Tecnologia do Blogger.

sábado, 3 de outubro de 2020

Ouro Fino e a história do Menino da Porteira

(Por Arnaldo Silva) Fundada em 1749 e emancipada em 1880, Ouro Fino é uma charmosa, atraente, hospitaleira e acolhedora cidade do Sul de Minas, contando hoje com cerca de 35 mil habitantes. É uma das mais antigas e importantes cidades do Sul de Minas. É cortada por vales, montanhas e serras, com altitudes variando entre 997 metros a 1591 metros.
          De sua história, destaca-se belos casarões e a Praça da Matriz, marco da cidade, com mais de 250 anos, com seu santuário, dedicado à Nossa Senhora de Fátima, além de vários monumentos espalhados pela cidade, que marcam a história de Ouro Fino. (foto acima da Cássia Almeida, da entrada da cidade e abaixo de Leonardo Souza/@leonardo_souza_srs, a Praça da Matriz)
          Entre seus monumentos, destaque para as estátuas do Boi Sem Coração, Berrante e do Menino da Porteira. Isso porque a cidade, foi a fonte de inspiração para o compositor Teddy Vieira, compor uma das mais famosas canções sertanejas do século XX, o Menino da Porteira. Letra e música que retrata o autêntico Cururu, ritmo musical predominante na música caipira do século XX. Esse ritmo é  cantado em forma de desafios, repentes e combates rimados, ao som de violas caipiras e batidas do pé.
A origem da música Menino da Porteira
          Teddy Vieira nasceu em 1922, em Itapetinga, no interior paulista e faleceu, vítima de acidente automobilístico, em 1965. É um dos mais importantes compositores sertanejos de todos os tempos. Além de Menino da Porteira, gravada inicialmente pela dupla Luisinho e Limeira em 1955,  Teddy Vieira compôs 300 músicas, todas com temas caipiras. Sem dúvida alguma, Menino da Porteira, foi sua composição de maior sucesso, que o consagrou como um dos grandes compositores brasileiros do século XX. 
          É também de autoria de Teddy Vieira, os clássicos sertanejos  “A Caneta e a Enxada”, em parceria com Capitão Barduino, gravado por Zico e Zeca, em 1956, “Boiadeiro Errante”, imortalizada na voz de Liu e Leo, em 1959, Pagode em Brasília, em parceria com Lourival dos Santos, interpretada por Tião Carreiro e Pardinho, em 1961, e neste mesmo ano, o “Rei do Gado”, também nas vozes de Tião Carreiro e Pardinho.
          Teddy Vieira tinha laços sentimentais com Minas Gerais. Por muito tempo, era figura presente em Andradas, no Sul de Minas, já que sua namorada, América Rizzo, com quem casou-se tempos depois, morava na cidade. 
           Para chegar à Andradas, passava pelas estradas de terra de Ouro Fino. As duas cidades são distantes, cerca de 80 km, uma da outra. Naquela época, a Região Sul de Minas, era rota de transporte de gado, feito basicamente em Comitivas, com vários boiadeiros, a cavalo, com seus berrantes, conduzindo o gado, cortando as estradas do sertão mineiro, abrindo e fechando porteiras.
        Foi numa dessas idas à Andradas, para visitar sua amada, que Teddy Vieira, teve inspiração para compor sua principal canção. (na foto acima do Guilherme Augusto/@mikethor), uma das estradas de Ouro Fino)
          Passando pelas estradas de terra de Ouro Fino, tinha que passar por algumas porteiras, que dividiam fazendas. Sair do carro, abrir e em seguida, fechá-la, era cansativo, ainda mais quando viajava num dia de intenso calor. Ao se aproximar de uma porteira, Teddy Vieira percebeu a aproximação de um menino, correndo em sua direção. O garoto abriu a porteira com muita alegria para ele passar. Teddy agradeceu a gentileza, acenando e jogando uma moeda, que deixou o menino saltitante, feliz e agradecido. 
          Seguiu seu caminho, mas a cena ficou em sua mente e dirigindo, teve a inspiração de compor uma uma música, baseado na atitude do menino, começando a compor no mesmo dia, a história de sua nova canção, o Menino da Porteira. De real, apenas a alegria do menino ao abrir a porteira e ficar feliz com a moeda que lhe fora jogada, descrita nos primeiros versos da canção: “Toda vez que eu viajava pela Estrada de Ouro Fino. De longe eu avistava a figura de um menino. Que corria abrir a porteira e depois vinha me pedindo. Toque o berrante seu moço que é pra eu ficar ouvindo...”. O restante da história, o berrante, o boi sem coração e o trágico fim, que na sua composição, ele deu ao menino, foram criações do compositor. (na foto acima de Leonardo Souza/@jleonardo_souza_srs, a estátua do Menino da Porteira na entrada da cidade)
          Assim surgia uma das mais conhecidas e importantes composições da música caipira brasileira, retratada em monumentos na cidade de Ouro Fino MG, retratando o Menino da Porteira, o Boi sem Coração e o Berrante. É o reconhecimento da cidade à importância de Teddy Vieira para a música sertaneja raiz, bem como sua importância cultural para Ouro Fino MG. Com a música, a cidade passou a ser conhecida no Brasil inteiro, como a "cidade do Menino da Porteira".
          A música foi gravada posteriormente por Tonico e Tinoco e vários outros artistas, mas não estourou de imediato. Havia um certo preconceito com a música caipira, principalmente nas grandes cidades, naquela época. Apenas nos povoados das roças e pequenas cidades do interior, que a música caipira fazia sucesso, já que as composições sempre relatavam a vida, jeito de falar e cultura do sertanejo. 
          Eram interpretadas por duplas vestidas no tradicional estilo sertanejo, com viola, sanfona e violão apenas, cantando em duas vozes, no linguajar tipicamente caipira. As apresentações ou shows dos artistas, eram feitos nos povoados e cidades interioranas e também em circos. Até mesmo as rádios, restringiam as músicas caipiras, tocando-as em horários noturnos, tipo, entre 3 da madrugada até as 5 ou 6 da manhã.
          Essa realidade começou a mudar a partir de 1973, quando o cantor da jovem guarda, Sérgio Reis, foi apresentar-se em Tupaciguara MG, no Triângulo Mineiro, num baile de debutantes. Após sua apresentação, uma banda local se apresentou aos presentes e começaram a cantar “Menino da Porteira”, impressionando Sérgio Reis pela comoção e envolvimento do público, com a música. 
          Não era seu estilo, na época, Sérgio Reis tinha saído da Jovem Guarda e cantava músicas românticas. Seria uma mudança brusca de estilo, mas experimentou, gravando o sucesso de Teddy Vieira. A música estourou e começou a ser tocada nas rádios, inclusive FM´s, do interior, fato raro na época. Assim nascia o Sérgio Reis que conhecemos, uma das mais belas vozes da música sertaneja brasileira. 
          O sucesso da música foi tanto, que o Menino da Porteira, virou filme, produzido pelo diretor de cinema, Jeremias Moreira Filho, em 1976, estrelado pelo próprio Sérgio Reis, que interpretou o peão de boiadeiro, Diogo.
          O Menino da Porteira é uma das músicas imortais. Segue até hoje fazendo sucesso. O filme, de 1976, virou remake, em 2009, interpretado, dessa vez pelo cantor Daniel, que fez o mesmo papel de Sérgio Reis, interpretando o peão de boiadeiro, Diogo.
          Diversos outros artistas da música sertaneja brasileira já interpretaram Menino da Porteira. Hoje é praticamente o hino de Ouro Fino MG, cidade mineira que inspirou a canção.
          Como foi dito acima, naquela época havia muito preconceito com a música caipira, nas grandes cidades, realidade que começou a mudar, a partir da década de 1970, tendo como base, Sérgio Reis.
          A música sertaneja atual deve muito a Sérgio Reis. Nos anos de 1980, novas duplas começam a surgir, mudando um pouco estilo, de duas vozes, para segunda voz, estourando de vez a partir de 1990, com a música sertaneja dominando os programas de TVs e rádios, passando a estar presente em shows nas grandes cidades. Duplas que até os anos 1970 se apresentavam em circos, passaram a fazer megas shows em estádios e casas de shows famosas pelo Brasil.
          
Até mesmo as cidades que evitavam se considerar sertanejas ou caipiras, mudaram, sendo hoje, referências na música e eventos sertanejos, como rodeios e exposições agropecuárias. Nas grandes, médias e pequenas cidades pelo Brasil, começaram a surgir ainda, restaurantes, bares e casas de shows, com temas rurais. Além disso, monumentos públicos, que lembram a vida na roça, passaram a fazer parte do dia a dia das cidades brasileiras, mesmo que alguns não assumam o nome sertanejo ou caipira, usando nomes como "country", está bom, um grande avanço.
          Um exemplo disso é Ouro Fino, que incorporou à sua cultura, tradição e arquitetura, a obra de Teddy Vieira. 
Ouro Fino em Minas ou Ouro Fino em Goiás?
          Embora, todas as evidências apontem para cidade mineira de Ouro Fino, como inspiração para a composição da música o “Menino da Porteira”. 
          Mesmo todos sabendo que Teddy Vieira, estava sempre presente na região Sul de Minas, em Andradas MG, para visitar América Rizzo, sua namorada, que era da cidade, e posteriormente, se tornou sua esposa. 
          Para chegar até a cidade em que a moça vivia, tinha que passar pelas estradas de Ouro Fino MG. (na foto acima do Anderson Sá/@meuolhar.andersonsa, outra estátua do Menino da Porteira, agora no Centro de Ouro Fino MG)
          Mesmo com todas essas evidências, tem quem, por desconhecer a história da música sertaneja ou mesmo, a história de Teddy Vieira, aponta a cidade de Ouro Fino, no interior de Goiás, como tendo sido a inspiração para a música “Menino da Porteira”. 
          A goiana Ouro Fino, foi em tempos passados, local de pouso e parada de tropeiros e boiadeiros. Fica lá no sertão de Goiás e tem muita tradição sertaneja e na música. Mas não tem nada a ver com a música “Menino da Porteira”, de Teddy Vieira. A Ouro Fino goiana não inspirou Teddy Vieira a compor sua famosa canção. Mas foi fonte sim de inspiração de um clássico da música sertaneja, composto por Tonico (da dupla Tonico e Tinoco) e Francisco Ribeiro. A música inspirada na Ouro Fino goiana é  “Chico Mineiro”, interpretada originalmente pela dupla Tonico e Tinoco. 
          O mais importante verso da letra da música "Chico Mineiro" é bem claro quanto a inspiração goiana: “Fizemos a última viagem. Foi lá pro sertão de Goiás. Fui eu e o Chico Mineiro. Também foi o capataz. Viajamos muitos dias. Pra chegar em Ouro Fino. Aonde nós passemo a noite. Numa festa do Divino. A festa tava tão boa. Mas antes não tivesse ido. O Chico foi baleado. Por um homem desconhecido. Larguei de comprar boiada. Mataram meu cumpanheiro. Acabou-se o som da viola. Acabou-se o Chico Mineiro.”
          Que fique bem claro, a música “Menino da Porteira” foi inspirada em Ouro Fino, em Minas Gerais e "Menino da Porteira" não tem nada a ver com a Ouro Fino Goiana. 
          Por ser a terra da inspiração para a música o Menino da Porteira, a cidade incorporou por completo em sua cultura, a história da música. O Menino da Porteira virou monumento, que dá as boas-vindas, ao visitante que chega à cidade. Na entrada de Ouro Fino, no KM 51, da rodovia MG-290, o monumento de 20 metros de largura por 10 de altura, retrata a porteira e o menino. Dificilmente alguém passa direto sem parar para observar o monumento. Sempre param para tirar fotos. (foto acima do Anderson Sá/@meuolhar.andersonsa)
          Dentro da cidade, foi instalado o monumento ao Boi sem Coração, com um menino sobre a porteira, além de outro monumento, simbolizando o Berrante. As obras são do artista plástico Genésio Moura e viraram pontos turísticos na cidade, atraindo ainda, visitantes de outras localidades para conhecer os monumentos, bem como a bela cidade do Menino da Porteira. (na foto acima, o Boi sem Coração e abaixo, o Berrante. Fotos do Anderson Sá/@meuolhar.andersonsa)
          Além do Menino da Porteira, que tornou a cidade conhecida em todo o país, Ouro Fino faz parte do Circuito Turístico Malhas do Sul de Minas e conta ainda com belas paisagens, como rios, cascatas, cachoeiras e picos, que possibilitam a prática de Canoagem, paraglider, motocross, passeio de boia, cavalgadas, pesca, trekking, trilhas para bikes, dentre outros. (foto abaixo de Anderson Sá/@meuolhar.andersonsa)
          Na cultura, destaca na cidade a Ourofolia, um dos melhores carnavais da região. A festa Italiana do Circuito Italo-Braziliano, realizado em março. A Semana Santa e Corpus Christi. A Feira das Indústrias e Ouromalhas, em maio. As festas juninas em junho, além da realização do Festival de Interpretação de Música Sertaneja, com entrega do Troféu, O Menino da Porteira. Em julho acontece a Festa do Peão e em agosto o Ouro Rock, além de outros eventos ecológicos, religiosos, esportivos e musicais durante o ano.

3 comentários:

  1. A gente conhece a música tantos anos e não conhecia a história. Adorei.

    ResponderExcluir
  2. Aí sim, Arnaldo. Desfeito a dúvida sobre qual dos ouros: mineiro ou goiano. Obrigado pela história...

    ResponderExcluir
  3. Esses goianos sempre querendo se apropriar da nossa cultura.😂😂😂

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores