Tecnologia do Blogger.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Os Profetas, a Santa Ceia e o Santuário de Congonhas

(Por Arnaldo Silva) O Santuário de Bom Jesus de Matosinhos) é um conjunto arquitetônico e paisagístico formado em Congonhas MG, cidade histórica mineira a 88 km de Belo Horizonte. Construído em etapas entre os anos de 1757 a 1875 pelas mãos de diversos escultores e artistas, o conjunto é formado 78 imagens ao todo, que compõem um dos mais expressivos exemplares da arte barroca do mundo. (foto acima de Vinícius Barnabé - @viniciusbarnabe)
          É formado por um santuário (na foto acima de Wilson Paulo Braz, a riqueza e impressionante beleza do interior do Santuário), seis capelas anexas representando a paixão de Cristo como a Ceia, Horto, Prisão, Flagelação, Coroação, Cruz-às-Costas e crucificação formando ao todo 66 imagens sacras, um adro e estátuas em pedra sabão, representando os 12 profetas do Testamento Original, totalizando 78 peças sacras esculpidas pelo Mestre Aleijadinho entre 1796 e 1805, período que o Mestre do Barroco trabalhou na obra.
          As talhas douradas da decoração em estilo Rococó de seu interior impressiona pela riqueza, bem como os detalhes de sua fachada e as enigmáticas estátuas dos profetas, consideradas uma das mais importantes obras do Mestre Aleijadinho.(na foto acima, do Marcelo Lagatta, uma das 6 capelas da Via Sacra) Nos 132 anos que o Conjunto levou para ser construído, além de Aleijadinho, outros grandes mestres da época deram sua contribuições na construção e decoração do conjunto como Francisco de Lima Cerqueira, João Nepomuceno Correia e Castro e Mestre Ataíde. A obra é única, não tem igual no Brasil ou parecida. É um dos maiores ícones do Barroco Brasileiro e de Minas Gerais. 
          Todo o cenário do Conjunto como a decoração, as capelas, o adro, o estilo arquitetônico, a disposição das peças, a via sacra, foi inspirado nos estilo Sacro Monte, tendência na Europa naquela época. Este estilo caracteriza-se por simular, através de estátuas sacras realistas, a vida de Jesus e de personagens bíblicos, em tamanho natural. Neste estilo, as estátuas são postas em montes, para que sejam facilmente visíveis e possam provocar comoção, piedade e ao mesmo tempo, instigar o lado místico dos fiéis. (fotografia acima de Edson Zanatto)
          O Santuário do Bom Jesus do Matozinhos recebe todos os anos, milhares de devotos e turistas vindos de todo o Brasil e se emocionam pelo realismo e beleza das obras, chamando a atenção para a Santa Ceia, obra do Mestre Aleijadinho exposta no interior do Santuário (na foto acima do Marcelo Santos), uma impressionante obra hiper-realista capaz de provocar emoções nos devotos. 
          Um detalhe que chama a atenção na obra é que além de Jesus e os 12 apóstolos, Aleijadinho colocou mais dois personagens no cenário que não estavam presentes na narrativa bíblica. Eram os garçons da Santa Ceia, criação por conta do Mestre do Barroco. Isso porque Aleijadinho era supersticioso e não gostava do número 13 e evitava números pares, somente quando não tinha jeito mesmo, usava pares. No normal, eram números ímpares, exceto o 13. Por isso dois garçons na cena, somando 15 personagens. (na foto acima, de Wellington Diniz, os garçons em pé, ao fundo Jesus ao centro e os 12 apóstolos)
          No lado externo, as obras em pedra do Mestre Aleijadinho chamam a atenção pela riqueza e criação das obras do mestre, bem como a disposição das peças, estando em destaque os profetas com mais número de escritos bíblicos, chamados de profetas maiores, Isaías, Ezequiel, Jeremias e Daniel. Em seguida os profetas menores, aqueles com menos escritos bíblicos, Baruc, Oséias, Joel, Amós, Abdias, Habacuc, Jonas e Naum. Cada um dos profetas segura um pergaminho com mensagens em latim anunciando a vinda do Messias, convidando ao arrependimento e à penitência. As obras foram iniciadas pelo Aleijadinho em 1800 e concluídas em 1805. (foto acima de Wilson Paulo Braz)
          Para esculpir as feições dos profetas, Aleijadinho se inspirou em gravuras de trabalhos de escultores europeus, principalmente italianos, entre os séculos XV e XVIII, vindas de Portugal. As gravuras que inspirou Aleijadinho retratavam personagens bíblicos com feições europeias, em sua maioria italiana, vestidos com túnicas longas, manga longa, casacos e usando turbantes, muito usado pelos turcos. No caso, a forma que os artistas europeus retratavam as vestimentas dos personagens bíblicos foi inspirada na "moda turca" de se vestir e nas feições dos homens e mulheres europeus. (foto acima de Anderson Sá/meuolhar.andersonsa e abaixo de Elvira Nascimento)
          Aleijadinho procurou mostrar os profetas em posições imponentes, altivas e místicas até, com olhares vagos para o horizonte, apontando para o céu e alguns, com olhares dirigidos para quem olha a imagem e com pergaminhos com suas citações bíblicas sobre profecias da vinda o Messias, exortando o povo ao arrependimento e penitência, escritos em latim. (na foto acima de Elvira Nascimento e abaixo, de Wilson Paulo Braz, o Santuário)
          Por sua importância histórica e valor arquitetônico, religioso, cultural, social e artístico, o Conjunto foi tombado em 1939 como Patrimônio Histórico Nacional pelo SPHAN, hoje Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1985.Tornou-se um ícone do Barroco brasileiro e do estado de Minas Gerais, e uma grande atração turística. 

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores