Tecnologia do Blogger.

domingo, 8 de novembro de 2020

O forno feito de barro, água e açúcar

(Por Arnaldo Silva) Desde a descoberta do fogo, na Idade da Pedra, o homem vem aprimorando as formas de preparar seus alimentos. O primitivo fogão de pedras evoluiu para os fogões a lenha que temos hoje, muito mais sofisticados e mais eficientes, bem como, temos os fogões a gás, que vem evoluindo a cada dia, com avanços tecnológicos impressionantes. (foto abaixo de Edson Borges em Felício dos Santos MG)
          O fogão a lenha e o forno de barro, são criações universais, há milhares de anos, presentes no mundo inteiro, mas em Minas, tanto o fogão a lenha, quanto o forno de barro, faz parte da identidade, tradição e cultura mineira, e claro, o sabor dos tradicionais pratos mineiros, tem ligações diretas com o fogão a lenha e o forno de barro. Esses dois, estão presentes nas cozinhas do interior mineiro.
          Mesmo com as novas tecnologias dos fogões e fornos hoje, como os fornos elétricos, a gás e micro-ondas, o mineiro não dispensa um fogão a lenha e muito menos, o preparo de suas quitandas no velho, rústico e tradicional, forno de barro. 
          É fato que os fornos e fogões mais rústicos, evoluíram, em relação aos de séculos anteriores, e obviamente, de milhares de anos atrás, quando o homem passou a cozinhar seus alimentos e descobriu também que o fogo, além de cozinhar, podia assar os alimentos. (foto acima de Edson Borges em Felício dos Santos MG)
          Para assar, usavam a argila que retiravam do fundo dos rios e colocavam no chão em forma de círculo, para isolar o fogo e evitar que ele se apagasse. O alimento a ser assado era colocado no centro. Com o passar do tempo, o homem foi aprendendo a trabalhar melhor a argila e usar pedras para fazer fogões e fornos, para assar seus alimentos. 
          Para chegar à atual evolução que temos hoje dos fornos de barro e a gás, bem como dos fogões, foram mais de 5 mil anos. Os primeiros registros da existência de forno nos moldes parecidos que temos hoje, vem da antiga região da Mesopotâmia, hoje formada pelo Iraque, Kuwait e Síria.
          Isso mesmo, fazer um forno de barro hoje, um fogão com forno, parece ser bem simples, mas a humanidade levou cerca de 5 mil anos para chegar a esse estágio hoje. Mesmo com toda a evolução que temos atualmente, com fornos industriais e domésticos super modernos, o velho, rústico e antigo forno de barro, ainda é o preferido, principalmente dos mineiros. 
          Nos quintais mineiros, o forno de barro está presente, praticamente feito da mesma forma que há séculos. O que mudou, é que ao invés de usar pedras, usa-se tijolos e a tampa da entrada é de chapa de aço. A base do forno é mais trabalhada, com revestimento, bem como usa-se açúcar cristal na mistura do barro. Isso mesmo, açúcar, que é misturado ao barro, para dar firmeza, tornando-o mais resistente ao calor das chamas, evitando assim as trincas nas paredes do forno. (foto acima de Sônia Fraga em São Tiago MG)
          Seja em qualquer país do mundo, essa forma de fazer os fornos é a mesma. O que mudou são os materiais usados hoje, mais resistentes, tornando os fornos mais bonitos e duráveis, graças ao maior conhecimento da humanidade, atualmente. Mas a ideia original, de como assar os alimentos, continua do mesmo jeito. Quanto maior o forno, mais calor interno, podendo chegar a uma temperatura de 1000º C, fazendo com que as quitandas assem bem rápido, por isso sua eficiência e grande economia. 
          A lenha é colocada no interior do forno para queimar e com a ajuda de uma colher de ferro, as chamas são espalhadas para os cantos, distribuindo o calor para o interior de todo o forno. Quando estão em brasa, colocasse as fôrmas no centro, tampa-se o forno e deixa os alimentos assando. As chamas não devem ficar acesas com os alimentos, para evitar que queimem. (foto acima de Márcia Rodrigues em Felício dos Santos MG)
Como fazer o forno de barro com açúcar 
- Para cada 20 quilos de barro, deve se misturar 1 quilo de açúcar com o barro, dissolvê-los na água e amassar a mistura, de preferência com os pés, até que fique uma passa densa e homogênea. (na foto acima de Ernani Calazans, de Araçuaí MG, Vale do Jequitinhonha, o barro mais usado na fabricação de fornos) 
- Preparado a massa, monta-se uma base quadrada de mais ou menos 1,30 metros de diâmetro, com tijolos ou pedras assentadas com cimento e se preferir, revestidas com pedra ardósia. A altura ideal é 80 centímetros do solo.
- Sobre a base, espalhe uma densa camada do barro feito com açúcar. Passe sobre a base uma densa camada de barro e comece a assentar os tijolos em forma circular, com diâmetro de 1,20 metros, deixando espaço nas bordas da base.
- Deixe um espaço de mais ou menos 30 centímetros, que será a entrada para a lenha e das fôrmas.
- Em forma circular, vá colocando os tijolos, a massa, tijolos e ao mesmo tempo, passando a massa na parede inferior, tipo um reboco.
-  Espere secar e passe novamente o barro, deixando secar mais uma vez e por fim, passe a terceira camada, continuando o assentamento dos tijolos e barreando por três vezes o interior, até o topo do forno.
- A partir da terceira ou quarta camada de tijolos, vá afunilando a base, até o topo ficar em forma que lembre a metade de um ovo, tipo chaminé. A altura do forno é de mais ou menos 80 centímetros, de altura. (foto acima de Ernani Calazans em Araçuaí MG)
- Todo o interior do forno deve ser bem preenchido com o barro e com a massa bem socada mesmo
Tem fornos que não tem a chaminé, porque fazem a abertura do outro lado, a porta de entrada, de mais ou menos 20 centímetros, mas o mais comum, é usar uma chaminé no topo do forno. Se for deixar a outra porta no fundo, tampe a parte superior com tijolos e barro.
- Concluída essa etapa, passa-se o barro na parte exterior do forno, deixando secar.
- Ao secar, aparecerão rachaduras, devendo passar outra camada de barro e açúcar, aguardando a secagem e por fim, aplicando a terceira camada.
- O acabamento final pode ser feito com caiação do exterior do forno, ou mesmo, o uso de tabatinga, um barro na coloração branca, muito comum no Vale do Jequitinhonha.
- Antes de usar o forno, deve se colocar lenha dentro do forno, queimar, tampar o forno e deixar a lenha ardendo em chamas por várias horas, até que o topo da fornalha comece a ficar vermelho. 
          Por fim, limpe o forno e já pode usá-lo para assar pães, bolos, roscas, biscoitos e várias outras quitandas.
          Não esqueça de manter a porta do forno fechada, quando estiver assando, para evitar que o calor do forno saia e provoque ausência de calor no interior, prejudicando o preparo das quitandas.
Agora é só aproveitar as delícias que saem dos nossos fornos de barro e tomar com café, como estes biscoitos de polvilho, preparado pela mãe de Márcia Rodrigues em Felício dos Santos MG

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores