Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 18 de março de 2020

Marmelópolis mantém viva a tradição do marmelo

(Por Arnaldo Silva) A cidade tem marmelo no nome em razão da fruta ser abundante em suas terras. Seu nome original era “Queimada”, quando ainda era distrito de Delfim Moreira, no Sul de Minas. Boa parte das plantações de marmelo ficou no município, quando sua emancipação em 1962, por isso a cidade adotou este nome, pela abundancia e tradição do cultivo do marmelo e produção de marmelada no antigo distrito de Queimada, hoje Marmelópolis. Polis = cidade, ou seja, “Cidade do Marmelo”.
          Marmelópolis (na foto acima de Renato Ribeiro) faz divisa com Delfim Moreira, Virgínia e Passa Quatro no Sul de Minas e Piquete e Cruzeiro em São Paulo. A cidade é pacata, charmosa, aconchegante, muito atraente e conta menos de três mil moradores, simpáticos, gentis e muito hospitaleiros. É uma típica cidade do interior mineiro. Além do marmelo, da sua exuberante natureza, como cachoeiras, matas nativas de araucárias e áreas naturais preservadas, o frio é um dos atrativos da cidade. É uma das mais frias de Minas Gerais e o inverno é bastante rigoroso, com geadas constantes, transformando a paisagem local de forma notável, fazendo com que a pequena cidade da Mantiqueira, se pareça com as charmosas vilas portuguesas.
          Esses atrativos atraem turistas para a cidade, que buscam vivenciar a natureza plena, bem como curtir o charme de uma tradicional cidade do interior mineiro, e experimentar a famosa truta da Mantiqueira (na foto acima de Jair Antônio Oliveira, do Restaurante Monte Moriá), a tradicional marmelada e outros derivados da fruta.
A origem do marmelo
           O marmelo (na foto acima de Renato Ribeiro) tem sua origem no Oriente Médio se expandindo para o restante do mundo através da Grécia. É uma fruta muito apreciada no Oriente Médio há milhares de ano. Acredita-se que a fruta já existia no paraíso de Adão e Eva. In natura tem o sabor um pouco ácido, por isso é mais consumida em forma de sopa, compota, geleia, licor e doce, a famosa marmelada. Sua aparência lembra muito a pera e a maçã. Quando do pecado homem, citado na Bíblia, foi oferecida uma fruta. A mitologia diz que foi uma maçã, mesmo a fruta não sendo de origem desta região e nem o nome da fruta é citada na narrativa bíblica, as ilustrações do fruto proibido mostra uma maçã. Se a narrativa bíblica se referir mesmo a uma fruta real, com certeza, a fruta do pecado original seria o marmelo, pelo fato de ser uma fruta comum na região e com sua origem onde a passagem é narrada.
 O resgate do cultivo do marmelo 
          O marmelo foi introduzido no Brasil pelo português Martin Afonso de Souza em 1532, se adaptando muito bem à região Sul do país e no Sul de Minas. (na foto acima de Jair Antônio Oliveira, a flor do marmeleiro) O cultivo do marmeleiro foi introduzido na região da Mantiqueira entre os séculos XIX e XX. Somente em Marmelópolis, foram plantados mais de mais de dois milhões de pés, tornando a cidade a maior produtora da fruta no país, bem como o maior produtor de marmelada.
          Entre as décadas de 1940 e 1970, no auge da popularização da marmelada, existia na região mais de 20 indústrias atraídas pela grande oferta da fruta. Entre essas fábricas, uma delas era a gigante Cica, que hoje não existe mais. Onde funcionava a fábrica da Cica, é atualmente a sede da Prefeitura de Delfim Moreira.
          O fechamento das empresas foi gradativo, tem seu auge na década de 1980. (na foto acima de Renato Ribeiro, uma dessas fábricas fechadas, em ruínas) Um dos fatores que levaram ao fechamento das fábricas foi a industrialização de outros doces em Minas e no Brasil, como por exemplo, o doce de leite e de frutas diversas, como a goiabada. Com isso a produção de marmelada na região foi reduzindo, bem como o plantio da fruta, chegando ao fechamento das empresas existentes na cidade. Hoje resta existe apenas uma única fábrica de marmelada na cidade e o cultivo da fruta restringido a pequenas propriedades.
          Mas essa realidade vem mudando com a retomada da produção de marmelo no município, por iniciativa da família do Moisés Ribeiro Cunha, proprietários da única fábrica de marmelo atualmente na cidade. O objetivo é resgatar uma das mais antigas atividades agrícolas de Minas Gerais, e devolver à cidade o posto de terra do marmelo, aumentando a produção da fruta e da marmelada. (foto acima de Renato Ribeiro)
          A iniciativa vem entusiasmando alguns produtores e reanimando os antigos, que estão fazendo novas plantações ou mesmo recuperando antigas plantações, bem como ampliando a área de plantio.
          É uma forma de manter viva a tradição do marmelo na cidade, cuja produção da marmelada foi de grande importância para a economia local, bem como fez de Minas Gerais um dos grandes produtores do doce Brasil. (na foto acima de Renato Ribeiro, plantação de marmelo no município)
          O povo mineiro tem no sangue o amor por sua cultura e faz parte do nosso povo esse instinto de conservação. Marmelópolis está se recuperando, voltando a ser a cidade do marmelo e da marmelada.
          O povo da pacata Marmelópolis lembra com saudades, do cheiro da fruta, do doce tilintando nos caldeirões das antigas fábricas, da fartura nos tempos da colheita da fruta.
          Esse mesmo povo não está apenas na saudade hoje. Estão reagindo e trazendo de volta a cultura do marmelo.
A Festa do Marmelo
          Um dos eventos que ajudam na divulgação da cidade, bem como incentivo na produção do marmelo e produção de seus derivados, é a tradicional Festa do Marmelo de Marmelópolis, que acontece no outono, geralmente nos fins de março para início de abril. (na foto abaixo, de Cássia Almeida, visitantes esperando a abertura do salão para conhecer os produtos derivados do marmelo e artesanato, na Festa do Marmelo em 2019)
          A cidade com menos de três mil habitantes praticamente triplica nos dias da festa. No evento, o visitante conhece todos os produtos feitos com marmelo, como sopa, licor, geleia, compota e claro, marmelada, além dos produtos derivados do leite e azeites orgânicos, tradicionais na região. O visitante terá oportunidade ainda de conhecer o artesanato local, a culinária típica da cidade, como a truta da Mantiqueira e pinhão, além dos pratos da cozinha mineira. Durante os dias de festa há apresentações de oficinas culturais e ainda a apresentação de bandas regionais que cantam e tocam em estilos diversos com o Sertanejo Raiz, Pop Rock, Jazz e MPB. (na foto abaixo de Renato Ribeiro, show musical com grande presença de público durante a Festa do Marmelo)
          Marmelópolis fica a cerca de 460 quilômetros da capital Belo Horizonte, 255 quilômetros de São Paulo e 305 do Rio de Janeiro.
Os benefícios do marmelo e receitas tradicionais
          Consumida in natura ou em forma de chá, ajuda no combate a aftas, males da gengiva, inflamações estomacais e dores na garganta. Por ter ação antisséptica e antiespasmódica, ajuda no combate a casos de enjoos e vômitos. É ainda calmante, ajuda no tratamento de queimaduras, cólicas e problemas pulmonares.
          No Brasil é consumida como chá, com a infusão de suas folhas, in natura e principalmente em forma de marmelada.

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores