Tecnologia do Blogger.

sábado, 23 de novembro de 2019

A história e origem da Folia de Reis

(Por Arnaldo Silva) Antecedendo o Natal, as casas e cidades começam a decorar pinheiros com pisca-piscas, bolas e outros enfeites. Monta-se ainda os tradicionais presépios. Após o natal, grupos de Folia de Reis saem às ruas, visitam casas, cantam e abençoam as famílias. No dia 6 de janeiro termina a festa. Os presépios são desmontados no dia seguinte, sete de janeiro, bem como todas as ornamentações usadas no período, que ficam guardadas para a festa seguinte. (na foto abaixo de Giselle Oliveira, foliões em Diamantina MG, com figurinos criados pelo artista plástico Marcelo Brant)
Essa prática encena o nascimento de Jesus, a fuga de José e Maria para o Egito e a chegada dos Três Reis Magos, Melquior, Gaspar e Baltazar, que chegaram até o local, orientados por uma estrela, segundo consta no capítulo 2, do Evangelho de Mateus. Não existem relatos bíblicos e nem confirmação histórica do nome dos três Reis Magos, que para muitos nem eram reis e muito menos magos, mas sim, astrônomos que estudavam as estrelas. Os nomes são baseados apenas em tradição oral. 
          A chegada dos Três Reis Magos à manjedoura trouxe, além do ouro, mirra e incenso como presentes, a boa notícia de que o perigo tinha cessado e que podiam voltar. Com a visita, Maria e José se tranquilizaram, sentindo-se seguros para retornar. No dia seguinte, sete de janeiro, arrumaram suas coisas e voltaram para sua terra. (na foto de Alexa Silva, Terno de Folia de Reis em Jaboticatubas MG)
          Por esse motivo que depois do dia de Santos Reis, seis de janeiro, os presépios e ornamentações das cidades são desfeitos. Simboliza o ato de Maria em guardar seus pertences e deixar a manjedoura, voltando para sua casa. (na foto abaixo, de Giselle Oliveira, folião usando figurino criado pelo artista plástico Marcelo Brant, em Diamantina MG)
          A encenação dessa passagem bíblica iniciou-se na Idade Média, em 1164, na cidade de Colônia, na Alemanha, devido aos supostos restos mortais dos Três Reis Magos estarem sepultados na Catedral de Colônia. Segundo a crença, os restos mortais dos Três Reis Magos estavam em Constantinopla, na Turquia e foi doado pela Rainha Helena, por volta do início do século V, à cidade Milão, na Itália e por fim, levados para a cidade de Colônia, como despojos de guerra do lendário Frederico Barba-Ruiva.
          Com os supostos restos mortais dos Reis Magos presentes na igreja de Colônia, foram criados encenações e representações que simbolizasse essa passagem bíblica na cidade. Assim aos longos dos anos,  foram surgindo vestimentas e cantorias que representavam essa passagem. A típica árvore europeia, o pinheiro, passou a ser decorada nessa época com bolas, que simbolizavam o sol e posteriormente, com presentes, tendo tempos depois à figura do lendário Papai Noel, incorporada à festa. O bom velhinho que distribuía presentes no dia atribuído ao nascimento de Jesus foi inspirado em São Nicolau, que em vida foi um bispo Católico da cidade de Mira, onde atualmente é a Turquia. Nicolau era bondoso e no dia de seu aniversário, seis de janeiro, saia pelas ruas da cidade distribuindo presentes para as crianças carentes. Esse personagem foi incorporado ao evento católico, com a data de seu aniversário sendo comemorada não mais no dia 6 de janeiro, mas no dia 25 de dezembro. Lembrando que no dia 25 de dezembro os egípcios realizavam a Festa do Sol Invencível, evento este incorporado a cultura pagã romana e por fim, adotada pela Igreja Católica com o objetivo de atrair os pagãos para sua fé. O sol que nasce é luz, associaram o nascimento de Jesus ao mundo como a luz de Deus e assim surgiu a tradição do nascimento de Jesus neste dia, mesmo com a ciência da Igreja que não há registro algum da data de nascimento de Jesus(na foto abaixo de Luis Leite, Terno de Folia de Reis em Guaranésia MG, Sul de Minas)
          Outra criação que se incorporou a essa tradição foram os presépios, criado em Greccia, na Itália, por São Francisco de Assis em 1223, que retratou o nascimento de Jesus na manjedoura, usando pequenas imagens com os respectivos personagens e cenário envolvidos.
          Todos esses acontecimentos serviram como base para a identidade mundial dos festejos natalinos entre 24 de dezembro e 6 de janeiro. No Brasil é Folia de Reis tradição que chegou ao Brasil pelos portugueses, no século XVIII, embora em outros países do mundo sejam outros nomes.
          Em Portugal, a festa é conhecida como Reisado, no Brasil,  adaptações aos cânticos foram feitas por José de Anchieta e Manuel de Nóbrega, que adaptaram à realidade brasileira “O Auto dos Reis Magos” uma peça de autoria de Gil Vicente, escrita em 1503 e publicada em 1510, para o Dia de Reis. (foto abaixo de Amauri Lima em São João Batista do Glória MG)

         Baseado nesse auto, as tradições musicais e populares do nosso povo foram adaptadas, gerando assim uma cultura popular brasileira, com raízes e identidade, promovendo a interação entre negros, índios e brancos.
          Essa interação multirracial gerou cânticos, com palavras incompreensíveis para muitos. Isso porque, frases e palavras dos cânticos eram traduzidos para dialetos africanos, tupi-guarani e mesclando ao português. Os ritmos também eram diferentes dos entoados nos cânticos do Reisado português, já que os instrumentos indígenas e principalmente africanos, produziam sons fortes, graças aos batidos dos tambores. Tempos depois, instrumentos usados pelos brancos, como, violão, rabeca, flauta, sanfona, viola, cavaquinho, triângulos pandeiro, reco-reco, dentro outros, passaram a fazer parte dos instrumentos dos Ternos de Folias de Reis, porque os Ternos passaram a contar com a presença cada fez maior dos brancos nos grupos de foliões. Uma mistura de sons e vozes diferentes, fortalecendo assim a identidade regional dessa festa.(foto abaixo de Vania Pereira em São Tomé das Letras MG)
          Além da cantoria e instrumentos musicais, vestimentas diferentes das tradicionais vestes europeias foram incorporadas à festa, bem como a decoração das casas e igrejas nos dias da festa, dando características regionais à tradição.
          Das canções e estilo de cantar e tocar da tradição Medieval original, que foram preservadas e respeitadas na íntegra pelos Ternos de Santos Reis, está canção de chegada. Nessa canção o líder (ou capitão) pede permissão ao dono da casa para entrar. A outra canção é a da despedida, onde, cantando, a folia agradece as doações e a acolhida. Os outros cantos são criações de acordo com a cultura e folclore regional.
          Após o dia de Natal os Ternos de Folia de Reis, vestidos à rigor, com roupas coloridas, saem às ruas dançando, cantando e encenando, mantendo viva a tradição milenar da Igreja Católica em todo o mundo.
          São vários grupos presentes nas cidades, todos formados somente por homens. Mulheres não participam dos Ternos de Folia de Reis, porque os Três Reis Magos não levaram consigo suas esposas, por isso a ausência de mulheres nos ternos. Se cada folião levasse sua mulher, mudaria o sentido da encenação da tradição bíblica. (foto abaixo de Luis Leite em Guaranésia MG)

          Cada terno é formado por personagens que representam os três reis magos, palhaços, coro de cantores e músicos, mestre ou embaixador, bandeireiro ou alferes da bandeira, o mestre ou embaixador. Todos se vestem com roupas coloridas e usam máscaras, de acordo com os figurinos definido pelos membros dos Ternos de Santos Reis, respeitando a tradição da encenação. No cortejo pelas ruas e visitas às casas, são acompanhados por músicos tocando e cantando, enquanto são recitados louvores e bênçãos na casa dos festeiros, acompanhados de danças. Os festeiros são os moradores que recebem os ternos em suas residências com o objetivo de preservar a tradição ou para pagar alguma promessa. São os festeiros que fazem a "tirada da bandeira” e arcam com as despesas do grupo com descanso e alimentação. 
          Os Ternos de Santos Reis caminham pelas ruas, visitando as casas e saudando os moradores com cânticos religiosos, lembrando o ato dos Reis Magos que saudaram o Menino Jesus.
          Os cânticos religiosos são pausados apenas durante as paradas para descanso, café da manhã, almoço ou jantares, quando os foliões e membros da corte dos Ternos, cantam músicas típicas regionais, como a moda de viola e dançam Catira e Cateretê, danças folclóricas tradicionais em Minas Gerais.(foto abaixo de Luis Leite)
          Ao contrário da tradição, onde os três Reis Magos levaram presentes, em Minas Gerais e no Brasil, são tradição os grupos de Folia de Reis receberem presentes dos festeiros e fieis. Os presentes são doados para as entidades filantrópicas locais ou mesmo para manutenção dos grupos de Folia de Reis. 
          Junto com Reinado de Nossa Senhora do Rosário, a Folia de Reis é o mais importante evento folclórico do Estado, tendo sido uma das primeiras manifestações folclóricas de Minas Gerais, incorporada ao folclore mineiro desde o século XVIII. (na foto abaixo de Vânia Pereira, Terno de Folia de Reis em São Tomé das Letras MG)
    A Folia de Reis é tão importante para a cultura, tradição e folclore mineiro que foi reconhecida como Patrimônio Imaterial de Minas Gerais em 2017, pelo Conselho Estadual do Patrimônio Histórico. (na foto acima de Vânia Pereira em São Tomé das Letras MG)
          Presente ainda nos Estados de São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Rio de Janeiro, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Maranhão, Paraná, dentre outros, mas com predominância em Minas Gerais, devido estar no Estado mineiro as principais cidades do país, no período do Ciclo do Ouro. (na foto abaixo de Giselle Oliveira, folião em Diamantina MG, com figurino criado pelo artista plástico Marcelo Brant)       
          Nos 853 municípios e 1712 distritos do Estado de Minas Gerais a Folia de Reis está presente. Em algumas cidades mineiras a Folias de Reis é tão importante do ponto de vista social e cultural que são reconhecidas como Patrimônio Imaterial de alguns municípios entre eles Bom Despacho, Alterosa, Belmiro Braga, Betim, Casa Grande, João Pinheiro, Matias Barbosa, Nova Resende e Patos de Minas. Várias outras cidades mineiras estão em processo de elaboração de inventário para considerar a Folia de Reis como Patrimônios Imateriais Municipais.

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores