Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O Túnel da Mantiqueira e a Revolução de 1932

(Por Arnaldo Silva) A Garganta do Embaú era parte do “Caminho geral do Sertão”, quando bandeirantes paulistas rumaram para o sertão mineiro, através de uma passagem na divisa de Minas com São Paulo, no século XVI. No caminho dessa passagem, existia uma enorme falha geográfica, que lembrava uma garganta. Nessa falha geográfica existiam minas d´água, que escorriam e formavam pequenas bicas d´água, chamada pelos índios, que viviam na região de “Embaú, traduzindo do tupi-guarani para o português significa “bica d´água." Por isso o nome Garganta do Embaú. Com a descoberta do ouro em Minas, esse caminho fez parte da antiga Estrada Real, que escoava o ouro retirado das terras mineiras para o porto de Paraty/RJ.
          A Garganta do Embaú fica em Passa Quatro, no Sul de Minas Gerais, na divisa com Cruzeiro/SP, a1133 metros de altitude, no alto da Serra da Mantiqueira. A região tem grande valor histórico para mineiros e paulistas. (foto acima de Paulo Santos)
          Em 1882, o Imperador Dom Pedro II, ordenou a construção de um túnel ferroviário, embaixo da Garganta do Embaú, com extensão de 997 metros, exatamente na divisa de Minas com São Paulo. Essa extensão passou a fazer parte do trecho da Ferrovia Minas Rio, que na época ligava Minas ao Rio de Janeiro em 170 km de ferrovia, transportando passageiros e escoando a produção agrícola da região.        
           A parte paulista do túnel começava no km 23 e a parte mineira, no km 24. Um ano depois de iniciada a obra, o túnel foi inaugurado em 5 de março de 1883 e contou com a presença do Imperador, acompanhado pela Família Real e com a presença de figuras importantes de Minas e São Paulo que entendiam ser esta obra de grande importância para o desenvolvimento da região, tanto de Minas, quanto de São Paulo. Esse trecho entrou em operação em 14 de junho de 1884. A inauguração foi registrada em foto, com autoria atribuída a Marc Ferrez.
          A construção desse túnel uniu mineiros e paulistas, pelos benefícios que a obra traria para os dois lados. A ferrovia significava desenvolvimento.
         
          Já no século XX, neste mesmo lugar, onde mineiros e paulistas estavam unidos e satisfeitos com a obra, ironicamente, foi marcado por uma das mais sangrentas batalhas do século XX, justamente entre mineiros e paulistas. A alegria da inauguração ficou para trás. No túnel ficaram lembranças de lágrimas, dor, sofrimentos e tristeza. (foto acima de Paulo Santos, o túnel hoje, abandonado)
          Foi em 1932. Getúlio Vargas assumiu o poder em 1930, decorrente de um movimento chamado de “Revolução de 1930”, instalando o “governo provisório”. Um provisório que durou 15 anos e foi implacável contra seus adversários. A elite paulista, principalmente os produtores de café, perderam os privilégios que tinham quando era presidente, o paulista Washington Luís, derrubado por Getúlio. Tentando reaver seus privilégios e discordando com os rumos que o Governo dava ao país, os paulistas tentaram unir os estados para derrubar Getúlio Vargas. 
          O Governo não ficou parado. Vargas agiu rápido, mobilizando tropas e conseguiu neutralizar a tentativa de influência paulista nos estados, preparando-se para por fim a revolta. Mas os paulistas acreditavam que conseguiriam depor Getúlio Vargas, promover novas eleições e aprovar uma nova constituição, através de uma Assembleia Nacional Constituinte. Acreditando que tinham forças para derrubar Getúlio do poder, a elite paulista mobilizou as massas populares para marcharem rumo a Capital Federal, na época, o Rio de Janeiro e iniciaram o que passou a se chamar “Revolução Constitucionalista de 1932”.
          Para chegar a este destino, tinham que passar por Minas Gerais. Esse era o problema. Minas Gerais reagiu e não permitiu o avanço das tropas paulistas em seu território, mobilizando suas tropas para conter o avanço dos paulistas. 
Coube ao 7º Batalhão de Caçadores Mineiros, de Bom Despacho MG, comandado pelo Tenente-Coronel Fulgêncio, impedir o avanço dos paulistas. As tropas mineiras deixaram Bom Despacho de trem, rumo ao Sul de Minas, entrando em confronto direto com as tropas paulistas. Mineiros e paulistas entraram em guerra. Era a Revolução de 1932. (na foto acima oficiais e praças do 7ºBCM na Estação de Trem de Bom Despacho MG, antes do embarque para o Sul de Minas/Foto 7ºBPM de Bom Despacho). A sede do 7º Batalhão de Caçadores Mineiros situava em Bom Despacho MG, cidade no Centro Oeste de Minas, onde até hoje o batalhão está instalado, com o nome de 7º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais. À época, o 7ºBCM tinha uma extensa área de atuação regional, que compreendia o Centro Oeste Mineiro, Campo das Vertentes, Noroeste de Minas e Sul de Minas. (na foto abaixo, militares do BCM se preparando para embarcar para a divisa de Minas com São Paulo, na Estação de Trem de Bom Despacho MG. Foto cedida pelo 7ºBPM de Bom Despacho MG)
 Os homens do 7º BCM foram para o combate com o firme propósito de defender o território mineiro e a unidade do Brasil, já que a maioria dos Estados da Federação, estavam aliadas ao Governo Federal. Foram para impedir e encerrar de vez o movimento revoltoso iniciado pelos paulistas. E foram vitoriosos. Os militares mineiros partiram da Estação de Bom Despacho rumo ao Sul de Minas. (na imagem abaixo, momento da partida dos militares rumo ao Sul de Minas, na Estação de Bom Despacho MG, antes, os militares rezam e são abençoados pelo vigário da cidade. Foto cedida pelo 7º Batalhão da Polícia Militar, de de Bom Despacho).
          As tropas do 7º BCM, ao chegar ao Sul de Minas, foram logo se preparando para o confronto se instalando em pontos estratégicos nas cidades mineiras na divisa com São Paulo. Sob o comando do Tenente-Coronel Fulgêncio, os militares mineiros montaram barricadas e ações estratégicas de guerra, fechando o cerco ao paulistas.  
          A guerra foi travada entre julho e outubro de 1932, sendo o Túnel da Mantiqueira, entre os vários campos da batalha nas divisas dos dois estados, palco das mais duras ações de guerra. 
          Com o avanço dos mineiros, impondo derrotas e muitas baixas aos paulistas, que temendo ficarem encurralados, recuaram e por fim, se renderam, encerrando o conflito.
          Foram 87 dias de intensos combates, com um saldo oficial de milhares de feridos e 934 mortos de ambos os lados. Informações extraoficiais dizem que esse número de mortos e feridos foi bem maior, principalmente do lado derrotado, o dos paulistas. Um desses mortos, foi o comandante das tropas mineiras, o Tenente-Coronel Fulgêncio. Como todos os outros militares que foram para o combate, deixou sua cidade, se despediu da família, dos amigos e foi cumprir sua missão e como tantos outros, não voltou para casa.(a foto acima, cedida pelo 7ºBPM, mostra a missa de corpo presente em Passa Quatro, do Tenente-Coronel Fulgêncio).
Na imagem acima, cedida pelo 7º BPM, momento que o caixão do militar é levado para sepultamento e abaixo, o seu sepultamento, em Passa Quatro MG.
          Numa guerra não existe vencedores e nem perdedores. Existe dor, perdas, mortes, tristeza, traumas. Todos perdem. Não há o que se comemorar. Guerra é uma mancha vergonhosa no coração de um povo. Ficaram as lições desse episódio triste da nossa história para as gerações e as marcas de uma guerra de brasileiros contra brasileiros, de mineiros contra paulistas, presentes nesse local. Por isso o Túnel do Embaú, é de grande importância para a história, mineira, paulista e brasileira, do século XIX e XX. 
          Dia 9 de julho marca para os paulistas o início da "Revolução Constitucionalista de 1932". Por ironia do destino, 9 de julho marca a fundação do 7º Batalhão de Caçadores Mineiros.
          A data do aniversário do Batalhão e não da Revolução de 1932, é lembrada todos os anos em Bom Despacho MG pela importância do 7º BCM, hoje 7ºBPM, para a história de Minas Gerais, pelos homens que contribuíram para nossa história e deram suas vidas em defesa de Minas Gerais, honrando seus compromissos com a sociedade. 
          Em Passa Quatro, onde o Tenente-Coronel Fulgêncio tombou em combate, a Estação de Trem que ficava na divisa com Cruzeiro SP, teve o nome mudado logo após o fim do conflito, para Tenente-Coronel Fulgêncio. Foram os próprios militares, em honra ao seu comandante, que alteram, com permissão das autoridades da época. Como podem ver na imagem ao lado, cedida pelo 7ºBPM.
          Em Bom Despacho, o Tenente-Coronel Fulgêncio e os combatentes que deixaram a cidade rumo ao Sul de Minas e morreram em confronto, nunca foram esquecidos e são sempre lembrados, um por um, nome por nome. No quartel, um museu com fotos, cartas e objetos da época da Revolução de 1932, conta a história do conflito e é aberto a visitação pública.          
          Em 26 de setembro de 1985 foi criada a Medalha do Mérito Coronel Fulgêncio de Souza Santos, pelo decreto nº 24.973, destinado a agraciar, em diferentes graus, integrantes da Polícia Militar que participaram do movimento revolucionário de 1932, no Túnel da Mantiqueira, instituições e personalidades civis que tenham prestado relevantes serviços à União dos Militares de Minas Gerais. Essa medalha é uma das principais honrarias mineiras. (na imagem abaixo, cedida pelo 7ºBPM, carta manuscrita descrevendo a morte do Tenente-Coronel Fulgêncio). 
         As atividades ferroviárias do túnel foram encerradas em 1991, com o fechamento do ramal de Cruzeiro/SP a Três Corações/MG e o túnel foi esquecido, mas sua história e marcas, não. 
          Hoje, o Túnel da Mantiqueira é ponto turístico para os visitantes que fazem o passeio no Trem da Mantiqueira, que faz o trajeto entre a Estação de Passa Quatro, até a Estação Coronel Fulgêncio, na divisa com Cruzeiro/SP. (Coronel Fulgêncio é este da foto que está na galeria dos ex-comandantes do 7º Batalhão da Polícia Militar, em Bom Despacho MG. Foi o primeiro comandante do Batalhão, instalado em 9 de julho de 1931. Foto cedida pelo 7ºBPM). 
          Por sua importância histórica para Minas Gerais, em 30 de maio de 2017, o Conselho Estadual do Patrimônio Cultural de Minas Gerais (CONEP) aprovou por unanimidade o tombamento do Túnel da Mantiqueira como Patrimônio Histórico de Minas Gerais. 
(Agradecemos à Tenente Lorena, da Seção de Comunicação Organizacional do 7º BPM, pela gentileza em ceder as fotos que fazem parte do Museu do Batalhão que ilustram a matéria)                 

3 comentários:

  1. Na década de 1970,passei muitas vezes por este túnel,ora sentido Cruzeiro SP e ora sentido a Conceição do Rio Verde e Lavras MG.

    ResponderExcluir
  2. Meu avô sempre nos.contava esta estoria eu.achava que.era estoria nunca aprendi na escola

    ResponderExcluir
  3. No alto,do lado direito da boca do túnel uma deliciosa iguaria da nossa culinária mineira: TAIOBA!!!! (aquela folhona verde escura sendo alimentada pela água)
    Se você diz que é mineiro e nunca comeu taioba...sei não!

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores