domingo, 10 de julho de 2016

Minas se destaca na produção de Cerveja Artesanal

Compartilhe:

Minas Gerais é a terra do queijo, do café, do doce, da cachaça, da melhora culinária do Brasil, tradição com mais de 300 anos. De alguns anos para cá, uma nova tradição vem ganhando espaço entre os mineiros. A cerveja artesanal. Um mercado que vem crescendo a cada dia no Estado. Minas Gerais tem dois polos cervejeiros de peso: o polo de Juiz de Fora e o da Grande Belo Horizonte, onde estão as maiores cervejarias do Estado, concentradas nos bairros Olhos D´Água em Belo Horizonte e Jardim Canadá em Nova Lima.
Foto Beto Novais/Jornal o Estado de Minas/Divulgação
          Quando a cerveja artesanal começou a ganhar forma em Minas, nossos cervejeiros fizeram a opção pela linha Belga, para se diferenciar da linha alemã, predominante no Sul do país. A Bélgica produz uma das melhores cervejas do mundo e a opção por essa linha, mostrou-se um grande acerto de nossos cervejeiros. Além da qualidade da cerveja produzida no Estado, a grande quantidade de cervejarias artesanais impressiona. São mais de 1500 cervejarias, que produzem cerca de 50 tipos de cervejas diferentes, espalhadas por várias cidades de todas as regiões de Minas.
          A cada dia, as cervejas mineiras conquistam o paladar não só do mineiro, mas do brasileiro em geral, que vem se rendendo à qualidade da linha produzida em Minas Gerais. O que se fez ao longo desses anos foi agregar valor às tradicionais receitas de cervejas. Esse foi o diferencial. 
          As cervejas mineiras são mais encorpadas, comparando-se com as cervejas tipo pilsen, a mais vendida no Brasil, que tem baixo amargor. Além disso, os cervejeiros mineiros conseguiram um perfeito equilíbrio com o dulçor do malte e a incorporação de novos elementos às tradicionais fórmulas como mel, chocolate, frutas secas, açúcar mascavo e gengibre. Outro detalhe que chama a atenção é a maturação da cerveja mineira. A maturação é feita em nos famosos barris de umburana, tradicionalmente usados no envelhecimento da cachaça mineira. 
           Para se ter uma ideia do cuidado e criação dos nossos cervejeiros, destacamos as cervejas Vivre pour Vivre e Falke Tripe Mosterium, ambas da Falke Bier. A primeira é feita com jabuticaba e passa por três fermentações, levando três anos para ficar pronta. A segunda fica 45 dias descansando, ao som de Canto Gregoriano.
O mineiro é apaixonado por uma boa cerveja, prova disso é o crescimento em torno de 20% das cervejarias mineiras por ano. 
          Esse crescimento vem aumentando desde 2014, chegando a uma média de 2,1 milhões de litros por mês ou 25 milhões de litros no ano, em 2018. Uma média impressionante. 
          Por conta desse crescimento, as cervejarias mineiras vêm recebendo premiações seguidas, tanto nacionais, como internacionais em destaque para as cervejarias Wäls, Verace, Krüg Bier e a primeira cervejaria artesanal mineira, a Bäcker, fundada em 1999. Destacam também as cervejarias Prússia, Inconfidentes, Grimor, Jambreiro,Vinil, Küd, a Prússia de São Gonçalo do Rio Abaixo, Fritz de Monte Verde MG, Loba de Santana dos Montes MG e a Ouropretana de Ouro Preto MG.
Premiações nacionais e internacionais
          Em abril de 2014, quando uma cerveja produzida pela Wäls, a Dubbel, ganhou medalha de ouro na World Beer Cup, a Copa do Mundo da Cerveja, evento bianual realizado nos Estados Unidos. Nesse evento, participaram 4.800 rótulos, de 1400 cervejarias de 58 países de todo o mundo. Dai a importância dessa medalha. Outra linha da Wälls, a Quadruppel, foi premiada com medalha de prata, neste mesmo concurso.
          No ano seguinte, 2015, no Word Beer Awards, uma das mais importantes competições de cervejas do mundo com marcas de todo o planeta, realizado todos os anos na Inglaterra, a cerveja Wäls de Belo Horizonte, levou dois prêmios máximos, a de melhor Lager de estilo Checo e a de melhor cerveja de estilo Brut/Champagne. Em 2018, mineira Wäls foi a grande vencedora do World Beer Cup, o equivalente a ‘Olimpíada das Cervejas, recebendo o prêmio máximo da competição que aconteceu nos Estados Unidos. A Wäls Brut foi contemplada com a medalha de ouro na categoria Belgian Ale, tornando Wäls a marca brasileira mais premiada em todas as edições do evento, com dois ouros no portfólio.
          Em 2017, também no Word Beer Awards, o destaque foi para a cervejaria Bäcker de Belo Horizonte, que teve quatro de seus rótulos premiados. Em 2018, a Backer repetiu o sucesso. A cervejaria levou o título de Melhor Strong Porter do Brasil com a cerveja Bravo; Melhor Sour Ale do Brasil com a Reserva do Proprietário; foi Medalha de Ouro com a Fargo 46; e medalha de prata com a cerveja Corleone.
          Recentemente a Bäcker, foi eleita a cerveja do ano no Concurso Brasileiro de Cervejas, realizado durante o 7º Festival Brasileiro de Cervejas, realizado em Blumenau, em março de 2019. Outra cerveja mineira premiada nesse concurso foi a Verace, também de Belo Horizonte, que conquistou sozinha, sete medalhas. O Festival Brasileiro de Cervejas de Blumenau é o terceiro maior do gênero mundo. Participaram mais de três mil rótulos, com 156 estilos diferentes.
 
          Pela inspiração nas melhores cervejas da Bélgica, com mais de 50 estilos de cervejas, centenas de cervejarias artesanais por todo o Estado e pela qualidade reconhecida, Minas Gerais se consolida e se torna a Bélgica das cervejas artesanais no Brasil.(Por Arnaldo Silva)       
---------------------------------------------------------------------------------------------------
Lembre-se, é proibido a venda e consumo a menores de 18 anos. 
Beba com moderação. Se beber, não dirija.

49 comentários:
Faça também comentários
  1. Para mim, a melhor de minas é a capistrana. Tomei em Diamantina: http://www.cervejacapistrana.com/

    ResponderExcluir
  2. no mercadão de uberaba comprei um de trigo fabricada em uberaba a terra do zebu e das loiras criolas heheheh

    ResponderExcluir
  3. No sul de minas tem muitas cervejarias como a Zalaz, Joia Mesquita, Fürst, Kraemerfass, Sant'Anna, entre outras que não me recordo agora!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. A Padossa é feita no sul de minas e é uma ótima cerveja.

    ResponderExcluir
  6. Cervejaria Biohazard produzida no sul de minas em Passos produz três tipos distintos.

    ResponderExcluir
  7. Conheçam meu livro sobre as cervejas do Polo Cervejeiro de Juiz de Fora.
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-717002416-livro-cerveja-artesanal-juiz-de-fora-alemes-imigraco-_JM

    ResponderExcluir
  8. E Juiz de Fora também está no circuito da cerveja!

    ResponderExcluir
  9. Tem também as produzidas em Ouro Preto, em especial a "Segredo do Professor"

    ResponderExcluir
  10. Uberlāndia e Triângulo Mineiro tbm tem ótimas cervejas.

    ResponderExcluir
  11. Uberlāndia e Triângulo Mineiro tbm tem ótimas cervejas.

    ResponderExcluir
  12. Benedith de Uberlândia e Zugbier de Guaxupé...

    ResponderExcluir
  13. Prússia, de São Gonçalo do Rio Abaixo.

    ResponderExcluir
  14. A Aussie de Nova Serrana é fantástica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visitem o Face:
      https://www.facebook.com/cervejariaaussie/

      Excluir
  15. A Bruder de Ipatinga tem a Larger, premiada também!! Cerveja top!!

    ResponderExcluir
  16. Vamos prestigiar para que este mercado se consolide cada vez mais.

    ResponderExcluir
  17. A Brüder em Ipatinga esta inovando a cada dia mais e surpreendendo as pessoas com um sabor incomparavel...
    Entrem no site e peças pra vcs saborearem uma Brüder...
    www.cervejariabruder.com.br

    ResponderExcluir
  18. Tem a mariahuana em BH. Produzida com xarope de....

    ResponderExcluir
  19. A diferença é que na Belgica a cerveja custa R$ 4,00 em média. Aqui, uma cerveja artesanal custa R$ 20,00.

    ResponderExcluir
  20. Há um certo "romantismo" nesse negócio de "Bélgica brasileira", de fato Minas cresceu muito em termos de números, mas ainda ocupa a 3ª ou 4ª posição nesse ranking, perdendo para os estados do Sul. Já em termos de qualidade e inovação os demais estados não ficam para trás, no Pará temos a Amazon, uma cervejaria que utiliza frutos regionais em suas receitas, cervejas defumadas (ou as rauchbiers) não são exclusividade da Küd, inúmeras cervejarias produzem esse estilo, assim como as Witbiers (cervejas de trigo com cascas de laranja e sementes de coentro, um estilo nascido na Bélgica). E isso se aplica a demais estilos com ingredientes "inusitados" como mel, gengibre, chocolate, etc. No Paraná temos a Schultz que recentemente produziu uma Witbier com amora. A Bier Hoff, também do Paraná, tem a Cocada Preta, uma Porter que leva coco e cacau na receita. Enfim, essa diversidade faz parte da cultura cervejeira brasileira e não se restringe a só um estado.

    ResponderExcluir
  21. Faltaram muitas cervejas aí. A Reines Bier que é fabricada em contagem desde 2006 é de grande destaque também!

    ResponderExcluir
  22. A Jambreiro é sensacional! Ja tomei todas e uma melhor que a outra, destaque principalmente pra Belgian Dark e Lebenskraft.

    ResponderExcluir
  23. Em piumhi tomei a Scarpas. Excelente.

    ResponderExcluir
  24. Em Juiz de Fora, o roteiro das cervejarias é bem charmoso. Precisa inclui-la na matéria. Temos a tradição de fabricação de cervejas, além da única fabricada dentro de um convento. Hoje na cidade,a Mr. Tugas honra essa história com umacervejaria de qualidade e super acolhedora.

    ResponderExcluir
  25. Ainda estão faltando aí a "12 fontes" de Caxambu e a "Musa" de Itajubá. Muito boas.

    ResponderExcluir
  26. Bom dia a todos !!!
    A IPA e a American da cervejaria D di Prosa em Nova Lima são simplesmente deliciosas !!!

    ResponderExcluir
  27. Para Minas ser comparada à Bélgica falta muito. Muito mesmo. Muita tradição em fazer cervejas (boas cervejas e não uma ou outra cerveja). Será que o autor conhece o mercado gaúcho (ou paranaense) para dizer uma coisa dessas? Pior é que tem quem acredite.

    ResponderExcluir
  28. A cerveja Medieval também é ótima.

    ResponderExcluir
  29. A cerveja Medieval também é ótima.

    ResponderExcluir
  30. Wals Petroleum, sem concorrentes!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  31. 12 Fontes da Cervejaria Caxambu.
    www.12fontes.com/

    ResponderExcluir
  32. Em Minas a Extremosa,rima com cremosa. Extrema-MG

    Em Paraty-Rj a Caboré.

    ResponderExcluir
  33. Em Unaí, Minas Gerais, temos a Unai States. Uma delícia!!

    ResponderExcluir
  34. Melhor cerveja artesanal de Minas Gerais e seguramente uma das melhores do Brasil, sem dúvida alguma: KOALA SAN BREW ou KSB. Simplesmente sensacional! Muito superior à grande maioria de todas essas mencionadas no artigo (principalmente à fraquíssima Loba). O único inconveniente é o preço. Mas eventualmente vale gastar mais por um benefício infinitamente maior.

    ResponderExcluir
  35. Confra da Mantiqueira: Maravilhosa! Fica em Córrego do Bom Jesus/ MG.

    ResponderExcluir
  36. Muito interessante tudo isso sobre as cervejas...mais ainda com as indicações de cada um "puxando" para o seu torrão...
    Devemos também levar em conta o gosto pessoal e a própria harmonização de cada cerveja devido às suas propriedades de confecção.
    Concordo plenamente com relação aos valores das mesmas que, cada fabricante quer o maior valor para a sua...e o consumidor?
    D qualquer forma vamos apreciá-las na medida do possível...
    Palmas aos criadores...

    ResponderExcluir
  37. Juiz de Fora reúne hoje quase duas dezenas de cervejarias registradas e estas, produzem para dezenas outras ciganas, tanto mineiras quanto fluminenses, além de contar também com uma das melhores indústrias de equipamentos para cervejarias do Brasil (IRUAM). O mais interessante disso tudo eh o mosaico cervejeiro que permite a tantos quantos vierem a cada região do nosso estado e levar além de boas histórias, tambem as deliciosas experiências ao degustar as cervejas mineiras. Prosit!

    ResponderExcluir
  38. Em Pouso Alegre, tem a cerveja Mandu, muito boa também!

    ResponderExcluir
  39. Parabéns aos mineiros!
    Em Curitiba-PR, indico para a aquisição de insumos a Homebrewers (41) 3046-3427, de Bonnie Zomer e Ignacio Contreras (familiares).
    Um abraço

    ResponderExcluir