Tecnologia do Blogger.

terça-feira, 14 de abril de 2020

Biribiri: charme, natureza e história

(Por Arnaldo Silva) Uma bucólica, charmosa, atraente e histórica vila mineira, inserida no interior dos 17 mil hectares do Parque Estadual do Biribiri, criado em setembro de 1998, na Serra do Espinhaço. Essa área, protegida pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) abriga uma rica flora nativa, bem como espécies de nossa fauna como o gambá, jandaia-da-testa-vermelha, a codorna-mineira, o capacetinho-do-oco-do-pau, o pica-pau-da-cabeça-amarela, a onça-parda, o lobo-guará, o carcará, o gavião do Cerrado, dentre outras espécies. (foto abaixo de Elvira Nascimento)
Esse lugar, rodeado por exuberante natureza como a cachoeira da Sentinela e a dos Cristais, cujas rochas foram cortadas com talhadeiras em busca de diamantes no auge da mineração são os principais atrativos naturais. Tem ainda o Poço da Água Limpa e o Poço do Estudante, matas nativas com trilhas, o caminho calçado por escravos, cascatas diversas e rios, como o Rio Biribiri, que moveu as turbinas de uma hidrelétrica gerando energia para o casario e fábrica de tecidos que funcionava na região.
Esse lugar de beleza cênica é Biribiri, a 15 km de Diamantina, no Alto Jequitinhonha, a 290 km de Belo Horizonte. (foto acima de Elvira Nascimento)
O termo biribiri tem vários significados. É uma fruta da família da carambola. É também um peixe nativo da região Amazônica e para os africanos, é um tambor de guerra e buraco grande pelos antigos na linguagem indígena tupi-guarani. (fotos acima de Elvira Nascimento a Cachoeira do Sentinela e abaixo, Cachoeira dos Cristais)
 Para os mineiros, é uma das mais lindas vilas que temos. A vila foi construída no final do século XIX, em 1876, com igreja e moradias em estilo colonial, para abrigar funcionários da Companhia Industrial de Estamparia, uma antiga fábrica de tecidos, hoje desativada. Em Biribiri a vida passa tão devagar que parece que o lugar parou no tempo. (foto abaixo da Maria Pereira) 


Quando de sua construção e em plena atividade, contava com 32 casas habitadas, uma escola, um clube, uma usina hidrelétrica, igreja e uma população de cerca de 600 pessoas. Com a extinção da estrada de ferro na região, na década de 1970, a fábrica entrou em declínio, fechando suas portas. Com o fechamento da tecelagem, seus moradores foram embora, em busca de emprego em outras cidades. A vila chegou a ficar completamente desabitada. Ficou a história e a beleza do casario e igreja da Vila, tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), mantido pela Cia Estamparia como museu vivo da história de Minas Gerais, garantindo assim a preservação do patrimônio. 

A vila (na foto acima de Raul Moura) hoje é completamente vazia, com a presença de alguns vigilantes e poucos moradores, que conta-se nos dedos. Por isso é chamada de “vila fantasma”. Sua história e o charme do seu casario, além das belezas naturais envoltas à vila, atraem visita de turistas que vem ao local conhecer o charme, sossego e paz que Biribiri proporciona, além de contemplar a beleza de suas cachoeiras e paisagens, além da própria vila. Em Biribiri tem um bar que serve deliciosos tira gostos e um restaurante, com comidas típicas mineiras.
Em Diamantina (na foto acima de Elvira Nascimento) existem guias que acompanham turistas até a vila, bem como pousadas e hotéis para os turistas se hospedarem.

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores