Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Aiuruoca das cachoeiras, da Isis Valverde e do Azeite

(Por Arnaldo Silva) Aiuruoca é uma encantadora e aconchegante cidade do Sul de Minas Gerais, com pouco mais de 6 mil habitantes, a 416 km de Belo Horizonte. Cidade rica em histórica, em belezas naturais, com um artesanato riquíssimo, bem como sua culinária, valiosíssima!
         O povoamento da região começou em 1692, sendo o arraial que deu origem à cidade de Aiuruoca, fundado em  1706 por  João Batista Siqueira. (fotografia acima de Gilberto Furriel) É uma das mais antigas povoações de Minas Gerais e guarda ainda relíquias do tempo do período colonial como seu belo e preservado casario dos século 18, 19 e início do século 20, igrejas, em especial a de Nossa Senhora da Conceição, uma das primeiras igrejas a ser erguidas em Minas. 
Aiuruoca (na foto acima de Marlon Arantes) é uma cidade pitoresca, casario atraente e bem conservado, um povo bom, hospitaleiro, muito simpático. A paisagem de Aiuruocano é de tirar o fôlego, sendo o município é um dos principais pontos de Ecoturismo da Região da Mantiqueira. São 82 cachoeiras, algumas muitos famosas pela beleza e pureza de suas águas como a cachoeira do Tombo, da Usina Velha, do Meio e a dos Garcias. O Pico do Papagaio, que fica no Parque Estadual da Serra do Papagaio a mais de 2 mil metros de altitude, é outro grande atrativo do município. Considerado um dos melhores lugares do Brasil para o Ecoturismo, quem vem a Aiuruoca faz questão questão de conhecer o Pico do Papagaio. A vista é impressionante e a beleza e em redor também.  Além do Parque, por todo o município pode se ver serras, montanhas, matas nativas de araucárias e outras espécies da Mata Atlântica, além de trilhas, que a cada dia mais atraem turistas, trilheiros e amantes da natureza para a cidade. 
É em Aiuruoca, na Serra do Itatiaia,  que está a nascente do Rio Aiuruoca, que nasce a 2.450 metros de altitude. É a mais alta nascente do Brasil.O Rio Aiuruoca tem sua foz no Rio Grande, próximo a Madre de Deus de Minas, na região do Campo das Vertentes. (na foto de Gilberto Murriel, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição)
Isis Valverde
Isis Nable Valverde ou simplesmente, Isis Valverde, nasceu em 17 de fevereiro de 1987 em Aiuruoca. Aos 15 anos, mudou-se para Belo Horizonte, vivendo com os tios onde estudou e morou por 3 anos. Com 18 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, para trabalhar como modelo e atriz. Isis Valverde tem orgulho de dizer que é mineira e de Aiuruoca para o mundo todo. É presença constante na cidade, onde tem amigos e parentes. Além de ir sempre à sua terra natal, vem acompanhada de outros amigos, artistas também. Isis tem orgulho de ter nascido em Aiuruoca, gosta de sua cidade e nunca perde a oportunidade de mostrar as belezas de sua terra em suas redes sociais. 

O que fazer em Aiuruoca?
Para atender aos visitantes que a cada dia cresce, a cidade uma ótima rede hoteleira e gastronômica, com excelentes pousadas e restaurantes simples e também sofisticados. 
Festas são constantes na cidade, em especial, festividades religiosas como como a Semana Santa, comemorada desde 1717, a  Folia de Reis (na foto acima, de Marlon Arantes), o Carnaval, que é um dos mais badalados da região Sul de Minas. Durante o ano acontece vários outros eventos culturais, gastronômicos e religiosos que movimenta a cidade e atrai turistas.
A cidade é pequena, mas opções de lazer e o que fazer não falta. Mesmo quando você não está fazendo nada, tem algo a fazer, como sentar, relaxar e contemplar a beleza da natureza em volta. Ou mesmo, num quarto das aconchegantes e charmosas pousadas do município, como a Pousada Canto do Papagaio, (na foto acima de Marlon Arantes).
Perto desta pousada tem a Cachoeira dos Garcias. (na foto ao lado de Jerez Costa) A queda é pequena, uns 30 metros mas a água é fria, cristalina, bem limpa que forma um delicioso poço, ótimo para um mergulho. O local é todo rodeado por mata nativa e tem uma ótima estrutura para receber os turistas. Além de pousadas, tanto na cidade, quando na zona rural podem ser encontrados restaurantes com culinária típica de Minas e com pratos especiais da região como a famosa Truta da Mantiqueira, o queijo Prato, tradicional da Mantiqueira, biscoitos assados no forno a barro e outras delícias da nossa cozinha. 
Uma outra dica é o Vale do Matutu. É um bairro que fica a 17 km do centro da cidade. Envolto à montanhas, com lindas cachoeiras se destacando a cachoeira das Fadas, paisagens com com matas nativas, bosques e matas de araucárias por todo o Vale, além de ser um santuário ecológico, é um santuário místico, muito procurado para meditação, yoga e convívio pleno com a natureza. No Vale está ofamoso Casarão do Matutu (na foto acima de Marselha Rufino), uma construção de 1904 bem preservada, que faz parte do patrimônio histórico de Aiuruoca. Funciona hoje como centro de informações aos visitantes, sendo também sede da Associação de Moradores e Amigos do Matutu (AMA). 
Na cidade, acontece todos os domingos pela manhã e também nos feriados, a tradicional feirinha da praça. (foto acima de Marlon Arantes) O visitante pode conhecer na feira os produtos típicos da região como sua culinária e produções agropecuárias como cachaças, licores, queijos, conservas, doces, ovos, frutas e verduras direto da roça, sem agrotóxicos, etc., além do artesanato local que é finíssimo, muito bem trabalhado, principalmente o artesanato em madeira. 
Azeites Olibi
A região da Mantiqueira vem se destacando no mundo inteiro pela produção de azeites de qualidade. Temperatura amena, altitudes, clima, chuvas regulares, favorecem o cultivo das oliveiras. E em Aiuruoca não é diferente. A 1300 metros de altitude, a 10 km do centro da cidade, na zona rural do bairro Capoeira Grande, está a fazenda de Azeite Olibi (na foto acima Olibi/Divulgação). O local é perfeito para o cultivo das oliveiras: solo arenoso e inclinado, além de uma paisagem que impressiona.São 13 hectares de oliveiras plantadas, produzindo frutos semelhantes ao que se vê nos países europeus tradicionais na produção de azeites. Por isso o azeite Olibi, de Aiuruoca, é considerado um dos melhores do mundo, pela similaridades com os famosos azeites portugueses, espanhóis, italianos e gregos.
Tanto a colheita, como a seleção das azeitonas são manuais, feitas por profissionais treinados, o que garante frutos de qualidade na produção de um azeite extravirgem de qualidade superior e com muitos polifenóis que são substâncias presentes nas plantas, que ajudam a proteger nosso organismo contra algumas doenças e no combate ao envelhecimento. (fotos acima e abaixo da Fazenda Olibi/Divulgação)
Em torno da fazenda de Azeite ou próximas, tem várias pousadas Ao se hospedar numa delas, o visitante pode fazer um passeio pelos olivais da Fazenda de Azeite Olibi, que é aberta a visitação guiada. Basta agendar. O visitante pode andar pela fazenda, conhecer os projetos de preservação ambiental e conhecer os olivais. Para fazer a visita, cobra-se entrada, que dá direito a crédito na compra de uma garrafa de azeite. Quem quiser conhecer a fazenda, pode fazer as reservas: (35) 99983-0957 | (35) 99984-7696. Mais informações sobre o azeite, visitem o site da Olibi:http://www.olibi.com.br/
Reportagem publicada originalmente 03/10/2018, revisado em 3/03/2020. Proibida a reprodução da matéria e fotos total ou em parte, sem autorização formal do editor da Conheça Minas, Jornalista Arnaldo Silva

2 comentários:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores