segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Inhotim: o que é, onde é e como chegar?

Compartilhe:

A origem do nome Inhotim (fotografia acima de Thelmo Lins) contada pelos moradores de Brumadinho, é que o lugar, quando ainda era área de mineração tinha como responsável um inglês de nome “Timot”, chamado na linguagem da época de “Nhô Tim” (Senhor Tim). Daí surge o nome Inhotim. O nome foi mantido como parte da história do lugar.
O Instituto Inhotim começou a ser idealizado pelo empresário mineiro Bernardo de Mello Paz a partir de meados da década de 1980.(foto ao lado, de Sônia fraga a famosa árvore suspensa, um dos atrativos do Museu)
A propriedade privada se transformou com o tempo, tornando-se um lugar singular, com um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo e uma coleção botânica que reúne espécies raras e de todos os continentes. 
Os acervos são mobilizados para o desenvolvimento de atividades educativas e sociais para públicos de faixas etárias distintas.
O Inhotim, uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), tem construído ainda diversas áreas de interlocução com a comunidade de seu entorno.

Com atuação multidisciplinar, o Inhotim se consolida, a cada dia, como um agente propulsor do desenvolvimento humano sustentável. (foto abaixo arquivo Inhotim)
Localização: Município de Brumadinho (região metropolitana de Belo Horizonte) apenas 60 km da capital.(foto abaixo de Sérgio Mourão)
Jardim Botânico 
Em uma área de 100 hectares, o Jardim Botânico conta com cinco lagos ornamentais e diversas coleções botânicas entre as quais se destacam a de Aráceas, uma coleção de orquídeas da espécie Vanda, com 350 indivíduos de diferentes espécies e, ainda, uma das maiores coleções de palmeiras do mundo com mais de 1.400 espécies. Pesquisas e projetos botânicos e paisagísticos são desenvolvidos em parceria com órgãos governamentais e privados. (fotografia abaixo de Sônia Fraga)
Como visitar:
Caminhar livremente e usufruir o encontro entre o meio ambiente e a arte contemporânea ou fazer as visitas mediatas gratuitas (informe-se na recepção ou pelos telefones mencionados)
Horários:
Aberto à visitação pública às terças, quartas, quintas e sextas-feiras, das 9h30 às 16h30 (última entrada às 16h00), e aos sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30 (última entrada às 17h00).
Entrada: Cobra-se ingresso para entrar. Verifique os preços antes.
Meia-entrada para maiores de 60 anos e estudantes (mediante apresentação de carteira específica da escola ou faculdade, dentro do prazo de validade e com foto). Portadores do cartão do Clube de Assinantes do Estado de Minas e assinantes do Hoje em Dia ganham 50% de desconto na compra de 2 ingressos.
Entrada gratuita para menores de seis anos.
Transporte interno:
Existe também o serviço de transporte interno para facilitar o acesso às obras mais distantes. O serviço pode ser adquirido na recepção e em outros pontos do parque e o custo é por pessoa e tem validade durante toda a estada no parque. Portadores de necessidades especiais e crianças menores de seis anos de idade não pagam.
Alimentação:
Dos lanches rápidos aos pratos mais elaborados e sofisticados, os visitantes do Inhotim podem desfrutar de uma gastronomia variada. São muitas as opções.
Crítica
O jornal The New York Times, em referência ao Inhotim, citou certa vez que “poucas instituições se dão ao luxo de devotar milhares de acres de jardins e montes e campos a nada além da arte, e instalar a arte ali para sempre.”O jornal Estado de Minas, em edição de 6 de fevereiro de 2011, avalia que o Inhotim pretende “transformar as pessoas para melhorar o mundo”
Como chegar: 
Ônibus:
De terça a sexta-feira, o ônibus com destino ao Inhotim sai da Rodoviária de Belo Horizonte (plataforma F2) às 9h e retorna às 16h30. Nos finais de semana e feriado, o horário de retorno para a capital é às 17h30.
O percurso tem a duração de 1h30.
Informações pelo telefone:

(+ 55 31) 3419 1800 ou (+ 55 31) 3272 8525. 
De carro – Acessos:
Acesso pelo km 640 da BR-381 – sentido BH-SP. (aproximadamente 1h15 de viagem).

O Instituto, visitado por milhares de pessoas de todo o mundo, é automaticamente lembrado quando se fala em Brumadinho, município mineiro, que, partindo de BH, é acessado pelas rodovias BR-381, MG-155 e MG-040.

Para quem não vai de carro, uma linha de ônibus sai da rodoviária de Belo Horizonte para o Inhotim. São 65 quilômetros de BH até o Instituto. E o caminho não é difícil: é preciso seguir pela rodovia Fernão Dias (BR-381) e, depois de passar pelo trevo para o Triângulo Mineiro, pegar a saída 501, em direção a Mário Campos. 

Depois de um posto de gasolina, virar à direita e pegar a estrada que leva ao Centro de Brumadinho. A partir dali, placas indicam o caminho para o museu.
--------------------------------------------------------------------------------------------
Fonte das informações, exceto fotos:https://michelechristine.wordpress.com/as-viagens-dicas/da-michele/inhotim-mg/

6 comentários:
Faça também comentários
  1. Quantas oportunidade perdida.
    Meu pai tinha dois lotes neste lugar.

    ResponderExcluir
  2. É divino , tive o privilégio de visitar,deslumbrante!!

    ResponderExcluir
  3. Mas e o barro que destruiu tudo. Nao esta mais assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Inhotim fica a 16 km do local do rompimento da barragem Vale, sequer passou perto alguma lama. Queremos mostrar Brumadinho como é e está. O desastre foi no Córrego do Feijão e Rio Paraopeba e Brumadinho não se resume ao Córrego do Feijão e Rio Paraopeba. Não aconteceu nada ao Inhotim. Ficamos tristes quando vemos comentários assim levando a desinformação por absoluta falta de informação mesmo. Visite o Inhotim, está mais lindo ainda e a cidade é linda, continua charmosa. A lama está no Córrego do Feijão e Rio Paraopeba não em toda Brumadinho.

      Excluir