Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

quinta-feira, 1 de julho de 2021

Luminárias: história, turismo e culinária

(Por Carlos Alberto Eugênio Júnior) Localizada na região do Campo das Vertentes, Luminárias é uma pequena cidade do interior de Minas Gerais, atualmente, o município possui uma população estimada em 5.500 pessoas (IBGE 2020). 
          A cidade se encontra na Região do Campo das Vertentes, a cerca de 303 km de Belo Horizonte. Faz divisa com os municípios de Ingaí, Carmo da Cachoeira, São Bento Abade, São Tomé das Letras, Carrancas, Itutinga, Cruzília e Três Corações. A rota mais comum até Luminárias consiste em pegar a BR-381 até Lavras e de lá seguir pela rodovia MG-Lavras/Luminárias. (na foto acima, vista aérea de Luminárias: Prefeitura Municipal/Divulgação)
          Os antigos mapas da região apontam a Serra das Luminárias e o Ribeirão das Luminárias como importantes referências quanto à localização da comunidade luminarense, nome que, por sua vez, possui sua origem na famosa narrativa a respeito da aparição dos misteriosos pontos luminosos na Serra das Luminárias (na foto acima, arquivo Prefeitura Municipal). 
          A comunidade luminarense se consolidou a partir da metade do século XVIII, quando Maria José do Espírito Santo (Matriarca luminarense) permitiu a construção da Capela do Carmo (na foto acima de Márcio Flávio) em um terreno de sua propriedade (Fazenda das Luminárias, 1794). Atualmente a Capela do Carmo é carinhosamente chamada de “Igreja Velha” e recebe as celebrações católicas do município.
          Em 1840 se criou o Distrito de Luminárias pela lei 167/1840, já em 14 de novembro de 1873 foi criada a Freguesia de Nossa Senhora do Carmo das Luminárias. 
          A denominação “Luminárias” foi instituída em 01/01/1926, suprimindo “Carmo das” e estabelecendo apenas “Luminárias” como nome oficial do Distrito. E, finalmente, em 1949, Luminárias saiu da condição de Distrito e passou a ser um município emancipado. 
          Nessa época outro fato interessante, narrado em Memórias Iluminadas (Gonçalves e Morais, 2008, p. 68), que chama a atenção, foi a tentativa de retirar "Luminárias" do nome da cidade. 
          Isso ocorreu na metade do século XX, na época foi criada uma comissão de cidadãos luminarenses que foram até Lavras e conseguiram evitar a perda do nome da cidade na justiça. O mais interessante é que nunca se soube ao certo o verdadeiro motivo para a tentativa de mudança da nomenclatura do município.
          Atualmente, Luminárias se apresenta como uma típica cidade do interior de Minas Gerais. Rodeada por Serras, Grutas, Rios e Cachoeiras, a cidade ainda guarda suas histórias e cultura.
À beira do Fogão
          A culinária luminarense se destaca pelos pratos típicos e pela diversidade. A cidade oferece além da típica comida no Fogão à lenha, pratos diferenciados e que promovem uma experiência incrível. Entre eles se destacam: o Macadame e Fruta-de-lobo (lobeira).
          O Macadame é um prato exclusivo de Luminárias, em Minas Gerais. Pesquisas realizadas nesse sentido mostraram que preparado da forma que fazemos aqui e com este nome, é uma singularidade “Luminarense”. (na foto acima da Prefeitura Municipal/Divulgação, o Macadame tradicional)
          O Macadame consiste no cozimento de vários ingredientes fáceis e cotidianos, no início o prato basicamente era composto de arroz, feijão e macarrão. Com o passar do tempo outros ingredientes foram acrescentados à receita, como carnes etc. 
          Essa mistura traz consigo memórias da infância, uma gama de sabores, cheiros e lembranças de um povo que constrói e reinventa sua própria história. 
          Em 2020 foi promovido no município o primeiro concurso de Preparo de Macadame em Luminárias, além valorizar e instituir o Macadame enquanto elemento importante da cultura local, o evento abriu espaços para várias cozinheiras e cozinheiros locais mostrarem a diversidade de interpretações de um prato típico sem se distanciar da receita tradicional. (na foto acima do Recanto Pé de Serra, onde normalmente se encontra o tradicional prato Macadame.
          Outra preciosidade da gastronomia luminarense é o preparo e consumo da lobeira (Solanun  lycorpapum) também conhecida por fruta-de-lobo e guarrambá. (na foto acima, arquivo da Prefeitura Municipal)
          Em tempos mais antigos a fruta da lobeira era considerada venenosa, e pouco apreciada pelas populações locais, contudo, atualmente sabemos que além de não possuir veneno trata-se de um alimento riquíssimo, sendo além de calmante, um alimento que combate a diabetes, epilepsia e hepatite “porém é um fruto laxativo se não preparado de forma correta, tem que estar maduro e serem retiradas as sementes antes de seu consumo”, afirma o Chef Idolo Giusti. 
          Em Luminárias, o consumo da Fruta-de-lobo é relatada por simples pescadores e aventureiros locais, e, atualmente, também pode ser encontrada na culinária do Chef Idolo Giusti (na foto acima, cozinhando na Estalagem Casarão da Barra/Foto arquivo Prefeitura Municipal) que prepara a fruta como um prato único e regional de áreas de cerrado acompanhados com costelinha ou em doces compotas e geleias, isso acompanha o conceito da típica comida mateira, utilizando ingredientes disponíveis na natureza e técnicas especiais. 
          Além da Fruta-de-lobo e do cardápio mateiro, também oferece Hidromel e Vinho artesanal, produzidos pelo chef , além da tradicional cachaça luminarense.
          Depois de conhecer e se deliciar com a gastronomia local, é possível conhecer as dezenas de patrimônios naturais e culturais de Luminárias. 
          Entre os patrimônios naturais se destacam as famosas cachoeiras da Pedra Furada (na fotografia acima de João Gilberto), Mandembe e Poço das Esmeraldas, Cachoeira da Serra Grande, o Pico do Gavião, o Pico da Asa Delta, a Serra das Luminárias, o Estreito do Inferno e o Pico do Cruzeiro (na fotografia abaixo de João Gilberto). 
          Entre os patrimônios históricos e culturais Luminárias ainda guarda verdadeiras pérolas, a Igreja Velha, a Casa da Cultura, as ruínas da Usina da Fumaça, o Mirante do Cristo e a Praça dos Expedicionários (na fotografia abaixo de João Gilberto). Nesta praça, uma escultura em homenagem aos seis heróis luminarenses que lutaram na Segunda Guerra Mundial (1939/1945).
          Para conhecer todas essas maravilhas, uma dica essencial é dar uma passadinha no Receptivo Turístico Municipal. Localizado na Praça Nossa Senhora do Carmo, o Receptivo funciona de Domingo a Domingo como um ponto de apoio e informação ao turista e ao luminarense. (na fotografia abaixo de autoria de Josias Felipe, a sinalização turística em Luminárias)
          Para maior segurança e otimização dos passeios é fundamental estar acompanhado de um guia/condutor local. A cidade possui diversas empresas e condutores devidamente qualificados capazes de promoverem uma experiência segura e mais completa em todos os nossos atrativos naturais e culturais. Vem viver Luminárias!

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores