sexta-feira, 31 de março de 2017

10 menores cidades para se viver no Sul de Minas

Compartilhe:

O estado de Minas Gerais tem 853 municípios e dezenas de cidades (são 60) têm menos de três mil habitantes. No Sul de Minas, 10 estão nesta situação e são as menores cidades para se viver na região, segundo dados do IBGE.
A menor cidade do estado, em população, é Serra da Saudade, com 786 habitantes. Já no Sul de Minas, a menor cidade é Senador José Bento, que tem 1.545 moradores, seguida de Consolação, com 1.1782, e Seritinga, que tem 1.848 habitantes (Na imagem acima, foto arquivo da Prefeitura Municipal/Divulgação). Depois, a menores cidades já têm mais de 2.000 moradores (veja relação completa no ranking e um resumo das dez cidades abaixo.)
     Estes municípios, cada vez mais, atraem turistas, que veem na particularidade do tamanho e nas características dos moradores, que vivem de forma simples e mais natural, distante de grandes centros e a rotina agitada, como o trânsito, a correria do trabalho, além de tanta tecnologia, como algo a ser apreciado e uma maneira de sair da rotina estressante dos grandes centros.
     Senador José Bento, Consolação, Seritinga, Serranos, Passa-Vinte, São Sebastião do Rio Verde, Fama, Wenceslau Braz, Olímpio Noronha e Alagoa não estão em posição de destaque no Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) da edição de 2014. Das dez menores cidades do Sul de Minas, a melhor colocada é São Sebastião do Rio Verde, que aparece em 85ª lugar no estado, com nota de 0,7593, e 747ª lugar no Brasil. A média dos índice dos municípios é de 0,6501. Quatro dos dez municípios têm índice menor que a média, sendo que Serranos tem a menor nota: 0,5670 
     O turismo é um caminho que os pequenos municípios tentam trabalhar para melhorar as condições de vida da população, atrair empregos e dinheiro para que, consequentemente, as cidades também melhoram.
Veja o resumo das 10 cidades
1ª) Senador José Bento
Com 1.545 habitantes em 2018, segundo o IBGE, Senador José Bento (na foto acima de Edison de Oliveira/Divulgação) começa sua história em 1922, quando foi criada a Colônia Agrícola Padre José Bento. Seu objetivo era abrigar colonos de diferentes nacionalidades, que junto com os lavradores locais deram origem a um povoado que foi elevado a município em 1962, com o nome de Senador José Bento em homenagem ao padre que formou o povoado. Cidade simples, mas acolhedora e dentre seus atrativos estão a Cachoeira da Tronqueiras, o Pico da Bela Vista e a Casa do Artesão. As festas de São Sebastião e de São Benedito são destaques no calendário de eventos do destino e atraem grandes quantidades de devotos e turistas 
2ª ) Consolação
Com 1782 habitantes, Consolação (na foto acima de Rosana Costa/Divulgação)  tem no setor primário o ritmo de vida das pessoas, que vivem em um ambiente tranquilo e hospitaleiro. Na cidade o turista tem a oportunidade de conhecer o modo de vida tipicamente mineiro, experimentar boa comida e conhecer seus atrativos naturais e culturais. Destaque para a Cachoeira do Urubu, a Gruta do Zé Teixeira, a Pedra da Independência, a Serra do Caçador e a Serra do Bairro Cascavel. A cidade oferece, como atrações, a Festa da Padroeira, com uma semana de quermesse, a encenação da Semana Santa, a Festa Junina e o Aniversário da cidade, com desfile de cavaleiros, gincanas e competições esportivas.
3ª) Seritinga
Com 1848 habitantes, segundo o IBGE em 2018, a cidade de Seritinga (na foto acima de Átila Vilela Vitolo Nascimento/Divulgação)  se formou no início do século XX com instalação da antiga ferrovia que ligava as cidades de Aiuruoca à Liberdade, ferrovia esta que foi desativada em 1977, porém, ainda resta na cidade a antiga estação ferroviária, conservada com muito orgulho pelos seritinguenses. A cidade possui alguns atrativos turísticos, principalmente para quem gosta de apreciar a natureza, como por exemplo a cachoeira do Galvão, as prainhas do rio Aiuruoca e do Rio dos Franceses, a tradicional festa de aniversário da cidade que acontece na passagem do ano, e a linda praça Sete de Setembro.
4ª) Serranos
Segundo o IBGE, a Serranos (na foto acima de Dalton Maciel/Divulgação) contava com 1970 moradores em 2018. O aspecto geral desta pequena cidade do Sul do estado é montanhoso, tendo inclusive sua sede municipal está a 1.009 metros acima do nível do mar e a igreja matriz está a 950 metros de altitude. O turismo religioso é uma atração da cidade. A paróquia de Serranos fica lotada a cada ano, quando chega setembro e com ele o dia do jubileu. Trata-se de uma imensa massa de fiéis, que a cada ano aumenta, que vão à paróquia para se beneficiar das Indulgências. À noite, no Desfile processional, a Praça da Matriz é aclamada em hinos de aclamações à Maria. Destaque também para a Cachoeira dos Dantas, do Juarez e do Ademazinho, pela beleza natural típica da região.
5ª) Passa Vinte
Passa Vinte (na foto acima de José Valter Maia/Divulgação) com 2048 habitantes, segundo o IBGE em 2018, é uma típica cidade mineira de interior. Lugar calmo, de clima ameno, está localizada no começo da Serra da Mantiqueira, a 160 km de Juiz de Fora. Sua altitude de 737 metros confere ao município um clima tropical de altitude típico de planaltos e serras. É ótimo para quem admira as montanhas e gosta do contato com o ar puro. A economia é baseada na agropecuária. O plantio do milho é predominante na produção agrícola sendo que a pecuária constitui-se da criação de gado leiteiro. Destaque também para várias cachoeiras que há no município, como a de Carlos Euler e as Corredeiras.
6ª) São Sebastião do Rio Verde
Melhor das 10 cidades para se viver, segundo os dados do IFDM, São Sebastião do Rio Verde (na foto acima de Roger Nogueira/Divulgação), com 2231 habitantes, segundo o IBGE em 2018, está em uma localização privilegiada, próximo à divisa com São Paulo e Rio de Janeiro. No inverno, noites frias, lindas manhãs e dias de céu azul proporcionam momentos ao sabor de pratos mineiros típicos, doces, queijos e intensa atividade artesanal, como bordado, crochê, barbante, palha e confecção de bonecas de pano. Nas ruas, sensações de tranquilidade, de natureza exuberante, de paisagens montanhosas.
O município apresenta como atrativo natural o Rio Verde, situado na área urbana, propícia à prática de atividades como canoagem e pescaria, possuindo, também, pequenas praias que possibilitam a natação. No Centro da cidade, Igreja São Sebastião, Fórum Antigo, casas em estilo colonial, fazendas da época dos escravos e fabricantes de carros de boi.
7ª) Fama
Em 1948, Fama (na foto acima de Leonardo Bueno/Divulgação) era elevada à categoria de Município, independente do de Paraguaçu. Hoje o município conta com 2379 moradores, segundo o IBGE em 2018. Em 1962, foi construída a gigantesca Usina Hidroelétrica de Furnas, deixando submersa grande parte da cidade de Fama, ficando assim o município dividido pelas águas, ficando de um lado Zona Urbana e de outro a Zona Rural.
Todavia, o caráter decidido e o espírito de fé dos famenses fizeram com que as dificuldades fossem pouco a pouco sendo superadas. Tem forte ligação ao turismo, produção rural e a economia agrícola. Por sua vez reúne características bastante significativas no que se refere à prevenção de recursos naturais, pois retém uma grande parcela do lago de Furnas, abrigando uma considerável bio diversidade. Mas seu maior patrimônio natural consiste no relevo de modo geral suave, e de grande manancial hídrico.
8ª) Wenceslau Braz

Está a 1.005 metros acima do nível do mar e tem seu limite com Itajubá, Delfim Moreira Piranguçu. A Vila de Bicas do Meio, como era chamada quando ainda era distrito de Itajubá, o nome vem da origem de três cachoeiras na região. De clima subtropical, destaques para as Serras do Quilombo e Paiol, além do Alto da Onça e Alto do Alambique. Destaque também para sua densa vegetação, composta por araucárias, jacarandás e madeiras de lei. Em 1964, já como município, passa a se chamar Wenceslau Braz em homenagem ao ex-presidente do Brasil, Wenceslau Braz Pereira Gomes. O município contava com 2558 moradores em 2018, segundo o IBGE.(a imagem acima foi extraída do site da Câmara Municipal:https://www.camarawenceslaubraz.mg.gov.br/historia-de-wenceslau-braz)
9ª) Olímpio Noronha
Origem do atual município deve-se à construção da estação ferroviária Santa Catarina numa das propriedades de Olímpio Noronha.São Sebastião é o protetor do gado. Por isso, sua festa é precedida de leilões de novilhos e leitões para as obras sociais da paróquia. A origem do atual município deve-se à construção da estação ferroviária Santa Catarina numa das propriedades de Olímpio Noronha, zona rural de Cristina. Como a estação era um centro de referência para o lugar, à sua volta desenvolveu-se o povoado que, devido aos atos de bravura de Olímpio Noronha na Guerra do Paraguai, passou a ter o seu nome. Em 1948, o lugarejo foi elevado a distrito de Cristina e, em 1962, cria-se o município. Destaque para Cachoeira da Usina e a Estação Ferroviária da cidade, dois pontos turísticos para quem visita essa charmosa cidade. O município contava com 2765 moradores em 2018 segundo o IBGE. (foto acima, Prefeitura Municipal/Divulgação)
10ª) Alagoa
Alagoa pertence a Associação das Terras Altas da Mantiqueira, primeiro circuito turístico de Minas Gerais, é a cidade mais alta da região e tem uma cervo ecológico praticamente intocável. Destaque os pontos turístico Fazenda do Charco, as cachoeiras Zé Pena, Ouro Fala, Falcão e Serra dos Borges, bem como a nascente e as corredeiras cristalinas do Rio Aiuruoca. Reconhecida pela Unesco como ‘Reserva da Biosfera’, Alagoa é também conhecida pelo queijo parmesão produzido pela população da Zona Rural, sendo a região que abrange o município considerada ‘Terra do Queijo Parmesão’. Alagoa contava com 2683 moradores em 2018, segundo o IBGE.(a foto acima foi enviada Osvaldo Filho, proprietário da empresa Queijo D´Alagoa)
-------------------------------------------------------------
Fonte:http://www.sulminas146.com.br/conheca-as-dez-menores-cidades-para-se-viver-no-sul-de-minas/ As fotos são inserções nossa, bem como a atualização da matéria.

17 comentários:
Faça também comentários
  1. Amo essas Serras Verdes! Consolação é minha terra natal.O meu presépio encantado!

    ResponderExcluir
  2. Dessa lista, eu já estive em Consolação, a conheci percorrendo o Caminho da Fé, realmente muito pitoresca, Senador José Bento só vi de longe entre as montanhas quando passei por Poços de Caldas, faltou Tocos Do Moji, que também é muito pequena...

    ResponderExcluir
  3. Na verdade, nossa Minas Gerais, o viajante que quiser descobrir raridades, como belas cachoeiras e uma beleza indescritível de suas montanhas, a tradicional comidinha mineira e o jeito mineiro de ser, tem que percorrer essas citadas cidades e muito mais.

    ResponderExcluir
  4. Faltou a minha querida Delfim Moreira pequena e encantadoura. Cidade que amo muito muitóooooooo

    ResponderExcluir
  5. Nas informações de Wenceslau Braz a cidade também faz divisa com Pirangucu/MG.

    ResponderExcluir
  6. Amo sul de Minas .
    Moro em Monte Verde .
    Paraíso , este lugar !!!!!!
    Nada é igual . NADA .

    ResponderExcluir
  7. Eu acrescentaria a cidade de Gonçalves... Linda.

    ResponderExcluir
  8. Natércia!!!tbm uma cidade mto boa p visitar!!

    ResponderExcluir
  9. Eu colocaria S.José do Alegre .Uma cidade calma e acolhedora .

    ResponderExcluir
  10. Lindas e charmosas, mas será que tem infraestrutura? Hospitais, escolas?

    ResponderExcluir
  11. E não demora, o trem turístico entre S.Sebastião do Rio Verde e São Lourenço começa a circular(previsão até o fim desse ano) trazendo(e levando) mais mineirice para essas localidades, afinal em Minas tudo é trem.

    ResponderExcluir
  12. Adoro São Lourenço passear na Maria Fumaca.Pocos de Caldas esta moda no meu coração.Adoro as noite e manhãs de inverno.Afumaca saindo d xícara de café co leite o pão de queijo wuentinqu.Bom demais da conta!!!!!?

    ResponderExcluir
  13. Ainda quero conhecer serra da saudada.tomar um sorvete lá na praça

    ResponderExcluir
  14. Ainda quero conhecer serra da saudada.tomar um sorvete lá na praça

    ResponderExcluir