sábado, 11 de maio de 2019

A cidade sagrada de Aiuruoca

Compartilhe:

No Sul de Minas, no alto da Serra da Mantiqueira, a 989 metros de altitude, está Aiuruoca, nome indígena que significa "Aiuru (papagaio) e oka (casa). Casa do papagaio. Suas paisagens montanhosas de Mata Atlântica, com cachoeiras despencando a dezenas de metros é um verdadeiro convite ao relaxamento total. Ambiente propício para meditação. (foto acima e as duas outras abaixo de autoria de Jerez Costa)
     Aiuruoca tem pouco mais que 6 mil habitantes, distante 423 km de Belo Horizonte e faz divisa com os municípios de Baependi, Cruzília, Serranos, Carvalhos, Seritinga, Bocaina de Minas, Minduri e Alagoa.
     É uma das mais antigas povoações de Minas Gerais. Começou a ser desbravada em 1692 pelo padre João Faria de Melo, capelão dos Bandeirantes. A partir dessa época portugueses e paulistas começaram a chegar na região, por causa das minas de Aiuruoca.
     Em 1706, foi ocorre a fundação do arraial pelo paulista João de Siqueira Afonso.
     Aiuruoca integra o circuito turístico Terras Altas da Mantiqueira, sendo bastante procurada por turistas e amantes da natureza.As cachoeiras e picos, cuja altitude variam de 1300 a 2357 metros de altitude sendo o Pico do Papagaio o mais famoso. Das 82 cachoeiras do município, cerca de quarenta são visitadas frequentemente pelos moradores e visitantes por suas águas limpas, cristalinas e poços que propiciam banhos relaxantes.
     A área urbana de Aiuruoca é um dos charmes do Sul de Minas, com tranquilidade típica do interior mineiro. Casarões antigos e bem cuidados, ruas de pedras, jardins e praças bem cuidadas são cenários bucólicos presentes na cidade, que encanta os visitantes. A charmosa Matriz de Nossa Senhora da Conceição, datada de 1726 com seus antigos altares de madeira, que chamam muita atenção pela beleza singular. Além das belezas naturais e do charme da cidade, em Aiuruoca a culinária é riquíssima. Queijos, mel, biscoitos, bolos, doces e todo o sabor da culinária mineira está presente nos restaurantes da cidade, bem como a artesanato também.
     É no Vale do Matutu, a 17 km do centro de Aiuruoca, que a energia das mágicas montanhas de Aiuruoca é mais sentida.O trajeto é por estrada de terra e poderá ver pelo caminho várias cachoeiras e paisagens espetaculares. Matutu é um povoado que conta com pousadas, restaurante e um rico artesanato, feito por seus moradores. Boa parte dos moradores do povoado vieram de outras cidades, que encontraram no Matutu o lugar ideal para fugir do estresse e correria das cidades grandes, convivendo em harmonia com a natureza, com alimentação saudável, praticando yoga e meditação, fazendo artesanatos que ficam expostos no casarão do Matutu. Vivenciam a cultura hippie, em sintonia e respeito à natureza.
      No Matutu, tem um templo ecumênico (foto acima de Marlon Arantes), independentemente da crença religiosa,é um lugar que merece ser visitado. Tranquilo, transmite paz, ótimo para um contato com o superior.
     Presente no Matutu está a o Santo Daime, que formam uma comunidade com mais de 100 pessoas que vivem no Vale, lugar que consideram perfeito para suas práticas espirituais, vivendo em harmonia plena com a natureza, conciliando o desenvolvimento humano com a preservação da natureza e cooperação social.
      Estando no Vale do Matutu, o visitante pode desfrutar das paisagens e cachoeiras, relaxar, meditar ou simplesmente contemplar por exemplo os 130 metros de queda da Cachoeira do Fundo. Outra cachoeira que vale a pena conhecer é a Cachoeira das Fadas. (foto acima de Jerez Costa)
     Na cidade existe um templo da Eubiose, que consideram Airuoca uma das 7 Cidades Sagradas. A sede da entidade é São Lourenço, no Sul de Minas e tem como visão a Medicina do Futuro conectada com os anjos e devas.
     Místicos acreditam que Aiuruoca tem ligações com a cidade sagrada de Srinagar, a mais importante cidade do Vale da Caxemira, na índia. Segundo a crença, as duas cidades espargem vibrações para o mundo como o sétimo chacra, conhecido por coronal, o mais importante dos 7 chacras do corpo. É através desse chacra, segundo a crença, que alcançamos o plano espiritual, tornando a visão e propósitos de nossa missão aqui na terra mais claras.
     Estar em Aiuruoca (foto acima e abaixo de Marlon Arantes) é vivenciar Minas Gerais em sua plenitude.A hospitalidade, a simplicidade, a culinária, arquitetura e o jeito mineiro de ser estão presente em cada canto da cidade. Aiuruoca é especial, por sua beleza, por suas cachoeiras, por sua história. Conhecer Aiuruoca é conhecer o coração de Minas Gerais. (Reportagem de Arnaldo Silva)
Quem vai a Aiuruoca, traz sempre um pedacinho dela em seu coração.

Nenhum comentário:
Faça também comentários