Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

18 lindas cidades da Região Oeste de Minas

A região do Oeste de Minas é formada pela união de 44 municípios agrupados em cinco microrregiões. É uma região de alto Índice de Desenvolvimento Humano, com uma economia diversificada, principalmente baseada na indústria e no setor de serviços. Pequena em território e número de municípios, porém com um alto nível de renda e importância desses municípios dentro do estado de Minas Gerais. Destacam-se os municípios de:
01 - Divinópolis:
Considerada por muitos uma metrópole do interior devido aos seus mais de 235.000 habitantes. (foto acima de Jad Vilela) É uma das cidades mais ricas de Minas e também do Brasil, tomando por base todos os municípios interioranos. É a cidade mais populosa da região, com sua economia embasada principalmente na indústria têxtil e na metalúrgica. Polo do Oeste de Minas e também a maior cidade da Mesorregião do Oeste de Minas e da microrregião de mesmo nome. Está localizada próxima à região metropolitana de Belo Horizonte e distante a cerca de 120 quilômetros da capital do estado. Limita-se ao norte com Nova Serrana, ao noroeste com Perdigão, a oeste com Santo Antônio do Monte, a sudoeste com São Sebastião do Oeste, ao sul com Cláudio e a leste com Carmo do Cajuru e São Gonçalo do Pará, sendo cortada por dois rios: Rio Itapecerica e Rio Pará.
02 - Nova Serrana 
Entre 1990 e a atualidade, Nova Serrana vem provando um meteórico crescimento econômico e populacional, que se deu graças a seu enorme parque industrial do setor calçadista, que emprega pessoas vindas de todas as partes do estado e do Brasil.Sua população foi estimada em 102 693 habitantes, conforme dados do IBGE de 2019.(na foto  de Wilson Fortunato retrata a Igreja Matriz de São Sebastião) 
Nova Serrana é uma cidade industrial, sendo atualmente o terceiro polo calçadista do Brasil, feito alcançado graças a pesquisa em novas tecnologias, qualidade e design de seus calçados.
Nova Serrana tem ainda pontos interessantes como a Serra da Capelinha, Igreja da Matriz, Praça da Matriz, Igreja do Rosário, Praça Jardins do Lago bem como vários eventos durante o ano como a festa do aniversário da cidade, festa do padroeiro São Sebastião, Feira do Calçado e da Moda – Festa do Peão, Festa do Migrante, Febrac – Feira de Máquinas e Componentes para Calçados, Festa do Reinado, Jogos da Amizade Intercolegial.Artesanato
03 - Itaúna
Além de fazer parte do Oeste de Minas, Itaúna compõe o chamado colar metropolitano da região metropolitana de Belo Horizonte e o Quadrilátero Ferrífero,  estando a apenas 76 km da capital, com a economia industrial alicerçada na indústria metalúrgica, siderúrgica, de mineração e tecelagem, também destaca dentro da região como uma provedora de ensino superior de qualidade. É a terceira cidade mais populosa da região, com cerca de 95.000 habitantes. (foto acima de Clésio Moreira)
04 - Formiga 
Formiga foi uma antiga rota das antigas bandeiras, por volta de 1737 e ainda guarda traços desse período em sua arquitetura, principalmente na Praça da Matriz de São Vicente Ferrer (na foto cima de Arnaldo Silva). A cidade foi emancipada em 6 de junho de 1868, sendo uma das mais antigas e a quarta cidade mais populosa da Região Oeste de Minas, com cerca de 70 mil habitantes. É considerada a "Porta do Mar de Minas", com parte das águas da Represa de Furnas ocupando suas terras a cerca de 20 km do Centro da cidade.
A cidade possui ainda como atrativos turísticos o casario colonial da Praça da Matriz, o Órgão de Tubos da Igreja de São Vicente Ferrer, bem como sua belíssima arquitetura interior, o Cristo Redentor Museu Municipal, Monumento do Cristo Redentor;
Parque Municipal Dr. Leopoldo Corrêa, Terminal Rodoviário, Praça da Bomba, Horto Florestal, Lago de Furnas (Balnerários), Clubes (sede campestre e social), Centro de Artesanato, Cachoeiras e Lagoas. Desde 2013 a cidade se destaca na produção de cervejas artesanais, que respeitam a Lei da Pureza da Baviera a Reinheitsgebot, de 1516. 
05 - Campo Belo 
Cidade bem cuidada, belas igrejas, casario charmoso em sua área central, praças charmosas como a Praça Cônego Ulisses, uma das mais belas de Minas Gerais e com belas paisagens naturais. É a quinta maior cidade do Oeste de Minas com uma população de 54.029 em 2019, segundo o IBGE. Está situada no entroncamento entre duas rodovias federais (BR-354 e BR-369), estando a 30 km da Rodovia Fernão Dias. É uma das cidades mais desenvolvidas da região se destacando nos últimos anos como um polo de indústrias têxteis, contando com várias empresas deste setor. Na agricultura destacam-se café, milho, feijão e o arroz, na pecuária praticamente todos os produtos derivados do gado tem grande expressão tais como o leite (laticínios), carne (frigoríficos) e couro (curtumes).A industria de base e o ramo da mineração são outros segmentos de destaque sendo que este último deve-se à presença de granitos, argilas e calcário. A indústria cerâmica também tem presença importante na economia. O setor de serviços é bastante diversificado, com grandes lojas, redes de eletrodomésticos, panificadoras, colégios e faculdades. Conta ainda com um aeroporto, com pista asfaltada de 1420 metros de comprimento. 
06 - Arcos 
Com 40.000 habitantes, Arcos (na foto acima de Aender Mendes) é uma das maiores cidades do Oeste Mineiro. Na região onde está Arcos, encontra uma das maiores reservas de calcário do mundo. A extração do mineral por mineradoras é um dos pontos fortes da economia local, formada por outras industrias, além de um diversificado comércio. 
A cidade destaca-se na educação regional por abrigar vários centros educacionais importantes, sendo eles: a PUCMG - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, UNIPAC - Universidade Presidente Antônio Carlos, e o IFMG - instituto Federal de minas gerais, todos possuindo campus Arcos.
Tem como atrativos a Cachoeira da Usina Velha, muito frequentada pelos moradores locais e visitantes, além de grutas com pinturas rupestres e enormes paredões de calcário, muito usado para amantes de rapel
07 - Piumhi 
Piumhi, (na foto acima de Nilza Leonel) tem cerca de 35.000 habitantes é considerada o portal da Serra da Canastra. Em 2017, foi eleita entre as 10 cidades mais hospitaleiras do Brasil, ficando em quinto lugar segundo votação feita com os usuário da plataforma Airbnb. Sua economia é voltada para a produção agropecuária como leite, milho, feijão, gado de corte e café, sendo o município o quinto maior produtor de café do Estado, além de exportar café para outros países. Seu comércio conta com estabelecimentos comerciais em todos os setores e possui boa infraestrutura, sendo base regional por seu suporte e disponibilidade de produtos. Piumhi é, ainda, um dos municípios produtores do queijo Canastra, destacando o Queijo do Dinho, premiado no Brasil e recentemente com medalha de bronze no Mondial du Fromage, que acontece a cada 2 anos em Paris - França. 
Como atrativos, a cidade conta com belas praças, ruas arborizadas, mirante, lindas igrejas, manifestações religiosas e folclóricas, bem como a Serra da Pimenta, do Andaime e do Cromo. A 80 km de Piumhi está a Serra da Canastra, berço da nascente do Rio São Francisco e a 25 km, o município de Pimenta, banhado pelo Lago de Furnas. 
08 – Cristais
Uma charmosa, atraente e aconchegante cidade,com cerca de 13 mil habitantes. Assim é Cristais (na foto acima de Carias Frascoli)  na divisa com os municípios de Formiga, Candeias, Campo Belo, Aguanil, Boa Esperança e Guapé. Como atrações turística, Cristais tem a A Igreja Matriz N. S. da Ajuda;. O cruzeiro do Morro da Boa Vista;  Montanhas de Cristais; Serra do Garimpo;  O Lago de Furnas; O Porto dos Fernandes às margens da Represa de Furnas; A Balsa que faz a travessia da Represa de Furnas até Guapé; A Pedra Misteriosa; Remanescentes do Quilombo do Ambrósio I; Caminhos pitorescos com restos de exploração de cristal ( lascas e “lápis”)
09 - Perdões
Às margens da BR 381 está Perdões, cidade com um excelente acervo histórico, hoje com cerca de 22 mil habitantes. Sua origem é do início do século XVIII. É uma cidade que preserva boa parte da história arquitetônica do Brasil Colonial, principalmente em sua Matriz do Bom Jesus (na foto acima de Adivar Roquini). De um pequeno povoado surgido por volta de 1802 em torno de uma capela, foi elevado a freguesia em 1855, já com o nome de Perdões e por fim, cidade emancipada em 1911. Além da Matriz, destaca-se na cidade a Igreja do Rosário, datada de meados do século XVIII, além de seu casario central, em estilo colonial e eclético muito bem conservado, belas praças, bares, restaurantes, hotéis e um comércio variado. 
10 - Carmo do Cajuru
A cidade, segundo o IBGE, tinha em 2019 era de 23.478 habitantes. Localiza-se a 112 quilômetros de Belo Horizonte, a quinze quilômetros de Divinópolis e a 25 quilômetros de Itaúna.
Entre seus atrativos está a Pedra do Calhau, o Bosque, a Serra do Galinheiro, a Barragem de Carmo do Cajuru (da Usina Hidrelétrica de Carmo do Cajuru) e as igrejas do Rosário, Matriz de Nossa Senhora do Carmo e de Nossa Senhora do Líbano.(foto acima de Wilson Fortunato) Alguns eventos em nível regional e estadual acontecem regularmente - ciclismo, motociclismo, automotivos, rodeios, shows e exposições. Um dos agentes que agitam a economia da cidade são as fábricas de móveis (Carmo do Cajuru é conhecida em Minas Gerais como "A cidade do móveis"), agropecuária e prestação de serviços.
11 - Santo Antônio do Monte
Santo Antônio do Monte, carinhosamente chama de "Samonte" é famosa no Brasil inteiro pela sua indústria de fogos de artifícios, gerando milhares de empregos diretos e indiretos. É a capital do foguete no Brasil. O município te cerca de 30 habitantes que vivem numa cidade bonita, bem organizada, com um bom sistema de saúde, belas praças e seu povo é bom e hospitaleiro. Samonte é um dos maiores municípios em extensão territorial de Minas. Faz divisa com os municípios de  Lagoa da Prata, Moema, Bom Despacho, Araújos, Perdigão, Divinópolis, São Sebastião do Oeste, Pedra do Indaiá, Arcos e Japaraíba. 
12 - Itapecerica
 Com cerca de 25 mil habitantes, Itapecerica (foto acima de Jad Vilela) é um bela, aconchegante e charmosa cidade histórica mineira. Itapecerica é uma palavra tupi-guarani e significa "pedra escorregadia". A economia do município se baseia na agropecuária, pequenos comércios, na indústria de calçados, extração mineral de grafite e no turismo, já que é uma cidade histórica. Sua origem é do início do século XVIII, surgindo como pequeno arraial, chegando a freguesia e por fim a cidade emancipada em 20 de novembro de 1789.  Por sua história e tradição, a cidade guarda relíquias do período colonial em sua arquitetura e eventos que atraem toda a região como o Festival de Inverno no final de julho e o Festival Gastronômico rural em junho.
13 – Pimenta
Pimenta (na foto acima de Aender Mendes) conta com cerca de 10 mil habitantes. O comércio na cidade é variado, possui boas pousadas e bons restaurantes. A cidade é tranquila, bonita, charmosa, tendo como grande atrativo turístico o Lago de Furnas, já que as águas da represa, margeia a cidade.
14 – Bom Sucesso
 
Com cerca de 20 mil habitantes Bom Sucesso (na foto acima da Prefeitura Municipal/Divulgação) Está a 18 km da Rodovia Fernão Dias, que liga Belo Horizonte a São Paulo e também uma ferrovia que liga várias cidades como Belo Horizonte a Cruzeiro no estado de São Paulo e à cidade de São Paulo, é um ramal ferroviário ligada à principal malha de estrada de ferro do Brasil. Está em estudo a implantação de uma linha de trem turístico ligando Bom Sucesso a Divinópolis, caso ocorra, será uma ótima opção de turismo entre as duas cidades. A atividade principal do município é agropecuária, leite e café.
Uma das atrações turísticas do município é o lago formado pela Usina Hidrelétrica do Funil, tornando o Distrito de Macaia (na foto acima de José Luiz de Freitas) um dos locais mais visitados no município.Também se destaca como atração turística na cidade o distrito de Aureliano Mourão situado a 14 km da cidade, onde o turista encontra várias cachoeiras e corredeiras, pontes e estações ferroviárias da antiga linha da Maria Fumaça, e o encontro das águas do Rio Pirapetinga com o Rio das Mortes, com praias e águas propicias à pesca esportiva e banho de rio.
15 – Passa Tempo
Passa Tempo é uma charmosa joia histórica joia do Oeste Mineiro. (foto acima de Saulo Guglielmelli) O acesso ao município se dá pela Rodovia MG 270. Clima:Tropical de Altitude. Passa Tempo é distante cerca de 150 km de BH. É vizinha a Carmópolis de Minas. (fotos acima de Saulo Guglielmelli)
O município foi fundado em 30 de Agosto de 1911 após se emancipar de Oliveira. A economia do município é formada por por pequenas empresas, um comércio variado, artesanato e principalmente a agropecuária. Passa tempo é uma das referências na confecção de tapetes arraiolos que é vendido em todo o Brasil e exportado para o exterior. A história do município é intimamente ligada aos cavalos Mangalarga Marchador e à Fazenda Campo Grande (na foto acima de Saulo Guglielmelli). Seu proprietário, Cel. Gabriel Andrade, benfeitor da cidade, juntamente com seus filhos, são responsáveis pelo surgimento da linhagem "Passa Tempo". 
A cidade tem como atrativos a Casa de Cultura, a Igreja Matriz, as belas cachoeiras, trilhas ecológicas, a festa da cidade (30 de agosto) onde acontece um tradicional carnaval temporão, a Semana Santa, a festa da Padroeira, o Carnaval. Passa Tempo também se destaca como a primeira cidade da região a produzir um longa-metragem, de nome "Um Anjo Chamado Maria", do cineasta Maurício Rangel, que, em pareceria com a A. C. Banda Face de Deus, também produz a maior peça teatral ao ar livre da região: "A Paixão de Cristo". Passa Tempo se destaca ainda pelas pesquisas ufológicas realizadas por Antônio Faleiro (vulgo Niginho), um dos pioneiros da ufologia no Brasil, que construiu o primeiro Observatório Ufológico da América Latina. Nesse município, escreveu o livro Passa Tempo Através do Tempo (livro histórico). 
16 – São Francisco de Paula
Cidade pacata, tranquila, charmosa, povo hospitaleiro, com cerca de 7 mil habitantes. Em São Francisco de Paula (na foto acima do Aender Mendes) estão grandes fazendas, principalmente cafeeira, já que o município se destaca em Minas Gerais pela qualidade de seu café, um dos melhores do Brasil, sendo a Festa do Café, um dos principais eventos anuais da cidade, atraindo milhares de turistas de Minas e do Brasil. A cidade conserva as tradições da vida interiorana mineira, bem como a culinária típica de Minas. A natureza é generosa com o município que conta com belas cachoeiras e montanhas, muito procuradas pelos amantes de esportes radicais.
17 – Bambui
Bambuí, (na foto acima de Wilson Fortunato) conta com cerca de 25 mil habitantes é conhecida como o Portal da Serra da Canastra, por ser um dos principais acessos para o Parque Nacional da Serra da Canastra. Distante 270 km de Belo Horizonte coms acessos rodoviários  por meio das rodovias MG-050, BR-354 e BR-262, possui várias cachoeiras, belas paisagens, culinária típica mineira, destacando as quitandas e queijos.
18 – Iguatama
Iguatama (na foto acima de Maurício Soares) conta hoje com cerca de 10 mil habitantes. Iguatama é um nome indígena, tupi-guarani, Yguaterama e Igua-terrama. Este nome foi sugerido pelo farmacêutico Albertino Ferreira de Oliveira, que quer dizer "lugar onde o rio se abre em curvas", ou "enseada de minha terra" ou ainda "lugar onde o rio se abre em lagamar", uma clara alusão às curvas do Rio São Francisco que fica defronte da cidade. A principal atração é o rio São Francisco, que corta seu território, contando ainda com várias lagoas, belas paisagens e atrativos como as Pontes Gêmeas, a Estação Ferroviária no bairro de Garças de Minas, a Igreja Nossa Senhora da Abadia e um belo casario em estilo colonial e eclético. 
(fonte das informações Wikipédia, IBGE e Prefeituras locais)

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores