Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

As 15 mais belas capelas de Minas Gerais

(Por Arnaldo Silva) Basílica, Catedral, Paróquia, Igreja, Capela e Ermida. Essa é ordem hierárquica dos templos católicos. Basílica é a mais alta na hierarquia dos templos católicos. Diferencia das catedrais por ser mais pomposa e ter alguns privilégios, como por exemplo, altar reservado ao papa, cardeais e outras autoridades superiores da Igreja. Já uma Catedral, seria a sede da diocese, que é um conjunto de paróquias, tendo um bispo como superior, responsável. As igrejas são os templos principais que formam a Paróquia, tendo uma delas, designada como matriz.
          As Capelas são pequenos templos, com atendimentos religiosos específicos, mas sem contar com os serviços religiosos normais do dia-a-dia das igrejas, como esta acima (de autoria de Tom Alves/tomalves.com.br), a Capela de Setecentista de Santa Quitéria, construída em 1728, aos pés da Cordilheira do Espinhaço, em Catas Altas MG, tombada pelo IEPHA/MG, em 1999. São pequenos templos erguidos em locais mais distantes da Matriz, como por exemplo em casarões de sedes de fazendas, colégios, universidades, presídios, conventos, quartéis, quilombos, aldeias indígenas e comunidades rurais ou mesmo dentro das cidades, com funções específicas.
          Uma dessas capelas, com funções específicas, é a Capela do Santuário Schoenstatt Tabor da Liberdade ou Santuário da Mãe Rainha, em Confins, a 30 km de BH, a 5 minutos do Aeroporto Internacional (na foto acima de Elvira Nascimento). Construída em 2003, a singela Capela, é uma réplica do Santuário Schoenstatt, movimento religioso pertencente à Igreja Católica Apostólica Romana, fundado pelo Padre José Kentenich, em 1914, na cidade de Schoenstatt, na Alemanha. No mundo, são cerca de 200 santuários existentes e no Brasil, são 22. O santuário tem uma ótima estrutura para receber os fiéis, devotos da Mãe Rainha, que vem de todas as regiões do Brasil, principalmente em maio e outubro, para expressarem sua devoção a Mãe Rainha. É uma das referências do turismo religioso em Minas Gerais.
          Já as ermidas, são pequeninos templos, geralmente construídos em locais ermos e distantes das fazendas e vilarejos ou mesmo, (na foto acima do Marley Melo, uma pequena ermida, na Zona Rural de Mar de Espanha MG, Zona da Mata).          
          Em tempos antigos, era tradição construir capelas e ermidas nas fazendas e comunidades rurais, devido às dificuldades do povo em ir às igrejas assistir às missas e participar das atividades da paróquia.
          Nas capelas, faziam as rezas dos terços e celebravam as principais festas religiosas como Semana Santa, Corpus Christi e festas dos santos padroeiros de cada capela, além dos festejos tradicionais, como Festas Juninas e agradecimentos pela colheita ou graças alcançadas.
          Uma das capelas que se destaca em Minas Gerais, sendo considerada uma das mais belas, é a Capela do Senhor do Bonfim (na foto acima da Elvira Nascimento), no topo do Morro Redondo, em Ipoema, distrito de Itabira MG, Região Central. O Morro Redondo está a 1.180 metros de altitude, acima do nível do mar. É um lugar ideal para fotografar, meditar e contemplar a natureza, já que do mirante, ao lado da Capela, é possível avistar os distritos de Ipoema, Serra dos Alves e Senhora do Carmo, além da Mina do Cauê, o Santuário do Caraça e o município de Bom Jesus do Amparo.
          São milhares de capelas espalhadas pelos 853 municípios e 1772 distritos mineiros, cada uma mais linda que a outra. Infelizmente não temos como postar todas, por isso, escolhemos, apenas 15 capelas que se destacam por sua relevância histórica e arquitetônica para Minas Gerais. São capelas reconhecidas como patrimônios municipais, do Estado de Minas Gerais e do Brasil, através tombamento pelos órgãos de cultura das prefeituras locais, pelo IEPHA e IPHAN.
1ª - Capela do Rosário em Ouro Preto
          Também chamada de Capela do Padre Faria, fica no bairro de mesmo nome, em Ouro Preto MG e foi tombada em 8 de setembro de 1939, como Patrimônio Histórico Nacional, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). É um dos mais belos exemplares do Barroco Mineiro, não só por sua riqueza arquitetônica, mas por fazer parte da origem e história de Ouro Preto e de Minas Gerais. (fotografia acima e abaixo de Ane Souz, dos ornamentos interiores da Capela)
          Foi construída nos primeiros anos do século XVIII, pelo Padre João de Faria Fialho, nascido em 1636 na Ilha de São Sebastiao, atual Ilha Bela/SP, falecendo aos 76 anos em 1712, na Vila de Nossa Senhora do Bom Sucesso, no Vale do Paraíba, em São Paulo.
          Padre Faria era Capelão da Bandeira de Antônio Dias e também, tinha sua própria bandeira. Foi o responsável pela descoberta de ouro na região da antiga Vila Rica, hoje, Ouro Preto. O padre fundou ainda a cidade paulista de Pindamonhangaba, bem como, nesta mesma cidade, a Igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso. É atribuída ao Padre Faria, a celebração da primeira missa em Ouro Preto, que aconteceu num dia de São João.
          Em Ouro Preto, o padre ergueu uma pequena ermida, dedicada à Nossa Senhora do Carmo. Em 1723, a administração e posse da Capela foi assumida pela Irmandade de Nossa Senhora do Parto do Bonsucesso, formada por homens pardos e mamelucos.
          Por volta de 1740, a Capela passa a abrigar também Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos. Nessa época, a pequena ermida erguida pelo Padre Faria, dá lugar a outra capela, um pouco maior, seguindo o estilo nacional português. Simples por fora e por dentro, uma riqueza impressionante.
          
          A pintura do forro da igreja, segue o estilo barroco mineiro e mostra a coroação de Nossa Senhora do Rosário por anjos, bem como também, pinturas de cenas do cotidiano da época. (foto acima de Ane Souz)
          A estrutura foi erguida em alvenaria seca e tijolos talhados de rocha bruta, chamado de cantaria. A fachada é bem simples, com uma porta frontal em de madeira maciça, emoldurada em pedra lavada e duas janelas com balaústres. Seu interior, conta com laterais talhadas em estilho joanino e três altares, com ornamentos dourados, muito bem talhados, em estilo rococó. (fotografia acima de Ane Souz)
          Nas imaginárias, estão as imagens de Nossa Senhora do Rosário e a de Nossa Senhora do Bom Parto. (fotografia acima de Ane Souz)
          O sino da Capela data de 1750 e a cruz pontifícia, de 1756. Essa cruz chama a atenção por possuir três braços. (na foto abaixo da Ane Souz)
          Acredita-se que os três braços da cruz, simbolize as três bulas pontifícias, assinadas pelo papa Pio VII (Cesena, 14 de agosto de 1742 — Vaticano, 20 de agosto de 1823). Uma bula era um tipo de alvará, assinado pelo papa, que concedia privilégios e indulgências, e tinham força de lei eclesiástica. Nesse caso, as três bulas, concedia privilégios e graças às capelas.
2ª - Capela do Rosário em Chapada do Norte
          No Vale do Jequitinhonha, distante 545 km de Belo Horizonte, uma pequena cidade histórica mineira, com 16 mil habitantes, e com cerca de 10 mil desses habitantes, vivendo na zona rural, está Chapada do Norte (na foto acima de Viih Fotografia/@soares.viih1, vista parcial da cidade).
          A cidade se destaca por sua arquitetura colonial, sua história e por guardar e preservar em sua forma original, as tradições, raízes e cultura negra. Isso porque Chapada do Norte tem sua origem em quilombos formados durante o Ciclo do Ouro. A exploração mineral na região começa a partir de 1728, no século XVIII. Em busca do ouro, vieram pessoas de várias localidades, formando assim um arraial, denominado de Arraial de Santa Cruz da Chapada. 
          Com a decadência do ouro, parte dos moradores do arraial, começaram a ir embora, permanecendo boa parte dos escravos que lá viviam. Com o tempo, começou a chegar escravos que fugiam dos maus tratos, dando origem a formação de quilombos. A comunidade aumentou a partir de 1888, com a abolição da escravidão. Assim, a comunidade crescia, foi elevada à distrito e cidade emancipada em 1963, com o nome de Chapada do Norte.
          Charmosa, atraente e acolhedora, guarda tesouros valiosíssimos da nossa arquitetura, religiosidade, folclore e tradições, presentes nos casarões e igrejas do século XVIII, como a Igreja Matriz de Santa Cruz, a Capela de Nossa Senhora do Rosário e a Capela de Nossa Senhora da Saúde e ainda a Capela do Bom Jesus da Lapa, do século XIX. (na foto acima de Viih Fotografia/@soares.viih1), o interior da Capela do Rosário)
          Na cidade, encanta as pitorescas vendinhas, onde se encontra de tudo, o singelo casario e a simplicidade de seu povo, muito hospitaleiro e atencioso.
          Por ter como origem em quilombos, Chapada do Norte, possui, segundo o IBGE, o maior percentual urbano de negros no país. 91,1% de seus habitantes se declaram negros ou pardos. É ainda em Chapada do Norte que se encontra o maior número de comunidades quilombolas de Minas Gerais. São 14 ao todo.
          Devido à grande concentração negra, a Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, que acontece no segundo fim de semana de em outubro, na Capela de Nossa Senhora do Rosário é um dos eventos religiosos mais tradicionais do município. É uma tradição preservada há mais de 200 anos com danças, cânticos, apresentações musicais, lavação da igreja e distribuição do angu, entre outros rituais. (fotografia acima de Thelmo Lins)
          A Festa e a Capela de Nossa Senhora do Rosário são tão importantes, que ambas foram tombadas pelo patrimônio histórico do Estado de Minas Gerais. Em 2013, a Festa de Nossa Senhora do Rosário foi reconhecida como Patrimônio Cultural e Imaterial de Minas Gerais, pelo IEPHA/MG. Já a Capela de Nossa Senhora do Rosário, foi tombada em 1980, também IEPHA/MG. (na foto acima de Viih Fotografia/@soares.viih1, o altar da Capela do Rosário)
          Datada do século XVIII, é uma capela típica do barroco mineiro, com características externas bem simples, mas abriga um impressionante acervo em seu interior. (foto acima de Thelmo Lins) Seu altar-mor conta com retábulos laterais junto ao arco do cruzeiro, dois altares em talhas em dourado douradas muito bem trabalhadas, além de belíssimos painéis, pintados em seu forro.
3ª - Capela de Santana em Belo Vale
          Em Belo Vale, distante 88 km de Belo Horizonte, no Vale do Paraopeba, o Vale do Charme Mineiro, está um dos mais queridos templos religiosos de Minas e um dos marcos da fé católica da cidade: a Capela de Santana, na Comunidade de Santana do Paraopeba, a 9 km de Belo Vele.
          Construída em1735 pelos escravos, a mando de Manoel Sobreira e Manoel Machado, dedicaram a Capela a Santa Ana, a mãe de Maria e avó de Jesus. 26 de julho é o dia da santa e nesse dia, foi descoberto ouro na região. Por isso a dedicação do Capela à Santana. A arquitetura da Capela evidencia a transição do estilo Nacional Português, para o início do Barroco Mineiro. A Capela possui altares e retábulos em madeira muito bem trabalhadas, bem como seus ornamentos internos, talhas douradas no altar-mor e pinturas no forro, evidenciando assim a fase clássica da arte barroca mineira.
          Desde sua construção, a Capela passou por algumas reformas, apresentando em sua arquitetura, elementos do estilo barroco e a partir de 1920, recebendo retoques em estilo eclético. Em 1929, uma grande intervenção, modificou a fachada original da Capela, abrindo arcos em sua porta e janelas, e acrescentando elementos diferentes do estilo barroco original da Capela. De original, restou em sua fachada, a data grafada, quando da construção do templo: 1735. A Capela passou por nova restauração recente, em 2020, de sua parte arquitetônica, cabendo agora a restauração de seus elementos artísticos interiores.
4ª - Capela do Rosário em Milho Verde
          A singela e mimosa capela do século XIX, dedicada à Nossa Senhora do Rosário, erguida pela devoção e fé dos negros livres e escravos, é um dos mais importantes templos setecentistas de Minas Gerais. Pouco se sabe sobre sua história, construção e data de seu início e conclusão da obra. A certeza é que é do século XIX e que é uma das maiores preciosidades da arquitetura mineira. (na foto acima de John Brandão/@fotografo_aventureiro.)
          Ladeada por um charmoso e simples casario colonial, localizada no topo de uma colina, de onde se tem uma bela vida em redor, principalmente do Pico do Itambé, fica em Milho Verde, distrito da cidade do Serro MG no Vale do Jequitinhonha.
          Erguida em barro, com estruturas em madeira bruta, mas bem trabalhadas, principalmente na sua fachada, chanfrada e com torre central, telhado em duas águas e ornamentos interiores em talhas simples. A pequena capela se destaca por ser um dos mais belos símbolos da mineiridade e simplicidade mineira e uma das mais visitadas e fotografadas capelas do Estado.
5ª - Capela da Penha em Passos
          Uma arquitetura diferente e singular para as capelas do século XIX, em forma octogonal e muito atraente (na foto acima de William Cândido), construída por Antônio de Faria e sua esposa, por gratidão à Nossa Senhora da Penha, por graça alcançada. A construção começou em 1863 e foi concluída em 1867, com bênção do padre João da Fonseca e Melo. Passou uma reforma na década de 1960 e outra, na década de 1980. Em 2008 passou por um novo processo de restauração, administrado pelo arquiteto André Nery, tendo sido concluído em 2009. É um dos maiores símbolos da religiosidade de Passos, um povo com tradições vivas, reconhecido pelo amor às sus tradições e preservação das festividades religiosas seculares. Por sua importância, a Capela de Nossa Senhora da Penha, é um bem tombado pela administração municipal desde 1998.
6ª – Capela do Senhor do Bonfim em Santa Luzia
          No Centro Histórico de Santa Luzia, cidade distante apenas 20 km de Belo Horizonte, uma charmosa capela erguida entre o final do século XVIII e início do século XIX, chama atenção, em meio a suntuosas construções do período colonial na cidade. É a Capela do Senhor do Bonfim (na foto acima do Elpídio Justino de Andrade), restaurada e entregue à população em 2006, pelo IEPHA/MG. É uma típica construção do Barroco Mineiro, com telhado em duas águas, porta frontal, duas portas no fundo, um sineiro sem torre e duas janelas frontais. As paredes tem a cor branca, com a base, em madeira, na cor azul. É um dos tesouros arquitetônicos de Minas Gerais. Em seu altar-mor, segue o estilo rococó, com ornamentação feita em talhas bem trabalhadas e no altar, a imagem do Senhor do Bonfim, esculpida por um escravo, que fez a obra em troca de sua carta de alforria, segundo a tradição oral.
7ª – Capela de Santa Rita em Serro
          É o maior símbolo da cidade do Serro MG, Vale do Jequitinhonha, e uma das mais singelas e belas construções coloniais do Estado de Minas Gerais. (foto acima de Elvira Nascimento) Erguida no topo de uma colina, com vista de 360 graus da cidade, com acesso por uma escadaria de 57 degraus, está a Capela de Santa Rita, construída por volta de 1745, no século XVIII. A arquitetura da Capela é simples, charmosa e atraente. Seu telhado é em duas águas, com fachada poligonal, com uma porta central e duas laterais e 5 janelas e uma única torre, onde está um relógio. Em seu interior, talhas em detalhes dourados e pinturas marmorizadas e motivos florais, nas paredes, feitas no século XIX, completam a harmonia da arte barroca mineira. A Capela está inserida no Conjunto Arquitetônico do Serro, tombado como Patrimônio Nacional pelo IPHAN em 1938.
8ª - Capela de São Francisco em Monte Verde
          Monte Verde tem sua origem em imigrantes vindos da Letônia (Latvijas Republika), país do Leste Europeu, na parte oriental do Mar Báltico. Seu fundador é o letão Verner Grimberg, percebendo semelhanças do lugar com seu país, como as paisagens, o frio e belezas naturais, adquiriu uma fazenda na região. Com o passar do tempo, outros letões começaram a chegar e um povoado a se formar, sendo hoje, Monte Verde, um dos mais badalados centros de turismo no Brasil. Os letões, fundadores de Monte Verde, deixaram um pouco da história, culinária e a arquitetura da Letônia, presente em todos os cantos da charmosa vila, de 6 mil habitantes.
          Uma dessas construções, em estilo letão, que se destaca, é a Capela de São Francisco de Assis (na foto acima de Sérgio Mourão), localizada na principal via de Monte Verde e bem ao lado da Paróquia de São Francisco de Assis. A pequena Capela, representa o estilo de vida de São Francisco de Assis, em sua simplicidade e humildade.
9ª – Capela do Porto do Saco
          No final do século XVIII e nos primeiros anos do século XVIII, foi formada uma fazenda, na curva do Rio Grande, em Carrancas MG, Campo das Vertentes. Essa curva lembra um saco, com a fazenda passando a ser associada a essa curva, sendo chamada de Fazenda do Saco.
          
Segundo a tradição oral, uma imagem de Nossa Senhora da Conceição foi encontrada à beira do Rio Grande. Retirada da beira do rio, foi levada para uma capelinha de madeira na fazenda. Dona Júlia Maria da Caridade, proprietária das terras, decidiu construir uma capela, de alvenaria para abrigar a imagem. (na foto acima de Rogério Salgado) A tricentenária capela foi erguida em pedra, na cor branca, com 4 janelas e porta frontal, portas e janelas laterais, em madeira, sem torre e sineira interna, sendo ainda, cercada por uma murada de pedras. Sacristia com retábulos, pinturas e ornamentos simples, em estilo rococó. No assoalho da Capela, estão os túmulos dos seus benfeitores. Tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, IEPHA/MG, a Capela é ainda, o primeiro patrimônio municipal de Carrancas e em torno da Capela, um povoado, hoje distrito, começou a ser formar a partir de 1879 está a 18 km do Centro de Carrancas.
10ª - Capela do Patriarca São José em Cordisburgo
          Construída em 1883 pelo Padre João de Santo Antônio, foi dedicada ao Patriarca São José. Em torno da Capela (na foto acima do Edson Borges), em estilo colonial e até os dias de hoje, preservada em sua originalidade, formou-se um povoado, com o nome de Vista Alegre. O pequeno povoado, deu origem à cidade de Cordisburgo, na Região Central. Por isso a importância da Capela para a história e formação do município, conhecido ainda pelas grutas, como a de Maquiné e por ser a terra do escritor Guimarães Rosa.
11ª - Capela Bom Jesus de Matozinhos em Couto de Magalhães
          Construída no final do século XVIII, a Capela do Senhor Bom Jesus de Matozinhos (na foto acima de Leandro Leal), na cidade de Couto de Magalhães de Minas, no Vale do Jequitinhonha, é uma das mais singelas e belas arquiteturas do Barroco Mineiro. Tombada pelo IEPHA/MG em 2 de junho de 1977, a capela segue o estilo das construções barrocas, com fachada bem simples, com uma única torre e uma beleza impactante em seu interior. 
          Destaca pela beleza dos retábulos, com pinturas e esculturas seguindo o estilo rococó e também o estilo joanino, com destaque para as imaginárias nos altares laterais do Senhor Bom Jesus de Matozinhos, de Nossa Senhora do Rosário, São Benedito, Santa Rita, de Santana, além de dois crucifixos. Retábulos são estruturas artísticas com louvores, instalados atrás ou acima do altar, feitos em madeira, mármore, pedra-sabão ou outro tipo de material, encerrando um ou mais painéis, pintados ou esculpidos.
12ª – Capela do Sagrado Coração de Jesus em Tabuleiro
          Conceição do Mato Dentro é uma cidade histórica mineira, distante 170 km da capital. Com origens nos primeiros anos do século XVIII, a tricentenária cidade se destaca pela riqueza do seu patrimônio arquitetônico. Destaca atualmente pela mineração, por suas paisagens espetaculares, pelo ecoturismo e seus distritos, igualmente ricos em tradição, história e arquitetura. Entre esses distritos, está Tabuleiro, distante 18 km do Centro da cidade. (foto acima de @vinicusbarnabe) Além de estar no distrito, a maior cachoeira de Minas, a Cachoeira do Tabuleiro, com 273 metros de queda, o Poço do Pari, Poço Pari, o Sítio Arqueológico do Dourado, a Lapa dos Gentios e Piscina da Lapa do Rio Preto, além da Cachoeira do Zé Cornicha.
          O bucolismo e mineiridade da charmosa e acolhedora vila colonial está presente em suas construções e em seu povo, muito hospitaleiro e acolhedor. Vivem na mimosa vila, pouco mais de 1 mil moradores. Tabuleiro guarda um dos tesouros do barroco mineiro: a capela do Sagrado Coração de Jesus.
          A capela e toda a vila simbolizam a nossa mais genuína mineiridade, evidenciando a harmonia da arquitetura barroca, com a simplicidade de seu povo e com a natureza. Erguida no topo de uma colina, que permite uma bela vista da vila e da natureza em redor, tem acesso por uma ladeira em pedras e escadaria, muito bem cuidada e iluminada. A Capela possui em seu exterior detalhes bem simples com estrutura em madeira, na cor vermelha, portas e janelas na cor azul, com contornos vermelhos, uma torre com sineira, portas e janelas laterais e telhado em duas águas. Seu interior conta com altar-mor, retábulos, pinturas e ornamentos bem simples, mas muito bem preservados e cuidado com muito carinho por seus moradores.
13ª – Capela do Rosário em Grão Mogol
          Uma capela singular e de grande importância para a cidade histórica norte-mineira, de Grão Mogol MG, com origens no século XVIII, com suas construções no estilo colonial e em pedras, abundantes na região. Um dos destaques da cidade é a Capela de Nossa Senhora do Rosário. Erguida em pedra sobre pedra, janelas de madeira em formato de arco e telhado colonial e altar em talhas bem trabalhadas que impressionam pela beleza e riqueza, dedicado à Nossa Senhora do Rosário, retratada no altar segurando um terço, e com vestes em azul. A capela foi tombada em 2001 como patrimônio municipal. (fotografia acima de Tharlys Fabrício)
14ª - Capela de São Francisco de Paula em Tiradentes
          Edificada no alto de um morro, com gramado em sua frente e a tradicional cruz, com os instrumentos usados nas chagas de Jesus, está a singela Capela de São Francisco de Paula. É uma das mais importantes capelas, edificadas durante o Ciclo do Ouro, na cidade histórica de Tiradentes MG.
          Erguida em meados do século XVIII, foi tombada como patrimônio nacional pelo IPHAN, em 27 de janeiro de 1964. Por estar num lugar alto, com ampla vista para a cidade, em especial, a Matriz de Santo Antônio, subir o morro, conhecer a capela e fotografar a cidade e a Serra de São José, é quase que um ritual dos turistas que visitam Tiradentes.
          Diferente das tradicionais capelas erguidas em no município, a Capela (foto acima do César Reis) possui as sineiras não em torres e sim no corpo da fachada, que tem ainda duas janelas e uma porta em madeira bruta. Em seu interior, encontra no retábulo-mor a imagem de São Francisco de Paula, além das imagens de Santo Antônio e Nossa Senhora do Carmo. No lado direito da Capela, um painel de autoria de G. Rodrigues, feito na década de 1940, retrata moradores de Tiradentes, assistindo uma missa. Nas laterais da Capela, pode se ler a reprodução de dois ex-votos, datados do século XVIII. Em um desses ex-votos, pode-se ler a seguinte frase: “Mercê que fez São Francisco de Paula a Bernarda Maria, dando saúde a um seu escravo por nome José; que por espaço de cinco dias não comeu nem bebeu, nem fez operação alguma. Anno de 1787”. Um ex-voto, palavra em latim que significa “por força de uma promessa”, é um presente que um fiel oferece ao seu santo de devoção, em consagração, renovação de uma promessa ou agradecimento de uma graça alcançada.
15ª - Capela de N. S. do Rosário do Sertão da Farinha Podre
          A Capela fica em Desemboque, povoação fundada em 02/03/1766, no século XVIII, sendo hoje, distrito de Sacramento MG, no Triângulo Mineiro (foto acima de Luis Leite). O curioso nome “Sertão da Farinha Podre” era o antigo nome da Região do Triângulo Mineiro. O nome, Sertão da Farinha Podre, segundo a tradição oral, se popularizou quando da chegada de bandeirantes, que adentraram no sertão em busca de ouro e diamantes. Tinham como prática, plantar alimentos pelo caminho e muitas vezes, enterrar, para consumirem em suas idas e vindas. Enterraram um grande suprimento de alimentos, principalmente farinha, mas quando desenterraram, encontraram os alimentos e toda a farinha já podres. Daí passaram a chamar o lugar de Sertão da Farinha Podre, tendo o nome se popularizado, tanto por moradores, e efetivado pelo poder público da época.
          O povoamento da Região do Triângulo Mineiro se deu pela exploração de ouro e diamantes na região. As características arquitetônicas e religiosas da região estão presentes em Desemboque, considerado o berço do Triângulo Mineiro. (na foto acima de Luis Leite, a Igreja de Nossa Senhora do Desterro e seu cemitério) Nos áureos tempos da exploração mineral no Sertão da Farinha Podre, Desemboque chegou a ser a maior povoação da região, com cerca de 2.500 moradores, com fórum, cartório, Câmara de Vereadores, pousadas, tabernas. Contava ainda com um grande fluxo de viajantes, bandeirantes e exploradores, o que tornava a vila muito movimentada. Hoje, em Desemboque, vivem cerca de 30 pessoas apenas, restando a história e os áureas tempos da riqueza proporcionada pela mineração.
          Entre essas riquezas, além do seu casario colonial, está a Igreja de Nossa Senhora do Desterro (na foto acima de Luis Leite), construída entre 1743 e 1754, frequentada pelos homens brancos e a Capela de Nossa Senhora do Rosário, frequentada pelos homens negros. Cada uma com um cemitério próprio. Ambas foram tombadas pelo IEPHA/MG, em 1984.
          A Capela do Rosário (na foto acima de Luis Leite), datada de 1854, segue os traços do estilo das construções do Sertão da Farinha Podre, que se caracteriza pela simplicidade em sua construção, com as paredes da nave em pedra, com vedação em tijolos de adobe, pintura em cal e telhado com telhas tipo, capa e bica, com beirais em cachorrada, com um conjunto de cachorros. Cachorro e cachorradas é um termo usado na arquitetura e nada mais é que pedras ou madeira em balanço, que dão sustentação ao beiral. O altar-mor e sacristia em lateral única da Capela do Rosário possui ornamentos e talhas esculpidos em madeira e pinturas interiores, bem simples e singelas.
          Está situada num lugar privilegiado na vila, em meio a natureza plena, oferecendo paz, acolhimento e conforto aos que visitam a capela. Tanto na Igreja do Desterro, quanto na Capela do Rosário, se passaram boa parte da história do Triângulo Mineiro.

Um comentário:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores