Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Mostrando postagens com marcador Cidades Históricas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cidades Históricas. Mostrar todas as postagens

sábado, 22 de junho de 2024

Berinjela sequinha e crocante

INGREDIENTES
. 3 berinjelas
. 4 ovos
. 1½ xícara de farinha de rosca (encontrada em Supermercados).
. 1 xícara de farinha de trigo
. Sal, orégano, alho e pimenta do reino a gosto
. Óleo para fritar
MODO DE FAZER
- Corte as berinjelas em rodelas e numa cuscuzeira, deixe cozinhando por 15 minutos no vapor. Isso evitará a absorção do óleo da fritura e manterá a berinjela bem sequinha e crocante.
- Depois desse tempo, retire a berinjela e tempere com sal, alho e pimenta a gosto.
- Passe cada rodela de berinjela na farinha de trigo, em seguida no ovo, escorra bem e por fim, passe-as na farinha de rosca.
- Coloque as berinjelas uma a uma na frigideira, com óleo já bem quente e frite dos dois lados.
- Retire, escorra e sirva à vontade. Ainda quente, fica super crocante.
(fotografia de Jotapê - Restaurante e Alambique em Pompéu, distrito de Sabará MG)

sexta-feira, 26 de janeiro de 2024

A beleza histórica e natural de Congonhas do Norte

(Por Arnaldo Silva) Cidade pacata, pequena, charmosa, atraente e histórica, Congonhas do Norte conta com cerca de 5 mil habitantes. Localizada nos entornos da Serra do Espinhaço, o município faz parte da Estrada Real. Distante 244 km da Capital, faz divisa com Conceição do Mato Dentro, Alvorada de Minas, Santana de Pirapama, Santana do Riacho, Gouveia, Presidente Juscelino e Presidente Kubitschek.
          Emancipada em 30 de março de 1962, Congonhas do Norte tem suas origens no início do século XVIII, entre 1711 e 1715, no início da descoberta de ouro em Minas Gerais.
          Em uma serra com predominância de um abundante arbusto nativo e medicinal, conhecido por Congonhas, foram encontrados cristais e pedras preciosas, como o ouro, pelas bandeiras de Fernão Dias Paes Leme e Borba Gato. Com a descoberta de ouro na região, começou a extração do mineral.
          Nas proximidades do garimpo, na parte de cima de uma serra denominada de Serra da Lapa, foi se formando um pequeno arraial, com o nome de Congonhas de Cima da Serra da Lapa, alusivo a planta nativa da região, encontrada em grande quantidade nas margens dos rios e serras da região.(na fotografia acima do Gabriel Junio, a Praça da Matriz de Congonhas do Norte)
          O pequeno povoado foi elevado a distrito, deixando de ser subordinado a São Francisco de Assis de Paraúnas para pertencer a Conceição do Mato Dentro, permanecendo subordinado a esse município até sua emancipação, em 30 de março de 1962. A cidade adotou o nome de Congonhas do Norte, por estar na parte norte do Espinhaço e para diferenciar de outra cidade homônima, Congonhas do Campo, hoje simplesmente, Congonhas, cidade histórica a 88 km de Belo Horizonte, na Região Central.
Turismo e tradições
          Além de ser uma cidade histórica, Congonhas do Norte se destaca no turismo graças as suas belezas naturais e cachoeiras formadas pelos Rio das Pedras e Congonhas, como as cachoeiras da Bagagem, da Fumaça, do Jacu, do Poção, da Quebra Cangalha, do Maurício, do Bicame (na foto acima do Tom Alves/@tomalvesfotografia), além Barragem do Levi, de trilhas, matas nativas, paisagens rupestres em cavernas como a do Água Debaixo do Chão, da Imbaúba, do Lombé, do Medrado, do Morcego, do Tatu, dos Índios e do Lacerda, sem contar todo o cenário cênico da Serra do Espinhaço.
          A cidade é bem tranquila, seu casario colonial e templos históricos são simples e bem preservados com destaque para a Matriz de Santana, construída no início do século XVIII, tombada pelo IEPHA/MG, em março de 1985 e IPHAN em 2010, além de seu povo ser gentil e muito hospitaleiro. (fotografia acima de Gabriel Junio)
          Congonhas do Norte valoriza e preserva suas tradições familiares, folclóricas e culturais como a Carruagem que consiste em desfile de carros de bois, a Banda Música Lira Santana, a marujada e suas tradições religiosas como a Festa do Divino Espirito Santo e Aniversário da cidade em março, a Festa de Sant´Ana em julho e a Festa de Nossa Senhora do Rosário em setembro.
Tradição na gastronomia mineira
          Congonhas do Norte, por ter origens no século XVIII num pequeno arraial. Por fazer parte da Estrada Real, era caminho de tropas que iam e vinham pelos rincões mineiros trazendo e levando mercadorias para abastecer o comércio local e das redondezas, em lombos de burros, mulas e em carros de bois. Era o tempo das tropas e o arraial servia de pouso, alimentação e descanso dos tropeiros.
          Com a presença constante de tropeiros na região, o modo e estilo de vida e principalmente sua culinária, passaram a ser incorporadas à comunidade local inclusive na prática do cozimento dos alimentos preparados pelas tropas. (na foto acima do Gabriel Junio, o altar da Matriz de Santana)
          Congonhas do Norte se destaca na gastronomia mineira, devido a tradição e preservação da cozinha tradicional tropeira. 
          Um dos pratos mais comuns entre os tropeiros da região, presente até os dias de hoje como tradição da cidade é o Feijão Ferrado. Por ser um prato rápido e de fácil preparo, era o preferido dos tropeiros que não tinham muito tempo para paradas. Esse prato tem como base a farinha, o feijão, o toucinho e a banha do porco. Era feito em um fogão improvisado no chão, com um caldeirão de ferro fundido pendurado em haste de ferro.
          Surgiu no começo do século XVIII, antes mesmo do tradicional Feijão Tropeiro que conhecemos existir e se popularizar. Com base no Feijão Ferrado, o Feijão Tropeiro se tornou o prato preferido dos tropeiros já que tinha sustança como carne de porco, linguiça, ovo frito, tudo junto e misturado. 
          Com a preferência pelo Tropeiro tradicional o Feijão Ferrado se tornou uma opção de comida rápida e mesmo com a opção maior pelo Feijão Tropeiro, a receita tropeira do Feijão Ferrado foi preservada em Congonhas do Norte da mesma forma que há 300 anos atrás. 
          O Feijão Ferrado é um dos pratos tropeiros responsáveis pela identidade gastronômica de Congonhas do Norte, tradição secular na cidade, além de um dos símbolos da história dos tropeiros em Minas Gerais. (na foto abaixo do Edson Borges, o feijão ferrado)
          Visite Congonhas do Norte. A cidade é pequena, charmosa, sossegada e bem estruturada para receber turistas com hotéis e pousadas tradicionais, uma boa estrutura urbana com um comércio pequeno mas variado, gente boa em todos os cantos e restaurantes diversos, com a legitima e autêntica cozinha mineira e tropeira!

quinta-feira, 21 de dezembro de 2023

Cidade mais rica do Brasil é mineira

(Por Arnaldo Silva) O maior Produtor Interno Bruto (PIB) que é a soma das riquezas total de uma cidade, estado e país foi divulgado no dia 15 de dezembro de 2023, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), feito em 2021, aponta a cidade de Catas Altas, a 120 km de Belo Horizonte, na Região Central, como o município de maior PIB do país, ou seja, a cidade mais rica do Brasil.
          Fundada em 1703, é uma das mais belas, acolhedoras e atrativas cidades históricas de Minas Gerais. Além do Santuário do Caraça, suas paisagens naturais, com enormes e impactantes paredões, Catas Altas se destaca em Minas pela sua rica culinária e pela produção de vinhos de uva e principalmente de jabuticaba, desde meados do século XIX. (Foto acima e abaixo de Elvira Nascimento, mostrando a bucólica e tranquila Catas Altas)
          A cidade é tão charmosa, que já serviu de cenário para produções da televisão como “Se eu fechasse os olhos agora”, minissérie da Rede Globo, filmada na cidade histórica.
          Com apenas 5.500 habitantes, com média de 22,80 habitantes por km², a base da economia de Catas Altas é a extração de minério e o turismo, nessa ordem. Segundo o IBGE, O PIB acumulado de Catas Altas por pessoa, é de R$920.833,97. Catas Altas tem se destaca no Estado como o maior município extrativista de Minas Gerais.
          Não só isso, além de destaque em Minas Gerais, Catas Altas, segundo o IBGE, ocupa a 1° colocação no ranking dentre as cidades de maiores PIB´s per capita do Brasil, somando R$5.032.358.00.
          A segunda cidade mais rica de Minas Gerais, é São Gonçalo do Rio Abaixo, com 12 mil habitantes, que tem o PIB de R$7.603,851,00, com o PIB anual, per capita de R$684.168,71.
          Esse valor todo, não significa que é dividido entre seus moradores, mas serve como base de cálculo. O PIB mensal e anual são divididos pelo número de habitantes de cada cidade. Ou seja, quanto maior o PIB e menor o número de habitantes, maior seria o percentual “teoricamente” para cada habitante.
          As riquezas produzidas na cidade são administradas pelo Poder Público, que usa essas riquezas nas melhores das condições de vida dos moradores em investimentos em saneamento básico, saúde, educação, moradia, esportes, lazer, etc.
Veja a lista dos 5 maiores PIB´s de Minas Gerais
1º) Catas Altas: R$ 920.833,97 - PIB: R$ 5.032.358.000 - Base da economia: Extração mineral
2º) São Gonçalo do Rio Abaixo: R$ 684.168,71 - PIB: R$ 7.603.851.000 - Base da economia: Extração mineira
3º) Itatiaiuçu: R$ 610.779,65 - PIB: R$ 6.934.792.000 - Base da Economia: Extração mineral
4º) Conceição do Mato Dentro: R$ 519.040,92 - PIB: R$ 9.051.036.000 - Base da economia: Extração mineral
5º) Jeceaba: R$ 407.353,20 - PIB: R$ 1.953.259.000 - Base da economia: Indústria da transformação

quarta-feira, 5 de julho de 2023

Tiradentes no ranking dos melhores roteiros turísticos do mundo

(Por Arnaldo Silva) Cidade mineira conhecida internacionalmente, com mais de 300 anos, fundada em 1718, preservada e riquíssima em sua cultura, gastronomia, tradições e arquitetura e história colonial.
          Recentemente entrou para o ranking dos melhores roteiros turísticos do mundo, entre 25 escolhidas pela plataforma TripAdivsor. Foi a única cidade brasileira a entrar para essa seletíssima lista. (fotografia acima de César Reis)
          São mais de 3 séculos de história e ao longo desse tempo todo, personagens anônimos e famosos circularam por suas ruas, becos e ruelas com calçamentos em pés de moleque, viveram em seus casarões coloniais, frequentaram suas igrejas históricas, suas tabernas, trilhas tropeiras e participaram de eventos de relevância histórica para o Brasil como a Inconfidência mineira.
          Essa cidade é Tiradentes, hoje com cerca de 7.774 habitantes, segundo Censo do IBGE, situada no Campo das Vertentes, distante 190 km de Belo Horizonte.
          Cidade com ótima estrutura urbana, excelentes pousadas e hotéis, artesanato variado e requintado, festas e festivais gastronômicos e culturais em seu calendário anual.
          A cidade conta com vários bens históricos tombados e bens imateriais reconhecidos, além de belezas naturais espetaculares e a própria beleza da cidade. Todo ano, a cidade recebe entre 250 mil a 300 mil turistas, vindos de todo o Brasil e do mundo.
O roteiro Walkin Tour Becos de Tiradentes
          Conhecida como “Pérola de Minas, a cidade entrou para o seleto ranking dos melhores roteiros do mundo da TripAdvisor, com o roteiro Walking Tour Becos de Tiradentes, classificado como excelente por mais de 600 usuários da plataforma e por isso, qualificado como 5 estrelas. (fotografia acima de César Reis)
          Por sua alta qualificação e pontuação entre os usuários da plataforma, Tiradentes ficou entre os 25 melhores roteiros turísticos do mundo no quesito Traveller´s Choice Best of the Best 2023. Traduzindo para o português: “Melhor dos melhores na escolha do viajante”.
          Ou seja, entre os milhares de usuários TripAdvisor que participaram da votação e escolha, a cidade de Tiradentes está entre as melhores das melhores, através do seu roteiro Walking Tour Becos de Tiradentes que ficou em 1° lugar na categoria “Melhores experiências gerais” no Brasil e em 4° da América do Sul.
           O Walking Tour Becos de Tiradentes é um passeio histórico-cultural-ecológico de 2h30 a pé pelas paisagens, ruas e becos urbanos de Tiradentes. Em 2h30 minutos de caminhada, o turista andará pelos becos e ruas da cidade, conhecerá bosques, igrejas, casarões e a história da cidade. (na foto acima do César Reis, canal no Bosque Mãe D´Água, construído por escravos. A água cai no Chafariz São José e serviu para abastecer a cidade)
Roteiros de peso no ranking
          O roteiro tiradentino premiado entre os melhores roteiros turísticos do mundo foi o único do Brasil entre os 25 escolhidos pela plataforma, que contou com roteiros internacionais de peso entre os 25 eleitos, como a excursão ao Taj Mahal, em Nova Déli, na Índia, o Walking Tour em Florença, na Itália, a excursão ao subterrâneo do Coliseu, em Roma e a visita guiada do museu do Louvre, em Paris, na França. (foto acima de César Reis)
Outros roteiros
          Esse não é o único roteiro turístico de Tiradentes. Tem o “Minas Gerais do Ouro e Barroco”, para os turistas que desejam conhecer os patrimônios históricos da cidade. Tem ainda o roteiro “Desvendando os segredos e riquezas da Estrada Real” e “Mineiridade – Nossa história”. (foto acima de Matheus Freitas/@m.ffotografia)
          Pra quem quer conhecer a riqueza da culinária mineira, Tiradentes é a cidade ideal. Na cidade o turista pode desfrutar da típica cozinha mineira, bem como conhecer as delícias da culinária de Tiradentes. O roteiro ideal para quem quer conhecer a culinária local é a Rota do Queijo. 
          Para quem ama a natureza, tem roteiro também. É a Rota das Águas Verdes, tendo do Rio Elvas, córregos, lagos, poços e cachoeiras. Pra quem gosta de esportes mais radicais, o roteiro é a Rota das Estações com trilhas de bike em grupos pelas belezas naturais da cidade, como por exemplo, a Serra de São José.
          Seja bem-vindo a Tiradentes!

quarta-feira, 21 de junho de 2023

Itapecerica: cidade histórica e berço do Centro-Oeste Mineiro

(Por Arnaldo Silva) Itapecerica é uma acolhedora e charmosa cidade histórica mineira. Situado na Região Oeste de Minas, o município conta com cerca de 22 mil habitantes está a 180 km de Belo Horizonte, nos limites entre os municípios de Camacho, Carmo da Mata, Cláudio, Formiga, Pedra do Indaiá, São Francisco de Paula e São Sebastião do Oeste. O acesso para o município é pela MG-164 e MG-260.
          Cidade tranquila, povo hospitaleiro e trabalhador, conta com uma boa estrutura urbana, um bom setor de prestação de serviços, comércio variado, inclusive com lojas de artesanato, pousadas e hotéis aconchegantes e restaurantes com pratos típicos. (fotos acima de Jad Vilela)
          
Sua economia tem como base a pequena e média indústria, em especial, a calçadista, seguindo pela setor, o segundo setor que mais gera empregos na cidade, a agropecuária, o comércio local e o turismo.
Origem
          A história de Itapecerica começa a partir de 1696, no século XVII, quando chega à região do Vale do Itapecerica o bandeirante Lourenço Castanho de Taques, em busca de metais preciosos. Várias bandeiras e garimpeiros começaram a chegar ao território mineiro de ponta a ponta no final do século XVII. (foto acima de Wilson Fortunato)
          A bandeira de Lourenço Castanho de Taques, deixou a região da Vila de São José, atual Tiradentes MG, rumo a Capitania de Goiás, com o mesmo objetivo. Entre caminhos abertos por indígenas, chamados de picadas ou abrindo outras picadas na mata e muita caminhada, paravam no que é hoje o Centro-Oeste mineiro, para descanso. 
          Em um desses lugares de parada de bandeirantes e garimpeiros, originou-se Itapecerica, quando outro bandeirante, Feliciano Cardoso de Camargo, resolveu fixar-se nesta região, já que encontraram minas de ouro nas redondezas de Tiradentes e São João Del Rei.
          De ponto de parada de bandeirantes, tropeiros e garimpeiros, tornou-se arraial em 1744 com o nome de São Bento. Em 20 de novembro 1789 o arraial foi elevado a vila pelo Visconde de Barbacena, governador de Minas Gerais nesta época. Essa data é reconhecida como o dia e ano da fundação da cidade.
          Em 4 de outubro de 1862 a vila é elevada a município com o nome de São Bento do Tamanduá, mas no mesmo ano, o nome é mudado para Itapecerica, nome Tupi-guarani que significa “Pedra Lisa e Escorregadia”.
Berço cultural do Centro-Oeste Mineiro
          Itapecerica é uma das mais belas e uma das mais bem preservadas cidades históricas de Minas Gerais.
          Em suas ruas, fazendas centenárias, igrejas e casarões, estão um pouco da história de Minas, bem como a cultura, religiosidade e gastronomia mineira, presentes no Festival de Inverno e Festival da Gastronomia Rural, dois eventos de grande importância na região. (na foto acima de Mardem Mendonça, o Festival de Gastronomia Rural de 2023)
          Tem ainda a Feira de Artesanato João Faísca, realizada aos sábados na Praça do Coreto e as festas religiosas e folclóricas como o Reinado e Folia de Reis, evidenciando o valor que a cidade dá à tradição, religiosidade, cultura e artesanato local. (na foto acima a Praça do Coreto. Arquivo Prefeitura Municipal/@divulgação)
          Além disso, tem as apresentações da Lyra Santa Cecília, fundada em 1908.
          Logo nas duas entradas da cidade, pela MG-260 e MG 164, percebe-se porque Itapecerica é considerada o berço cultural do Centro-Oeste de Minas.
          Na entrada BR-494, antes da entrada para MG-260 está Gonçalves Ferreira. Embora hoje com poucos moradores, o pequeno povoado faz parte da história da cidade. Nesse povoado estão as ruínas da estação ferroviária e a da Capela de Nossa Senhora das Mercês.
A Aldeia Pataxó Muã Mimatxi
          Já entrando na MG-260, no distrito de Lamounier, nas proximidades da cidade está a Aldeia Indígena Pataxó Muã Mimatxi, na Fazenda Modelo, numa área de reserva demarcada em 2006. Vivem na aldeia Pataxó, cerca de 60 indígenas originários do Sul da Bahia.
          
Na comunidade, os Pataxós Muã Mimatxi preservam sua ancestralidade, pintando o corpo com pigmentos que eles próprios fazem, dançam, tocam instrumentos musicais, revivem suas festas típicas e mantêm seus costumes. Vivem da agricultura de subsistência e do artesanato. (na foto acima, ladeado por indígenas Pataxós, o prefeitura de Itapecerica, Wirley Rodrigues Reis)
          Visitar a aldeia é conhecer a cultura e história dos povos indígenas na região, bem como seus usos e costumes, em especial o artesanato que é riquíssimo.
Entrando na cidade
          
Após a Aldeia dos Pataxós Muã Mimatxi, vê-se o letreiro “Eu Amo Itapecerica””. Pronto, já está na cidade, agora é andar pelas ruas históricas e conhecer Itapecerica por dentro bem como a vocação secular de seu povo na arte da cutelaria, marcenaria, além dos mestres cervejeiros, das famosas quitandeiras, artesãos e luthiers que fabricam instrumentos musicais de corda e acordeons. (fotografia acima de Elpídio Justino de Andrade)
          Quem vem pela MG-164 tem como primeira opção conhecer a primeira igreja da cidade, a Igreja de São Francisco da Ordem Terceira de Santo Antônio. Iniciada em 1790, no século XVIII, foi concluída em 1801, já no século XIX. (fotografia acima de Jad Vilela)
          A igreja em estilo barroco e ornamentação em estilo rococó, tem como principal atração a imagem do Senhor Morto, esculpida em Portugal, totalmente em madeira. 
Arquitetura colonial urbana
          
É no centro da cidade que estão os principais casarões, chafariz, coreto, igrejas, escolas, hotéis e restaurantes da cidade. Ao andar pelas ruas e praças da cidade, perceberá um zelo enorme de seus moradores para com o seu patrimônio.
          Cidade limpa, casario preservado e muito bem cuidado, praças bem cuidadas, monumentos e prédios públicos belíssimos e muito bem conservados. (fotografia acima de Jad Vilela)
          A Praça do Coreto é o ponto inicial para conhecer um pouco da história de Itapecerica. É nessa praça que acontece os principais eventos sociais, culturais e religiosos da cidade como carnaval, festivais e outras festas tradicionais. (foto acima do Festival de Gastronomia Rural de 2022- Arquivo Prefeitura Municipal)
          É uma praça muito bem cuidada, bem preservada, com jardins bem cuidados, bancos, fontes luminosas e toda a beleza do centro da cidade em seu entorno.
           Saindo da Praça do Coreto, na subida da Rua Cônego Cesário, temos um belíssimo chafariz e belos casarões coloniais muito bem conservados nas proximidades. (fotografia acima de Jad Vilela)
          A imponente e belíssima Matriz de São Bento, iniciada em 1825 e concluída em 1912, é outro ponto obrigatório para se conhecer, principalmente em seu interior com belíssimas talhas e entalhes em estilo rococó em seus altares e pinturas. (fotografia acima Prodlik Imagens - Prefeitura Municipal/Divulgação)
          No altar-mor, está a imagem em madeira de São Bento esculpida em Portugal entre 1750 e 1755. Na praça da Matriz, também chamada de Praça São Bento, arborizada, aprazível e bem cuidada, pode se conhecer a Biblioteca Municipal e outros casarões coloniais.
          Na rua em frente a Matriz, tem a Igreja de Nossa Senhora das Mercês ou Igrejinha das Mercês, como é chamada. Foi construída no século XIX, embora não tenha data precisa de sua construção. Seu estilo segue os padrões do início do século XIX, bem como suas talhas e ornamentações internas. Em seu altar-mor encontra-se a imagem de Nossa Senhora do Bom Parto. (foto acima arquivo Prefeitura Municipal/Divulgação)
          Saindo da Praça São Bento, no sentido Praça do Coreto, encontramos a Rua Juscelino Kubitschek. Nesta rua e em suas proximidades, está o belo prédio histórico da Câmara de Vereadores e outros belos sobrados, casarões coloniais. 
          Nas proximidades desta rua encontramos uma pequena e bela praça e à sua frente, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, com seu altar em estilo rococó, com talhas em madeira bem trabalhadas. (fotografia acima de Wilson Fortunato)
          Esta igreja é datada de 1819, mas sofreu drásticas modificações em sua fachada no início do século XX, perdendo com isso seu estilo barroco original, embora seu interior tenha sido preservado de modificações drásticas. As festas do Reinado acontece na praça em frente a igreja.
          Em frente a Câmara Municipal temos a Praça Alexandre Szundy e outras belas construções nas proximidades, como por exemplo o Casarão do Elpídio Couto, conhecido como Casarão da Mita, onde atualmente funciona uma loja. É um imponente casarão em dois pavimentos. Foi construído entre 1910 e 1915. (fotografia acima de Wilson Fortunato)
          Andando pelas ruas da cidade encontrará outras casas, casarões e sobrados coloniais, bem como pequenas capelas, como a Capela do Passo de Santa Rita, próximo a Rua Cônego Domiciano, o Casarão da Cooperativa, construído em 1905, a Praça Melo Vianna, hoje Praça Dom José Medeiros Leite, construída em 1936, dentre outros atrativos históricos como a sede da Prefeitura (na foto acima arquivo Prefeitura Municipal/Divulgação e na foto abaixo do Elpídio Justino de Andrade, o prédio da Câmara Municipal)
Fazendas centenárias e belezas naturais
          Para os amantes da natureza, em Itapecerica nasce o rio Itapecerica. Nasce no Morro do Calado, com o nome de Rio Vermelho. Descendo o relevo montanhoso do município, recebe as águas dos rios Gama e Santo Antônio. Em seu trecho por Itapecerica, encontramos cascatas e cachoeiras como a Pouso Alegre e Olga que formam poços propícios para banhos.
          
Nas proximidades do Rio Itapecerica encontra-se fazendas coloniais e hotéis fazendas como como a Pousada Caixa D´Água, a Fazenda Capetinga e Fazenda Palestina ( na fotografia acima de Elpídio Justino de Andrade)
          Além disso, em Itapecerica tem o Mirante da Pedra, com vista de 360 graus para vales e serras da região. Á noite, é possível ver as luzes das cidades vizinhas. Tanto à noite como durante o dia, a vista é maravilhosa.
          Itapecerica faz parte da história, cultura, religiosidade e gastronomia mineira. (foto acima arquivo Prefeitura Municipal/Divulgação, Festa do Reinado de N. S. do Rosário)
          Vale a pena conhecer, vale a pena visitar Itapecerica.

quinta-feira, 15 de junho de 2023

Santo Antônio do Rio Abaixo: cidade turística e histórica

(Por Arnaldo Silva) Santo Antônio do Rio Abaixo é uma é uma típica cidade mineira, charmosa, turística e repleta de belezas naturais. Entre morros e serras, a pequena e acanhada cidade interiorana mineira., guarda um pouco da época do Ciclo do Ouro em sua história. Conta apenas com 1.756 habitantes, segundo o IBGE em 2021. Seu povo é de um coração enorme, caloroso e acolhedor. (na foto abaixo do Sérgio Mourão/@encantosdeminas, ponte secular sobre o Rio Santo Antônio e a cidade ao fundo.
Onde fica?
          O município faz parte da Bacia do Rio Doce e limita-se com Conceição do Mato Dentro, Morro do Pilar e São Sebastião do Rio Preto e está a 190 km de Belo Horizonte, com acesso pela MG-010, BR-381 e BR-120, na Região Central Mineira. 
          A cidade carrega o nome do Rio Santo Antônio, que banha a cidade. O acréscimo de “rio abaixo” é para diferenciar de Santo Antônio do Rio Acima. (foto acima de Sérgio Mourão/@encantosdeminas)
Como começou?
          A história de Santo Antônio do Rio Abaixo começa antes do Ciclo do Ouro, em 1695, com a chegada à região das Borba Gato. Encontraram ouro em abundância no Rio Santo Antônio, dando origem assim o povoamento da região por onde passava o rio. Duarte e Alvarenga, duas famílias bandeirantes portugueses, fixaram-se na região, às margens do Rio Santo Antônio, dando origem assim a formação do povoado que é hoje a cidade de Santo Antônio do Rio Abaixo. 
          Em 1787 o povoado contava com cerca de 400 habitantes. Em 1788 deu-se início a construção da Igreja de Santo Antônio. Foi elevado a vila e distrito subordinado a Conceição do Mato Dentro em 1875 e finalmente emancipado em 30 de dezembro de 1962.
O que fazer em Santo Antônio do Rio Abaixo?
          As águas do Rio Santo Antônio com suas cachoeiras, como do Cristal, Chuvisco e da Bahia, além das praias fluviais formadas pelo rio, são atrativos do município, bem como a matas nativas do Cerrado e de Mata Atlântica, serras e morros, como a Serra do Cristal.
          As águas do Rio Santo Antônio formam poços propícios para banhos como o Poço do Limão, um dos mais frequentados e as praias fluviais do Tabuleiro e dos Vieira, lugares que atraem grande número de moradores e visitantes, principalmente no verão. (foto acima de Sérgio Mourão/@encantosdeminas, a Praia do Limão)
          Além disso, tem o Balneário Benedito Martins Leite, um dos principais atrativos, não só da cidade, mas da região. É uma praia fluvial com ótima estrutura com área de camping, banheiro, água e luz, além de matas nativas, ciliares e grutas submersas. Um lugar imperdível! (na foto acima de Sérgio Mourão/@encantosdeminas)
          Já no perímetro urbano, a Matriz de Santo Antônio é um dos principais atrativos e por onde iniciou a história da cidade. 
          Em estilo colonial, é um dos mais belos exemplares da arte barroca de Minas Gerais do século XVIII e XIX. (a Matriz, na foto acima e abaixo do Sérgio Mourão/@encantosdeminas)
          Outro atrativo de grande impacto e beleza arquitetônica é a ponte sobre o Rio Santo Antônio, construída no início do século XX, um dos cartões-postais da cidade que mostra a beleza da arquitetura eclética e clássica do início do século passado.
          Além disso, o visitante tem ainda como atrativos a Praça Alcino Quintão, Praça Joaquim Coelho de Souza, a beleza do artesanato local e várias fazendas seculares e preservadas (na foto acima, de Sérgio Mourão/@encantosdeminas, uma das várias fazendas do município).
          Santo Antônio do Rio Abaixo é uma cidade bem estruturada, calma, povo tranquilo, com boa estrutura urbana. Conta com aconchegantes hotéis e pousadas, além de restaurantes com comidas típicas e quitandas tradicionais mineiras e cachaça. Seu pequeno comércio é familiar e variado. (foto acima do Sérgio Mourão/@encantosdeminas, algumas quitandas da cidade)
          É uma típica cidade interiorana mineira do século XVIII que sobreviveu à modernidade, preservando suas tradições religiosas, folclóricas e parte de sua história arquitetônica.

segunda-feira, 8 de maio de 2023

Rua de Ouro Preto entre as 6 mais inesquecíveis do mundo

(Por Arnaldo Silva) Mais uma vez Minas Gerais é destaque no mundo. A Rua Conde Bobadela, em Ouro Preto MG, foi selecionada pela plataforma de viagens Booking.com entre as ruas mais inesquecíveis do mundo.
          Foram apenas seis ruas indicadas e apenas uma é brasileira, a Conde de Bobadela da cidade histórica, Patrimônio da Humanidade desde 1980. As outras cinco indicadas pela plataforma são: Duval Street, Key West, EUA; Caminito, Buenos Aires, Argentina; Spiegelgracht, Amsterdã, Países Baixos; Via Celio Vibenna, Roma, Itália e Yonge Street, Toronto, Canadá. (na foto acima de Sônia Fraga e abaixo da Ane Souz a Rua Conde de Bobadela, a popular Rua Direita)
          Tendo como critério a opção dos viajantes em visitar lugares “instagramáveis” ou seja, lugares ideais para vídeos e fotos interessantes para postagens em redes sociais.
          Baseado nessa tendência mundial, a maior plataforma de reserva de viagens do mundo, a Booking.com entendeu que lugares assim impactam a opção dos viajantes na hora da escolha de seu destino. É o caso do viajante brasileiro, que, segundo a própria plataforma de viagens, 82% brasileiros optam por destinos “instagramáveis”. Por esse motivo, a opção da plataforma em indicar as seis ruas mais memoráveis e inesquecíveis em todo o mundo.
A Rua Conde de Bobadela
          A rua tem o nome em referência o militar português Gomes Freire de Andrade, governador da Capitania do Rio de Janeiro e o primeiro a receber o título de Conde. (na foto acima da Ane Souz, a rua Conde de Bobadela à noite)
          Repleta de casarões centenários, preservadíssimos e charmosos, lojinhas de artesanato e comércio variado, bares, cafés e restaurantes, além de ser cenário de vários eventos como a icônica Festa do Doze. 
          A via dá acesso à Praça Tiradentes, a praça principal da cidade, próximo ao Museu da Inconfidência, à direita de quem está em frente ao museu. A rua ligava antigamente a Matriz de Ouro Preto, Matriz do Pilar, à Praça Tiradentes, sendo por isso chamada de Rua Direita. (na foto acima da Ane Souz, a Praça Tiradentes dá para ver a entrada da Rua Direita)
          Ao longo do século XIX e XX, o traçado da Rua Direita foi alterado com o tempo, devido o surgimento de novos casarões e novas ruas, deixando de ligar diretamente a Matriz à Praça. Hoje o nome da rua atual é Conde de Bobadela. Mesmo assim, até os dias de hoje, é, para o povo de Ouro Preto, Rua Direita.
          Portanto, façam suas malas, venham para Minas Gerais, venham conhecer nossas cidades, nossas ruas charmosas, nossas tradições e claro, venham conhecer Ouro Preto e todas as suas ruas. (na foto acima da Ane Souz, o casario da Rua Direita)
          Em cada cantinho de Ouro Preto está um pouco da história do Brasil. A cidade é a preciosa joia do barroco brasileiro.

domingo, 19 de março de 2023

Ouro Preto não é apenas uma cidade, é uma obra de arte!

(Por Arnaldo Silva) A cidade de Ouro Preto foi fundada em 1711 e é uma das mais importantes cidades do mundo. Tanto é que foi a primeira cidade brasileira e uma das primeiras do mundo, a ser reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco, em 1980. No século XVIII, chegou a ser a cidade mais populosa das Américas com com 80 mil habitantes, maior que São Paulo e Nova York, na época. 
          Construída no auge do Ciclo do Ouro, não pelas mãos de construtores ou engenheiros, mas pelas mãos de artistas, por isso que as construções ouro-pretanas são pura arte. Ouro Preto não foi construída, foi esculpida à mão, num tempo em que em que se valorizava arte, tanto no casario, quanto nas igrejas e prédios públicos. (foto acima de Ane Souz)
          Construções feitas pelas mãos habilidosas de artesãos e artistas talentosos, que trabalhavam com perfeição, suas obras em pedra sabão, madeira e em ouro. (fotografia acima de Fabinho Augusto)
          Entre os mestres que construíram Ouro Preto, destacam-se Manuel da Costa Ataíde, o grande Mestre da Pintura Barroca, além de Manuel Francisco Lisboa e principalmente, seu filho, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, dentre outros grandes artistas, famosos ou não. (fotografia acima de Peterson Bruschi e abaixo de Nacip Gômez)
          Ouro Preto é uma relíquia, um tesouro, um museu a céu aberto. É a história viva e praticamente preservada, desde suas origens.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2022

Cidade Histórica se torna Patrimônio Híbrido de Minas

(Por Arnaldo Silva) A pequena Santana dos Montes, com apenas 3,469 habitantes atualmente, conquistou um título inédito em 2022. É a primeira cidade mineira reconhecida como Patrimônio Híbrido pelo Conselho Estadual do Patrimônio Cultural (CONEP) e Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha/MG). Uma vitória de seus moradores e o reconhecimento do valor material e imaterial de uma das mais importantes cidades históricas mineiras que há anos reivindicava esse reconhecimento.
          A cidade histórica, com origens no século XVIII, é repleta de fazendas centenárias como a Fazenda da Posse e Fazenda Fonte Limpa, um rico centro histórico colonial, igrejas seculares como a Matriz, datada de 1740, paisagens nativas de Cerrado e Mata Atlântica, além de ser tradicional na culinária, na produção de vinhos e cervejas artesanais. (na foto acima do César Reis o casario colonial de Santana dos Montes e abaixo, do Barbosa, a Matriz de Santana)
           Conduzido pelo Iepha/MG, o processo de estudo, preparação e análise do dossiê formulado ao longo de 2 anos, foi realizado pela entidade, em pareceria com o poder público municipal, que reivindicava esse reconhecimento há 14 anos, empresários do setor hoteleiros e a comunidade local, que puderam opinar sobre os locais, ruas, festividades e bens materiais de relevância para a comunidade a serem tombados, portanto, protegidos.
          O tombamento híbrido, pioneiro em Minas Gerais, engloba os bens materiais presentes no núcleo histórico de Santana dos Montes e seus símbolos religiosos, folclóricos e afetivos imateriais e culturais como atividades artísticas.
          Em destaque para as Linguagens, Saberes e Expressões Musicais da Viola, as manifestações populares, expressadas na Folia de Reis e Congadas e o trajeto do cortejo dos cortes, além do símbolo maior desse bem imaterial da cidade, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, de grande relevância para a história do município. (na foto acima do Barbosa, interior de uma fazenda centenária em Santana dos Montes)
          
Com o tombamento, os bens materiais e imateriais passam a ter proteção do Instituto Estadual do Patrimônio Artístico de Minas Gerais (Iepha), preservando em sua essência, sua arquitetura e tradições seculares.
          A cidade faz divisa com Conselheiro Lafaiete, Itaverava, Rio espera, Lamim, Capela Nova, Caranaiba e Cristiano Otoni, está a 120 km de Belo Horizonte, na Região Central Mineira.
          É dotada de boa estrutura urbana, rede hoteleira e gastronômica muito bem avaliadas, pousadas lindíssimas em antigas e centenárias fazendas, com arquitetura e mobiliário de época, boa rede de prestação de serviços e um pequeno e variado comércio. Além disso, a cidade é bem cuidada e tranquila. Seu povo pacato, simples e bastante hospitaleiros. (fotografia acima do Barbosa em pousada da cidade)
Benefícios do tombamento híbrido
          Além da proteção e preservação das tradições e história colonial da cidade, o tombamento trará significativas melhoras na economia do município, principalmente na área de turismo, além de trazer maior desenvolvimento urbano e rural com novos investimentos no comércio, ampliação do setor de prestação de serviços, aumento ou surgimento de pousadas, hotéis e restaurantes, etc. Isso movimentará a economia local, trazendo maior desenvolvimento e melhora da qualidade de vida de seus habitantes da área urbana e rural. (foto acima e abaixo de Sônia Fraga)
          Além disso, com o reconhecimento estadual, aumentará a pontuação de Santana dos Montes no ICMS Cultural, além do município estar a partir de agora, apto a captar mais recursos estaduais e federais, a serem investidos na preservação patrimonial da cidade e atividades culturais.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores