter sido presidente da Câmara de Vereadores. Foi ele que organizou a vinda à cidade da princesa Isabel e seu esposo Conde D´Eu à cidade em 1º de dezembro de 1868. A princesa veio conhecer a cidade que homenageava sua mãe no nome. O conselheiro foi o anfitrião, hospedando a princesa em sua residência na antiga Rua Direita, hoje, Rua Governador Valadares. Além do Conselheiro, outro ilustre cristinense foi Delfim Moreira, 10º presidente da República.
          A economia da cidade de Cristina é baseada em pequenos comércios, fábricas de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) como de luvas e equipamentos de couro, uma fábrica de batata palha, a Batatas Imperatriz e o laticínio Natalac.
          Na agricultura, Cristina se destaca na produção de cafés especiais, sendo o café produzido na cidade reconhecido internacionalmente como um dos melhores do mundo. Um de seus produtores, o agricultor Sebastião Afonso da Silva, teve seu café premiado por duas vezes consecutivas  do Cup Of Excellence (Copa da Excelência), o mais importante concurso de café do planeta, realizado anualmente pela Alliance for Coffe Excelence para identificar os cafés da mais alta qualidade do mundo. 
          Em Cristina destaca-se também a produção leiteira, atividade que envolve cerca de 200 famílias do município na produção de leite e seus derivados, de forma artesanal e para a comercialização.
          Outra riqueza do município é o turismo. O município integra o Circuito Turístico Caminhos do Sul de Minas e é servido pelas rodovias AMG-1905, MG-347 e MGC-383.
São várias e convidativas  cachoeiras como a cachoeira a da Gruta, mais frequentada pro estar bem próxima da cidade. 
          As paisagens nativas são atrativas para o visitante, com rios, nascentes,  belíssimas montanhas e paisagens maravilhosas, bem como a beleza das fazendas do município e suas construções em estilo colonial. 
          Já na cidade, o destaque são para os belos casarões e a Matriz do Divino Espírito Santo. A arquitetura das construções dos casarões da cidade tem traços do estilo barroco do século XIX e outros, com traços do estilo eclético, do século XX. São singelos, charmosos com traços arquitetônicos bem definidos e atraentes.     


          Vale a pena andar pelas tranquilas ruas de Cristina, conhecer  Museu do Trem, que conta a memória da ferrovia na cidade, tendo como atração principal uma locomotiva, toda restaurada, suas belas praças e seus casarões como o Casarão dos Noronha Kauage (hoje transformado em pousada); o Casarão da família Fonseca; o Casarão da família Azevedo; Casarão da família Barcelos; o Casarão da família Alves Ribeiro; o Prédio centenário da Estação Ferroviária (hoje, transformado em Terminal Rodoviário).
Por Arnaldo Silva, com toda as fotografias de autoria de Sandra Walsh

domingo, 24 de dezembro de 2017

O Vale dos Dinossauros de Coração de Jesus

A população total do Município em 2019, segundo o IBGE era de 26.602 habitantes. Coração de Jesus está localizado no Norte de Minas a 82 km de Montes Claros, a 95 km de Mirabela e a 500 km de Belo Horizonte.O município foi emancipado em 1925, com o nome de Inconfidência e em 1928, passou a se chamar Coração de Jesus. É uma cidade pacata, bem cuidada, rica em cultura e hospitalidade de seu povo que é maravilhoso, hospitaleiro, acolhedor e solidário. Típico do povo de Minas em geral.
Em 2004 achados paleontológicos na zona rural do município, atraiu a atenção do Brasil e do mundo para a cidade, que a partir de então, passou a ser considerada a cidade dos dinossauros. O local onde foram encontrados fósseis de dinossauros, passou a chamar-se Vale dos Dinossauros.
Segundo pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) os fósseis descobertos em Coração de Jesus era do mais bem preservado crânio de um titanossauro na América do Sul, de 4 metros de altura aproximada e pesada cerca de 10 toneladas. Trata-se de um crânio bem preservado de Foi batizado com o nome de Tapuiasaurus macedoi. Esse nome tem origem nos Tapuias, índios que habitavam a região e Macedoi em homenagem ao aposentado e artista plástico Ubirajara Alves Macedo que é considerado um guardião da preservação da história e pré-história de Coração de Jesus, participando diretamente da descoberta dos fósseis. Essa descoberta atraiu atenção da imprensa e pesquisadores do Brasil e de várias parte do mundo recebendo muito destaque na comunidade científica e na mídia especializada. Em 2016, foi publicado um artigo na Zoological Journal of the Linnean Society5 sobre a descoberta.
Praça dos Dinossauros
Como a descoberta dos fósseis do titanossauro colocou o município em evidência, a Prefeitura construiu uma praça denominada Praça dos Dinossauros, inaugurada em fevereiro de 2014. É uma das mais belas praças de Minas Gerais e um dos atrativos mais visitados na região Norte de Minas. As esculturas foram criadas pelo pelo artista plástico Markus Moura e pinturas do artista Daniel Arthes.
Por Arnaldo Silva
Todas as fotos foram enviadas pelo autor, Bezete Leite

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Conheça Milho Verde

(Por Arnaldo Silva) Milho Verde é distrito da cidade do Serro, nas vertentes da Serra do Espinhaço, no Alto Jequitinhonha. É um local pacato e tranquilo com modo de vida tradicionais. (na foto acima de Raul Moura) Conta com menos de 2 mil moradores. É um dos mais lindos e charmosos distritos de todo o Brasil. Um dos mais procurados também, tanto pela sua beleza arquitetônica colonial e por suas belezas naturais em redor como serras, vales, cachoeiras e o pico do Itambé. E também um dos cartões postais do Estado de Minas Gerais.
     A Igreja de Nossa Senhora do Rosário (foto acima de Franco Bouchard), construída em madeira e barro é um dos principais pontos turísticos de Minas Gerais. Além é claro das belas paisagens e lindas cachoeiras.
O distrito também conta com o que Minas tem de mais gostoso. A culinária. Doces, queijos, quitandas, vinhos, cachaças, licores, além da nossa mais fina culinária, está presente nas fazendas, casas e restaurantes do distrito. (foto acima de Tiago Geisler)  
      Milho Verde surgiu no início do século XVIII e segundo conta a história popular, os bandeirantes chegando ao local encontraram um pequeno vilarejo, com poucas pessoas. (na foto acima de Alexa Silva/@alexa.r.silva, e abaixo, de Raul Moura, o charme das casas da vila) Viagem longa, a maioria cansado pelo tempo de viagem pelo sertão de Minas e o local tinha pouco a oferecer. Um morador, conhecido por "Seu Mudesto", para dar boas vindas, deu aos bandeirantes o que tinha no povoado, milho verde. Dai o pequeno povoado passou a ter esse nome.
      Uma outra versão diz que o nome originou-se da lavra de minerais preciosos pertencente ao português natural da Província do Minho, Manuel Rodrigues Milho Verde que viveu na região no século XVIII. 
    Ele construiu no local um posto de fiscalização da entrada e saída do então distrito de Diamantina, à  época. A escrava Chica da Silva, nasceu na região do Baú, um pequeno vilarejo que faz parte de Milho Verde, distante apenas alguns quilômetros de Diamantina, onde Chica foi viver. (na foto de Arnaldo Quintão, a Cachoeira do Moinho,um dos mais belos lugares do distrito Serrano)
Milho Verde faz parte dos roteiros turísticos de cunho histórico, cultural e ecológico de Minas Gerais e integra a Estrada Real. (na foto abaixo, de Raul Moura, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário)
     No distrito a Associação Comunitária e a Prefeitura do Serro MG vem trabalhando na melhoria do local com construção de creches, coletas de lixo e outra atividades sócio-culturais-ambientais, visando preservar a qualidade de vida da população, bem como atender a crescente presença de turistas no distrito.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Conheça São Sebastião das Três Orelhas

(Por Arnaldo Silva) O charmoso e pacato bairro rural de São Sebastião das Três Orelhas, em Gonçalves, no Sul de Minas, é de grande importância para a história da cidade, por ter sido o primeiro núcleo habitacional de Gonçalves, foi emancipada somente em 1º de março de 1963. Antes, Gonçalves pertencia a Paraisópolis. Com a emancipação, São Sebastião das Três Orelhas passou a fazer parte do município e de sua historia. 
        São Sebastião das Três Orelhas (na foto acima de Fernando Campanella)  é um povoado pacato, cuja vida social gira em torno de uma singela igreja, no centro da vila, rodeado por um charmoso e bem cuidado casario, aos pés da serra, emolduradas por paisagens nativas da Mata Atlântica. 
          Não há confirmação exata do porque do curioso nome dado ao pitoresco lugar. Segundo informações do site da Prefeitura Municipal de Gonçalves, a versão popular para o nome São Sebastião das Três Orelhas diz que o nome "faz referência a uma história local, segundo a qual havia um morador dono de algumas terras que tinha um colono que tirava muita coisa do seu pequeno pedaço de terra. Um dia esse colono abateu três dos seus porcos e separou os pedaços. O dono das terras viu as carnes e propôs ao colono que lhe vendesse as seis orelhas de porco, esse recusou (regateou, como se diz em Minas) e após muita negociação concordou em trocar somente a metade das orelhas por um pedaço de terra. 
          Essa história se popularizou entre os moradores e região e o lugar ficou conhecido por "Três Orelhas". Com o crescimento do povoado, foi erguida uma capela dedicada a São Sebastião, sendo que o povo fazia a junção dos dois nomes. Da igreja e do nome do popular do vilarejo. Assim ficou, " Capela de São Sebastião" e o nome do lugar, "Três Orelhas", por fim, passou a ser nome do povoado, São Sebastião das Três Orelhas, tudo junto. 
          Assim temos em Minas Gerais uma das mais gostosas histórias da formação de nosso povo e de nossos povoados, São Sebastião das Três Orelhas, bairro rural da cidade de Gonçalves (na foto acima de Gislene Ras), uma das mais belas e atrativas cidades de Minas com paisagens exuberantes, pousadas e restaurantes de alto nível e um artesanato riquíssimo.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Saiba o porque das gavetas nas antigas mesas mineiras

(Por Arnaldo Silva) Dizem que mineiro é pão duro. Nas casas que eu ia antigamente, tinha uma mesa enorme na cozinha com várias gavetas. Uma para cada cadeira. Quando chegavam visitas, abriam as gavetas com pressa e colocavam a comida para que as visitas pensassem que já tinham feito as refeições. Muitos pensavam que era vergonha porque a comida era muito simples e tinham vergonha de mostrar.
          A mesa existia mesmo e era verdade sim que colocavam a comida nas gavetas quando chegava alguém. Não era por causa das visitas ou da simplicidade da comida que faziam isso. Era por medo somente.
         Boa parte dos imigrantes portugueses que vieram para Minas eram Cristãos Novos, ou seja, judeus convertidos a força para o Cristianismo. Muitos desses Cristãos Novos ainda praticavam o Judaísmo escondidos, por medo de serem identificados e denunciados à Inquisição que vigorava em toda a Europa e também na América até meados do século XIX. Por isso criavam formas de disfarçar as práticas judaicas. Guardar comida nas gavetas era uma delas. Quando um padre ou algum religioso chegava para visitar, tinha na mesa muita carne de porco que já era preparada justamente para quando aparecessem visitas. Não comiam nada, apenas ofereciam ao visitante. Diziam que já tinha feito as refeições. Todos sabem que judeu não come carne de porco. A comida Judaica, Kosher, ficava escondida nas gavetas. Quando as visitas iam embora, tiravam as comidas das gavetas e comiam normalmente. E assim iam vivendo e praticando como podiam sua religião, secretamente.
          Os chamados Cristãos Novos eram muito vigiados e policiados pela comunidade. Evitavam muitas conversas sobre religião, trabalhavam muito e guardavam sempre o que ganhavam. Não existiam bancos naqueles tempos. Guardavam o que ganhavam dentro de um colchão, que era o lugar mais seguro para isso. Raramente gastavam o dinheiro que ganhavam, somente em casos de muita necessidade e urgência.
          Sempre tinham ouro em pó ou bruto, guardado. Conheci um senhor, que praticava uma espécie de sincretismo judaico-católico, que tinha a boca cheia de dentes de ouro. O apelido dele era “Boca Rica”. Ele e a família misturavam crença e práticas judaicas com cristãs e por isso tinham medo de serem molestados pelos cristãos autênticos, como ele denominava os cristãos de origem e caso precisasse fugir ou sair as pressas do lugar que estavam, nem precisava levar nada. Por isso guardava toda sua riqueza na boca, lugar mais seguro, segundo ele.
          Todos faziam isso por questões de segurança. Judeu ou descendentes diretos quando identificados, eram muito perseguidos e sempre tinham que fugir de um lugar para outro. Como não podiam levar muitas coisas, como bois, móveis, e outros pertences, devido às dificuldades de levar tudo, levavam apenas roupas, dinheiro e ouro. Assim, quando chegassem ao destino, já tinham como recomeçar suas vidas.
          Lembro de uma história contada por parentes paternos, que são de origem judaica. Eles diziam que foram os judeus que criaram os bancos. Como eram perseguidos e muitas vezes suas comunidades eram saqueadas e queimadas, criaram uma forma de guardarem suas riquezas, sem que ninguém percebesse. Num porão de uma casa de família normal da comunidade, guardavam suas riquezas como ouro, jóias e dinheiro. Cada família tinha anotado o que guardava. O local era escolhido pela comunidade e a família da casa cuidava para que tudo transparecesse normal. A entrada para o porão era coberta por um tapete e sobre o tapete, ficava um enorme banco para disfarçar. Sentado nesse banco, ficava o responsável por guardar e anotar os pertences da comunidade. Assim ele recebeu o nome de banqueiro, conseqüentemente, o local que antes era porão, passou a se chamar banco. Assim se popularizou as duas palavras.
          A fama de que mineiro guarda dinheiro no colchão, gosta de ouro e fecha a mão para gastar, veio dessas práticas dos judeus e cristãos novos.
          Minha família paterna era uma dessas que mantinham algumas práticas judaicas escondidas dos olhares dos religiosos católicos.
          Esse comportamento dos Cristãos Novos acabou virando tradição e foi se difundindo nas casas dos cristãos normais que passaram a fazer mesas com várias gavetas, a guardar dinheiro no colchão, ter ouro em casa e gastar o menos possível e outras práticas e tradições de origem judaica.
          Mas mineiro não é pão duro e nem miserável. Nosso povo tem o prazer de receber suas visitas e por mais simples que seja sua casa, tem um enorme prazer de mostrá-la, cômodo por cômodo. Mineiro é hospitaleiro. As visitas são bem vindas, comem do bom e do melhor, sem miséria. Mesmo que haja pouca comida em casa, as visitas são tratadas como reis. 

Assombração da Capela Velha

Denominado Capela Velha, esse lugar é cortado pela estrada que liga São Roque de Minas à cidade de Bambuí. O botânico naturalista francês, Saint-Hilaire, por volta de 1820, quando passou na Capela Velha em sua viagem às nascentes do Rio São Francisco escreveu no seu diário: 
(...) A pouca distância da fazenda do Geraldo passei diante da capela de São Roque, onde um padre vem de vez em quando celebrar a missa. A capela fica isolada no alto de um outeiro e é feita de madeira e barro, com paredes sem reboco, e seu estado era miserável. Ao lado foram construídos uma casinha e um rancho, para abrigar os que vêm assistir à missa.

Há muito tempo,ali havia uma pequena mata de grandes árvores reunidas em poucos hectares. Os antigos afirmavam que a cidade foi instalada lá. Pela dificuldade do acesso à água, foi transferida aqui para baixo, onde hoje se encontra.

Cresci ouvindo histórias de assombração, acontecidas naquele local. Muitos comentavam sobre uma luz vermelha que vinha do céu, à noite. Ouvi também sobre a boiada fantasma. Outros falam de uma árvore que se originou quando enterraram ali uma escrava benzedeira. A cruz de um galho verde brotou se transformando na árvore mais alta daquele lugar. Conta-se que árvore assombrada se dobra por terra ajoelhando-se toda sexta-feira de lua cheia.

Movida pela curiosidade comecei a entrevistar antigos moradores e soube de fatos interessantes. Aqui, a narrativa do senhor João, de 70 anos que preferiu não se identificar:

Indesde qui ieu era mininim piqueno ieu escutava o povocontá esse causo de sombração. Lá perto di casa memo, tinha uma moitinha de bambu qui balangava as fôia memo semventá. Ieu via isso, mais nunca fui minino acismado não. Tanto qui crisci sem incomodá munto cum esses causo de arma penada.

Certa veiz, ieu já divia tê uns vinte ano, morava na Varge Grande. Nessa época ieu arrumei uma namoradinha que moravamêi longe. Todo fim de semana ieu ia na casa dela e pá mode chegá lá tinha que passá na estrada da Capela Véia. Meus irmão tudo ficava mi acismano, dizeno qui ieu ia vê arma dôtro mundo, lubisome, boiada assombrada...

Ahh, se um cabocrin invocado cum uma moça bunita ia alembrá de tê medo de sombração! Ieu ria inda falava preles assim:

—Si ieu vê arma penada ieu tiro as pena dela, passo uma rastêra, inda jogo na puêra da istrada.

Ieu passei muntas vêiz andano di noite naquela estrada. Até a minina qu’eu namorava ficava cum medo de ieu ir simbora suzim. Num dia que tava armano uma chuvona braba inté o pai dela disse:

—Ô João, envém chuva, ispera a chuva passá ô intão posa aqui e dexa pá imbora amanhã cedo.

—Não sinhô, meu sogro. Num tenho medo de nada, não!

A minina inda tentô fazê ieu ficá, mas ieu aproveiteipá rastá uma malinha emostrá minha corage.

—Ô minha frô, num picisa tê coidado comigo! Tem perigo de nada, não! Num tenho medo de chuva e nem de sombração.

Dei um abraço na moça, dispidi do povo da casa, inda tomei um golin de cachaça qui o pai dela mim deu, dispois cacei o rumo de casa...

Ieu andava dipressa, a distança até minha casa era de umas duas légua. Os curisco riscava o céu crariando a estrada. Os truvão quais me dexava surdo. Foi nessa hora quando um dos raio crariô o caminho qui ieu reparei qui tinha mais gente pru perto...

Ieu tava duma banda da estrada e na outra banda avistei arguém. Ieu nunca tinha visto pessoa feito aquela nessas redondeza. Tavamêi longe, mais deupávê qui se tratava de uma muiê. Ela usava um vistido escuro quais rastano no chão, mais quando mudava os passo dava pá vê umas canela fininha e uns pé discarço. Carregava um punhado de imbornar chei de trem nos ombro, ês paricia tá munto pesado.

Ieu andava de cá e ela de lá da estrada, nóis nem si oiava. Os dois andava depressa modi num pegá chuva. Acabei ficanomêi sem graça, ieu num tava carregano nadica e era uma vergonha um home dexá aquela veiinha carregá tanto peso nos ombro.

Travessei a estrada e pedi pá ajudá ela a levá arguma coisa. A muié nem tirô os zoios do chão, mais rancô um dos imbornar dos ombro, me entregô e continuô a andá dipressa.

Minha Nossinhora! Ieu nunca tinha carregado trem tão pesado! O peso daquilo qui ela levava nos ombro quais qui me discaderô! Custei a levantá o peso do chão. Agora ieu tinha qui guentá. Quem mandô ieu oferecê pá mode carregá, né memo?

Cuntinuemo a andá... Ieu e a véia isquisita de rôpa preta. Cada um dum lado da istrada. Ieu tava froxim! Num guentava mais aquele saco de trem nas costa. Pu resto ieu já tava é rastano aquilo chão afora. Cê besta de trem mais pesado, sô! Paricia um saco de chumbo! Pió era qui a muié tinha munto mais peso nos ombro e num diminuía o passo. Ieu de cá e ela de lá... Im poco tempo nóis feiz a curva e já entremo na istradinha qui travessava a Capela Véia.

Vô fala um trem procê, Sá moça: O qui sucedeu ali, ieu nunca mais qui sisquici na vida. Di repente, bem no meio da istrada a véia parô... Sem mi oiá, ela acenô cum uma das mão chamano ieu pa mais perto. Ieu inocentim de tudo, achei qui ela às vêiz quiria prosiá mais ieu.

De repente ela estendeu o braço pámode pegá o imbornar dela qui ieu tava carregano. Ieu besta inda priguntei pá onde qui ela ia, mode quê ali pru perto num tinha casa. Num sei se os ripio de frio era da chuva que caía em riba di mim, ou se me deu um farta de coragi de chegá mais perto daquela criatura. Ieu parado nomêi da estrada e ela me acenano pra ieu chegá mais perto.

Numa hora o clarão dum relampo bateu bem im riba de nóis. Aí, nesse prazim ieu pude vê a cara dela, si é que podia chamá aquela ossaiada de cara. Ieu vi foi uma cavêra! Juro qui foi! Ieu num tava tonto, não! E o braço qui ela istendeu pá mode pegá os trem era só osso tamém. As mão, os dedo! A criatura intêra era um esqueleto vestido de preto! Peguei cum tudo quanté santo qui ieu cunhicia. Ieu num era bem chegado numa reza, mais na hora do aperto a gente reza até sem sabê.

Ieu rezano e tremeno, inté mijano pás perna abaxo, vi aquela muié de osso tacá os trem dela na costa, subi no barranco e sumi mata adentro. Nunca mais fui home de passa suzim ali, nem di noite e nem di dia. Nunca mais abusei nem fiz graça cum arma penada, luz vermêia. Isso acunticeu de verdade, ieu vi cum esses zoios qui a terra há de cumê.


Por Maria Mineira
*Esta e outras 52 histórias fazem parte do livro:“Ao Pé da Serra- Contos e Causos da Canastra” de Maria Mineira. Para adquirir um exemplar entre em contato pelo facebook ou pelo e-mail:mariamineira2011@yahoo.com.br

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Traição caipira é diferente

Houve uma época em que vovô Joãozinho teve um grave problema de saúde. Passou por uma cirurgia e ficou de repouso por vários meses. Muito contrariado viu sua fazendinha meio jogada ao léu. O milharal morrendo no mato, os pastos precisando roçar, o telhado do paiol desabando, o gado cheio de carrapatos... Havia um mundo de coisas a fazer, isso gastaria muitos dias de serviço, e na época vovô não tinha condições de pagar peão. Havia gasto todas as economias com médico e remédios.

Tenho lembranças fragmentadas desse episódio. Era menina de uns treze anos e passava uma temporada na roça ajudando vó Geralda com os serviços domésticos. Não sei ao certo de quem partiu a ideia, se foi do vizinho Zé Mário ou do Roque Pedro. Sei que num domingo após o terço, sem vovô saber, fizeram uma combinação: iriam passar uma “traição” nele.

O que era a tal traição? Creio que hoje isso se tornou uma prática em desuso, mesmo no meio rural, pois, era diferente do mutirão. Apesar de ser também um trabalho solidário para executar rapidamente uma limpa de pasto ou uma capina, a ajuda era espontânea; espontânea, mas organizada.

Uma pessoa em segredo convidava diretamente a vizinhança para tal dia e tal hora o grupo se reunir na casa de um compadre ou no cruzeiro e de madrugada passar a traição, a surpresa. Por sua vez o convidado estendia o convite ao parente para comparecer ao serviço. Funcionava o boca a boca, pois não havia telefone. Se necessário levavam o almoço pronto para não dar despesa ao “traído”. Quem pedia ajuda ou a recebia, ficava na obrigação de retribuir o serviço prestado, ajuda mútua.

No dia marcado, os vizinhos esperaram o cair da noite. Lembro-me ter acordado com o foguetório, achei que o mundo estava acabando! Vovô Joãozinho e Vó Geralda se levantaram assustados com o latir do cães, a cantoria, os fogos de artifício, enxadas ou foices, usadas como instrumentos de percussão. Um dos vizinhos abriu a porteira, soltou três foguetes e mandou a turma vir chegando. Foi preciso alguém espantar os cachorros até o fundo da horta, porque queriam atacar os visitantes inesperados.

Não me esqueço da expressão no rosto dos meus avós. Tadinhos deles! Ficaram tão comovidos que, tremendo de alto a baixo, se apoiando um no outro assistiam aquela manifestação de amizade. Homens e mulheres deram um banho de aguardente nos dois e os carregavam para o terreiro, onde a lua iluminava tudo. Choraram abraçados, não sei se era só de emoção ou se espirrou cachaça, encharcando os olho dos dois.

Enfileirados com as enxadas nos ombros, os vizinhos cantavam:

os dois istimado amigo
Sá Gerarda e Sô João
Vem recebe seus vizinho
Pra esse grande mutirão.

Abre a porta acende a luiz
Pa podê nos recebê
O dia já tá clariano
Já começa amanhecê.

Nóis trabaia cantano
Pra mostra nossa vóis
Sá Gerarda vai pro fugão
Fazê um café pra nóis.

O povo veio prevenido. As comadres trouxeram tudo para o desjejum. Antes do dia amanhecer fizeram uma oração e depois forraram o jirau de bambu com folhas de bananeira e colocaram uma grande variedade de quitandas: Pães de queijo, brevidades, roscas, bolos de fubá, biscoitos de polvilho e muitos bules de café quente.

Mal o sol nasceu o grupo dos homens seguiu para a roça. As mulheres distribuídas pela casa iniciaram as tarefas: lavação de roupas, a plantação da nova horta de couve, debulhação de milho fazeção de doces e quitandas.

Na roça, o mato sumia, cobras morriam, o coordenador do serviço gritava e a turma não parava. Durantes uma semana trabalharam para meu avô. A roça ficou capinada, os pastos limpos, o gado curado, o paiol e a casinha de queijo foram reformados.

Era comum cantar durante o trabalho, ora em duetos ou em forma de coral. Havia o puxador e os outros respondiam - parecido com o canto da Folia de Reis ou Canto Responsorial.

O homens cantavam:

Nóis toma uma cachacinha
Pru nosso peito isquentá
Vamo, vamo minha gente.
O serviço vai começá.

Alicrim despedaçado
Foi cortado e já morreu
Ieu tamém vivo magoado
Por amor que já foi meu

As mulheres deixaram a casa brilhando, mataram e arrumaram dois capados, encheram as latas de biscoitos e a cristaleira de vó Geralda de doces. Lavaram e trocaram as palhas dos colchões, plantaram uma enorme horta de couve, capinaram todo o quintal e ainda podaram as roseiras, ariaram as panelas de ferro até brilharem.

Elas trabalhavam cantando:

A lua bria no céu
Inté parece um quêjo
Sodades do meu amor
Faiz mêis qui ieu num vejo.

Si chorano ieu fizesse
Meu amor vim mi buscá
Ieu chorava noite intêra
Inté o dia clariá.

No último dia da semana, depois de tudo pronto havia uma grande confraternização. Eram servidas tachas de arroz, tutu de feijão, leitoa assada, muito frango com palmito, macarronada com muito queijo ralado, suã de porco com arroz.

Houve um pagode que durou a noite inteira. Todos voltaram de banho tomado e roupas novas . Os homens de lenço no pescoço, as mulheres vestidas de chita. Antes de começar um animado baile ao som da sanfona, das violas e cavaquinhos, ainda recitaram os últimos versinhos para meus avós que não cabiam em si de tanta felicidade:

Viva as roça capinada
De Deus nóis tudo é fio
Viva a nossa amizade
Viva os pendão de mio

Aqui estamos moçada
Nessa alegre reunião
Viva, viva cumadi Gerarda.
Viva, viva cumpadi João!

Nota: alguns dos versinhos eu lembrava, outros perguntei à minha mãe.
Na foto à direita, o meu avô Joãozinho, meu bisavô Tininho ao centro e sô Josué, um amigo deles. Saudades de todos...


Por Maria Mineira
*Esta e outras 52 histórias fazem parte do livro:“Ao Pé da Serra- Contos e Causos da Canastra” de Maria Mineira.
Para adquirir um exemplar entre em contato pelo facebook ou pelo e-mail:mariamineira2011@yahoo.com.br

18 destinos paradisíacos para você curtir em Minas

(Por Arnaldo Silva) Minas Gerais é o destino para os amantes de rios, lagoas e cachoeiras. São cidades com paisagens deslumbrantes! Rios, cachoeiras, praias artificiais, lagoas, represas, clubes, mares de serras e natureza exuberante, garantem uma diversão perfeita para quem vive ou opta por estar em terras mineiras. São 853 municípios mineiros, todos com belezas e opções de lazer e diversão para todos os gostos.
Desde a calmaria até os lugares mais agitados. São centenas, mas infelizmente não podemos postar todos os municípios de uma vez só e escolhemos 28. Faltaram então 825. Vale a pena conhecer Minas e viajar pelas maravilhas de nosso Estado. (na foto acima  de Sérgio Mourão, praia do Lago de Três Marias MG) Conheça as as cidades e suas paisagens para você vivenciar Minas. 
01 - Carrancas e São João Del Rei
Capela do Saco - Represa do Caquende

          Capela do Saco fica entre Carrancas e São João Del Rei. Está às margens do Rio Grande. (nas fotos acima e abaixo de Jerez Costa) O distrito foi um importante canal comercial de São João Del Rei no século XVIII, para escoamento da produção do ouro até o porto de Paraty/RJ. Seu povo é agradabilíssimo e muito gentis. A represa do Caquende  é um convite para um bom banho, em dias ensolarados. O visitante, além da represa,  pode curtir várias cachoeiras na zona rural do distrito como por exemplo as quedas do Rio Grande que formam pequenas cachoeiras com lagos ao longo do trajeto do rio, ótimas para banho
A Represa do Caquende, que banha o distrito, foi inaugurada em 1961 para atender as Usinas Hidrelétricas de Camargos e Itutinga. É um dos maiores atrativos da região onde se pode trazer lanchas, jet skis, botes ou mesmo curtir as águas tranquilas da represa. Um dos passatempos preferidos, dos moradores e de visitantes é pescar às margens da represa.
02 - Alto Caparaó
Sua população segundo o Censo realizado pelo IBGE em 2019 é de 5.847 habitantes. Está a 997 metros de altitude, na Zona da Mata Mineira, próximo a divisa com o Espírito Santo. Em Alto Caparáo estão localizados o Pico do Cristal com 2.769,05 metros de altitude e o lado mineiro do Pico da Bandeira, com 2.891,32 metros de altitude, o ponto mais alto de Minas Gerais e o 3° mais elevado do Brasil, na divisa com o município capixaba de Ibitirama. Alto Caparaó faz parte do Circuito Turístico do Pico da Bandeira, estando no município uma das portarias para o Parque Nacional do Caparaó. A outra entrada do Parque fica no município de Dores do Rio Preto/ES. O Parque é seu principal atrativo turístico onde estão localizados a Cachoeira Bonita, os vales: Verde e Encantado (foto acima com Naiara Cler), o Pico da Bandeira, o Pico do Cristal entre outros.
03 - Boa Esperança
Boa Esperança, segundo o IBGE, contava em 2019 com 40.127 habitantes e fica no Sul de Minas. É neste município que se encontra a Serra da Boa Esperança, a qual se tornou célebre através da música que leva seu nome, composta por Lamartine Babo e interpretada por diversos cantores. Por seu território passa o Rio Grande, importante para o desenvolvimento da região.O município faz parte do circuito turístico Grutas e Mar de Minas.
Lago de Furnas
O Lago de Boa Esperança possibilitou o desenvolvimento do turismo e do lazer da população. (foto acima de João Paulo de Mendonça) O lago é formado pelo represamento das águas do ribeirão Marimbondo, Maricota e Cascavel. A extensão total é de aproximadamente 8 km² (800ha), sendo 3 km², a “parte que banha a cidade”. Represado no município para formação de uma lagoa perene, circundando de praças, com avenidas arborizadas, restaurantes, instalações para pesca com vara, ancoradouro para barcos e jardins; Passeio de Lancha; Passeio de Jet Ski; Pesca esportiva; Cachoeira do lago; Ultraleve.
Duas praias artificiais são atrativos imperdíveis na cidade:
Praia do Bicano - Criada em torno da Av. Beira Lago com intuito de reunir as pessoas para desfrutarem da beleza do Lago dos Encantos.

Praia do Celeiro – Localizada nas proximidades da FAFIBE. O verão em Boa Esperança é imperdível. Vale a pena!04 - Itabira
Na terra do poeta Carlos Drumond de Andrade,  a 110 km de Belo Horizonte com cerca de 125 mil moradores, Itabira destaca-se a bela arquitetura de seus casarões na área central e diversos atrativos naturais, tais como o Parque Natural Municipal da Água Santa, que tem 12 mil m² e é uma área verde situada no centro de Itabira; a Mata do Intelecto, remanescente de Mata Atlântica de 21,60 hectares; a Mata do Limoeiro, remanescente de Mata Atlântica de 2 mil hectares, um dos maiores da região; o Morro Redondo; a Pedra da Igreja; a Serra do Bicudo; o Cânion dos Marques; a Serra das Bandeirinhas; a Serra dos Alves; além das cachoeiras dos Cristais, da Lucy, dos Borges, do Campo, do Bongue, da Conquista, da Boa Vista, do Derrubado, do Paredão, do Limoeiro e do Meio. Em Ipoema se destacam as cachoeiras Alta, Boa Vista, Patrocínio Amaro (na foto acima de autoria de Sérgio Mourão) e do Meio.
05 - Pirapora 
Pirapora fica no Norte de Minas e está localizada a aproximadamente 340 quilômetros da capital Belo Horizonte. A cidade, com cerca de 60 mil habitantes, destaca-se por ser o começo do trecho navegável do Rio São Francisco e por suas indústrias de ferro-silício, silício metálico, ferro-ligas, ligas de alumínio e tecidos que são os principais produtos exportados pelo município.A ponte Marechal Hermes, sobre o Rio São Francisco (foto acima de Sérgio Mourão) e o barco a vapor Benjamim Guimarães, o artesanato, culinária típica e plantações de uvas, bem como o vinho produzido no município são os principais atrativos da cidade.  Cidade de praia fluvial e cachoeiras, atrai turistas de todo o país e tem um dos melhores carnavais do Norte de Minas.
06 - Baependi 
Com pouco mais de 20 mil habitantes, Baependi fica no Sul de Minas. A economia do município é baseada na agricultura, no comércio, no artesanato, na comercialização de pedras de quartzito e no turismo, já que a beleza natural é o forte da cidade, cercada de montanhas, matas, rios e inúmeras cachoeiras. O artesanato é uma importante atividade econômica em Baependi. As peças feitas em bambu, palha de milho e tronco de cafeeiro são distribuídas em grandes centros urbanos, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e capitais da Região Nordeste do Brasil.
As paisagens de Baependi são de tirar o fôlego. (na foto acima de Jerez Costa, a Cachoeira do Caldeirão)Vale a pena curtir as maravilhas de Baependi.
07 - Santana do Riacho
Com cerca de 5 mil moradores, Santana do Riacho localiza-se a norte da capital do estado, distando desta cerca de 100 km.(foto acima de Raul Moura) É a porta de entrada para a Serra do Cipó. No município estão várias trilhas, morros e montanhas propícios a escaladas, cânions, cachoeiras e piscinas naturais de águas cristalinas, além de uma grande variedade de espécies animais e principalmente vegetais, sendo que o distrito da Lapinha da Serra. 
08 - Aiuruoca
Aos pés do Pico do Papagaio, na Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas, está a charmosa e atraente Aiuruoca onde vivem um pouco mais de 6 mil pessoas. Sua altitude é de 989 metros mas seu relevo é acidentado, podendo variar entre 1300 a 2357 metros de altitude.
O ar místico e misterioso de suas montanhas atraem turistas de todo o Brasil interessados em uma viagem emocionante, para seu interior com contato pleno com natureza exuberante, locais para  meditações, yoga, orações. Ambientes e práticas que proporcionam alívio do corpo e alma. (foto abaixo de Jerez Costa)

Além disso, você encontra no município:
Cachoeiras - são mais de 85 sendo que cerca de 40 são visitadas constantemente e impressionam por sua beleza.
Esportes de Aventura - rapel, canyoning, escalada, tirolesa, rapel guiado, off-road, mountain bike, mini-rafting, rafting, boia cross.
Roteiros de Passeios - são inúmeros e atendem a todos os públicos.
Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição - datada de 1726, com antigos altares de madeira.

09 - Diamantina e seus distritos
Diamantina possui 24 distritos e os mais famosos e procurados por turistas no verão são: Conselheiro Mata, Curralinho, Sopa, Biribiri e Mendanha. Cachoeiras como da Sentinela, Cristais e do Telésforo em Conselheiro Mata são as mais visitadas no verão. (na foto abaixo de César Rocha)
É uma das mais importantes cidades históricas de Minas Gerais, com pouco mais de 50 mil moradores. É patrimônio Cultural da Humanidade desde 1999 e a  porta de entrada para o Vale do Jequitinhonha, onde está localizada, no Alto Jequitinhonha, estando a sede a 285 km de distância por rodovia da capital Belo Horizonte. A cidade está situada a uma altitude média de 1.280 m, emoldurada pela Serra dos Cristais. Diamantina é banhada pelo rio Jequitinhonha e vários de seus afluentes, como o Ribeirão das Pedras e o Ribeirão do Inferno. A porção sudoeste do município é banhada por subafluentes do rio São Francisco, como o Rio Pardo Pequeno.
É a terra natal do ex-presidente da República Juscelino Kubitschek de Oliveira, de Domingos José de Almeida e onde viveu a famosa escrava Chica da Silva.
A cidade é conhecida por suas serestas e vesperata, que é um evento em que os músicos se apresentam à noite, ao ar livre, das janelas e sacadas de velhos casarões, enquanto o público assiste das ruas.

Apesar de ter a maior parte do intenso fluxo turístico focado na arquitetura e importância histórica, o município possui um rico e variado ecossistema em seu entorno, com cachoeiras, trilhas seculares e uma enorme área de mata nativa, que teve a felicidade de ser protegida com a criação de Parques Estaduais.
10 - Uruana de Minas
Uruana de Minas fica no Noroeste do Estado e contava com 3264 habitantes em 2019, segundo o IBGE. Faz divisa com os municípios de Arinos, Unaí, Riachinho e Bonfinópolis de Minas. A cachoeira da Jiboia (na foto acima de Clésio Rodrigues), com 120 metros de queda é uma das maiores atrações da região, fazendo do verão uma estação super especial para seus frequentadores.
11 
- Porteirinha
Porteirinha é uma bela cidade do Norte de Minas Gerais com cerca de 40 mil habitantes. O município que tem como principal ponto turístico a Cachoeira do Serrado (frequentemente o nome é confundido como erro de português, porém o Serrado é o nome próprio e não uma alusão ao cerrado). (na foto acima de Marcelo Santos) Porteirinha é rodeada de grandes morros, que tornam-se uma atração turística do município. No ponto culminante de Porteirinha encontra-se o Cristo Redentor de Porteirinha, motivo de orgulho para os porteirinhenses. 
12 - Botumirim
Botumirim, uma pacata cidade com cerca de 7 mil habitantes, fica no início da Serra do Cantagalo, na divisa do Norte de Minas com o Vale do Jequitinhonha. Vizinho do Parque Nacional das Sempre Vivas, o município é banhado por vários ribeirões e tem o Rio Itacambiruçu como principal fonte alimentadora de água e que também nutre a recente Usina Hidrelétrica de Irapé, inaugurada no ano de 2006. O Rio do Peixe (na foto acima de Wilson Ferreira Santos) e suas formações rochosas surpreendentes, é um dos principais atrativos de toda a região. O lugar é lindo demais!
13 - 
São João Batista do Glória 
São João Batista do Glória fica no Sudoeste de Minas é um dos paraísos de Minas. Com cerca de 8 mil habitantes, a cidade é pacata, charmosa, atraente e com forte vocação para o turismo, graças às suas belíssimas paisagens naturais. (na foto acima, de Pedro Beraldo, o famoso lago da Pedreira Lagoa Azul, muito procurado pela sua beleza) Cidade predominantemente rural, onde o leite é o principal produto. O município tem várias cachoeiras, o que torna a cidade conhecida regionalmente por cidade das cachoeiras. Devido ao grande nome da cidade, ela leva o apelido de "Glória". Seu mais famoso ponto turístico é o Paraíso Perdido , um dos mais lindos lugares do Brasil e mais visitado também, que proporciona um verão inesquecível e maravilhoso.
14 - Capitólio 
Capitólio é uma das cidades turísticas de Minas mais procuradas não só no verão, mas no ano todo. Cidade com ótima qualidade de vida, excelentes pousadas e restaurantes sofisticados. São cerca de 10 mil moradores que vivem num verdadeiro paraíso natural, graças a belezas águas de Furnas que mudou completamente o município, inundando suas terras e fazendo surgir paisagens impressionantes, sendo hoje uma das mais procuradas cidades para o turismo no Brasil. (foto acima de Marcelo Santos a Cachoeira da Diquadinha) Barcos, escunas, lanchas fazem parte do cotidiano dos moradores e visitantes. O prazer de estar em Capitólio e curtir suas belezas e gastronomia, não é apenas no verão. O turista é bem vindo em todas as estações do ano. 15 - São Gonçalo do Rio Preto
Uma pequena e charmosa cidade do Circuito dos Diamantes, com menos de 4 mil habitantes, São Gonçalo do Rio Preto fica à 56 km de Diamantina e à 350 km de Belo Horizonte. Seu destaque maior é o Parque Estadual do Rio Preto (na foto acima de Marcelo Santos, as Corredeiras do Rio Preto), gerenciado pelo Instituto Estadual de Florestas - IEF.  Outra atração é a Praia do Lapeiro, situada a 1 km do centro da cidade, esta possui estrutura para esportes como futebol de areia, vôlei de praia e peteca, além de bares e um restaurante para atender todos os visitantes. Possui uma festa do divino em agosto, que conta com a participação da marujada local procurada por vários historiadores e turistas.
16 - Morada Nova de Minas e Três Marias

Cidade turística, charmosa, pequena, com menos de 10 mil moradores, privilegiada pelas águas do Rio São Francisco e Represa de Três Marias. Morada Nova de Minas está na Região Central de Minas a 280 km de Belo Horizonte e Três Marias a 270 km. Essas duas cidades vizinhas formam um belíssimo complexo turístico e gastronômico, graças às belezas do Rio São Francisco e dos peixes do rio, que geram pratos deliciosos.  A agricultura, artesanato, culinária e alegria do povo dessas duas cidades já são convites para visitá-las mas o Rio São Francisco e passeios de balsa ou barco pela represa são passeios encantadores e imperdíveis.
Além disso, praias formadas pelas areias do Velho Chico fazem a alegria dos banhistas e turistas.Vale a pena conhecer o Lago de Três Marias e essas duas cidades em particular. (na foto acima, de Raul Moura, a praia de Morada Nova de Minas)
17 - Nova ponte
Com cerca de 17 mil moradores, Nova Ponte é um município novo e muito pacato, totalmente planejado, quando a antiga cidade foi inundada pelas águas da Represa de Nova Ponte. É um dos municípios de melhor qualidade de vida em Minas Gerais. Nova Ponte também é conhecida pelas belezas naturais com destaque para a "prainha e o Balneário Social, atividades esportivas na represa e no Rio Claro, principalmente a Cachoeira da Fumaça (na foto acima de Eudes Cerrado), muito procurado por praticantes de esportes radicais, bem como por seu carnaval, considerado o melhor da região. 
18- Delfinópolis
Delfinópolis é umas mais belas cidades mineiras, no Sudoeste do Estado, tendo parte do seu território fazendo parte da Serra da Canastra, distante 400 km de Belo Horizonte. São pouco mais de 8 mil moradores vivendo numa cidade pacata, tranquila, aconchegante e rica em belezas naturais como o Complexo do Claro, várias e paradisíacas cachoeiras como a Cachoeira do Zé Carlinhos, o Vale da Babilônia, trilhas, oferecendo ainda sobrevoo de balão (foto acima de Wallace Mello). Conta ainda com uma ótima estrutura em pousadas, restaurantes, guias de turismo para atender os visitantes. 
(fonte de inmformações Wikipédia, IBGE, Prefeituras locais e Setur/MG)


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores