Tecnologia do Blogger.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Relembre as cantigas infantis de roda e de ninar

As cantigas de roda e ninar fazem parte do conjunto de histórias, lendas e superstições de nosso povo. As mães cantavam e incentivam os filhos a cantar e brincar com outras crianças da rua. Ouvir as cantigas cantadas por pais, pelas tias, professoras ou mesmo amigos, acalentava o coração e propiciavam sensações de alegrias. Favorecia os laços de família e fortalecia os laços de amizade, pela grande vantagem de estar num ambiente coletivo ou no aconchego do berço ou no colo da mãe. Quem teve o privilégio de viver nos tempos da cantigas de ninar e brincadeiras de roda, vai relembrar com nostalgias os versos abaixo. São versos populares, cantados nas brincadeiras de ruas, no recreio da escola e em casa, brincando com os irmãos e amigos. 
Pintura do artista plástico Gildásio Jardim de Padre Paraíso MG
Domingo
Hoje é domingo
Pede cachimbo
O cachimbo é de barro
Que bate no jarro
O jarro é de ouro
Que bate no touro
O touro é valente
Bate na gente
A gente é fraco
E cai no buraco
O buraco é fundo
Acabou-se o mundo!

Escravos de Jó
Os escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, põe,
Deixa o zabelê ficar
Guerreiros com guerreiros
Fazem ziguezigue zá
Guerreiros com guerreiros
Fazem ziguezigue zá.

Eu entrei na roda
Ai, eu entrei na roda
Ai, eu não sei como se dança
Ai, eu entrei na “rodadança”
Ai, eu não sei dançar
Sete e sete são quatorze, com mais sete, vinte e um
Tenho sete namorados só posso casar com um
Namorei um garotinho do colégio militar
O diabo do garoto, só queria me beijar
Todo mundo se admira da macaca fazer renda
Eu já vi uma perua ser caixeira de uma venda.

Fui ao Tororó
Fui no Tororó beber água não achei
Achei linda Morena
Que no Tororó deixei
Aproveita minha gente
Que uma noite não é nada
Se não dormir agora
Dormirá de madrugada
Oh! Dona Maria,
Oh! Mariazinha, entra nesta roda
Ou ficarás sozinha!


Marcha soldado
Marcha Soldado
Cabeça de Papel
Se não marchar direito
Vai preso pro quartel
O quartel pegou fogo
A polícia deu sinal
Acode, acode, acode
A bandeira nacional .

Marinheiro só
Oi, marinheiro, marinheiro,
Marinheiro só
Quem te ensinou a navegar?
Marinheiro só
Foi o balanço do navio,
Marinheiro só
Foi o balanço do mar
Marinheiro só.

Meu limão, meu limoeiro
Meu limão, meu limoeiro,
Meu pé de jacarandá,
Uma vez, tindolelê,
Outra vez, tindolalá.

Peixe vivo
Como pode o peixe vivo
Viver fora d'água fria?
Como pode o peixe vivo
Viver fora d'água fria?
Como poderei viver,
Como poderei viver,
Sem a tua, sem a tua,
Sem a tua companhia?
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Por me ver assim chorando
Sem a tua, sem a tua companhia.

A canoa virou
A canoa virou
Por deixá-la virar,
Foi por causa da Maria
Que não soube remar
Siriri pra cá,
Siriri pra lá,
Maria é velha
E quer casar
Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar,
Eu tirava a Maria
Lá do fundo do mar.

Atirei o pau no gato
Atirei o pau no gato tô tô
Mas o gato tô tô
Não morreu reu reu
Dona Chica cá
Admirou-se se
Do berro, do berro que o gato deu
Miau!!!!!!

Se esta rua fosse minha
Se esta rua,
Se esta rua fosse minha,
Eu mandava,
Eu mandava ladrilhar,
Com pedrinhas,
Com pedrinhas de diamantes,
Só pra ver, só pra ver
Meu bem passar
Nesta rua, nesta rua tem um bosque
Que se chama, que se chama solidão
Dentro dele, dentro dele mora um anjo
Que roubou, que roubou meu coração
Se eu roubei, se eu roubei teu coração,
Tu roubaste, tu roubaste o meu também
Se eu roubei, se eu roubei teu coração,
É porque, é porque te quero bem

Boi da cara preta
Boi, boi, boi
Boi da cara preta
Pega esta criança que tem medo de careta
Não , não , não
Não pega ele não
Ele é bonitinho, ele chora coitadinho.

Cai cai balão
Cai cai balão, cai cai balão
Na rua do sabão
Não Cai não, não cai não, não cai não
Cai aqui na minha mão!
Cai cai balão, cai cai balão
Aqui na minha mão
Não vou lá, não vou lá, não vou lá
Tenho medo de apanhar!

Capelinha de melão
Capelinha de Melão é de São João
É de Cravo é de Rosa é de Manjericão
São João está dormindo
Não acorda não!
Acordai, acordai, acordai, João!

Ciranda, cirandinha
Ciranda, cirandinha,
Vamos todos cirandar,
Vamos dar a meia volta,
Volta e meia vamos dar
O anel que tu me deste
Era vidro e se quebrou,
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou.

O cravo brigou com a rosa
O cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O cravo saiu ferido
E a rosa, despedaçada
O cravo ficou doente
A rosa foi visitar
O cravo teve um desmaio,
A rosa pôs-se a chorar.

Peixinho do mar
Quem me ensinou a nadar
Quem me ensinou a nadar
Foi, foi, marinheiro
Foi os peixinhos do mar.

Pezinho
Ai bota aqui
Ai bota aqui o seu pezinho
Seu pezinho bem juntinho com o meu
E depois não vá dizer
Que você se arrependeu!

Pirulito que bate bate
Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu
Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
A menina que eu gostava
Não gostava como eu.

Roda pião
O Pião entrou na roda, ó pião!
Roda pião, bambeia pião!
Sapateia no terreiro, ó pião!
Mostra a tua figura, ó pião!
Faça uma cortesia, ó pião!
Atira a tua fieira, ó pião!
Entrega o chapéu ao outro, ó pião!

Samba Lelê
Samba Lelê está doente
Está com a cabeça quebrada
Samba Lelê precisava
De umas dezoito lambadas
Samba, samba, Samba ô Lelê
Pisa na barra da saia ô Lalá
Ó Morena bonita,
Como é que se namora ?
Põe o lencinho no bolso
Deixa a pontinha de fora.


Teresinha de Jesus
Teresinha de Jesus deu uma queda
Foi ao chão
Acudiram três cavalheiros
Todos de chapéu na mão
O primeiro foi seu pai
O segundo seu irmão
O terceiro foi aquele
Que a Teresa deu a mão
Teresinha levantou-se
Levantou-se lá do chão
E sorrindo disse ao noivo
Eu te dou meu coração
Dá laranja quero um gomo
Do limão quero um pedaço
Da morena mais bonita
Quero um beijo e um abraço.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O que é quitanda para o mineiro?

(Por Arnaldo Silva) Quitanda é uma palavra muito pronunciada no Brasil, principalmente em Minas Gerais, embora o significado de quitanda para os mineiros seja diferente do restante do Brasil. (a foto abaixo mostra quitandas sobre o fogão a lenha do Armazém Bertolotti em Extrema MG)
  A origem dessa palavra é africana e se escrevia “kitanda” com k, posteriormente modificada devido à atualização da língua portuguesa no século XX. Literalmente kitanda, no dialeto quimbundo, é um tabuleiro onde se coloca alimentos para a venda, geralmente por vendedores ambulantes ou em feiras livres. Em algumas partes do interior do Brasil, quitanda ou quitandeira, era uma pequena mercearia onde se vendia além de gêneros alimentícios, produtos de limpeza, fumo, higiene, carvão, etc. Para nós mineiros, esse tipo de mercearia chama-se venda e existe até hoje em algumas regiões mineiras como esta ai abaixo, na zona rural de Bom Despacho MG.
          Quitanda também tem significado diferente para o mineiro. Para nós mineiros, quitanda é simplesmente tudo que é feito em casa e servido com café, como queijos, broas, sequilhos, biscoitos, bolos, além dos produtos que saiam dos quintais para as panelas dos fogões à lenha como doce de leite, goiabada, doce de mamão, compotas, etc. Essas quitandas eram colocadas em tabuleiros ou mesas da cozinha para a merenda das famílias e também quando chegavam visitas.
          Fazer quitandas é uma das mais antigas tradições mineiras. Saiu das senzalas, graças ao gênio culinário das escravas. 
Quitandeiras em Vila Rica, hoje Ouro Preto MG, imortalizada na tela do artista plástico Jean Baptiste Debret (1768-1848)
          A tradição das quitandeiras mineiras começou a partir de 1716, em Vila Rica, hoje Ouro Preto. As escravas e escravos, além de prepararem as quitandas para seus senhores, faziam também para vender pelas ruas de Vila Rica. Colocavam as quitandas no tabuleiro e saiam pelas ruas com os tabuleiros na cabeça, vendendo as quitandas. Alguns senhores de escravos mantinham pequenas vendas na Vila onde as quitandas ficavam à venda o dia todo. O dinheiro das vendas não ficava com os escravos, a não ser com os que eram forros. Havia também casos de escravos e escravas forras que sustentavam suas famílias com a criação de pequenas vendas pelas vilas.
          Passam-se séculos, mas a tradição continua a mesma. Pelo interior de Minas Gerais, quitandeiras fazem biscoitos, bolos, broas, roscas, doces, queijos, etc. e vendem pelas ruas, em feiras livres ou montam pequenos negócios em suas casas para venderem seus produtos. (foto abaixo, cozinha do Espaço Roça em Caetanópolis MG)
          E ainda, a tradição de preparar quitandas para família continua. Colocar sobre as mesas os melhores doces, queijos, biscoitos, bolos, roscas e broas eram uma forma de unir as famílias na hora do café da manhã e merenda da tarde, além de agradar as visitas, já que visitar amigos, parentes, comadres e compadres, era uma prática corriqueira entre mineiros, naqueles tempos. Dependendo das famílias, era visita todo dia. 

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Duas versões sobre a origem do Uai dos mineiros

(Por Arnaldo Silva) É a pergunta que todos fazem. A resposta vem logo: uai é uai, uai!
          Quando um mineiro diz Uai, significa que ele está demonstrando dúvida, surpresa, espanto, susto, impaciência, terror ou admiração. Mas como, quando e porque o mineiro passou a falar Uai, é uma incógnita.
          Explicações existem como a versão atribuída a Sílvio Carneiro e Dorália Galesso, num estudo encomendado pelo ex presidente Juscelino Kubistchek, relata que UAI são as iniciais de União, Amor e Independência. UAI seria uma senha (juntamente com as três batidas clássicas da Maçonaria) utilizada pelos integrantes da Inconfidência Mineira (quase exclusivamente composto por maçons) para que a porta do local de encontros secretos fosse aberta. Era uma maneira de se protegerem da polícia portuguesa.
          Há outra versão mais popular e convincente defendida desde os anos 70 e apresentado por um professor mineiro no 5ª Congresso de Ciências Humanas, Letras e Artes, realizado na Universidade Federal de Ouro Preto em 2001.
          Segundo a tese, a expressão começou a surgir popularmente com a instalação da multinacional inglesa “Imperial Brazilian Mining Association” primeira empresa de capital estrangeiro a se instalar em Minas Gerais e investir no Brasil, adquirindo a mina de ouro de Congo Soco, pertencente a João Baptista Ferreira de Souza Coutinho, o Barão de Catas Altas. Essa mina foi explorada entre os anos de 1824 até 1856. Durante esses anos, Congo Soco se transformou numa autêntica vila inglesa. Não se sabe ao certo a origem do nome Congo Soco. O local ainda existe e suas ruínas foram tombadas pelo Iepha/MG desde 1995. Fica no município de Barão de Cocais, a 76 quilômetros de Belo Horizonte.
          Voltando a tese do professor, ele afirma em seus estudos, com sua própria palavra que a expressão Uai “Pode ser atribuída ao convívio com esses e outros ingleses que residiram na província a utilização por parte dos mineiros da interjeição “Uai!” (que exprime surpresa e/ou espanto), a qual possui semelhanças fonéticas e semânticas com o vocábulo “Why” utilizado na língua inglesa com o mesmo sentido do nosso “por quê?”, ou como interjeição, assumindo, neste caso, o mesmo sentido do Uai mineiro. Notemos que o Uai mineiro e o “Why” britânico possuem a mesma representação fonética; e notemos ainda que o Uai é a expressão da língua portuguesa falada no Brasil que mais se relaciona com a identidade mineira”. Como os ingleses não entendiam o que os mineiros falavam e muitos menos os mineiros entendiam o que os ingleses falavam, algumas expressões passaram a serem ditas com freqüência pelos mineiros, na tentativa de se comunicar com os ingleses, por serem mais fáceis de falar como Where (uér), Why (uai) e So (sô). Era o que entendiam e conseguiam falar, daí se popularizou o nosso Sô. Why So (Por que Assim?).
          Os ingleses se foram e deixaram por aqui parte de seu vocabulário que passou a se difundir e ser muito falado, principalmente o Why So que virou o nosso tradicional Uai Sô.
          O certo é que não há uma constatação oficial da origem do nosso Uai. O que se tem são estudos e teses, feitas por professores e pesquisadores do assunto. O correto em afirmar é que o Uai é fato concreto, é parte de nossa cultura, de nosso vocabulário e é de Minas, é do mineiro.
          Convergências e divergências sobre o tema existirão sempre, já que é um assunto polêmico, mas todos concordam que a expressão Uai é patrimônio eterno de Minas, ah isso é! Resumindo: Uai é Uai, Sô!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

A história da Fazenda Santa Clara

     A Fazenda Santa Clara (na foto abaixo de Márcio Lucinda-Sauá Turismo) fica em Santa Rita de Jacutinga, cidade da Zona da Mata que faz divisa com os municípios de Rio Preto, Bom Jardim de Minas, Passa Vinte. É a maior atração turística do município que fica apenas 140 km de Juiz de Fora,190 km do Rio de Janeiro e 380 km de Belo Horizonte.
A historia da Fazenda
     O fazendeiro e minerador nascido em São João Del Rei, então Capitania de Minas Gerais, Luiz Fortes de Bustamante e Sá, assumiu, no final do século XVIII, o cargo de guarda-mor do registro de Rio Preto. Mas Luiz desistiu do cargo, sendo substituído pelo seu irmão Francisco Dionísio Fortes de Bustamante, que mudou com a esposa e filhos em Rio Preto, em 1800, aproximadamente. No ano de 1824 o seu filho Francisco Tereziano Fortes de Bustamante foi agraciado pelo governo imperial com uma sesmaria de terras, onde montou a fazenda Santa Clara, concluída em 1856. A fazenda foi deixada, com sua morte, para a viúva Maria Tereza de Souza Fortes, Viscondessa de Monte Verde. Com a morte da Viscondessa, que não tinha descendentes diretos, a fazenda ficou com o seu irmão Carlos Teodoro de Souza Fortes, que era o 2º Barão de Santa Clara. Com o fim da Escravidão e as dificuldades de pagar mão de obra, e manter toda a estrutura da propriedade, a fazenda acabou sendo hipotecada ao banco, ficando em sua posse por mais de 20 anos. Depois, foi à leilão e arrematada pelo Comendador Modesto Leal e, em 1924, adquirida pelo Coronel João Honório, sendo a fazenda hoje  propriedade de seus descendentes.
     Com 6 mil m², a Fazenda Santa Clara (na foto acima de Márcio Lucinda-Sauá Turismo) deve ser uma das maiores propriedades rurais com origem no século XIX ainda existentes na América Latina.  Possui 365 janelas, 54 quartos, 12 salões, 3 cozinhas, 2 terreiros de café, uma capela, uma mirante, senzala, masmorra e outras dependências apropriadas. Iniciada em 1805, levou mais de 15 anos para ser construída. Toda em pau-à-pique e feita por escravos. O terreiro de café é primoroso e foi construído com conchas e óleo de baleia. A masmorra foi concebida com solidez tal que impedisse fugas. No mirante, construído para vigiar a propriedade do alto, foi instalado um grande relógio alemão, fabricado em 1840 e ainda funcionando. (na foto abaixo, de autoria de Marcos Lamas, a Senzala da fazenda e os instrumentos de castigo aos escravos)
     Como ocorre com muitas construções antigas, a fazenda tem suas lendas como a escada do "Pai Nosso" e a escada da "Ave Maria". Ali, o crente faz um um pedido assim que chegar ao último degrau. Dizem que o casarão foi concebido com 365 janelas para simbolizar todos os dias do ano. Também há "janelas" apenas pintadas que, segundo a lenda, objetivavam somar 365 ou, na verdade, para burlar a fiscalização escravagista, já que na época já estava proibido o comércio de escravos. A história conta que pela fazenda teriam passado aproximadamente 2.800 escravos, o que pode ser uma verdade, pois ali se produzia muito café, o que exigia uma grande quantidade de mão de obra. Um dos objetivos da construção dessa fazenda foi a comercialização de escravos para os senhores da região.
A Fazenda ontem e hoje
     A fazenda Santa Clara (na foto acima de Márcio Lucinda-Sauá Turismo), guarda mais de 200 anos de história e tradição. A fachada principal da fazenda é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórica e Artístico Nacional (Ipham). A parte interna do casarão está ainda em processo de avaliação pelo órgão.A manutenção da fazenda é mantida com a arrecadação oriundas das visitas guiadas à fazenda. Cada visitante paga uma taxa para entrar. Assim se preserva um patrimônio não só de Minas, mas do Brasil. 
     Uma curiosidade interessante quando da construção da fazenda (foto acima de Márcio Lucina-Sauá Turismo) é que as telhas que cobrem o teto foram moldadas nas coxas dos escravos. Como eram moldadas nas coxas de vários escravos de tamanhos diferentes, as telhas apresentam imperfeições. Foi dai que surgiu a famosa expressão popular " feita nas coxas". 
Todos os meses turistas vem à fazenda para conhecê-la. Pessoas de várias partes do Brasil e até do exterior para conhecer o casarão e toda sua história, visando o Museu, os salões, a senzala e outros espaços da fazenda acompanhados por guias. Como já foi citado acima, para manter o local, são cobrada taxas de visita por pessoa. 
     No casarão, o visitante pode conhecer em detalhes como era a vida dos centenas de escravos da fazenda, a masmorra, os instrumentos usados para castigos, a senzala e o mirante, construído para vigiar os escravos. (Na foto acima, de Marcos Lamas a entrada da senzala e abaixo, do mesmo autor, vista da fazenda.)
     No interior do casarão, o mobiliário chama a atenção pelo luxo e arte muito bem feitas. Um tapete persa de mais de 20 metros quadrados é um dos atrativos. Outro atrativo é um espelho todo coberto em ouro e vários móveis como cristaleiras, cadeiras, lustres e outros objetos de grande valor histórico e cultural, pela beleza e requinte como foram trabalhados. No lugar os turistas tem a oportunidade conhecer várias peças históricas, como um tapete persa de mais de 20 metros quadrados, um espelho todo coberto com ouro e coleções de móveis. (na foto abaixo detalhes do casarão que tem três andares e todos são feitos de pau-a-pique. (Foto: Victor Nogueira/Arquivo Pessoal)
     Por essa rica história e construção exuberante, a fazenda Santa Clara foi cenário da novela  da minissérie "Abolição" da Rede Globo, em 1988, em comemoração ao centenário da Abolição da Escravidão no Brasil. Em 1999 a fazenda foi cenário da novela "Terra Nostra, também da Rede Globo.
Memória viva
     Na Região da Zona da Mata, existiam dezenas de fazendas de café com um rico patrimônio arquitetônico e cultural. Muitas delas ainda preservadas, mas de boa parte dessas fazendas, sobraram poucas peças para contar sua história. Ao contrário da Fazenda Santa Clara, foram conservadas boa parte da história da fazenda, bem como sua arquitetura. A constatação foi feita pelo historiador Roberto Dilly.  “Normalmente, sobraram apenas fragmentos dessas grandes fazendas produtoras de café. Porém, nesse caso, está tudo muito bem preservado. É um grande feito para a recuperação da memória e da história”, enfatizou o historiador.

     Graças a conservação e preservação da história da Fazenda Santa Clara, segundo o historiador, é possível entender de forma bem clara como era a vida naquela época, tanto das oligarquias cafeeiras, bem como a vida dos escravos.  “A Santa Clara foi altamente produtiva no século XIX. Apesar dela ser do século XVIII, a parte cafeeira só vai atingir seu ápice no século seguinte, principalmente com a chegada da família imperial em 1808. O número de escravos no local era muito grande, acima do normal, possibilitando a grande produção. Ao visitar a propriedade, o turista consegue saber como era a vida na casa grande, a vida na senzala e entender como a questão produtiva era organizada. O local conta a história naturalmente”, explicou.
COMO VISITAR A FAZENDA SANTA CLARA
Endereço: Estrada Santa Rita - Rio Preto Povoado João Honório, Santa Rita de Jacutinga MG
Horário visitas: Todos os dias de 8 às 17 horas com guia. Cobra-se para entrar. Verifique os valores
Telefones: (32) 3291-1400 - (24) 2442-5703

(fonte das informações: Wikipédia, Prefeitura de Jacutinga, G1-Zona da Mata e IBGE)

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores