sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Plantar e Colher

Cresci numa família de agricultores e vem daí minha paixão por plantar. Meu pai se dava bem com a terra, e dela tirava todos os alimentos que abasteciam nossa mesa. Desde criança acompanhei as oscilações da Natureza, no movimento naturalmente cíclico das estações, na alternância entre enchentes e estiagens: janeiros ao rigor da chuvarada ou temporadas de sol causticante rachando a terra.

Meu pai plantava lavouras de arroz, feijão, milho, batata e mandioca que sustentavam a família durante o ano inteiro. Também cultivava jiló, quiabo, tomate e abóbora que serviam à vizinhança e supriam mercadinhos na cidade. Mas o que eu gostava mesmo era do cercado construído ao lado da casa, com suas hortaliças saudáveis e viçosas: pés de couves enormes, tenras alfaces, almeirões, mostardas, chicórias, alho e ervas de temperos. A cebola e o alho, depois de colhidos e secos, eram trançados em réstias, normalmente, dependuradas a um canto da despensa, para o uso da casa.

Minha memória olfativa selecionou entre os melhores cheiros, aqueles que rescendiam dos canteiros aguados ao fim das tardes, quando o ar era terra molhada, cebolinha, salsa, hortelã e manjericão, se misturando numa profusão de odores exóticos a penetrar pelas narinas. Como esquecer a sensação daqueles aromas trazendo paz e aconchego, acalmando cansaços e fadigas de mais um dia?

Não tínhamos luxo, mas vivíamos numa comunhão bonita com a Natureza. Era bom seguir a faina dos tempos de plantar, colher e beneficiar os víveres que iriam para nossa mesa. Arados revolvendo a terra, enxadas na capina, foices nos roçados, o feijão secando em grandes bandeiras nos terreiros, à espera de ser batido com longas e finas varas de bambu, a fim de que os grãos se desprendessem das vagens e pudessem ser armazenados nas sacas.

Arrancar a mandioca, descascar, lavar, ralar, prensar, até vê-la em farinha morena torrada em tachas, sobre fornalhas, à sombra de uma antiga mangueira, à porta da cozinha, era outra alegria. Dos extensos mandiocais a sumir de vista, vinha também o polvilho, branco e sequinho que durante muito tempo proveria as quitandas da casa, nas delícias do pão de queijo caseiro ou o biscoito frito em gordura de porco, coisas de Minas, do povo da roça.

Do milho ainda verde era feito o mingau, a pamonha, broas e bolos. Uma vez maduras, as espigas eram colhidas, debulhadas, moídas no moinho d’água movido por um ribeirão ao fundo da casa, e nos abastecia com o fubá, usado para o feitio de tantos outros pratos deliciosos. Tudo tão puro, tão organicamente saudável, sem quaisquer aditivos ou processos de industrialização.

A vida não era fácil. Mas poucas coisas são tão gratificantes como colher o próprio alimento cultivado com trabalho e suor. Penso no privilégio que tive em poder usufruir de tudo isso, sinto uma saudade imensa de tudo e sou grata pela oportunidade de poder ter vivenciado experiências tão ricas.

Hoje, passando por um determinado bairro da cidade, me deparei com alguns canteiros plantados rentes à rua. Não sei quem é o dono daquela hortinha que convive corajosamente com o asfalto, mas tenho pra mim, que deve ser alguém que nasceu para plantar: mãos que nascem para a terra sempre acham um cantinho para conversar com ela, ainda que seja num canteirinho em meio à selva do cimento e do concreto.

Marina Alves - Lagoa da Prata MG

Um comentário:
Faça também comentários