Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Penha de França: a joia colonial mineira

(Por Arnaldo Silva) Dos distritos e povoados de Itamarandiba, uma das cidades emergentes de Minas Gerais, na região do Vale do Jequitinhonha, Penha de França se destaca por sua história e importância para a região e Minas Gerais. Sua origem data de 1653, mas não foi por bandeirantes, como era comum naquela época. Quem povoou a região, onde está hoje Penha de França, foram alemães e franceses. Na região, fixaram residência, formando um pequeno arraial, trabalhando na agricultura e claro, não vieram de tão longe para plantar batatas, milho ou mandioca. Vieram para explorar ouro e pedras preciosas, recém descobertas no Brasil. Esse foi o motivo maior da presença desses dois povos na região. 
          A presença de outros povos no início da colonização do Brasil era comum, quando foi anunciada a descoberta do ouro nas terras brasileiras, despertando o interesse de grupos e nações pelo nosso ouro. (na foto acima de Sérgio Mourão, a Praça da Matriz de Penha de França)
          Vieram para o Brasil, com o objetivo de formarem colônias ou mesmo tomar o Brasil, ou parte dele, de Portugal, como tentaram os holandeses. A reação foi imediata e vitoriosa, tendo os portugueses expulsado os holandeses, alemães, franceses e outros que tentavam ocupar as minas de ouro e diamantes recém descobertas, principalmente em Minas Gerais.
          Nem todos que foram expulsos, saíram do Brasil, mas fugiram, adentrando em nosso sertão. Vindos do Rio de Janeiro, franceses e alemães se instalaram no Sul de Minas. Na cidade de Carvalhos, no Sul de Minas, tem um povoado de nome Franceses, formado quando da fuga dos franceses do Rio de Janeiro. Na região, logo deram um jeito de procurar minas de ouro e pedras preciosas. Os que estavam na Bahia e região, fugiram pelo sertão, atravessando as divisas de Minas, se instalando na região, fundando o arraial de Penha de França.
          Ainda no século XVIII, a ação da Coroa Portuguesa passou a ser mais enérgica contra invasores, até que os portugueses dominaram por completo a exploração mineral em Minas Gerais, impedindo de todas as formas e ações possíveis, a mineração de grupos ou pessoas não autorizadas pelas Coroa na mineração. Assim foi a origem de Penha de França, com influência alemã, francesa, por fim, portuguesa, esta última, em maior proporção, com a saída dos alemães e franceses. A pequena vila foi elevada a freguesia e a distrito em 24 de setembro de 1862, guardando até os dias de hoje, relíquias arquitetônicas de sua história nos tempos do Brasil Colônia.
          Penha de França tem orgulho em ter sido local de pouso por dois meses, de um ilustre visitante. O visitante era Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Segundo tradição oral, em sua estadia na Vila, o Mártir da Inconfidência namorou Sinhá Raimunda, formosa escrava que encantou o Alferes. 

          Penha de França é a joia de nossa história. A joia colonial mineira. (foto acima de Sérgio Mourão)
          Mesmo a influência dos alemães, franceses e portugueses em sua formação, principalmente religiosa, a origem do nome Penha de França é espanhola. Penha de França é uma montanha, que fica na província de Salamanca, na Espanha.
          A história começa em 19 de maio de 1434, quando um francês muito religioso, chamado Simão, sonhou que uma imagem da Mãe de Jesus teria sido enterrada numa montanha, durante o conflito entre mouros e cristãos, na Idade Média. Para proteger as artes sacras da ação destruidora dos mouros, católicos enterravam as imagens em locais para que os mouros nãos as localizassem.
          Em seu sonho, a imagem acenava para que a procurasse e assim o fez, peregrinando por cerca de 5 anos, até conseguir identificar a montanha do seu sonho, em Salamanca, província da Espanha. Já no fim de sua peregrinação em busca da imagem, Simão para descansar, ouviu uma advertência divina que dizia “Simão, vela e não durma!”. Assim passou a se chamar Simão Vela.
          Na região em que estava, existia muitas penhas, que são grandes afloramentos rochosos isolados, nas encostas das serras. Escalando uma dessas penhas, encontrou uma mulher com o filho no colo que indicou o lugar que deveria procurar para chegar a seu objetivo. Com a apoio de alguns pastores da região, Simão Vela conseguiu localizar, numa penha, chamada de Penha de França, por ter sido refúgio de franceses durante a guerra entre mouros e cristãos, a imagem de Nossa Senhora, exatamente como era em seu sonho.
          Por encontrar a imagem de Nossa Senhora, numa penha, já com o nome de Penha de França, passou a chamar então a Mãe de Jesus de Nossa Senhora da Penha de França, colocando a imagem numa rústica capela, que construiu no local que a encontrou.
          O lugar passou a ser procurado pelos milagres relatados, havendo necessidade de ampliar a pequena ermida. Assim foi erguido um novo templo, no topo da serra da penha, hoje Santuário de Nossa Senhora da Penha de França, no município de El Cabaco, na província de Salamanca, na Espanha, com a data de 8 de setembro, dedicada à Nossa Senhora da Penha de França.
          Com o passar do tempo, a fé e os milagres atribuídos a Nossa Senhora da Penha de França se expandiu para o mundo, surgindo igrejas e santuários dedicados a Nossa Senhora da Penha de França, passando com o tempo a ser somente Nossa Senhora da Penha, na maioria dos lugares onde a santa é venerada pelos fiéis.
          Agora, voltando para Minas, o distrito passou a ter esse nome por uma semelhança com o caso acima. Segundo a tradição oral, Nossa Senhora apareceu duas vezes no local.
          Quando da chegada dos alemães e franceses, vieram com eles alguns escravos. Em 18 de setembro de 1653, quando começava o povoamento do arraial, um dos escravos que servia a um dos franceses, viu um enorme foco de luz, saindo de um tronco de árvore, que havia sido derrubado para ser usado na construção das casas do vilarejo.
          Curioso, o escravo se aproximou e viu na luz a imagem de Nossa Senhora. Assustado, correu e foi contar ao seu senhor o ocorrido, que duvidou por completo da história, agindo como São Tomé, foi lá ver para crer, já alertando a seu escravo que se fosse mentira, iria manda-lo para o tronco. 

          Já no local, o que havia era apenas o tronco, que não tinha sido queimado, como o escravo relatara, o que fez que o francês mandasse amarrar o escravo para chicoteá-lo. Foi ai que do tronco surgiu um forte clarão de fogo, aparecendo Nossa Senhora, mas apenas o escravo pôde vê-la, os outros nada viram, apenas o forte clarão de fogo vindo do tronco. 
          A incredulidade do francês, bem como os outros imigrantes da recém formada comunidade, foi substituída pela fé. Relembraram da devoção à Nossa Senhora da Penha de França, na Europa e resolveram edificar uma igreja, colocando no altar a imagem de Nossa Senhora da Penha de França, com o trono da santa sobre o tronco da árvore. Em torno da Igreja de Nossa Senhora da Penha de França o povoado se desenvolveu, passando a se chamar Penha de França. Com o crescimento do arraial e a presença constante de fiéis, a antiga ermida deu lugar a outro templo, maior, mais espaçoso, com características coloniais em sua fachada, ornamentação interna em estilo eclético e neo-românico, como podem ver na foto acima, do Sérgio Mourão, o atual altar,
          251 anos após essa aparição, em 1º de outubro de 1904, Nossa Senhora apareceu novamente na localidade, tendo sido vista por duas meninas negras, Rosalina e Guida, filhas de Dona Feliciana. Sabendo da história, o arcebispo da região na época, foi até onde as meninas presenciaram a aparição da santa, celebrou uma missa e mandou tirar fotos do altar da Igreja. Quando os filmes foram revelados, se surpreenderam ao verem nas fotos, duas imagens no altar, uma ao lado da outra, mas só tinha uma no altar. O fato foi visto com um milagre, tendo a notícia se espalhado pela região, atraindo atenção de fiéis para a localidade, começando assim romarias e peregrinação até a Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, em Penha de França.

          Em torno da fé Penha de França se desenvolvia, tanto na agricultura, na mineração, quanto em seu pequeno comércio, já que a presença de fiéis movimentava a economia do distrito. (na foto acima de Sérgio Mourão, a calma e tranquila vida em Penha de França) 
          Além da religiosidade, tradição e sua arquitetura, paisagens naturais chamam a atenção em Penha de França como o sítio arqueológico da Lapa Santa (na foto acima de Sérgio Mourão), com pinturas rupestres com figuras de pessoas e animais, além de ter sido encontrado ossadas com cerca de 4 mil anos, segundo informações de paleontólogos. (foto abaixo do Sérgio Mourão, detalhe do casario colonial em Penha de França)
          Essa é Penha de França, sua origem marcada pela fé, arquitetura, tradição, história, reunidas num pitoresco, tranquilo, charmoso e atraente lugar, com um povo simples, trabalhador e muito hospitaleiro. Um convite especial, para a data celebra do dia de Nossa Senhora da Penha de França, 8 de setembro, quando a comunidade se prepara para a festa, que atrai fiéis de toda a região.







0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores