domingo, 21 de abril de 2019

O que é e como preparar um Café Colonial mineiro?

Compartilhe:

A cozinha mineira sempre foi farta. Desde os tempos do Brasil Colônia a fartura sempre esteve na mesa dos mineiros. Visitas vão logo para a cozinha e sempre tem quitandas, café, queijo e doces à vontade. O mineiro faz questão de mostrar sua culinária e agradar as visitas, com muita comida. É assim até hoje. (na foto acima de Amauri Lima, café na Praça da Matriz de São João Batista do Glória MG)
O que para nós é comum, mesa farta, vem sendo normal no Brasil hoje, com o nome de Café Colonial. Em eventos sociais, em restaurantes, e pousadas, sempre tem o famoso café colonial. À primeira vista acredita-se que seja uma prática dos tempos do Brasil Colônia, mas não é. (foto ao lado de Chico do Vale)
A origem do café colonial é do Sul do país. É típico das cidades de origem alemã, polonesa e ucraniana dos estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Começou no início do século XX, com a chegada dos imigrantes europeus. Nas colonias, promoviam cafés em suas comunidades, com os produtos artesanais de seus países de origem como pães, manteiga, queijos, chimia, bolos, presuntos, leite, café, chocolate quente, vinho, salsicha, cuca, carne de porco e de marreco, roscas, chucrute, biscoitos, keschmier, mel e outros produtos. Todos os colonos participavam e os produtos eram postos em mesas, geralmente no centro da comunidade. Assim surgia o café colonial, com origem nos colonos, oriundos da Europa. Era uma forma de matar saudades e preservar a culinária de seus países de origem.
Embora tenha o nome de café, não é bem um café. Na sua versão original e uma refeição para ser degustada a qualquer hora do dia.
A ideia começou a se difundir pelo Brasil e hoje é muito comum em Minas Gerais, principalmente em eventos gastronômicos e em hotéis fazendas. (foto acima de Sérgio Mourão) A diferença é que o café colonial mineiro é realmente um café com o objetivo de mostrar e valorizar os produtos artesanais feitos em Minas Gerais.

Para montar uma mesa de café colonial mineiro esses produtos não pode faltar nunca na mesa
1 - Café e leite: Valorize o café plantado e colhido em sua cidade, bem como o leite também. Leite cru, fervido é o ideal. Se não tiver cafezais em sua cidade, compre café, mas que seja de Minas Gerais, até porque, o melhor café do Brasil é de Minas. Café bom é aquele torrado e moído na hora, coado em coador de pano e adoçado com rapadura.
2 - Pão de Queijo e Biscoito de Queijo: Impossível não ter um café colonial em Minas com pão de queijo e biscoito de queijo. São nossas identidades. (foto de Saulo Guglielmelli em Passa Tempo MG)
3 - Queijo. Quem vem à Minas ou é de Minas, não resiste ao queijo. Mineiro se ver um queijo rolando morro abaixo,corre para pegá-lo. É uma ofensa para um mineiro não ter queijo num café colonial. Prefira os queijos fabricados em sua cidade.
4 - Doces. Onde tem queijo, tem que ter doce. Não pode faltar doce de leite, de mamão, de figo e claro, goiabada. Não tem quem não resista combinar esses doces com queijo.
5 - Pães e roscas. Faça pão de sal caseiro e coloque na mesa, bem como as roscas de leite condensado, de coco e a famosa rosca Rainha.
6 - Broas. Broa de fubá com queijo é deliciosa demais. As broas de milho no café colonial, por exemplo, broa Caxambu (na foto abaixo), ninguém vai resistir. As broinhas de fubá de canjica são deliciosas para um café. 
7 - Bolos e Bolinhos. Num café colonial tem que ter bolo, principalmente o bolo de fubá. Esse não pode faltar. Prepare um bolo de fubá na forma tradicional, assado no fogão a lenha, na chapa com brasa. Coloque o bolo na fôrma sobre a mesa. (na foto abaixo de Carias Frascoli) O cheirinho de fazenda desse bolo é indescritível!
Bolo de mandioca cremoso é ótimo, bem como bolo de farinha de trigo e bolo de cenoura com calda de chocolate.
E os bolinhos? Bolinho de Chuva, bolinho de arroz e bolinho de queijo tem que ter na mesa.
8 - Farofa e Fubá Suado. Mineiro adora farofa. Já ouviu falar do Mineiro de Botas? É uma farofa de queijo. Pode fazer que é bom. Experimente fazer o Fubá Suado. Os mais antigos lembram desse prato. Para o café da manhã dá uma energia enorme.
9 - Biscoitos. Mineiro adora biscoito de polvilho, seja salgado ou doce, frito ou assado. Não pode faltar na mesa.
10 - Milho. O milho faz parte da nossa culinária desde o povoamento do nosso Estado. Milho cozido com manteiga caseira tem que ter. Mingau de milho verde não pode faltar e claro, pamonha nem precisa dizer porque né?
Esses 10 itens não podem faltar num café colonial. Prepare uma mesa bem bonita, com forro feito com bordados de sua cidade. (na foto acima de Nilza Leonel nossos tradicionais doces) Decore com vinhos, licores, sucos naturais e artesanatos locais. O objetivo do café colonial é mostrar os produtos de sua cidade e região. Uma mesa assim ninguém irá resistir não é? Texto de Arnaldo Silva 

Nenhum comentário:
Faça também comentários