Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

domingo, 28 de março de 2021

Vinhos, uvas e o terroir mineiro

(Por Arnaldo Silva) Vinho é uma das mais antigas bebidas do mundo. A videira e seu fruto, a uva, é originária da Ásia. Ao longo de milênios, as videiras foram se expandindo para todas as regiões do mundo. É citada na Bíblia, desde o primeiro, ao último livro, bem como o suco de uva e o vinho. Estudos indicam a produção de vinhos na antiga Armênia, há 4 mil anos a.C, bem como, no Egito antigo, sem, contudo, haver uma data e local, precisos do surgimento da bebida.
          Bebida alcóolica originária da fermentação do mosto da uva, é largamente produzida em todo o mundo e uma das bebidas mais consumidas, presente nas mesas, eventos sociais, encontros românticos e em cerimônias religiosas. (fotografia acima de Ricardo Cozzo em Monte Verde, Sul de Minas)
          Além da socialização e simbologia da bebida, o vinho, bebido de forma moderada, um cálice por dia, é benéfico para a saúde humana. Ajuda na prevenção do diabetes e na proteção do coração. Auxilia também na prevenção de doenças, como depressão e o Alzheimer, contribui também para melhora da saúde da pele. Com esses benefícios, ajuda a aumentar a longevidade.
          Da uva origina-se vários tipos de vinhos. Os principais são os vinhos tinto, branco, rosé, vinho de sobremesa, espumantes e os fortificados, que são os vinhos que tem adição de algum tipo de destilados. (na foto acima do Erasmo Pereira/Epamig, uma das variedades de uvas mais usadas na produção de vinhos finos, a Syrah)
          Cada tipo de vinho pode apresentar variações na cor e doçura, podendo ser suave, seco e meio seco. Pela legislação brasileira atual, o vinho seco pode ter até 4 gramas de glicose por litro. O vinho suave, a partir de 25 gramas, em sua composição. Existe ainda o vinho meio seco, que diferente do que parece, tem índice de açúcar bem elevado, variando de 4 a 25 gramas de glicose em sua composição. O nível de teor alcóolico, bem como de açúcar nos vinhos, seja vinhos nacionais ou importados, devem constar nos rótulos, de acordo com a legislação brasileira.
          Vinho vem de videira, planta que produz a uva. Não existe vinho, sem ser o feito com a uva. Bebidas alcóolicas feitas com outras frutas como jabuticaba, jamelão, laranja, pera, maçã, amora e outras frutas, não são vinhos e sim fermentados. Inclusive, essa questão é bem clara no mundo e no Brasil, é até lei.
          A Lei N 7.678 de 8/11/1988, que dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da uva e do vinho, e dá outras providências como os tipos de vinhos, teor de açúcar e álcool, envelhecimento, etc., no Artigo 3º diz: “Vinho é a bebida obtida pela fermentação alcoólica do mosto simples de uva sã, fresca e madura”. No Parágrafo único, desta lei brasileira é bem claro e fácil de entender quando diz que: “A denominação vinho é privativa do produto a que se refere este artigo, sendo vedada sua utilização para produtos obtidos de quaisquer outras matérias-primas”.
          Entendido essa parte, vamos entender agora um pouco das espécies de uvas, suas funções na cor e sabor dos vinhos e as diferenças entre os vinhos finos e de mesa.
          Os fatores naturais como clima, água, solo, cuidado com os parreirais são importantes, mas a escolha da uva é primordial, bem como o processo de fermentação do mosto da fruta e o armazenamento. São estes os fatores que dão cor, textura, sabor e qualidade aos vinhos, bem como a vocação, talento e conhecimento do vinicultor e viticultor.
          Existem milhares de espécies de uvas no mundo, com tonalidades, tamanho e cores diferentes. Podem ter uvas na cor rosa, verde, vermelha, preta, laranja, etc. Algumas variedades, são mais indicadas para sucos, geleias, refrigerantes e outras são excelentes para a produção de vinhos. (foto acima de Maria Mineira em São Roque de Minas)
          As espécies mais comuns no Brasil são as uvas americanas (Vitis Bourquina, Vitis Labrusca e Vitis Rupestres) e as uvas europeias (Vitis Vinífera). Das variedades dessas espécies, são produzidos vinhos de mesa e vinhos finos. Esses dois termos foram criados e inseridos nos rótulos dos vinhos para distinguir um vinho feito com uvas comuns, com qualidade mais baixa, dos vinhos feitos com uvas adequadas à produção de vinhos, os chamados, vinhos finos.
          As uvas americanas, são as das espécies Vitis Bourquina, Vitis Labrusca e Vitis Rupestres. As uvas mais conhecidas dessas espécies são as Bordô, Isabel, Rubi, Niágara, Herbermont, Concord, dentre outras. São as mais cultivadas, mais populares, mais baratas. São excelentes na alimentação e muito apreciadas in natura ou em forma de geleia, sucos e refrigerantes. São ainda muito usadas na fabricação vinhos suaves.
          As uvas americanas são bem resistentes, se adaptam bem às diferenças regionais, como por exemplo, se desenvolvem bem na altitude e frio intenso do Sul de Minas, bem como no semiárido do Norte de Minas, como nas regiões do Jaíba e Pirapora, onde o plantio de uvas americanas é uma das principais culturas do norte-mineiro.
          Os vinhos produzidos com as uvas americanas, são identificados com a palavra, “Vinho de Mesa”, presente nos rótulos. Por serem as uvas mais produzidas, mais consumidas e mais baratas, os vinhos feitos com uvas americanas são produzidos em grandes quantidades, sem passar por envelhecimento, em barris de carvalho, sendo engarrafados e prontos para comercialização. Tem a cor mais intensa, sabor e aroma bem simples. São mais baratos e por isso, mais populares. Após sua vinificação, caso seja necessário a correção da doçura ou mesmo para suavizar o sabor, podem receber adição de açúcar para equilibrar a doçura ou mesmo, torná-lo mais suave. Ou seja, vinho suave é geralmente, vinho adoçado, com o nível de açúcar equilibrado, tornando-se mais agradável ao paladar. Essa informação vem em letras abaixo do nome dos vinhos, nos rótulos: Vinho Tinto de Mesa Suave.
          Já os vinhos feitos com as variedades das uvas europeias (Vitis Vinifera), são considerados vinhos finos. Nesse tipo de vinho é proibido qualquer adição de açúcar. É o vinho conhecido por tranquilo, por passar pelo processo de fermentação de forma natural, quando praticamente todo o açúcar presente no mosto da uva, se transforma em álcool, tornando assim, vinho seco, com teor alcóolico, maior que o de mesa.
          Os vinhos que passam pelo processo natural de fermentação, tem um sabor seco, devido transformação do açúcar em álcool e principalmente pela concentração maior de taninos nas cascas e sementes da uva, já que ficam um tempo maior na fermentação, absorvendo em maior quantidade os taninos e demais nutrientes da uva. Tanino é uma substância química, natural, encontrada nos fenóis vegetais, presentes principalmente na uva, mas também na romã, açaí, nozes, amêndoas, várias especiarias como cravo e canela, chocolate amargo, dentre outros.
          Além de auxiliarem na conservação, na estrutura e longevidade dos vinhos, os taninos fazem muito bem à saúde. São antioxidantes, atuam no reforço das artérias, previnem o entupimento das veias, ajudam na redução do colesterol ruim e contribuem para retardar o envelhecimento das células.
          Todo vinho obtido através da fermentação natural, sem adição de açúcares ou gases, é tranquilo, seco e fino. O resultado final é um vinho de alta qualidade, encorpado, com aroma e sabor equilibrados. A diferença dos vinhos de mesa e vinhos finos, é enorme.
          Nos rótulos dos vinhos feitos com uvas europeias vem o termo: Vinho Fino. Isso quer dizer que o vinho foi elaborado com uvas adequadas e da melhor qualidade.
          As uvas da espécie Vitis Vinífera, não se adaptam facilmente a qualquer tipo de solo e clima, por isso, exigem mais investimentos e muito conhecimento do produtor, além de cuidados na escolha do solo, sementes, plantio, colheita, preparação da fermentação, envelhecimento em barris de carvalho, até o engarrafamento e comercialização. As uvas dessa espécie mais conhecidas no Brasil são: Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Merlot, Malbec, Syrah, Cabernet Franc, Tempranillo, Chardonnay Sauvignon Blanc, dentre outras.
          Ao contrário dos vinhos de mesa, que tem o sabor e aroma bem simples, os vinhos finos, tem o aroma e sabor mais acentuado, além de mais brilho e cor, que os vinhos de mesa. Quando envelhecidos em barris de carvalho, as características dos vinhos finos são aprimoradas naturalmente, se tornando mais agradáveis, acentuando mais seu aroma, obtendo mais estrutura e melhorando o sabor, na medida de seu envelhecimento. Vale a verdade daquela antiga frase que dizia que “vinho, quanto mais velho melhor”.
O terroir dos vinhos mineiros
          No mundo todo existem milhares de regiões produtoras de vinhos, com características específicas, como geografia, clima, altitudes e outros fatores regionais, que formam um terroir próprio e característico (Terroir é uma palavra francesa e pronuncia-se terruar).
          O apreciador de um bom vinho não precisa se apegar apenas ao vinho de uma região ou país. No Brasil são produzidos vinhos de excelente qualidade. Em Minas Gerais, também temos vinhos finos e um excelente terroir. Você pode experimentar os nossos vinhos e valorizar o grande esforço em estudo, pesquisas e investimentos, que nossos produtores, fazem para produzir vinhos de qualidade. (na foto acima do Erasmo Pereira, a vinícola no Campo Experimental da Epamig em Caldas MG)
          Em Minas Gerais, o terroir dos vinhos mineiros, que vem se destacando no Brasil, na produção de vinhos finos e espumantes, é a Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas, a região da Serra do Caraça, em Catas Altas, na Região Central e Diamantina, no Vale do Jequitinhonha. (na foto acima de Erasmo Pereira, espumante feito Campo Experimental da Epamig em Caldas MG)
          São vinhos com características e personalidades próprias. O terroir mineiro, é graças as pesquisas e apoio da Empresa Mineira de Pesquisas Agropecuárias (EPAMIG MG), sediada em Caldas, no Sul de Minas, onde está o Campo Experimental da estatal mineira, inaugurado em 1936 (na foto acima de Erasmo Pereira). Em Caldas, estão vastos parreirais, com cultivo em destaque da variedade de uva Syhah. (na foto abaixo de Erasmo Pereira, parreirais do Núcleo Tecnológico da Epamig em Caldas MG)
          Além de pesquisas para melhoramentos na qualidade dos vinhos, a Epamig desenvolveu a técnica da dupla. Essa técnica consiste na inversão do ciclo produtivo dos parreirais, com duas etapas de podas dos ramos das videiras, o que permite duas colheitas ao ano, sendo a normal, de verão, em janeiro e outra, em agosto, no inverno.
         O resultado dessa técnica mineira são uvas sadias, de maturação plena, com mais concentração de cor e aroma, o que melhora substancialmente a qualidade dos vinhos finos, produzidos na região Sul de Minas, em especial, nas cidades da Serra da Mantiqueira e algumas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, na divisa com Minas Gerais, que também usam a técnica criada pela Epamig. (fotografia acima de Erasmo Pereira/Epamig em Caldas MG)
          Em duas décadas, a produção de vinhos mineiros, tiveram saltos na qualidade e começaram a chamar a atenção dos apreciadores de um bom vinho. A melhor qualificação dos produtores, intercâmbios, pesquisas e principalmente, a ação da Epamig, foram primordiais para o crescimento e reconhecimento dos vinhos mineiros no cenário nacional e mundial.
          O resultado veio com premiações e reconhecimentos em nível nacional e internacional, com destaque para os vinhos mineiros mais conhecidos como o vinho Luís Porto, de Cordislândia MG, Primeira Estrada, de Três Corações MG, Quinta D´Alva, de Diamantina, Stella Valentino, Villa Mosconi e Casa Geraldo, de Andradas MG e Maria Maria, de Três Pontas. (foto acima de Erasmo Pereira/Epamig/Divulgação)
          Um dos vinhos da vinícola Maria Maria, o Maria Maria Bel Sauignon Blanc 2015, foi premiado com medalha de bronze no World Wine Awards 2017, na Inglaterra. Em 2019, três vinhos, Guaspari Syrah Vista da Serra 2016 de São Paulo, Casa Geraldo Colheita de Inverno Syrah 2017, de Andradas MG e Maria Maria Diana Syrah 2017, de Três Pontas MG, produzidos com a tecnologia da dupla poda da Epamig, foram premiados no Top 5 Syrah Wines of Brazil Awards 2019. O Wines of Brazil Awards, um dos maiores concursos de vinhos do país, tem o objetivo de valorizar os melhores vinhos nacionais, em várias categorias e campos de atuação.         
          Os vinhos finos de Minas Gerais são de alta qualidade, sabor, aromas e bem estruturados, que agradam aos mais finos paladares e boa parte de nossas vinícolas, estão abertas para turistas e interessados em conhecer a produção dos vinhos mineiros, entre essas vinícolas, está a Casa Geraldo, em Andradas, no Sul de Minas (na foto acima, a adega da Vinícola/Foto Casa Geraldo:Divulgação).
          Não somente as vinícolas que recebem turistas para visitas. Fazendas de café, de azeites e queijarias, das 9 regiões queijeiras do Estado, abrem suas porteiras para grupos de turistas. São passeios deliciosos, literalmente, em meio a natureza, paisagens de tirar o fôlego, com  a oportunidade de conhecer os processos de produção e degustar. 
          Nossos vinhos, harmonizam super bem com o nosso tradicional Queijo Minas Artesanal (QMP), como por exemplo, o Queijo Canastra Ponte Velhano, na foto acima. Uma harmonização perfeita!

Um comentário:

  1. Arnaldo, excelente matéria, como sempre você nos mostra uma diversidade de conhecimento, sobre uvas e binhos ( como se fala na região do Porto). Realmente eu não sabia de tantas vinícolas em Minas Gerais. Um brinde a você Tim 🍷 Tim 🍷

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores