Tecnologia do Blogger.

sábado, 11 de julho de 2020

Das Congadas à Festa do Reinado

(Por Arnaldo Silva) Uma tradição secular que mistura fé, cultura, arte, folclore e história. É a Congada ou Reinado de Nossa Senhora do Rosário, manifestação folclórica com origem e raiz em Minas Gerais. As Congadas unem grupos de Moçambique, Catopé, Congo, Marujada, Caboclos, Vilão e Candombe, na coroação de um rei Congo. O início da festa começa com o levantamento dos mastros em honra a Santa Efigênia, São Benedito, Nossa Senhora das Mercês e Nossa Senhora do Rosário. Após o levantamento dos mastros, é iniciada a festa, com os cortes saindo pelas ruas das cidades, dançando, tocando instrumentos e entoando cantos, de acordo com a origem de cada corte, orientados por um "capitão”.
            É uma das mais ricas manifestações populares do folclore mineiro, ocorrendo em todas as cidades mineiras entre julho e outubro. Em algumas cidades, a festa acontece junto com a Folia de Reis, em janeiro, como em Ouro Preto. (na foto acima, de Giselle Oliveira a Festa do Rosário no Serro MG e abaixo, de Ane Souz, no interior da Igreja de Santa Efigênia em Ouro Preto)
          Tradição que saiu das senzalas para ser hoje uma das mais democráticas festas populares, com a presença de negros, brancos, mulatos, índios, ricos e pobres, com o objetivo comum de manifestar sua fé em Nossa Senhora do Rosário e preservar a tradição de seus antepassados. 
          Para entender a história da Congada vamos voltar no tempo, começando pela Idade Média, passando pela África até chegarmos às colônias portuguesas e a consolidação da festa em Minas e no Brasil. (na foto abaixo de Arnaldo silva, dançador de Reinado em Bom Despacho MG)
          Os cantos e músicas originais entoados pelos cortes recriam a coroação de um rei Congo. O Congo era região africana que ficava no Sudoeste da África, fundada por Ntinu Wene, no século 13, hoje formada pelo Noroeste de Angola, Cabinda, a parte centro-sul do Gabão e pela parte ocidental da República Democrática do Congo. Durante o reinado de Ntinu Wene, seus súditos tinham o costume de dançar, cantar e rezar em cortejos pelas ruas dos vilarejos e povoados da região, em sinal de reconhecimento e agradecimento ao rei e seus governantes locais. Foi dessa região que vieram a maioria dos seres humanos sequestrados e trazidos para o Brasil para serem escravizados. Já em terras da Colônia, procuram uma forma de reviverem os tempos em que viviam livres na África, recriando instrumentos usados nos cortejos, danças e cânticos. Por sua origem ser do Congo, aqui foi sendo chamada de Congada ou Congado e assim é o nome. O que mudou foram os cânticos, que a passaram a ser de lamentos e sofrimentos por estarem longe de seu povo e pelos sofrimentos que a escravidão lhes causava.
          Por isso o nome Congada ou Congado da festa e Reinado, que simboliza a coração de um rei. Essa festa não tem nada a ver com outra festa, com nome parecido, o Reisado. Isso porque Reisado é o nome de uma festa portuguesa que acontece entre 24 de dezembro, se estendendo até 6 de janeiro. É o nome dado a festa de Santos Reis em Portugal. Aqui no Brasil essa festa tem nome de Folia de Reis. O Reinado saiu da senzala e o Reisado, dos casarões da fidalguia portuguesa na Idade Média. São festas populares diferentes, que não tem nada a ver uma com a outra. (na foto de Giselle Oliveira, reinadeiro no Serro MG)
          Coroar um rei Congo era a forma que os escravos encontraram de relembrar suas tradições e religião. Com isso misturaram ensinos cristãos passados pelos padres às suas, dando origem ao sincretismo religioso, associado os santos católicos, com divindades africanas.
          A devoção a Nossa Senhora do Rosário surgiu na Europa por volta de 1200, quando Domingos de Gusmão, Santo Católico que deu origem a Ordem dos Dominicanos, criou o Rosário, da forma que conhecemos hoje. O Santo Rosário da Mãe de Deus, desde o século XIII, na Europa, era usado como arma para converter os hereges ao catolicismo. (na foto abaixo, de Giselle Oliveira, representação de Nossa Senhora do Rosário em Serro MG)

          Foi na cidade alemã de Colônia, em 1408, que surgiu a primeira irmandade de Nossa Senhora do Rosário (irmandade, também chamada de confraria, é uma associação formada por pessoas ligadas por objetivos e interesses comuns). A devoção a Nossa Senhora do Rosário se propagou na Europa e levada pelos portugueses para suas colônias na África e no Brasil. A devoção ao Rosário foi adotada por senhores e escravos, mas nesse caso, os negros viam na fé a Nossa Senhora do Rosário, uma forma de praticarem suas crenças religiosas, sem serem molestados por seus senhores, bem como aliviar um pouco os sofrimentos infligidos pelos brancos. 
Os seres humanos que foram sequestrados da África e trazidos para o Brasil, mesmo com crenças diferentes, passaram a devotar Nossa Senhora do Rosário que tornou se a protetora dos negros, graças a uma tradição oral. Não há registros da veracidade da história oral passada de geração para geração, mas conta-se que a Mãe de Jesus foi vista sobre as águas do mar por caboclos, que devotavam à santa. Rezaram e cantaram para que ela viesse ao encontro deles, o que não ocorreu. Marujos, devotos, fizeram o mesmo, mas a santa ficou quieta onde estava. Foi ai que os escravos, avistando a santa, se aproximaram da praia, cantaram cânticos em seu louvor. A santa se agradou dos cânticos e da manifestação autêntica de fé dos negros e se aproximou. Entenderam que Maria, mãe de Jesus, Nossa Senhora do Rosário, olhava por eles. Por isso, de acordo com a crença popular, a santa passou a ser a protetora dos negros. O fato narrado, segundo a tradição oral, aconteceu no final de julho, sendo o motivo que os festejos de Nossa Senhora do Rosário se iniciar nesse mês, se estendendo até outubro pelas cidades mineiras, que escolhem a data da festa entre esse período. A Igreja Católica instituiu o dia 7 de outubro como o Dia de Nossa Senhora do Rosário, data que geralmente se encerra o período das Congadas em Minas Gerais. (fotografia acima de Wellington Diniz em Ouro Preto MG e abaixo de Sueli Santos em Dores do Indaíá MG)
          Ainda no tempo da Escravidão, uma norma da Igreja Católica permitia a presença de negros, mulatos e forros até o limite da torre principal das igrejas, ou seja, não podiam passar da porta. E ainda, a fé demonstrando pelos negros não era bem vista pela Igreja, devido à incorporação de palavras, rituais, cantos e danças africanas, totalmente diferentes os rituais católicos.
          Para manterem sua fé, os negros se organizaram em irmandades próprias, com o objetivo de preservarem suas tradições e religiosidade. Assim nascia as Irmandades de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. As igrejas construídas a partir de então, dedicadas à santa, tinha o nome de Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, bem como a festa passou a ser chamada de Reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. (foto abaixo de Sueli Santos em Dores do Indaiá MG)

          Os africanos foram inseridos nas festas promovidas pela coroa. Assim, incorporaram suas músicas e danças que, para os portugueses, eram consideradas exóticas. Era a forma que encontraram de se inserir na sociedade colonial e preservar seus ritos e costumes, sob a aparência das festas religiosas cristãs. Porém, eram impedidos de praticarem seus ritos nos momentos livres, pois havia receio por parte da elite de que gerasse desobediência. Foram incorporados aos costumes religiosos portugueses s e práticas das irmandades leigas dos escravos, como, por exemplo, o hábito de rezar em conjunto, a condução dos ritos por um sacerdote e a promoção de festas e procissões. É nesse contexto que se revela ter sido de grande importância à criação das irmandades, um dos primeiros passos para afirmação da identidade negra na colônia.
          Havia irmandades leigas que cultuavam os santos, as devoções pessoais e a promoção de procissões e festas, que conduziam a vida na colônia no âmbito da religião católica. Alguns chegando a acumular patrimônio através de legados, anuidade, presentes e doações para o santo de devoção. Homens negros eram eleitos como reis das irmandades desde o século XVI, em Portugal, ligados aos oragos (padroeiros) de Nossa Senhora do Rosário, Santa Efigênia, Santo Elesbão e São Benedito. (na foto abaixo, de Sueli Santos, momento de oração de reinadeiro em Dores do Indaiá MG)

          Os negros que chegavam à colônia ouviam esses relatos dos feitios dos santos, passando a ter simpatias por alguns por alguns desses santos, além de Nossa Senhora do Rosário, como por exemplo, São Benedito e Santa Efigênia, identificado por eles como divindades africanas, homenageando-os com construções de igrejas, com o trabalho e dinheiro de alforriados e escravizados.
          Os escravos mantiveram o costume de formar comunidades e eleger reis e rainhas responsáveis pela direção dos cultos, sendo estes com a missão de manter a unidade do seu povo, numa luta muito difícil devido à prática de dominação e subjugação dos brancos. Aprenderam, então, a recriar suas raízes africanas nas Américas, através do sincretismo religioso. A partir disto, formaram laços fundamentais de afinidades étnicas, adotando posturas que reproduziam seus costumes africanos, sem despertar muito a ira dos senhores de escravos. 

          Um desses laços foi à criação a introdução do culto a Nossa Senhora do Rosário nas festas do Congado, tendo como origem, Ouro Preto, com a criação da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e de Santa Efigênia, igreja que se encontra no bairro do Alto da Cruz, construída pela Irmandade.
          Em janeiro, por ocasião do Reisado ou Folia de Reis e em outubro, na Festa de Nossa Senhora do Rosário, acontecia a coroação de Chico Rei, também da rainha Conga e sua corte, eu se vestiam com trajes coloridos, com muita dança, longas ladainhas e cantorias, ao som de instrumentos como o caxambu, pandeiro, marimbas e canzás, que lembravam os grilhões que os acorrentavam, além de cânticos de lamentos e tristezas, pelos sofrimentos e angústias que os senhores de escravos lhes causavam. Eram toques e cantos de sofrimentos, mas também de esperanças de que um dia, tudo acabaria.
          Vale ressaltar que o ritual de coroação presentes na festa, não é a coração de Nossa Senhora do Rosário e sim de Chico Rei. Simboliza o reinado de Chico Rei e não de Nossa Senhora do Rosário. 

          Chico Rei foi um personagem lendário. Surgiu num tempo em que feitos dos negros não eram registrados e nem documentados pelos brancos. A história sobre Chico Rei é tradição oral preservada e repassada por gerações, sem nenhum registro documental da veracidade. (na foto abaixo de Arnaldo Silva, a Igreja de Santa Efigênia em Ouro Preto MG)
          Segundo a tradição, um dos reis do Congo, de nome Galanga, foi capturado com todo o seu povo por tribos inimigas e vendido aos portugueses. No navio negreiro, foi batizado e recebeu o nome de Francisco, chamado de Chico. Durante a travessia do Atlântico, ocorreu uma grande tempestade e para acalmar as águas, os marinheiros jogaram o rei Chico, sua mulher e filho ao mar. Mas o mar se acalmou e assim os marinhos tiraram os três do mar. O navio chegou ao Brasil, por volta de 1740. Chico, sua esposa e filho foram vendidos e enviados para Vila Rica, hoje Ouro Preto. Em Vila Rica, Chico trabalhava muito, juntava ouro e foi tanto que conseguiu comprar a sua própria liberdade, do seu filho e de sua esposa, além de comprar a alforria, foi comprando ao longo das economias que fazia, a liberdade de mais de 200 escravos. A partir desse fato, os escravos libertados por Chico passaram trata-lo como rei e ainda, trabalhavam na construção da igreja de Santa Efigênia. Assim começou a história de Chico, coroado e reverenciado como rei, sendo essa coroação parte do ritual da Festa do Congado.
          Assim, segundo a tradição popular, surgiu a coroação de um rei, tradição que é preservada até os dias de hoje, onde um rei Congo é escolhido e coroado durante a festa.
          Para o povo ouro-pretano, principalmente os descendentes dos escravos, é uma das mais importantes celebrações da cidade, revivida em sua forma original, presentes em manifestações com os vários grupos da cidade na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e principalmente na Igreja de Santa Efigênia. (na foto abaixo de Arnaldo Silva, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos em Ouro Preto MG) 

          Hoje o Reinado de Nossa Senhora do Rosário é uma festa popular, com a participação de negros e brancos e com as portas das igrejas abertas. Para chegar ao ponto que estamos hoje, não foi fácil. Preconceito, discriminação, perseguição pela tradição ter sua origem em tradições religiosas africanas, as portas eram das igrejas eram fechadas, ficando a festa restrita à periferia, movimentos quilombolas e a comunidades Afrodescendentes. A perseguição era tanta que chegou a ser proibida pela Igreja Católica durante o Estado Novo (1930/1945) no Governo de Getúlio Vargas;
          A situação começou há mudar um pouco na década de 1940, com adesão a devoção de membros da elite e apreciavam os cortes, o colorido, os cantos e a dança. Somente na década de 1960 e 1970 a festa começou a se popularizar entre os brancos, que além de apreciarem a festa, passaram a se integrar aos cortes. A fé em Nossa Senhora do Rosário unia brancos e negros. Com isso, aos poucos as portas das igrejas começaram a se abrir para a Festa do Congado tendo sido introduzido na festa, a celebração da Missa Conga, celebrada pelos padres.
          Com a presença dos brancos nos cortes, foram surgindo novas músicas, instrumentos musicais comuns passaram ser usados pelos cortes como sanfona, viola, pandeiro, violão, dentro outros, bem como a alguns cânticos novos foram inseridos, além de elementos que não existiam na festa original, como a representação da princesa Isabel e sua corte.
          Após a popularização da festa e com o crescente número de brancos participando dos cortes, as igrejas de Nossa Senhora do Rosário, que terminava com “dos homens pretos” foi retirado, tendo sido mantido apenas por tradição, nas cidades históricas. A diferença hoje é que os cortes de origem negra preservam as tradições nas vestimentas, nos instrumentos e cânticos de seus antepassados. Já nos cortes com predominância branca, foram inseridos cânticos novos, coreografias próprias e acrescentados outros instrumentos musicais, diferentes os usados na tradição africana. Independentemente da origem dos cortes, a festa de Nossa Senhora do Rosário hoje é a festa de todos os homens e mulheres que devotam o Rosário, independentemente de sua origem, etnia ou classe social.
          A Congada saiu das senzalas, rompeu os grilhões da escravidão. Foi para as ruas, para o coração dos quilombos e para a periferia. Venceu o preconceito, inserindo-se em todas as camadas sociais. Entrou para dentro das igrejas, democratizou-se. Antes era festa de um povo. Hoje é festa do povo! 
(foto abaixo de Peterson Bruschi/@guiapeterson, o interior da Igreja de Santa Efigênia em Ouro Preto MG)
          É a mais popular e mais importante festa folclórica de Minas Gerais. Manifestação pura e espontânea da religiosidade de nosso povo e da arte popular. Cada corte de reinadeiro, com seus cânticos, coreografias, instrumentos musicais e tradições, colorem as cidades e emocionam com sua fé em Nossa Senhora do Rosário, em São Benedito, em Santa Efigênia, em Nossa Senhora das Mercês e em Nossa Senhora Aparecida. 
          Hoje, a Congada e mais conhecida como a Festa de Nossa Senhora do Rosário, unindo brancos e negros em prol da fé, da cultura e da tradição, relembrando um tenebroso e vergonhoso período de nossa história, a escravidão.

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores