Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Penha de França: a joia colonial mineira

(Por Arnaldo Silva) Dos distritos e povoados de Itamarandiba, uma das cidades emergentes de Minas Gerais, na região do Vale do Jequitinhonha, Penha de França se destaca por sua história e importância para a região e Minas Gerais. Sua origem data de 1653, mas não foi por bandeirantes, como era comum naquela época. Quem povoou a região, onde está hoje Penha de França, foram alemães e franceses. Na região, fixaram residência, formando um pequeno arraial, trabalhando na agricultura e claro, não vieram de tão longe para plantar batatas, milho ou mandioca. Vieram para explorar ouro e pedras preciosas, recém descobertas no Brasil. Esse foi o motivo maior da presença desses dois povos na região. 
          A presença de outros povos no início da colonização do Brasil era comum, quando foi anunciada a descoberta do ouro nas terras brasileiras, despertando o interesse de grupos e nações pelo nosso ouro. (na foto acima de Sérgio Mourão, a Praça da Matriz de Penha de França)
          Vieram para o Brasil, com o objetivo de formarem colônias ou mesmo tomar o Brasil, ou parte dele, de Portugal, como tentaram os holandeses. A reação foi imediata e vitoriosa, tendo os portugueses expulsado os holandeses, alemães, franceses e outros que tentavam ocupar as minas de ouro e diamantes recém descobertas, principalmente em Minas Gerais.
          Nem todos que foram expulsos, saíram do Brasil, mas fugiram, adentrando em nosso sertão. Vindos do Rio de Janeiro, franceses e alemães se instalaram no Sul de Minas. Na cidade de Carvalhos, no Sul de Minas, tem um povoado de nome Franceses, formado quando da fuga dos franceses do Rio de Janeiro. Na região, logo deram um jeito de procurar minas de ouro e pedras preciosas. Os que estavam na Bahia e região, fugiram pelo sertão, atravessando as divisas de Minas, se instalando na região, fundando o arraial de Penha de França.
          Ainda no século XVIII, a ação da Coroa Portuguesa passou a ser mais enérgica contra invasores, até que os portugueses dominaram por completo a exploração mineral em Minas Gerais, impedindo de todas as formas e ações possíveis, a mineração de grupos ou pessoas não autorizadas pelas Coroa na mineração. Assim foi a origem de Penha de França, com influência alemã, francesa, por fim, portuguesa, esta última, em maior proporção, com a saída dos alemães e franceses. A pequena vila foi elevada a freguesia e a distrito em 24 de setembro de 1862, guardando até os dias de hoje, relíquias arquitetônicas de sua história nos tempos do Brasil Colônia.
          Penha de França tem orgulho em ter sido local de pouso por dois meses, de um ilustre visitante. O visitante era Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Segundo tradição oral, em sua estadia na Vila, o Mártir da Inconfidência namorou Sinhá Raimunda, formosa escrava que encantou o Alferes. 

          Penha de França é a joia de nossa história. A joia colonial mineira. (foto acima de Sérgio Mourão)
          Mesmo a influência dos alemães, franceses e portugueses em sua formação, principalmente religiosa, a origem do nome Penha de França é espanhola. Penha de França é uma montanha, que fica na província de Salamanca, na Espanha.
          A história começa em 19 de maio de 1434, quando um francês muito religioso, chamado Simão, sonhou que uma imagem da Mãe de Jesus teria sido enterrada numa montanha, durante o conflito entre mouros e cristãos, na Idade Média. Para proteger as artes sacras da ação destruidora dos mouros, católicos enterravam as imagens em locais para que os mouros nãos as localizassem.
          Em seu sonho, a imagem acenava para que a procurasse e assim o fez, peregrinando por cerca de 5 anos, até conseguir identificar a montanha do seu sonho, em Salamanca, província da Espanha. Já no fim de sua peregrinação em busca da imagem, Simão para descansar, ouviu uma advertência divina que dizia “Simão, vela e não durma!”. Assim passou a se chamar Simão Vela.
          Na região em que estava, existia muitas penhas, que são grandes afloramentos rochosos isolados, nas encostas das serras. Escalando uma dessas penhas, encontrou uma mulher com o filho no colo que indicou o lugar que deveria procurar para chegar a seu objetivo. Com a apoio de alguns pastores da região, Simão Vela conseguiu localizar, numa penha, chamada de Penha de França, por ter sido refúgio de franceses durante a guerra entre mouros e cristãos, a imagem de Nossa Senhora, exatamente como era em seu sonho.
          Por encontrar a imagem de Nossa Senhora, numa penha, já com o nome de Penha de França, passou a chamar então a Mãe de Jesus de Nossa Senhora da Penha de França, colocando a imagem numa rústica capela, que construiu no local que a encontrou.
          O lugar passou a ser procurado pelos milagres relatados, havendo necessidade de ampliar a pequena ermida. Assim foi erguido um novo templo, no topo da serra da penha, hoje Santuário de Nossa Senhora da Penha de França, no município de El Cabaco, na província de Salamanca, na Espanha, com a data de 8 de setembro, dedicada à Nossa Senhora da Penha de França.
          Com o passar do tempo, a fé e os milagres atribuídos a Nossa Senhora da Penha de França se expandiu para o mundo, surgindo igrejas e santuários dedicados a Nossa Senhora da Penha de França, passando com o tempo a ser somente Nossa Senhora da Penha, na maioria dos lugares onde a santa é venerada pelos fiéis.
          Agora, voltando para Minas, o distrito passou a ter esse nome por uma semelhança com o caso acima. Segundo a tradição oral, Nossa Senhora apareceu duas vezes no local.
          Quando da chegada dos alemães e franceses, vieram com eles alguns escravos. Em 18 de setembro de 1653, quando começava o povoamento do arraial, um dos escravos que servia a um dos franceses, viu um enorme foco de luz, saindo de um tronco de árvore, que havia sido derrubado para ser usado na construção das casas do vilarejo.
          Curioso, o escravo se aproximou e viu na luz a imagem de Nossa Senhora. Assustado, correu e foi contar ao seu senhor o ocorrido, que duvidou por completo da história, agindo como São Tomé, foi lá ver para crer, já alertando a seu escravo que se fosse mentira, iria manda-lo para o tronco. 

          Já no local, o que havia era apenas o tronco, que não tinha sido queimado, como o escravo relatara, o que fez que o francês mandasse amarrar o escravo para chicoteá-lo. Foi ai que do tronco surgiu um forte clarão de fogo, aparecendo Nossa Senhora, mas apenas o escravo pôde vê-la, os outros nada viram, apenas o forte clarão de fogo vindo do tronco. 
          A incredulidade do francês, bem como os outros imigrantes da recém formada comunidade, foi substituída pela fé. Relembraram da devoção à Nossa Senhora da Penha de França, na Europa e resolveram edificar uma igreja, colocando no altar a imagem de Nossa Senhora da Penha de França, com o trono da santa sobre o tronco da árvore. Em torno da Igreja de Nossa Senhora da Penha de França o povoado se desenvolveu, passando a se chamar Penha de França. Com o crescimento do arraial e a presença constante de fiéis, a antiga ermida deu lugar a outro templo, maior, mais espaçoso, com características coloniais em sua fachada, ornamentação interna em estilo eclético e neo-românico, como podem ver na foto acima, do Sérgio Mourão, o atual altar,
          251 anos após essa aparição, em 1º de outubro de 1904, Nossa Senhora apareceu novamente na localidade, tendo sido vista por duas meninas negras, Rosalina e Guida, filhas de Dona Feliciana. Sabendo da história, o arcebispo da região na época, foi até onde as meninas presenciaram a aparição da santa, celebrou uma missa e mandou tirar fotos do altar da Igreja. Quando os filmes foram revelados, se surpreenderam ao verem nas fotos, duas imagens no altar, uma ao lado da outra, mas só tinha uma no altar. O fato foi visto com um milagre, tendo a notícia se espalhado pela região, atraindo atenção de fiéis para a localidade, começando assim romarias e peregrinação até a Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, em Penha de França.

          Em torno da fé Penha de França se desenvolvia, tanto na agricultura, na mineração, quanto em seu pequeno comércio, já que a presença de fiéis movimentava a economia do distrito. (na foto acima de Sérgio Mourão, a calma e tranquila vida em Penha de França) 
          Além da religiosidade, tradição e sua arquitetura, paisagens naturais chamam a atenção em Penha de França como o sítio arqueológico da Lapa Santa (na foto acima de Sérgio Mourão), com pinturas rupestres com figuras de pessoas e animais, além de ter sido encontrado ossadas com cerca de 4 mil anos, segundo informações de paleontólogos. (foto abaixo do Sérgio Mourão, detalhe do casario colonial em Penha de França)
          Essa é Penha de França, sua origem marcada pela fé, arquitetura, tradição, história, reunidas num pitoresco, tranquilo, charmoso e atraente lugar, com um povo simples, trabalhador e muito hospitaleiro. Um convite especial, para a data celebra do dia de Nossa Senhora da Penha de França, 8 de setembro, quando a comunidade se prepara para a festa, que atrai fiéis de toda a região.







quarta-feira, 29 de julho de 2020

Carlos Euler: joia ferroviária de Minas

 (Por Arnaldo Silva) Carlos Euller é um charmoso e pitoresco distrito de Passa Vinte MG, Sul de Minas Gerais, distante apenas 13 km da sede. No distrito, cortado por linha férrea, vivem cerca de 300 pessoas com sua economia voltada para a agricultura, pecuária e produção artesanal de queijos, doces e quitadas.(foto acima e abaixo de Rildo Silveira)
         O local onde está o distrito hoje, era ponto de pousada de tropeiros antigamente. (foto acima de Rildo Silveira) Durante os encontros das tropas, a alegria contagiava os tropeiros, tendo o lugar do pouso ficado famoso e chamado então de Pouso Alegre.  Com a chegada da linha férrea na região, no final no início do século XX, a realidade mudou. 
          A linha de trem passava pelo local de pouso dos tropeiros e com isso foi chegando mais gente, novas casas começaram a ser construídas para abrigar os funcionários da ferrovia. Um desses que chegaram à região foi o engenheiro alemão Carlos Oiler, diretor da Estrada de Ferro Oeste de Minas entre 1913/14, responsável pela implantação da ferrovia na região, da estação, da construção do casario e até de uma pequena capela no distrito. Como a pronúncia do nome era meio difícil para o povo da época, seu sobrenome foi aportuguesado para Carlos Euler.  
          Antes da chegada do engenheiro alemão, viviam algumas famílias em arraial de Pouso Alegre, entre eles o casal de origem italiana, Fortunato Nardelli e sua esposa Corinna. Com a chegada da ferrovia, o casal percebeu que cada dia mais chegavam pessoas de outras localidades para trabalharem na construção da ferrovia e das casas para os funcionários. Decidiram então montar um comércio para atender os moradores da vila e bem como os novos que chegavam. Em 1910, montaram a "Casa Comercial Nardelli", vendendo de tudo um pouco, principalmente artigos de primeira necessidade como sal, querosene, lamparinas, carnes, arroz, feijão, café, etc. (fotografia acima e abaixo de Rildo Silveira)
          O nome Pouso Alegre era nome popular, mas quando da inauguração da estação em 15 de junho de 1914, passou a se chamar Carlos Euler, em homenagem ao engenheiro alemão, que foi de grande importância para o desenvolvimento da região. A linha servia para escoamento de carga, bem como transporte de passageiros, tendo sido desativada para passageiros em 1995, funcionando apenas para trens de carga. 
          Hoje, Carlos Euler é um dos patrimônios representativos de nossa história ferroviária e de Passa Vinte (na foto acima de Rildo Silveira). A estação e seu casario, seguiu o estilo arquitetônico das construções ferroviárias do início do século XX, sendo de grande valor cultural e histórico, bem como marcou a identidade dos moradores da localidade. A vila hoje é uma das maiores relíquias ferroviárias de Minas Gerais. 
Cachoeira
Além de seu histórico e charmoso casario, Carlos Euler se destaca por ter uma das mais belas cachoeiras da região, chamada por todos de Cachoeira Carlos Euler (na foto acima de Rildo Silveira), distante apenas 5 minutos da sede do distrito. Chegando ao distrito, são cerca de 800 metros de trilhas que pode ser percorrida a pé ou de bike. Vista de longe, encanta pela beleza das suas águas e paisagens deslumbrantes em seu redor. De perto, impressiona por sua imponência. Depois de uma boa pedalada ou caminhada, refrescar em suas águas limpas e cristalinas.

quarta-feira, 22 de julho de 2020

Caminhos do Rio Urucuia em Minas

(Por Gilberto Valadares) O rio Urucuia nasce em Goiás, mais especificamente na região do Raizama, no município de Formosa, próximo ao córrego e ao distrito de Bezerra, na divisa da fronteira com Buritis, que é o primeiro município mineiro a receber as águas desse majestoso rio.
          Ainda que discreto, o rio Urucuia passa a receber as águas de outros córregos nos chapadões goianos, como por exemplo do rio Bonito, próximo ao Poço Azul. Entre lavouras, plantações e áreas de preservação ambiental o rio sobressai e aos poucos se mostra maior. (fotografia acima de Livia Alves)          O escritor Oscar Reis Durães descreve a povoação indígena nas Ilhas das Guaíbas, ilha do rio São Francisco próximo a Foz do rio Urucuia. Segundo o escritor, duas tribos que habitavam a região dos rios Urucuia e Paracatu seriam descendentes dos caiapós, índios que desceram do Maranhão passando por Tocantins e que teriam dado o nome a este rio.
Às margens do Rio Urucuia, Iolanda Marques, Neuza Fróes e Marlene Valadares. Anos 70
          Em uma conquista de terras após matarem e expulsarem os índios da Ilha das Guaíbas na foz do rio Urucuia no início do século 18, os sertanistas paulistas, Januário Cardoso, Manoel Francisco Toledo, Domingos Prado de Oliveira e Salvador Cardoso de Oliveira, estenderam domínio sobre toda a vasta região e se tornaram os senhores do Urucuia.
          O tráfego de aventureiros na busca por ouro em Paracatu e Goiás fez a região do Urucuia se desenvolver. Após as primeiras picadas brutas a facão e machado, feitas por sertanistas que cruzavam terras mineiras do extremo de São Romão, subiam pela nascente do Urucuia até os imensos chapadões do Arraial de Couros, hoje Formosa em Goiás. Pouco a pouco novos povoados foram surgindo ás margens desse rio e as primeiras famílias foram se fixando, em meio as dificuldades do grosseiro e inabitado cerrado da época.

Tropeiros cruzando o Rio Urucuia na década de 1970. Arquivo Gil Valadares
          Em registros históricos somos transportados ao ano de 1778, quando uma cartografia confirma o roteiro do bandeirante Lourenço Castanho Táquis, que abrangia o Urucuia, o Rio Preto e a Lagoa Feia. Tal bandeirante percorreu o estreito da chapada de Guarapuava e Buritis.
          A partir desse momento, os movimentos comerciais surgem com o transporte fluvial trazendo sal e outros tipos de mercadoria que vinham do litoral de Juazeiro e Petrolina através do rio São Francisco. O transporte fluvial adentrava Minas Gerais em São Romão e Pirapora, onde atingiu por algumas décadas o rio Urucuia.
          O Urucuia foi navegável até a barra do Rio Claro, onde por um determinado tempo se desenvolveu um garimpo de diamante, hoje no município de Arinos. Foi nessa época que surgiu o povoado de Morrinhos, localizado próximo ao Ribeirão das Areias e que muito prosperou no final do século 18.

Barqueada Ecológica 2019 em Buritis MG. Foto: Marcilei Farias
          O grandioso Aquífero do Urucuia completa nosso texto, dando a importância totalizada das riquezas dessas águas para o Brasil. Localizado no extremo sul do Piauí, passando pelo Maranhão, Goiás, Bahia e Tocantins, alcançando o norte e nordeste de Minas Gerais, o Aquífero do Urucuia está em uma área de aproximadamente 80 mil quilômetros de extensão e tem uma função reguladora dos afluentes da margem esquerda do rio São Francisco.

Em Buritis, o rio Urucuia (na foto acima de Livia Alves) recebe as águas do córrego Taquaril, do ribeirão São Vicente, córrego Extrema, rio São Domingos, Barriguda e Piratinga. Em Arinos ele aumenta seu volume e recebe as águas do rio Claro, o rio São Miguel também deságua no Urucuia, além dos ribeirões da Ilha, da Areia e Confins. O rio de águas vermelhas e batizado pelos caiapós também dá nome ao município de Urucuia, onde recebe as águas do córrego Taboca e Gameleira. (na foto abaixo do Gilberto Valadares, o Rio Urucuia ao chegar em Buritis/MG, na fazenda Sobrado)
          Imortalizado nos versos de João Guimarães Rosa, o rio de amor desse saudoso escritor brasileiro, deságua no São Francisco, depois de receber as águas dos ribeirões da Conceição, das Pedras e do riacho Campo Grande, dando fim a um caminho percorrido somente pelos mais corajosos e destemidos do sertão, tal como este rio.
Texto de autoria de Gilberto Valadares - enviado pelo mesmo, junto com as fotos que ilustram o artigo.
Fontes: Livro Raízes e Cultura de Buritis no Sertão Urucuiano de Oscar Reis, Serviço Geológico do Brasil, Site: aguassubetrranes.abas.org e google earth

terça-feira, 21 de julho de 2020

Os picos mais altos de Minas Gerais

(Por Arnaldo Silva) As montanhas de Minas Gerais impressionam pela imponência e beleza natural, atraindo amantes da natureza e praticantes de esportes radicais. Aventurar-se pelas alturas das montanhas, até chegar ao pico, é uma aventura e tanto, que requer muita disposição e claro um bom preparo físico. (foto acima de Marcelo Botosso o Pico da Pedra da Mina, em Passa Quatro, Sul de Minas e abaixo, de Paulo Santos, paisagem de Itamonte, no Sul de Minas, vista do alto Pico das Agulhas Negras no Parque do Itatiaia)
Listamos os mais altos picos de Minas Gerais, acima de 2000 metros de altitude. São 13 ao todo, para você conhecer e programar escalar. 
01 – Pico da Bandeira – Alto Caparaó/MG
          É o maior pico da região Sudeste e o maior de Minas Gerais e do Espírito Santo, com 2.891,32 metros de altitude, sendo também o terceiro maior do Brasil, atrás apenas do Pico da Neblina (2.995 metros) e do Pico 31 de Março (2.974 metros), ambos no Estado do Amazonas. O Pico da Bandeira está no Parque Nacional do Caparaó entre os municípios de Alto Caparaó/MG e Ibitirama/ES, com entrada por Alto Caparaó/MG e Dores do Rio Preto/ES, sendo oficialmente o ponto culminante de Minas Gerais e do Espírito Santo. É um dos picos mais visitados do Brasil, pela beleza da área do parque e pelo espetáculo do nascer do sol, fazendo com que todos os dias, dezenas de pessoas, levantem de madrugada para subir até o pico e presenciar esse show da natureza. (foto acima de Sairo Guedes)
02 - Pico do Calçado – Alto Caparaó/ MG 
          Com 2.849 metros, o Pico do Calçado é o segundo mais alto de Minas Gerais e do Espírito Santo e também da região Sudeste. Fica na divisa das cidades de Alto Caparaó MG e Ibitirama/ES, no Parque Nacional do Caparaó, pertencendo aos dois estados. Está a menos de 1 km do Pico da Bandeira com acesso por Alto Caparaó MG, pela trilha que sai da Casa Queimada. (foto acima de Sairo Guedes)
03 – Pico da Pedra da Mina – Passa Quatro/MG 
          Com 2.797 metros, o Pico da Pedra da Mina, em Passa Quatro, no Sul de Minas, é o terceiro mais alto do Estado. Faz parte da cadeia de montanhas da Mantiqueira, estando na travessia da Serra Fina com acesso pela fazenda Serra Fina, no povoado do Paiolinho, pela Toca do Lobo, em Passa Quatro ou ainda pela Fazenda do Engenho da Serra em Itamonte MG. (foto acima do Marcelo Botosso)
04 – Pico das Agulhas Negras – Bocaina de Minas/MG
          Muita gente pensa que o Parque do Itatiaia e o Pico das Agulhas Negras pertencem somente ao Rio de Janeiro. 40% da área do Parque Nacional do Itatiaia estão no Rio de Janeiro, nos municípios de Itatiaia e Resende. A maior parte da área do Parque do Itatiaia, 60%, estão em território mineiro, no Sul de Minas, concentrados nos municípios de Itamonte e Bocaina de Minas. 
          É em Bocaina de Minas que se concentra a maior parte da área do parque e ainda parte do Pico das Agulhas Negras, com seus 2.791 metros, na divisa de Bocaina de Minas, com uma parte territorial do pico no território mineiro e  a maior parte, nos municípios de divisa, Resende e Itatiaia, no Rio de Janeiro. O Pico das Agulhas Negras é o ponto culminante do Estado do Rio de Janeiro e o quarto maior pico em Minas Gerais.
          O pico pertence aos dois estados, sendo um dos maiores atrativos do Parque Nacional do Itatiaia. A trilha requer muito preparo físico para subir. Ida e volta, são 11 km. (foto acima do José Paulo)
05 – Pico do Cristal – Alto Caparaó/MG
          Em Alto Caparaó MG temos mais um pico: o Pico do Cristal, com 2.769 metros, na Serra do Caparaó. Esse pico está totalmente no lado mineiro do parque, que faz divisa com o Espírito Santo. Seu nome é porque tem origem na grande quantidade de quartzo, presente na montanha. (foto acima do Sairo Guedes)
06 – Pico da Pedra do Sino – Itamonte/MG 
          A 2.670 metros está o pico da Pedra do Sino, em Itamonte, no Sul de Minas, no Parque Nacional do Itatiaia. No topo há uma pedra pontiaguda, que emite um som semelhante ao barulho de um sino, por isso o nome. O acesso não é fácil, são muitas pedras e exige bom preparo físico. Mas compensa, no alto do pico a paisagem é privilegiada, com rochas de granito, com mais de 1 metros de altura
07 – Pico Três Estados – Passa Quatro/MG
          São 2.656 metros e é um dos marcos de Minas, Rio de Janeiro e São Paulo, justamente por estar na divisa entre os três estados, por isso o nome. Seu início é em Passa Quatro com acesso pela fazenda Toca do Lobo, na Serra Fina, passando por Itanhandu em Minas, Queluz em São Paulo e Resende no Rio de Janeiro. Não querendo desanimar, mas a subida até o topo é uma das mais difíceis do Brasil.  
          Além de preparo físico, persistência, cuidados especiais e muita experiência, é necessário tempo e paciência. Os montanhistas que arriscam subir o pico, levam em média, 3 dias de caminhada, ida e volta. No caso, tem que estar preparado para o trajeto, levando água, comida, roupas adequadas e barracas para descansarem. Geralmente o descanso é na Fazenda da Toca. (foto acima do José Paulo)
08 – Pico do Garrafão – Alagoa MG
          Também chamado de Pico Santo Agostinho, tem 2.359 metros de altura, estando localizado entre os municípios de Alagoa, Baependi e Itamonte, estando na área do Parque Estadual da Serra do Papagaio.
09 – Pico do sol – Catas Altas MG
          Com 2072 metros de altura, o Pico do Sol é o ponto mais alto da Cordilheira do Espinhaço, situado na Serra do Caraça, no Parque Natural do Santuário do Caraça, em Catas Altas MG, na Região Central Mineira. (foto acima de Suelen Rezende)
10 – Pico do inficionado – Catas Altas/MG
          Ainda no Santuário do Caraça, em Catas Altas MG, a 110 km de Belo Horizonte, está o Pico do Inficionado, com 2068 metros de altura. Lugar de beleza ímpar, sem igual e no topo do pico, a beleza do Santuário do Caraça se torna mais impressionante.
11– Pico do Itambé - Serro/MG
          Com 2062 metros de altura, o Pico do Itambé se localiza entre os municípios do Serro e Santo Antônio do Itambé, no Vale do Jequitinhonha. É carinhosamente chamado pelos moradores da região de “Teto do Sertão Mineiro”. A vista ao nascer do sol no topo do pico é espetacular! (foto acima do Tiago Geisler)
12 – Pedra de São Domingos/Sul de Minas
          Com 2.050 metros de altitude, é um importante ponto turístico dos municípios de Córrego do Bom Jesus, Paraisópolis e Camanducaia, na Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas. Do pico tem-se uma impressionante vista em 360º da região, podendo ser visto, em dias claros, as cidades de Córrego do Bom Jesus, Cambuí, Gonçalves, Estiva, Monte Verde e Campos do Jordão, bem como as famosas pedras e montanhas da região como a Pedra do Baú e o Pico do Selado. À noite, pode ainda ser avistado as luzes das cidades de Pouso Alegre e Bragança Paulista.
13 – Pico do Rachado – Pouso Alto MG
          São 2.000 metros de altitude, fazendo parte do Parque Estadual da Serra do Papagaio, rodeada por intensa mata nativa e Campos de Altitude. Fica apenas 20 km do centro de Pouso Alto, no Sul de Minas. É muito procurado por quem curte a natureza, gosta de acampar, praticar trekking e voo livre. No topo tem-se o privilégio de avistar a impressionante cadeia de montanhas da região, além de charmosos povoados rurais.

sábado, 11 de julho de 2020

Das Congadas à Festa do Reinado

(Por Arnaldo Silva) Uma tradição secular que mistura fé, cultura, arte, folclore e história. É a Congada ou Reinado de Nossa Senhora do Rosário, manifestação folclórica com origem e raiz em Minas Gerais. As Congadas unem grupos de Moçambique, Catopé, Congo, Marujada, Caboclos, Vilão e Candombe, na coroação de um rei Congo. O início da festa começa com o levantamento dos mastros em honra a Santa Efigênia, São Benedito, Nossa Senhora das Mercês e Nossa Senhora do Rosário. Após o levantamento dos mastros, é iniciada a festa, com os cortes saindo pelas ruas das cidades, dançando, tocando instrumentos e entoando cantos, de acordo com a origem de cada corte, orientados por um "capitão”.
            É uma das mais ricas manifestações populares do folclore mineiro, ocorrendo em todas as cidades mineiras entre julho e outubro. Em algumas cidades, a festa acontece junto com a Folia de Reis, em janeiro, como em Ouro Preto. (na foto acima, de Giselle Oliveira a Festa do Rosário no Serro MG e abaixo, de Ane Souz, no interior da Igreja de Santa Efigênia em Ouro Preto)
          Tradição que saiu das senzalas para ser hoje uma das mais democráticas festas populares, com a presença de negros, brancos, mulatos, índios, ricos e pobres, com o objetivo comum de manifestar sua fé em Nossa Senhora do Rosário e preservar a tradição de seus antepassados. 
          Para entender a história da Congada vamos voltar no tempo, começando pela Idade Média, passando pela África até chegarmos às colônias portuguesas e a consolidação da festa em Minas e no Brasil. (na foto abaixo de Arnaldo silva, dançador de Reinado em Bom Despacho MG)
          Os cantos e músicas originais entoados pelos cortes recriam a coroação de um rei Congo. O Congo era região africana que ficava no Sudoeste da África, fundada por Ntinu Wene, no século 13, hoje formada pelo Noroeste de Angola, Cabinda, a parte centro-sul do Gabão e pela parte ocidental da República Democrática do Congo. Durante o reinado de Ntinu Wene, seus súditos tinham o costume de dançar, cantar e rezar em cortejos pelas ruas dos vilarejos e povoados da região, em sinal de reconhecimento e agradecimento ao rei e seus governantes locais. Foi dessa região que vieram a maioria dos seres humanos sequestrados e trazidos para o Brasil para serem escravizados. Já em terras da Colônia, procuram uma forma de reviverem os tempos em que viviam livres na África, recriando instrumentos usados nos cortejos, danças e cânticos. Por sua origem ser do Congo, aqui foi sendo chamada de Congada ou Congado e assim é o nome. O que mudou foram os cânticos, que a passaram a ser de lamentos e sofrimentos por estarem longe de seu povo e pelos sofrimentos que a escravidão lhes causava.
          Por isso o nome Congada ou Congado da festa e Reinado, que simboliza a coração de um rei. Essa festa não tem nada a ver com outra festa, com nome parecido, o Reisado. Isso porque Reisado é o nome de uma festa portuguesa que acontece entre 24 de dezembro, se estendendo até 6 de janeiro. É o nome dado a festa de Santos Reis em Portugal. Aqui no Brasil essa festa tem nome de Folia de Reis. O Reinado saiu da senzala e o Reisado, dos casarões da fidalguia portuguesa na Idade Média. São festas populares diferentes, que não tem nada a ver uma com a outra. (na foto de Giselle Oliveira, reinadeiro no Serro MG)
          Coroar um rei Congo era a forma que os escravos encontraram de relembrar suas tradições e religião. Com isso misturaram ensinos cristãos passados pelos padres às suas, dando origem ao sincretismo religioso, associado os santos católicos, com divindades africanas.
          A devoção a Nossa Senhora do Rosário surgiu na Europa por volta de 1200, quando Domingos de Gusmão, Santo Católico que deu origem a Ordem dos Dominicanos, criou o Rosário, da forma que conhecemos hoje. O Santo Rosário da Mãe de Deus, desde o século XIII, na Europa, era usado como arma para converter os hereges ao catolicismo. (na foto abaixo, de Giselle Oliveira, representação de Nossa Senhora do Rosário em Serro MG)

          Foi na cidade alemã de Colônia, em 1408, que surgiu a primeira irmandade de Nossa Senhora do Rosário (irmandade, também chamada de confraria, é uma associação formada por pessoas ligadas por objetivos e interesses comuns). A devoção a Nossa Senhora do Rosário se propagou na Europa e levada pelos portugueses para suas colônias na África e no Brasil. A devoção ao Rosário foi adotada por senhores e escravos, mas nesse caso, os negros viam na fé a Nossa Senhora do Rosário, uma forma de praticarem suas crenças religiosas, sem serem molestados por seus senhores, bem como aliviar um pouco os sofrimentos infligidos pelos brancos. 
Os seres humanos que foram sequestrados da África e trazidos para o Brasil, mesmo com crenças diferentes, passaram a devotar Nossa Senhora do Rosário que tornou se a protetora dos negros, graças a uma tradição oral. Não há registros da veracidade da história oral passada de geração para geração, mas conta-se que a Mãe de Jesus foi vista sobre as águas do mar por caboclos, que devotavam à santa. Rezaram e cantaram para que ela viesse ao encontro deles, o que não ocorreu. Marujos, devotos, fizeram o mesmo, mas a santa ficou quieta onde estava. Foi ai que os escravos, avistando a santa, se aproximaram da praia, cantaram cânticos em seu louvor. A santa se agradou dos cânticos e da manifestação autêntica de fé dos negros e se aproximou. Entenderam que Maria, mãe de Jesus, Nossa Senhora do Rosário, olhava por eles. Por isso, de acordo com a crença popular, a santa passou a ser a protetora dos negros. O fato narrado, segundo a tradição oral, aconteceu no final de julho, sendo o motivo que os festejos de Nossa Senhora do Rosário se iniciar nesse mês, se estendendo até outubro pelas cidades mineiras, que escolhem a data da festa entre esse período. A Igreja Católica instituiu o dia 7 de outubro como o Dia de Nossa Senhora do Rosário, data que geralmente se encerra o período das Congadas em Minas Gerais. (fotografia acima de Wellington Diniz em Ouro Preto MG e abaixo de Sueli Santos em Dores do Indaíá MG)
          Ainda no tempo da Escravidão, uma norma da Igreja Católica permitia a presença de negros, mulatos e forros até o limite da torre principal das igrejas, ou seja, não podiam passar da porta. E ainda, a fé demonstrando pelos negros não era bem vista pela Igreja, devido à incorporação de palavras, rituais, cantos e danças africanas, totalmente diferentes os rituais católicos.
          Para manterem sua fé, os negros se organizaram em irmandades próprias, com o objetivo de preservarem suas tradições e religiosidade. Assim nascia as Irmandades de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. As igrejas construídas a partir de então, dedicadas à santa, tinha o nome de Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, bem como a festa passou a ser chamada de Reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. (foto abaixo de Sueli Santos em Dores do Indaiá MG)

          Os africanos foram inseridos nas festas promovidas pela coroa. Assim, incorporaram suas músicas e danças que, para os portugueses, eram consideradas exóticas. Era a forma que encontraram de se inserir na sociedade colonial e preservar seus ritos e costumes, sob a aparência das festas religiosas cristãs. Porém, eram impedidos de praticarem seus ritos nos momentos livres, pois havia receio por parte da elite de que gerasse desobediência. Foram incorporados aos costumes religiosos portugueses s e práticas das irmandades leigas dos escravos, como, por exemplo, o hábito de rezar em conjunto, a condução dos ritos por um sacerdote e a promoção de festas e procissões. É nesse contexto que se revela ter sido de grande importância à criação das irmandades, um dos primeiros passos para afirmação da identidade negra na colônia.
          Havia irmandades leigas que cultuavam os santos, as devoções pessoais e a promoção de procissões e festas, que conduziam a vida na colônia no âmbito da religião católica. Alguns chegando a acumular patrimônio através de legados, anuidade, presentes e doações para o santo de devoção. Homens negros eram eleitos como reis das irmandades desde o século XVI, em Portugal, ligados aos oragos (padroeiros) de Nossa Senhora do Rosário, Santa Efigênia, Santo Elesbão e São Benedito. (na foto abaixo, de Sueli Santos, momento de oração de reinadeiro em Dores do Indaiá MG)

          Os negros que chegavam à colônia ouviam esses relatos dos feitios dos santos, passando a ter simpatias por alguns por alguns desses santos, além de Nossa Senhora do Rosário, como por exemplo, São Benedito e Santa Efigênia, identificado por eles como divindades africanas, homenageando-os com construções de igrejas, com o trabalho e dinheiro de alforriados e escravizados.
          Os escravos mantiveram o costume de formar comunidades e eleger reis e rainhas responsáveis pela direção dos cultos, sendo estes com a missão de manter a unidade do seu povo, numa luta muito difícil devido à prática de dominação e subjugação dos brancos. Aprenderam, então, a recriar suas raízes africanas nas Américas, através do sincretismo religioso. A partir disto, formaram laços fundamentais de afinidades étnicas, adotando posturas que reproduziam seus costumes africanos, sem despertar muito a ira dos senhores de escravos. 

          Um desses laços foi à criação a introdução do culto a Nossa Senhora do Rosário nas festas do Congado, tendo como origem, Ouro Preto, com a criação da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e de Santa Efigênia, igreja que se encontra no bairro do Alto da Cruz, construída pela Irmandade.
          Em janeiro, por ocasião do Reisado ou Folia de Reis e em outubro, na Festa de Nossa Senhora do Rosário, acontecia a coroação de Chico Rei, também da rainha Conga e sua corte, eu se vestiam com trajes coloridos, com muita dança, longas ladainhas e cantorias, ao som de instrumentos como o caxambu, pandeiro, marimbas e canzás, que lembravam os grilhões que os acorrentavam, além de cânticos de lamentos e tristezas, pelos sofrimentos e angústias que os senhores de escravos lhes causavam. Eram toques e cantos de sofrimentos, mas também de esperanças de que um dia, tudo acabaria.
          Vale ressaltar que o ritual de coroação presentes na festa, não é a coração de Nossa Senhora do Rosário e sim de Chico Rei. Simboliza o reinado de Chico Rei e não de Nossa Senhora do Rosário. 

          Chico Rei foi um personagem lendário. Surgiu num tempo em que feitos dos negros não eram registrados e nem documentados pelos brancos. A história sobre Chico Rei é tradição oral preservada e repassada por gerações, sem nenhum registro documental da veracidade. (na foto abaixo de Arnaldo Silva, a Igreja de Santa Efigênia em Ouro Preto MG)
          Segundo a tradição, um dos reis do Congo, de nome Galanga, foi capturado com todo o seu povo por tribos inimigas e vendido aos portugueses. No navio negreiro, foi batizado e recebeu o nome de Francisco, chamado de Chico. Durante a travessia do Atlântico, ocorreu uma grande tempestade e para acalmar as águas, os marinheiros jogaram o rei Chico, sua mulher e filho ao mar. Mas o mar se acalmou e assim os marinhos tiraram os três do mar. O navio chegou ao Brasil, por volta de 1740. Chico, sua esposa e filho foram vendidos e enviados para Vila Rica, hoje Ouro Preto. Em Vila Rica, Chico trabalhava muito, juntava ouro e foi tanto que conseguiu comprar a sua própria liberdade, do seu filho e de sua esposa, além de comprar a alforria, foi comprando ao longo das economias que fazia, a liberdade de mais de 200 escravos. A partir desse fato, os escravos libertados por Chico passaram trata-lo como rei e ainda, trabalhavam na construção da igreja de Santa Efigênia. Assim começou a história de Chico, coroado e reverenciado como rei, sendo essa coroação parte do ritual da Festa do Congado.
          Assim, segundo a tradição popular, surgiu a coroação de um rei, tradição que é preservada até os dias de hoje, onde um rei Congo é escolhido e coroado durante a festa.
          Para o povo ouro-pretano, principalmente os descendentes dos escravos, é uma das mais importantes celebrações da cidade, revivida em sua forma original, presentes em manifestações com os vários grupos da cidade na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e principalmente na Igreja de Santa Efigênia. (na foto abaixo de Arnaldo Silva, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos em Ouro Preto MG) 

          Hoje o Reinado de Nossa Senhora do Rosário é uma festa popular, com a participação de negros e brancos e com as portas das igrejas abertas. Para chegar ao ponto que estamos hoje, não foi fácil. Preconceito, discriminação, perseguição pela tradição ter sua origem em tradições religiosas africanas, as portas eram das igrejas eram fechadas, ficando a festa restrita à periferia, movimentos quilombolas e a comunidades Afrodescendentes. A perseguição era tanta que chegou a ser proibida pela Igreja Católica durante o Estado Novo (1930/1945) no Governo de Getúlio Vargas;
          A situação começou há mudar um pouco na década de 1940, com adesão a devoção de membros da elite e apreciavam os cortes, o colorido, os cantos e a dança. Somente na década de 1960 e 1970 a festa começou a se popularizar entre os brancos, que além de apreciarem a festa, passaram a se integrar aos cortes. A fé em Nossa Senhora do Rosário unia brancos e negros. Com isso, aos poucos as portas das igrejas começaram a se abrir para a Festa do Congado tendo sido introduzido na festa, a celebração da Missa Conga, celebrada pelos padres.
          Com a presença dos brancos nos cortes, foram surgindo novas músicas, instrumentos musicais comuns passaram ser usados pelos cortes como sanfona, viola, pandeiro, violão, dentro outros, bem como a alguns cânticos novos foram inseridos, além de elementos que não existiam na festa original, como a representação da princesa Isabel e sua corte.
          Após a popularização da festa e com o crescente número de brancos participando dos cortes, as igrejas de Nossa Senhora do Rosário, que terminava com “dos homens pretos” foi retirado, tendo sido mantido apenas por tradição, nas cidades históricas. A diferença hoje é que os cortes de origem negra preservam as tradições nas vestimentas, nos instrumentos e cânticos de seus antepassados. Já nos cortes com predominância branca, foram inseridos cânticos novos, coreografias próprias e acrescentados outros instrumentos musicais, diferentes os usados na tradição africana. Independentemente da origem dos cortes, a festa de Nossa Senhora do Rosário hoje é a festa de todos os homens e mulheres que devotam o Rosário, independentemente de sua origem, etnia ou classe social.
          A Congada saiu das senzalas, rompeu os grilhões da escravidão. Foi para as ruas, para o coração dos quilombos e para a periferia. Venceu o preconceito, inserindo-se em todas as camadas sociais. Entrou para dentro das igrejas, democratizou-se. Antes era festa de um povo. Hoje é festa do povo! 
(foto abaixo de Peterson Bruschi/@guiapeterson, o interior da Igreja de Santa Efigênia em Ouro Preto MG)
          É a mais popular e mais importante festa folclórica de Minas Gerais. Manifestação pura e espontânea da religiosidade de nosso povo e da arte popular. Cada corte de reinadeiro, com seus cânticos, coreografias, instrumentos musicais e tradições, colorem as cidades e emocionam com sua fé em Nossa Senhora do Rosário, em São Benedito, em Santa Efigênia, em Nossa Senhora das Mercês e em Nossa Senhora Aparecida. 
          Hoje, a Congada e mais conhecida como a Festa de Nossa Senhora do Rosário, unindo brancos e negros em prol da fé, da cultura e da tradição, relembrando um tenebroso e vergonhoso período de nossa história, a escravidão.

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Os chocolates artesanais de Bueno Brandão

Bueno Brandão é uma pequena cidade no Sul de Minas, na Serra da Mantiqueira. Cidade tranquila, pacata, com típicos ares do interior mineiro. Se destaca por suas belezas naturais, pela culinária, pelos vinhos, licores e aguardentes. Pelos queijos, doces, pelo artesanato e pelos chocolates artesanais, em destaque para os Chocolates Andréia.
          Sobre a direção de Andréia Cezar, Chocolates Andréia é uma das chocolaterias mais tradicionais e respeitadas da Mantiqueira, oferecendo variados tipos de chocolates de altíssima qualidade, feitos de forma artesanal, respeitando rigorosamente todas as normas da vigilância sanitária e instalada num ambiente aconchegante, confortável, requintado na cidade.
          Para chegar ao que é a Chocolates Andréia hoje, não foi fácil. Foi uma luta que hoje serve de exemplo para muito que veem nas dificuldades e crises financeiras, oportunidades de se superar. 
           Andréia Cezar conta que sua história com o chocolate começou em 2005. A família, ela, o marido e a filha pequena, passavam por uma situação financeira difícil na época e viu a necessidade de buscar alternativa de renda para superar as dificuldades surgidas, devido à situação financeira ruim que passavam no momento. Por sugestão de uma sobrinha, sugeriu que fizesse um curso de chocolates e bombons artesanais, numa cidade vizinha a Bueno Brandão, já no Estado de São Paulo, onde a família tinha parentes. Andréia aceitou o desafio e rumou para São Paulo para fazer o curso.  
          Foi aprendendo e fazendo ao mesmo tempo. Andréia fazia os chocolates e bombons durante o dia e seu marido vendia na cidade, oferecendo os chocolates de porta em porta. À noite, Andréia continuava fazendo o curso e a cada dia, aprimorava seus conhecimentos, inovando e melhorando cada vez mais a qualidade de seus chocolates e bombons.
          Enquanto Andréia estudava, seu marido e filha embalavam os chocolates para serem vendidos no dia seguinte.
          O sabor, a qualidade e a dose exata de talento, amor e carinho com que a família fazia os chocolates, caíram no gosto dos moradores de Bueno Brandão que começaram a comprar e virar clientes assíduos da pequena fábrica, além da propaganda boca a boca que faziam. Isso ajudou muito no aumento das vendas.
          Com o aumento das vendas e da clientela, a família sentiu a necessidade de ampliar o espaço. Os chocolates eram feitos na cozinha da casa, que estava pequena para tantas encomendas. Com as economias conseguidas com as vendas, reformaram um cômodo que existia no quintal da casa e montaram uma estrutura melhor para produzir os chocolates. 
          E as vendas continuaram aumentando, havendo necessidade de mais pessoas para ajudar na produção. Assim foi contratada a primeira funcionária, com os pedidos e clientela aumentando a cada dia, não só na cidade, como nas cidades vizinhas, com clientes fazendo encomendas.
          Novamente, o espaço ampliado na casa ficou pequeno para atender a demanda. Havia necessidade de instalar a fábrica em outro local, saindo da cozinha de casa, para o quintal e agora para um local maior e mais apropriado, seguindo todos os cuidados e normas da Vigilância Sanitária, alvarás sanitários e municipais.
          De um pequeno negócio na cozinha da casa, passou a ser uma microempresa que gera empregos e impostos para a cidade, além de renda para família.
          Mantendo o bom atendimento, a qualidade e o sabor de seus chocolates, a fábrica continuou crescendo. Andréia conta que teve a ideia de montar uma loja para atender as pessoas que passam pela cidade e turistas que vem à cidade. Assim, em 2014, foi inaugurada a loja de chocolates, disponibilizando na loja várias opções de chocolates.
          O sucesso de Andréia Cezar está ligado a sua força de vontade, talento e amor pelo que faz. Não ficou apenas nas técnicas dos cursinhos e sim, aprendeu e colocou sua criatividade no sabor, criando receitas exclusivas, que agradam a todos os gostos e os mais exigentes paladares.
          De uns anos para cá, Bueno Brandão começou a explorar mais seu potencial turístico, já que é uma cidade dotada de belezas naturais impressionantes, com boas pousadas e bons restaurantes, um povo bom e hospitaleiro. O turismo surge como um dos pilares para solidificar as pequenas empresas da cidade, que podem comercializar seus produtos, levando-os para outras regiões, através dos turistas. Muitos deles passam a serem clientes e encomendam sempre os produtos locais. 
          A força de vontade e energia para superar as dificuldades iniciais foi recompensada com muito esforço, insistência, dedicação e persistência. Segundo Andréia Cezar “hoje contamos com um número maior de funcionários na produção totalmente artesanal e uma dedicação total aos produtos, com o compromisso de levar o sabor do chocolate artesanal da Serra da Mantiqueira para as pessoas se deliciarem e terem momentos doces e únicos".
As fotos que ilustram a matéria foram enviadas pela Andréia Cesar e as informações pelo Douglas Coltri

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores