domingo, 9 de fevereiro de 2020

O Caraça e a montanha do gigante deitado

Compartilhe:

(Por Arnaldo Silva) A Serra do Caraça é uma das mais belas serras mineiras, localizada entre Santa Bárbara e Catas Altas, pertence ao município de Catas Altas, cidade histórica mineira a 120 km de Belo Horizonte. É um dos trechos da cadeia de montanhas da Serra do Espinhaço, que começa na região de Catas Altas e se estende até a divisa de Minas com o Sul da Bahia.
    O nome "Caraça" surgiu desde a chegada dos primeiros moradores na região, no século XVIII. Segundo dicionários antigos de Portugal, Caraça era uma sacada de onde as pessoas eram queimadas na fogueira, durante a Inquisição. Segundo o povo antigo da região, Caraça é uma cara grande, enorme. Isso porque um enorme maciço rochoso encontrado no local, conhecido como "montanha do gigante deitado", tem aparência de uma cara enorme, vista tanto de perto, quanto de longe. (Foto acima de Josiano Melo)
Como podem ver na foto acima do Toninho Morais, tendo o Judson Nani numa posição idêntica a imagem característica do Caraça. Percebe-se perfeitamente a aparência de uma pessoa. Por isso o nome popular, Caraça. Mas na verdade, o nome oficial do lugar é Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Homens, mas todos chamam o Santuário pelo apelido, Caraça.
     Além da beleza arquitetônica do Santuário, toda sua natureza em volta é um verdadeiro espetáculo. Rios, lagos, cachoeiras, cascatas, trilhas, grutas, paisagens fascinantes que podem ser contempladas e vistas de mirantes, bem como, curtir o frescor das águas limpas das cachoeiras e quedas d´água de todo o complexo como a Cascatinha, Cascatona e Bocaina (na foto acima de Tom Alves/tomalves.com.br).
     Toda a Serra do Caraça (na foto acima de Isaac Rangel) é um santuário de grande importância ambiental, ecológica, cultural, arquitetônica e religiosa para Minas Gerais. Hoje é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural através do Decreto 98.914, de 31 de janeiro de 1990, formalmente chamada de Parque Natural do Caraça ou Complexo do Santuário do Caraça. A Reserva possui 11.233 hectares em área de transição entre Mata Atlântica e Cerrado, com altitude variando entre 720 a 2070 metros acima do nível do mar. O ponto mais alto da Serra do Espinhaço, o Pico do Sol, fica no Caraça e é um dos lugares mais visitados.
     A surpreendente riqueza da fauna e principalmente flora da Reserva, atrai pesquisadores de todo país à região. (foto acima de Josiano Melo) Na área foram catalogadas até o momento cerca de 500 espécies de besouros, sendo 200 dessas espécies nativas ou encontradas no Caraça pela primeira vez. Foram catalogadas ainda pelos pesquisadores mais de 200 espécies de orquídeas e várias outras espécies de nossa flora. Cerca de 274 espécies de aves e 65 de mamíferos como suçuaranas, tamanduá-mirim, quatis, saguis, sauás, raposas, antas, pacas, e o lobo-guará, entre outros, foram catalogados no Caraça, além de 50 espécies de aranhas, identificadas pelo Instituto Butantã de São Paulo.
     Uma dessas espécies mais atraentes do Caraça é o Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), que todas as noites, sobe até o adro do Santuário para comer carne das mãos dos padres. (foto acima de Josiano Melo) A chegada dos lobos é um momento emocionante para os turistas que ficam a espera do animal para fotografá-lo e vê-lo bem de perto.
A história do Caraça
     A história religiosa e arquitetônica da região começou na segunda metade do século XVIII com a chegada de um misterioso religioso chamado de Irmão Lourenço de Nossa Senhora, que chegou à região com o objetivo de fundar um eremitério e fortalecer a vida religiosa no interior da capitania de Minas. (fotografia acima de Edison Zanatto) Em pouco tempo, o Irmão Lourenço reuniu entre mais 12 eremitas e conseguiu edificar o monastério e uma igreja em estilo barroco, concluída em 1779, tornando o Caraça um centro de peregrinação religiosa na época. (foto abaixo de Josiano Melo, parte do Santuário que foi destruída pelo incêndio de 1968)
     Após a morte do Irmão Lourenço em 1819, a fundação foi entregue ao Rei Dom João VI, que posteriormente a entregou ao eremitério da Congregação da Missão (Padres Lazaristas). Este ato de Dom João VI foi crucial e importante para a educação mineira, já que os novos padres transformaram o eremitério em um colégio caracterizado por sua seriedade e disciplina rígida, tornando o Colégio do Caraça uma referência em ensino em todo o Brasil.
     Com o crescimento do Colégio, já no final do século XIX, os padres optaram por construir uma nova igreja, já que a antiga não comportava mais o grande número de alunos. A nova igreja, dedicada a Nossa Senhora Mãe dos Homens (na foto acima de Josiano Melo, o interior da Igreja), foi construída em estilo neogótico, sendo hoje uma das grandes atrações do Caraça, por sua riqueza arquitetônica, pelos vitrais franceses, o órgão de tubos, a enorme tela da "Última Ceia", do Mestre Manuel da Costa Ataíde e pela importância história do Santuário.
     Em suas salas de aulas estudaram filhos de famílias abastadas da sociedade mineira e brasileira, muitos se destacando na vida profissional e política como os ex-alunos Afonso Pena e Artur Bernardes que foram presidentes da República, bem como senadores, deputados e altas autoridades eclesiásticas se formaram no Colégio do Caraça.
     O Colégio do Caraça era tão importante para época que recebeu visita dos dois imperadores do Brasil, Dom Pedro I e posteriormente, seu filho, Dom Pedro II, em 1881. Os ilustres imperadores deixaram suas presenças que podem ser vistas no Museu do Caraça, na Igreja doando os vitrais, na Biblioteca e até andando pelos caminhos de pedra sabão, deixaram suas presenças. É que o Imperador escorreu na pedra e caiu sentado no chão. Onde Dom Pedro II caiu, ficou gravada a data e ano de sua queda, ainda desenharam uma coroa imperial para que todos saibam que foi nessa pedra que o Imperador escorregou, não só ele, mas outros tantos já levaram tombo similar, mas o personagem mais ilustre que levou um tombo no Caraça foi Dom Pedro II. Virou atração para os visitantes, como podem ver na foto do Wellington Diniz.
     Dom Pedro II e sua esposa Dona Tereza Cristina, se encantaram tanto com o Caraça que deixaram gravada essa frase:

     No começo do século XX, o Colégio passou a ser um seminário religioso da Congregação da Missão. O complexo arquitetônico do Santuário foi tombado pelo IPHAN em 1955, passando desde então a ser Patrimônio Nacional, mas infelizmente, em 1968, um incêndio destruiu parte das instalações onde viviam os alunos e parte de sua rica Biblioteca.
     Em 2002, uma parte do prédio queimado foi restaurada e sendo instalada a nova Biblioteca do Caraça (na foto acima peças do museu, fotografado pelo Fabinho Augusto), que conta no seu acervo com obras valiosas dos séculos, 16, 17, 18 e 19. No local também foi instalado um museu, que retrata como era a vida colegial nos tempos que o Colégio do Caraça funcionava.
COMO CHEGAR
•Catas Altas fica a 120 quilômetros de BH. Saindo da capital, siga pela BR-381 até a MG-436. Prossiga pela MG-436 e, depois, MG-129 até o destino. O visitante tem a opção de hospedar na hospedaria do Caraça que é excelente, além de ter ainda restaurante. Tudo num lugar só. O telefone da hospedaria do Caraça (31) 3837-7327 e (31) 3837-1939. Quem quiser também pode entrar em contato através do site do Caraça:http://www.santuariodocaraca.com.br

Nenhum comentário:
Faça também comentários



Este site se reserva no direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa, bem como assuntos fora do tema da matéria serão excluídos.