Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 22 de julho de 2020

Caminhos do Rio Urucuia em Minas

(Por Gilberto Valadares) O rio Urucuia nasce em Goiás, mais especificamente na região do Raizama, no município de Formosa, próximo ao córrego e ao distrito de Bezerra, na divisa da fronteira com Buritis, que é o primeiro município mineiro a receber as águas desse majestoso rio.
          Ainda que discreto, o rio Urucuia passa a receber as águas de outros córregos nos chapadões goianos, como por exemplo do rio Bonito, próximo ao Poço Azul. Entre lavouras, plantações e áreas de preservação ambiental o rio sobressai e aos poucos se mostra maior. (fotografia acima de Livia Alves)          O escritor Oscar Reis Durães descreve a povoação indígena nas Ilhas das Guaíbas, ilha do rio São Francisco próximo a Foz do rio Urucuia. Segundo o escritor, duas tribos que habitavam a região dos rios Urucuia e Paracatu seriam descendentes dos caiapós, índios que desceram do Maranhão passando por Tocantins e que teriam dado o nome a este rio.
Às margens do Rio Urucuia, Iolanda Marques, Neuza Fróes e Marlene Valadares. Anos 70
          Em uma conquista de terras após matarem e expulsarem os índios da Ilha das Guaíbas na foz do rio Urucuia no início do século 18, os sertanistas paulistas, Januário Cardoso, Manoel Francisco Toledo, Domingos Prado de Oliveira e Salvador Cardoso de Oliveira, estenderam domínio sobre toda a vasta região e se tornaram os senhores do Urucuia.
          O tráfego de aventureiros na busca por ouro em Paracatu e Goiás fez a região do Urucuia se desenvolver. Após as primeiras picadas brutas a facão e machado, feitas por sertanistas que cruzavam terras mineiras do extremo de São Romão, subiam pela nascente do Urucuia até os imensos chapadões do Arraial de Couros, hoje Formosa em Goiás. Pouco a pouco novos povoados foram surgindo ás margens desse rio e as primeiras famílias foram se fixando, em meio as dificuldades do grosseiro e inabitado cerrado da época.

Tropeiros cruzando o Rio Urucuia na década de 1970. Arquivo Gil Valadares
          Em registros históricos somos transportados ao ano de 1778, quando uma cartografia confirma o roteiro do bandeirante Lourenço Castanho Táquis, que abrangia o Urucuia, o Rio Preto e a Lagoa Feia. Tal bandeirante percorreu o estreito da chapada de Guarapuava e Buritis.
          A partir desse momento, os movimentos comerciais surgem com o transporte fluvial trazendo sal e outros tipos de mercadoria que vinham do litoral de Juazeiro e Petrolina através do rio São Francisco. O transporte fluvial adentrava Minas Gerais em São Romão e Pirapora, onde atingiu por algumas décadas o rio Urucuia.
          O Urucuia foi navegável até a barra do Rio Claro, onde por um determinado tempo se desenvolveu um garimpo de diamante, hoje no município de Arinos. Foi nessa época que surgiu o povoado de Morrinhos, localizado próximo ao Ribeirão das Areias e que muito prosperou no final do século 18.

Barqueada Ecológica 2019 em Buritis MG. Foto: Marcilei Farias
          O grandioso Aquífero do Urucuia completa nosso texto, dando a importância totalizada das riquezas dessas águas para o Brasil. Localizado no extremo sul do Piauí, passando pelo Maranhão, Goiás, Bahia e Tocantins, alcançando o norte e nordeste de Minas Gerais, o Aquífero do Urucuia está em uma área de aproximadamente 80 mil quilômetros de extensão e tem uma função reguladora dos afluentes da margem esquerda do rio São Francisco.

Em Buritis, o rio Urucuia (na foto acima de Livia Alves) recebe as águas do córrego Taquaril, do ribeirão São Vicente, córrego Extrema, rio São Domingos, Barriguda e Piratinga. Em Arinos ele aumenta seu volume e recebe as águas do rio Claro, o rio São Miguel também deságua no Urucuia, além dos ribeirões da Ilha, da Areia e Confins. O rio de águas vermelhas e batizado pelos caiapós também dá nome ao município de Urucuia, onde recebe as águas do córrego Taboca e Gameleira. (na foto abaixo do Gilberto Valadares, o Rio Urucuia ao chegar em Buritis/MG, na fazenda Sobrado)
          Imortalizado nos versos de João Guimarães Rosa, o rio de amor desse saudoso escritor brasileiro, deságua no São Francisco, depois de receber as águas dos ribeirões da Conceição, das Pedras e do riacho Campo Grande, dando fim a um caminho percorrido somente pelos mais corajosos e destemidos do sertão, tal como este rio.
Texto de autoria de Gilberto Valadares - enviado pelo mesmo, junto com as fotos que ilustram o artigo.
Fontes: Livro Raízes e Cultura de Buritis no Sertão Urucuiano de Oscar Reis, Serviço Geológico do Brasil, Site: aguassubetrranes.abas.org e google earth

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores