domingo, 26 de maio de 2019

Trem ligará Belo Horizonte à Serra da Piedade em Caeté

Compartilhe:

Elaborado pela Arquidiocese de Belo Horizonte, o projeto prevê trem de passageiros ligando Belo Horizonte a Sabará e por fim ao Santuário da Serra da Piedade, em Caeté MG. O objetivo é ligar a fé ao turismo e facilitar a vida dos 500 mil peregrinos que visitam o Santuário de Nossa Senhora da Piedade anualmente (na foto abaixo da Arquidiocese de BH/Divulgação). Além disso, reduzirá o tráfego na BR 381, reduzindo o número de acidentes nessa perigosa via. A viagem propiciará aos turistas a vista de belas passagens ao longo do caminho.
A ideia é que o trem saia da Praça da Estação em Belo Horizonte, percorrendo 13 km sobre trilhos até a cidade histórica de Sabará, onde os passageiros poderão contemplar belas paisagens pelo caminho e na cidade, conhecer o Santuário de Santo Antônio de Roça Grande, a Igreja de Santo Antônio em Pompéu, as belezas da arte barroca que a cidade oferece e as igrejas de Nossa Senhora do Ó, de Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora do Carmo.
Imagem acima apresenta o percurso e atrativos da futura linha férrea ao longo do percurso.
 Arte Lelis/Arquidiocese de BH/Divulgação
De Sabará o trem seguirá por mais 19 km até Caeté, onde o turista poderá conhecer as relíquias da arte barroca da cidade, principalmente a Igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso. A estação final será aos pés da Serra da Piedade. A subida até o Santuário de Nossa Senhora da Piedade será feito por teleférico. Será 8 km de subida, possibilitando ao turista uma vista espetacular de todo o horizonte em torno da serra. Chegando ao Santuário, além do espetáculo da visão, o visitante conhecerá a Basílica de Nossa Senhora da Piedade, cujo altar-mor guarda a imagem da Santa, padroeira de Minas Gerais. Segundo consta, a imagem foi esculpida por Antônio Francisco Lisboa, o Mestre Aleijadinho (1738/1814). (na foto abaixo, de Clésio Moreira, Caeté vista do alto da Serra da Piedade)
O projeto elaborado por uma equipe técnica da Arquidiocese de Belo Horizonte, foi recentemente apresentado ao secretário de Estado de Turismo e Cultura, Marcelo Matte, e à presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iehpa), Michele Arroyo. O projeto está na fase de contato com futuros parceiros, para viabilizar o projeto economicamente. 
Um dos maiores defensores desse projeto é o recém-eleito presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor de Oliveira Azevedo, até pouco tempo Cardeal arcebispo da Arquidiocese de Belo Horizonte. Em declaração ao Jornal O Estado de Minas, dom Walmor disse: “A Região Metropolitana de Belo Horizonte guarda tesouros que precisam ser apreciados e valorizados. A arte barroca das cidades coloniais, muitas belezas naturais pouco conhecidas, patrimônios da religiosidade e da história de Minas. É preciso investir para que a fé e o turismo contribuam ainda mais para o desenvolvimento sustentável do estado, da capital e da Grande BH”. Para o religioso, ligar Belo Horizonte ao Santuário da Piedade “é retomar a tradição das viagens feitas sobre trilhos, oportunidade para contemplar paisagens, conhecer regiões a partir de novas perspectivas”.
Além desse projeto, outro idealizado pela Ong APITO está na expectativa de sair do papel, ainda este ano. É o trem diário ligando a Belo Horizonte ao Inhotim em Brumadinho. Esse trem sairá da Praça da Estação, passará pelo bairro Belvedere e seguirá até uma estação no Museu Inhotim. O projeto está sendo viabilizado para incrementar o turismo nessa cidade, prejudicado pelo rompimento da barragem da Vale, no Córrego do Feijão. A implantação dessa linha faz parte de um acordo de compensação das autoridades com a Companhia Vale.(Por Arnaldo Silva)
IPHAN  APROVA CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO.
Por ser um grande atrativo turístico de Minas Gerais, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) aprovou o projeto de construção de uma estação de trem para embarque e desembarque de passageiros na Praça Antônio da Silva Bracarena, antes conhecida como Praça da Cavalhada, distante 2,5 quilômetros do topo da Serra da Piedade, patrimônio cultural e natural de Minas Gerais. A composição terá cinco vagões com capacidade para 100 passageiros por viagem. 
Quando a estação estiver em funcionamento quem chegar de carro, ônibus ou van à Praça Bracarena poderá desembarcar e “pegar o trem” até as duas basílicas duas basílicas, sendo uma delas, erguida no século 18, considerada a menor mundo e a imagem de Nossa Senhora da Piedade, padroeira de Minas, esculpida por Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738-1814).
A locomotiva não tem data para entrar em operação. 

4 comentários:
Faça também comentários
  1. Nossa... que maravilha ! Fiquei toda animada.. tomara que não demore !!!

    ResponderExcluir
  2. Aguardando ansiosamente, a chegada desse trem. Minas merece!

    ResponderExcluir
  3. Achei ótimo,vou sempre a Serra da Piedade e vai ser ótimo andar de trem,será que vou conseguir ver está maravilha?

    ResponderExcluir