sexta-feira, 5 de abril de 2019

Ora-pro-nobis: o ouro verde de Sabará MG

Compartilhe:

Sabará, cidade histórica a 20 km de Belo Horizonte, teve seu auge no ciclo do ouro. O mineral  e com o tempo foram surgindo dois valiosos ouros que movimenta a economia da cidade e garante o sustento de centenas de famílias. Estamos falando do ouro negro e do ouro verde: a jabuticaba e o Ora-pro-nobis. Esses tesouros abundantes em Sabará são ricos em nutrientes, principalmente o Ora-pro-nobis que contém proteínas, vitaminas A, B e C, ferro, cálcio, fósforo, fibras e aminoácidos essenciais como lisina e triptofano. Por ser rica em ferro, é chamada também de "carne dos pobres". 
Tanto a jabuticaba, quanto o Ora-pro-nobis estão presentes na vida e história da cidade desde o século passado, sendo o município uma das referências gastronômicas de Minas. As delícias feitas com jabuticaba e Ora-pro-nobis são passadas de geração em geração.
Tanto a jabuticaba quanto o Ora-pro-nobis são importantíssimos para a cidade e para a economia local. São tão importantes que tem festival, tanto de jabuticaba, que acontece no fim do ano, como do ora-pro-nobis, que acontece em maio, mês da florada do ora-pro-nobis.
O Festival do Ora-pro-nobis é realizado desde 1997, em Pompéu, distrito de Sabará, sempre no mês de maio. A principal estrela do Festival é a hortaliça e durante os três dias do evento, são apresentados ao públicos pratos variados com Ora-pro-nobis como frango e linguiça com Ora-pro-nobis, sorvete patês, sucos, polentas, risotos, nhoques, bebidas diversas, etc. Além dos pratos, durante o festival acontece também apresentações musicais.

O Ora-pro-nobis é uma trepadeira, por isso é muito fácil de ser encontrada nos muros das casas em Sabará. É uma planta polinizadora, tem uma linda florada com belíssimas flores brancas. Tem outra espécie que produz flores rosas, mais usada como trepadeira por ser muito espinhenta. Já a que tem flores brancas, é a mais usada na culinária. Usa-se a folha, não as flores na culinária. 
A folha dessa preciosa planta enriquece os pratos e dá um gostinho especial à nossa rica culinária, tão bem preservada em Sabará, cidade que valoriza e preserva os tesouros da nossa culinária.
Pompéu ou Arraial de Pompéu
O vilarejo foi fundado no início do século 18, já no começo do ciclo do ouro. Pouco anos depois, em 1708, o povoado foi palco da Guerra dos Emboabas, conflito ocorrido na região entre paulistas, baianos e renóis.  Naquele tempo, as terras onde hoje está o distrito de Pompéu, pertenciam ao  padre Guilherme Pompéu de Almeida, morto em 1713. Também no início do século 18, chegou à região, o Sertanista José Pompéu, um dos primeiros a descobrir ouro na região de Sabará. O sertanista morreu na guerra dos Emboabas. Dai se surgiu a origem do nome Pompéu.
Pompéu fica a 16 km do Centro de Sabará. Além da rica culinária, o visitante estará num dos mais antigos distritos de Minas, com uma rica história que guarda relíquias da arte barroca, com boa parte dessa arte no interior da Igreja de Santo Antônio, no centro do distrito,  construída no século XVIII com características semelhantes às igrejas de Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora do Ó, em Sabará. 
(Por Arnaldo Silva, as fotos, exceto a primeira, foram gentilmente cedidas por Carol Biase, do Restaurante Jotapê, em Pompéu, distrito de Sabará MG)

3 comentários:
Faça também comentários