Tecnologia do Blogger.

domingo, 2 de maio de 2021

Os 11 doces mais tradicionais de Minas Gerais

(Por Arnaldo Silva) A história dos doces mineiros é tão antiga, quanto a origem de Minas Gerais. Desde o final do século XVII, doces e Minas Gerais, formaram uma união perfeita. Minas Gerais é o Estado do doce e do queijo. Esses dois foram as bases para o surgimento de novas iguarias e quitandas mineiras. Os doces que saiam dos tachos das cozinhas mineiras, saíram das divisas do Estado e também de nossas fronteiras, conquistando paladares mundo afora. Nossos doces fazem a alegria dos turistas que vem à Minas, que se deliciam com as infinidades de doces que saem de nossas cozinhas.
          A tradição doceira mineira é fruto da vocação do mineiro para cozinhar. Nas paradas das tropas pelo sertão mineiro, as frutas tropicais deram origem a doces, com as receitas aperfeiçoadas e em sua maioria, criadas, nas senzalas e cozinhas das fazendas coloniais. São mais de 300 anos de tradição doceira. (fotografia acima de Lourdinha Vieira em Bom Despacho MG)
          O mineiro sabe o sabor, cor, a textura, de cada doce, além do ponto certo do tipo de doce que deseja, seja cremoso ou de corte, de leite, ovos ou de frutas diversas. Sabe escolher bem as frutas e os ingredientes, que vão para o tacho. As frutas preferidas dos mineiros para doces são a goiaba, laranja da terra, figo, ameixa, limão, jabuticaba, mexerica, banana, mamão e abacaxi.
          Isso porque o mineiro sabe que cozinhar é um ato de amor, prazer e alegria. É na cozinha que está o melhor da casa mineira. Da cozinha sai o que o mineiro tem de melhor para sua a família e visitas. E o principal ingrediente, que dá vida e sabor aos pratos mineiros é o amor, o prazer em cozinhar e a vocação do povo mineiro para a cozinha. São estes os principais ingredientes de uma das culinárias mais famosas e apreciadas do mundo.
          Cada região mineira tem sua gastronomia e história, de acordo com o clima, bioma, cultura e tradição. Seja no Triângulo Mineiro, Sul, Norte, Central, Leste, Noroeste, Jequitinhonha, Campo das Vertentes, Zona da Mata ou no Alto Paranaíba, em comum acordo, os doces fazem parte da identidade de todo o povo mineiro e de grande importância para a formação da identidade gastronômica mineira.
          É um legado de três séculos, passado de geração para geração, gerando renda, empregos e garantindo o sustento de milhares de famílias. Isso porque os doces feitos nos tachos dos fogões à lenha de Minas Gerais, estão hoje presente nas centenas de indústrias de doces, gerando emprego e renda para famílias e impostos para os municípios. (fotografia acima de Nilza Leonel no Sítio Talismã, em São Roque de Minas)
          Nossos doces estão presentes nos 853 municípios mineiros, nos 1772 distritos e em cada cozinha de fazenda pelos cantos de Minas Gerais. Algumas cidades se destacam na fabricação de doces artesanais pela tradição e vocação. São receitas passadas ao longo de séculos, de mãe para filha, de geração para geração. São doces que nunca faltam na mesa mineira.
          Uma dessas cidades que se destacam por sua tradição doceira é Baldim, a 95 km de Belo Horizonte, próximo a Serra do Cipó, fazendo divisa com Jequitibá, Jaboticatubas, Santana do Riacho, Santana do Pirapama, Funilândia e Matozinhos.
          O pequeno município, com cerca de 8 mil moradores, se destaca na produção de doces artesanais e industriais. Baldim é uma das maiores produtoras de doces, do Brasil, abastecendo o mercado mineiro, nacional e inclusive, exportando para vários países. São doces finos, de altíssima qualidade e diversos sabores, com destaque para o doce de leite, produzido de forma artesanal nas fazendas do município. (na foto acima do Elpídio Justino de Andrade, a entrada da cidade de Baldim)
          A produção de doces em Baldim movimenta a economia da cidade, sendo inclusive, produzidos em grande escala na área rural, já que o município, é um grande produtor de leite, com grande parte de sua população, vivendo na área rural do município. A cidade vive e respira doce. Por isso é a conhecida como a “Cidade do Doce”. Quem quer saborear os melhores doces mineiros, de todos os tipos e sabores, o lugar é Baldim.
          Você vai conhecer os mais tradicionais doces mineiros, que saem dos tachos de nossas cozinhas para a nossa mesa. (fotografia acima de Nilza no Sítio Talismã em São Roque de Minas)
01 – O doce de leite
          É o mais delicioso e apreciado doce mineiro. Uma sobremesa deliciosa, principalmente, harmonizada com Queijo Minas Padrão ou outros doces, como o de figo e mamão. Está presente em todas as cozinhas de Minas Gerais desde o fim do século XVIII. Até os dias de hoje, dos tachos mineiros saem os mais saborosos e genuínos doces de leite artesanais, cremoso ou de corte, puro ou mesmo, com o acréscimo de frutas e até chocolate e Nutella. Além dos doces de leite artesanais, saem das indústrias mineiras, doces reconhecidos nacionalmente e internacionalmente, pela qualidade e sabor, como o doce Viçosa, Boreal, Majestic, Sabores do Grama, Rocca, dentre tantos outros. (foto acima de Arnaldo Silva)
02 – Doce de leite na palha
          Muito popular em Minas, principalmente em Bom Despacho, na Região Centro Oeste, é um tipo de doce de leite diferente do tradicional. É o mesmo processo do doce de leite, mas ao invés do açúcar, é adoçado com rapadura. São 8 litros de leite, para 1,5 quilo de rapadura raspada. O resultado é um doce de sabor intenso, diferenciado, sem igual, com textura forte e saborosíssimo. É enrolado em palha hidratada de milho, o que dá um ar bem interiorano e mineiro ao doce. (foto acima de Arnaldo Silva)
03 – Doce de mamão e de abóbora
          Esses doces tem o mesmo modo de preparo. Feito com água e açúcar, com o mamão ou abóbora ralados ou cortados, podendo ser cremoso, ralado, de corte ou cristalizado. São saborosos e apreciadíssimos pelos mineiros, principalmente o doce de mamão. Já o doce de abóbora, pode ser incrementado com coco ralado. (fotografia acima de Luci Silva)
04 – Ambrosia
          É um doce feito com ovos, açúcar, leite, cravo e canela. A receita original chegou à Minas no início do século XVIII, com a chegada de milhares de portugueses, no início do Ciclo do Ouro. Trouxeram sonhos de riqueza, arquitetura e receitas, ao longo do tempo, adaptadas aos ingredientes mineiros. Entre essas receitas, a Ambrosia, hoje uma das principais guloseimas do Estado. (foto acima de Arnaldo Silva)
05 - Goiabada Cascão
          Tradicional doce feito em São Bartolomeu, distrito de Ouro Preto, desde o final do século XVIII, a goiabada cascão é um dos mais deliciosos doces mineiros. Hoje, em parceria com o queijo Minas, está presente em todas as mesas, das mais simples e mais finas, do mundo inteiro. A popular sobremesa “Romeu e Julieta”, o par perfeito. Diferente da goiabada industrial, a goiabada cascão leva além da polpa da goiaba, a casca, por isso o nome. (fotografia acima de Judson Nani) 
06 – Pé de Moleque e Pé de Moça
          São dois doces muito tradicionais em Minas Gerais. O Pé de Moleque é feito com rapadura, amendoim torrado e água. É um doce popular nas festas juninas no Brasil, mas em Minas Gerais, está presente nas mesas mineiras todos os dias. (foto acima e abaixo de Arnaldo Silva)
          Já o Pé de Moça, é bem parecido com o Pé de Moleque, mas com acrescimento de leite condensado à receita, o que torna o doce mais cremoso e bem macio.
          A cidade de Piranguinho, no Sul de Minas, se destaca no Brasil na produção deste doce. Inclusive, a cidade é a Capital do Pé de Moleque no país. O pé de moleque está faz parte da cultura, história, gastronomia e identidade de Piranguinho, desde o início do século XX, em suas barracas coloridas. Tem gosto e sabor de Minas Gerais.
07 – Rocambole
          A guloseima é uma massa de pão-de-ló, bem fina, com pouca gordura e recheada. Na massa fina, passa-se o recheio e depois, é enrolada. De origem Europeia, chegou à Minas na época do Império, se tornando tradicional na cidade histórica de Lagoa Dourada, próxima a Tiradentes e São João Del Rei, desde o início do século XX. O rocambole é a principal identidade gastronômica da cidade, considerada a Capital do Rocambole no Brasil. A guloseima é tão popular na cidade que em cada rua, esquina e canto, encontra-se rocambole. Em Minas Gerais, a iguaria ganhou recheios e o jeito mineiro de cozinhar. O recheio preferido dos apreciadores de rocambole é doce de leite caseiro. (na foto acima da Luciana Silva)
08 – Doce de casca de laranja da terra
          Receita secular, tradicional, desde os tempos do Brasil Colônia. Fazer esse doce requer tempo e paciência. Em média, 5 dias, mas compensa. O doce é delicioso. É feito com a casca da laranja da terra, uma fruta de sabor amargo, por isso pouco consumida in natura, mas dá um doce dos mais saborosos e tradicionais de Minas Gerais. (fotografia acima de André Saliya)
09 – Doce de figo
          Presente nos quintais mineiros, a fruta originária da região do Mediterrâneo, chegou à Minas, ainda nos tempos do Brasil Colônia e rapidamente, se popularizou nos pomares mineiros. Saia dos pomares, direto para os tachos de nossas cozinhas. O doce de figo, feito apenas com a fruta, água e açúcar, é um dos mais tradicionais e saborosos doces mineiros. Acompanha muito bem com nosso doce de leite, com doce de pêssego e com queijo Minas Frescal. (foto acima de Evaldo Itor Fernandes)
10 – Doce de queijo
          Chamado também de bolinha de queijo, é um doce tipicamente mineiro, com origem na região da Serra da Canastra. A massa é feita com queijo Canastra curado, ovos, farinha de trigo e fermento. É cozido em água com açúcar. Quando pronto, as bolinhas são espetadas cravo, lembrando uma ameixa. Por isso é chamado também de ameixa de queijo. É bom demais da conta esse doce. (fotografia acima de Nilza Leonel)
11 - Os doces cristalizados e em compotas
          Os doces cristalizados dão água na boca só de olhar, bem como os doces em compotas. Por durarem mais tempo em conserva, são bastante comuns, hoje em dia. São doces especiais, finos, principalmente os doces cristalizados, ideais para quem quer adquirir uns quilinhos a mais. Isso porque são feitos com pequenas tiras das cascas e pedaços das frutas. Cristalizado, ficam deliciosos, crocantes e irresistíveis. Não dá para comer só um só pedacinho. As pessoas vão comendo sem se darem conta da quantidade, porque são irresistíveis mesmo. (fotografia acima de André Saliya e abaixo de Sérgio Mourão)
          Já os doces feitos em calda, são feitos com a fruta inteira, ou cortadas em grandes pedaços. Levam apenas água, açúcar e algumas especiarias. Dependendo das frutas, esses doces são feitos com as cascas, sementes e caroços também. Os doces em compotas mais populares em Minas são os de figo, laranja, jabuticaba, maçã, melão, jaca, mexerica, amora, banana, pêssego, pequi, morango, frutas vermelhas, mamão, goiaba, ameixa, limão, manga, pera, abacaxi, dentre outras frutas, além de abóbora, batata doce, cenoura, tomate, pimenta biquinho, etc.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores