Tecnologia do Blogger.

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

A Vila do Príncipe do Serro Frio

(Por Arnaldo Silva) A povoação no que é hoje a cidade do Serro começou em 1701, recebendo o nome de  "Arraial do Ribeirão das Minas de Santo Antônio do Bom Retiro do Serro do Frio" em 1702. Em 1714 é elevada a Vila pelo governador Brás Baltasar da Silveira.com o nome de Vila do Príncipe. Em 1720 é elevada a sede da comarca, com o nome de Serro do Frio e por fim, à cidade, em 1838, já com o seu nome atual, Serro. (fotografia acima de Tom Alves/Tomalves.com.br)  
É uma das mais antigas povoações de Minas Gerais e uma das mais importantes cidades do Caminho dos Diamantes e Estrada Real, graças a sua história e as minas de ouro e diamantes que atraíram bandeirantes e portugueses no século XVIII.(na foto acima de Tiago Geisler, vista parcial do Serro) A presença dos bandeirantes paulistas e portugueses deixou como herança uma arquitetura inigualável, simples, singela e muito rica em detalhes e história. A beleza de seu casario, suas belas igrejas, suas ruas traçadas no auge do Ciclo do Ouro, nos tempos do Brasil Colônia, impressionam pela riqueza dos seus traçados, bem como pela simplicidade da arquitetura colonial e barroca mineira.
Famosa por seu queijo, de fama internacional, o Serro fica a 320 km distante de Belo Horizonte, no Alto do Jequitinhonha.  (foto acima de Tiago Geisler) Faz divisa com os municípios de Diamantina, Datas, Presidente Kubitschek, Sabinópolis, Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Couto de Magalhães de Minas, Santo Antônio do Itambé, Serra Azul de Minas e Rio Vermelho. Segundo o IBGE, 21,966 pessoas vivem no município atualmente.
Além de sua riqueza arquitetônica e história, o Serro guarda tradições folclóricas e religiosas, preservadas há mais de 300 anos, bem como sua rica culinária, tipicamente mineira, como o pão de queijo, requeijão, doces e os pratos típicos mineiros e ainda o queijo do Serro, registrado como Patrimônio Imaterial de Minas Gerais em 2002, pelo Iepha e Patrimônio Imaterial do Brasil, em 2008, pelo Iphan. (foto acima de Tiago Geisler o queijo do Serro e abaixo, a tradicional Festa de Nossa Senhora do Rosário)
Pelos 1.217,645 km² do Serro, encontramos serras, morros, rios e cachoeiras, além de pitorescos e charmosos distritos, com um rico acervo arquitetônico, cultural e histórico. Dotados de uma beleza ímpar e uma simplicidade que impressiona, os distritos serranos são dotadas de uma paz e tranquilidade que somente as vilas mineiras proporcionam.
O município do Serro é formado por pequenos povoados, comunidades quilombolas (na foto acima de Tiago Geisler, Mata dos Crioulos) como o Quilombo Baú, Quilombo Ausente, Quilombo Vila Nova, Quilombo Queimadas, Quilombo Fazenda Santa Cruz e pelos distritos de Milho Verde, São Gonçalo do Rio das Pedras, Mato Grosso, Monjolos, Três Barras da Estrada Real e Capivari. A cidade e alguns distritos, possuem ótima estrutura para receber os turistas como guias, hotéis e  pousadas.
Conheça os distritos do Serro:
Milho Verde
O mais famoso distrito do Serro é Milho Verde. Uma pequena vila, charmosa, pitoresca, harmonizada pela simpatia e hospitalidade de seus moradores. Foi nessa localidade, entre os anos de 1731 e 1735, que nasceu Chica da Silva, escrava e mulher do Contratador de Diamantes João Fernandes de Oliveira. (na foto acima de Raul Moura, a Igreja do Rosário, um dos cartões postais de Minas Gerais)
Milho Verde possui cachoeiras paradisíacas e paisagens encantadoras, bem como seu belo casario e suas belas igrejas como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres (na foto acima, de Raul Moura), onde Chica da Silva teria sido batizada. (na foto abaixo de Norma Bittencourt, a Cachoeira do Moinho)
Monjolos
Também chamado de Pedro Lessa, o distrito de Monjolos, como é mais conhecido, é um pacato vilarejo, com todos os detalhes da simplicidade e tradição das pequenas vilas mineiras. Se destaca entre os distritos serranos por suas belas cachoeiras entre elas, a Carioca, Moinho de Esteira, Cascata do Carioca, Cachoeira do Pimenta e Lajeado que fica no povoado de Boa Vista de Lajes. Pinturas rupestres podem ser vistas em um sítio arqueológico, além da singular Pedra Montada, uma escultura natural, muito procurada pelos turistas.
São Gonçalo do Rio das Pedras
Lembra mais um presépio por sua paz e tranquilidade que transmite. Rico em história e preservando festejos religiosos tradicionais que atraem sempre visitantes, o distrito é o recanto do sossego. Seu casario tem traços coloniais, bem preservados e suas belezas naturais, como várias cachoeiras, são de tirar o fôlego. (foto acima de Raul Moura) 
Mato Grosso
A Vila Deputado Augusto Clementino, popular Mato Grosso, é um local de peregrinação e fé.(foto acima de Thelmo Lins)  A vila com sua igreja, praça e casario tem as características típicas das tradicionais vilas mineiras. Mas não tem moradores. As dezenas de casas do distrito ficam fechadas durante quase todo o ano. O casario só volta a ser ocupado no mês de julho, durante o Jubileu de Nossa Senhora das Dores, um dos mais tradicionais eventos religiosos da região. Em abril acontece na Vila a Festa do Padroeiro, na Capela de São Sebastião e em setembro, a tradicional Festa de Nossa Senhora do Rosário.
Três Barras da Estrada Real
Seu casario colonial se destaca pela simplicidade e seu povo pela simpatia e hospitalidade. As belezas naturais do distrito, em conjunto com sua a calma e beleza arquitetônica é o lugar ideal para quem busca paz, sossego e qualidade de vida num só lugar. (foto acima de Raul Moura)
Capivari
É um dos mais visitados distritos serranos. É em Capivari que está uma das mais belas cachoeiras de Minas, a Cachoeira do Tempo Perdido. É a porta de entrada para o Pico do Itambé, Parque Estadual criado em 1998, mais conhecido como o “teto do sertão mineiro”. Subindo até o topo do pico, são 2.002 metros. A beleza é impressionante! (foto acima e abaixo de Tiago Geisler)
Um dos destaques de Capivari são as flores e seus coletores, o que garante o sustento de muitas famílias, sendo também um dos atrativos para os turistas que visitam Capivari. Além disso, a charmosa vila tem um belo e simples casario, com um povo carismático, bem simples e trabalhador. Dão valor enorme ao trabalho que fazem com a coleta de flores e seu artesanato, além de preservarem sua fé e tradições religiosas.
O Serro te espera para uma visita. (foto acima de Tiago Geisler) Na cidade o visitante pode contratar os serviços de guias especializados para poder conhecer melhor e aproveitar mais as belezas arquitetônicas, culturais, naturais e gastronômicas serrana. Caso queira mais informações, o telefone da Secretaria de Cultura e Turismo do Serro MG é (38) 3541-2754 
Como chegar ao Serro
Acessos MG-010, BR259, BR381, BR120 (foto ao lado de Elvira Nascimento)
Horários de Ônibus de Belo Horizonte ao Serro:
- Via Curvelo - Diários, às 7 h; - Às sextas-feiras, às 7 e às 22:15 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.
- Via Serra do Cipó - Diários, às 6 e às 15 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.
- Serro-BH: Via Curvelo - Diários, às 15 h; - Aos domingos, às 13,20 e às 17 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.
- Via Serra do Cipó - Diários, às 6:15 h e 9,30 h; - De 2.ª a 6.ª, às 16 h;
- Diários, vindo de Rio Vermelho, por volta de 8 h; tempo de viagem: 6 h; Viação Serro.
MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ÔNIBUS
- Rodoviária BH - ( 31 ) 3271-3000.
- Rodoviária Serro - ( 38 ) 3541-1366.
- Viação Serro - ( 31 ) 3201-9662 (rodoviária BH); ( 31 ) 3422-6690 (empresa BH).
- Saritur - ( 33 ) 3421-1196 (rodoviária de Guanhães); (31) 3479-4300 (empresa BH); ( 31 ) 3272-8525 (rodoviária de BH).
- Empresa São Geraldo - tel: ( 38 ) 3531-3840 (Diamantina).

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores