Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

sábado, 20 de fevereiro de 2021

A Escrava Isaura, Ouro Preto e a Capela Imperial

(Por Arnaldo Silva) Escrito num período, onde a escravidão estava sendo contestada, com manifestações pedindo a abolição da Escravidão no Brasil, o livro de Bernardo Guimarães, A Escrava Isaura, foi considerado antiescravagista, por incutir no seio da sociedade, a discussão sobre o tema. O sofrimento de uma mulher branca, nascida escrava e a forma incisiva e racional que o autor dá à sua trama, prendiam a atenção dos leitores. Por isso o impressionante sucesso do livro na época do lançamento e em nossa época atual.
          A Escrava Isaura, foi um romance escrito, em 1875, por Bernardo Guimarães. Era a história de uma escrava, branca, que vivia numa fazenda em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Se perguntar quem leu o livro, poucos vão responder, mas da novela, exibida pela Rede Globo, em 1976, a maioria vai responder que viu ou pelo menos, ficou sabendo da novela. A geração atual pôde assistir à novela em sua nova versão, exibida pela à Rede Record. A primeira versão, protagonizada por Lucélia Santos e Rubens de Falco, em 1976, fez tanto sucesso que foi exportada para cerca de 150 países, assistido por de milhões de pessoas. 1 bilhão de pessoas, assistiram a novela, somente na China, além de cerca de 300 mil exemplares do livro, terem sido vendidos nesse país. 
          Agora você pergunta: o que Ouro Preto tem a ver com A Escrava Isaura? É que o autor do livro, Bernardo Joaquim da Silva Guimarães, é mineiro e nasceu em Ouro Preto, em 15 de agosto de 1825. Faleceu também em Ouro Preto, em 10 de março de 1884. Era casado com Teresa Maria Gomes de Lima Guimaraes, com quem teve 8 filhos. Além de escritor, romancista, jornalista, crítico literário, advogado, juiz, poeta, foi também professor, lecionando francês e latim em Queluz MG e professor de retorica e poética do Liceu Mineiro, em Ouro Preto MG (na foto acima de Ane Souz). Homem culto e viajado, Bernardo Guimarães viveu boa parte de sua vida em sua cidade natal, Ouro Preto.
          A cidade de Ouro Preto foi fundada em 1711 e é uma das mais importantes cidades do mundo. Tanto é que foi a primeira cidade brasileira e uma das primeiras do mundo, a ser reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco, em 1980.
          Construída no auge do Ciclo do Ouro, não pelas mãos de construtores ou engenheiros, mas pelas mãos de escravos e artistas, por isso que as construções ouro-pretanas são pura arte. Ouro Preto não foi construída, foi esculpida à mão, num tempo em que em que se valorizava arte, tanto no casario, quanto nas igrejas e prédios públicos. (foto acima de Leandro Leal)
          Construções feitas pelas mãos habilidosas de artesãos e artistas talentosos, que trabalhavam com perfeição, suas obras em pedra sabão, madeira e em ouro. Entre os mestres que construíram Ouro Preto, destacam-se Manuel da Costa Ataíde, o grande Mestre da Pintura Barroca, além de Manuel Francisco Lisboa e principalmente, seu filho, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, dentre outros grandes artistas, famosos ou não. Ouro Preto é uma relíquia, um tesouro, um museu a céu aberto. É a história viva e praticamente preservada, desde suas origens. (foto acima de Peterson Bruschi/@guiapeterson)
          O grande escritor mineiro ocupou a Cadeira de nº 5 da Academia Mineira de Letras. Além de A Escrava Isaura, Bernardo Guimarães escreveu outros romances, poesias, dramas e contos de grandes sucessos. Foram dezenas de obras publicadas e não publicadas e mais de 20 livros escritos. Como são muitos livros, não vou alongar muito o texto, apenas destacar os livros de Bernardo Guimarães, que eu li, ainda estudante: O Garimpeiro (romance/1872); O Seminarista (romance/1872); O Pão de Ouro (conto/1879); Uma História de Quilombolas, A Garganta do Inferno, A Dança dos ossos; História e Tradições da Província de Minas Gerais (crônicas e novelas – 1872: A Cabeça do Tiradentes, A filha do fazendeiro, Jupira), além claro, A Escrava Isaura.
          Já falamos de Ouro Preto, de Bernardo Guimarães, e da Escrava Isaura. Onde entra agora a Capela Imperial?
          A Capela Imperial era o nome antigo da Igreja de São José. Era chamada de Capela Imperial, devido ao título concedido pelo Imperador Dom Pedro II, em 1889. Voltou ao seu nome original, após o fim do Império, permanecendo até os dias de hoje, como Igreja de São José. (fotografia acima de Peterson Bruschi/@guiapeterson)
          A antiga Capela Imperial começou a ser erguida a partir de 1753. Em 1772, Mestre Aleijadinho fez os riscos do retábulo do altar-mor. A obra foi concluída em 1811. Foi construída pela Irmandade do Patriarca São José dos Homens Bem-Casados. A irmandade era formada por músicos, artesãos, artistas e pintores da época, que queriam um espaço próprio, para a Irmandade. A igreja e seu cemitério ao lado, são modestos em tamanho, mas é um dos mais belos exemplares da arte setecentistas de Minas. É única, em toda a sua singeleza externa com sua única torre, sacada e sineira, além da riqueza de suas talhas douradas, ornamentos e pinturas em seu interior.
          Irmandade do Patriarca São José dos Homens Bem-Casados, tinha atividades e convivências, diferentes do restante das irmandades ouro-pretanas. As esposas dos membros da irmandade, tinham participação ativa nas decisões da Irmandade. A igreja abria suas portas para diferentes camadas da sociedade, como brancos, pardos, pobres e ricos, tendo sido frequentada também por governadores da Capitania de Minas Gerais. O que era incomum naquela época.
                    Em 1992, foi iniciada a restauração da igreja. As obras de restauro se estenderam por longos anos, tendo sido concluída 20 anos depois, entregue, restaurada à comunidade, em 2012.
          Ao lado da Igreja de São José, tem um cemitério e é aí que entra Bernardo Guimarães na história da Igreja. É nesse cemitério que o escritor foi sepultado. O túmulo do escritor Bernardo Guimarães, é um dos mais visitados e fotografados. (na foto acima do Wellington Diniz, o túmulo do escritor no cemitério da Igreja de São José, com a Igreja de São Francisco de Paula ao fundo)        
          A Igreja de São José fica próxima a Igreja de São Francisco de Paula. Está um pouco distante do Centro Histórico, na rua Teixeira Amaral, 130. Por isso, passa despercebida, pelos turistas. Fica boa parte do tempo fechada, abrindo de terça à sexta-feira, de 9:30h às 11:30 horas. O melhor dia e horário para conhecer a igreja por dentro é nas quartas-feiras, a partir das 18:30 hs, quando acontece as missas.

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores