Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

Nova Lima, o bolo Queca e o pastel Lamparina

(Por Arnaldo Silva) A Origem de Nova Lima, cidade que faz divisa com a região Centro Sul de Belo Horizonte, data do início do século XVIII, com a descoberta de várias minas de ouro na região. Por isso, seu primeiro nome foi Congonhas das Minas de Ouro. Em 1748 o povoado que se formou na região das minas foi elevado a freguesia, depois a distrito, de Sabará, em 1836, com o nome de Congonhas de Sabará e por fim, a cidade emancipada em 5 de fevereiro de 1891, passando a chamar-se Villa Nova de Lima e por fim, Nova Lima, a partir de 1923. Lima é em homenagem a Augusto de Lima, poeta, professor jurista, jornalista magistrado e político mineiro, natural de Nova Lima/MG, nascido em 5 de abril de 1859, falecido no Rio de Janeiro/RJ, em 22 de abril de 1934. 
          Atualmente, Nova Lima conta com cerca de 95 mil habitantes. (fotografia acima de Júlio de Freitas, com destaque para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, ao centro) Por estar na divisa com uma das regiões mais ricas de Belo Horizonte, a Centro Sul, Nova Lima vem atraindo a cada dia, moradores de alta renda da capital, para a cidade.
          Entre os 853 municípios mineiros, Nova Lima é a cidade de maior IDH-M (índice de Desenvolvimento Humano dos Municípios), segundo dados da ONU. É atualmente a melhor cidade de Minas Gerais para se viver, devido ao seu alto índice de IDH-M, 0,813 e sua excelente estrutura urbana, social e econômica. 
          Segundo dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas em 2019, tendo como base declaração de Importo de Renda de 2018, junto à Receita Federal, em Nova Lima (na foto acima de Elpídio Justino de Andrade) está a maior concentração de ricos do Brasil, com uma renda média mensal de R$6.253,03. A segunda colocada foi Santana de Parnaíba (SP) com R$ 5.384,77. A terceira foi Aporé (GO) com R$ 5.233,93. A quarta foi São Caetano do Sul (SP) com R$ 4.565,34 e a quinta colocada no ranking nacional, foi Niterói (RJ) com uma renda média mensal de R$4.186,51.
          Desde sua fundação, Nova Lima se destaca na área econômica em Minas Gerais, principalmente pela exploração mineral, de minerais como o ouro, e atualmente, em maior escala, de minério de ferro. Algumas minas de ouro antigas continuam ativas no município, como a de Morro Velho, da Mostarda e do Rio de Peixe.            A cidade conta ainda com um variado parque industrial, sendo ainda, Nova Lima, uma cidade turística, com belezas naturais preservadas, arquitetura charmosa em suas construções que vai do colonial, barroco mineiro, colonial inglesa à arte decor. 
          Conta ainda com o charme de distritos pitorescos e coloniais como a Vila Colonial de São Sebastião das Águas Claras, a popular, Macacos, famosa pela arquitetura preservada de seu casario colonial, por sua dedicada a São Sebastião (na foto de Andréia Gomes), pelas pousadas e restaurantes típicos, suas belas cachoeiras e paisagens exuberantes e trilhas. Tem ainda o distrito de Honório Bicalho, o bairro Jardim Canadá, onde estão concentradas as principais cervejarias de Minas Gerais, já que Nova Lima é um dos maiores polos cervejeiros do país.
          A tradição cervejeira de Nova Lima não é recente. Desde o século XIX, Nova Lima vem se destacando na produção de cerveja artesanal. Tudo começou quando o imigrante italiano, Fioravante Eugênio Armani, se estabeleceu na cidade nessa época e abriu uma unidade da Cervejaria Gabels, no distrito de Honório Bicalho. A Gabels foi a primeira cervejaria artesanal puro malte de Minas Gerais. (na foto abaixo do Júlio de Freitas, o Rio das Velhas em Honório Bicalho)
          Hoje, a cerveja artesanal é uma das maiores tradições do município, contando inclusive com Selo do Polo da Cervejaria Artesanal, para as cervejarias que atendam os requisitos de qualidade e das leis sanitárias vigentes. A qualidade das cervejas nova-limenses, feitas com ingredientes diferenciados e estilos criativos, vem conquistando o paladar dos amantes da bebida e reconhecimento em Minas, no Brasil e internacionalmente, através de diversas premiações de seus rótulos. Um dos marcos do polo cervejeiro de Nova Lima é a Uaiktoberfest, que reúne cervejeiros e cervejarias de todo o país, na cidade, no mês de outubro. O evento conta com figurinos em trajes típicos germânicos, shows musicais, gastronomia mineira, presença das principais cervejarias do país, além de apresentar as novidades do polo cervejeiro de Nova Lima.
          Nova Lima se destaca ainda na Gastronomia, desde os tempos do Brasil Colônia e ainda contou com forte influência inglesa em sua cultura, história, desenvolvimento e gastronomia. 
          A influência britânica em Nova Lima teve início no século XIX, quando a Anglo Gold, multinacional inglesa, adquiriu a Mina de Morro Velho, em 1834, transferindo a filial da empresa, em São João Del Rei, para Nova Lima, com direção em Londres, capital do Reino Unido. Os ingleses tinham muita experiência na extração mineral com conhecimentos, técnicas e maquinário industrial, inexistentes naqueles tempos. Em terras mineiras, deixaram um pouco de sua cultura, da sua rica arquitetura, presente na cidade, e principalmente no bairro Quintas.
          Além disso, por sentirem falta da culinária inglesa, passaram a fazer os principais pratos da cozinha britânica em nossas terras, tendo como apoio as cozinheiras locais, que adaptavam seus pratos aos ingredientes existentes em Minas Gerais. Assim, deixaram um pouco de sua culinária, com destaque para o bolo Queca, hoje uma das maiores identidades de Nova Lima, junto com outra guloseima tradicional na cidade, a Lamparina. Essas duas guloseimas são registradas como patrimônios imateriais da cidade.
          A Lamparina chamou a atenção do Imperador Dom Pedro II, que experimentou a iguaria em visita à cidade em 1881. Dom Pedro II gostou demais da do doce, que passou a partir de então, a se popularizar na cidade e região. Lamparina é o nome de um pastel doce feito com massa folheada e coco, tradicional na cidade, inspirado na receita do Pastel de Belém, tradicional pastel de origem portuguesa.
          Naqueles tempos, não existia energia elétrica na cidade e a lamparina era a única forma de iluminar as casas e pousadas à noite. Numa pousada da cidade, os hóspedes, quando iam para seus quartos dormirem, recebiam o pastel doce num prato, junto com uma lamparina já acesa, para iluminar o quarto. Assim, passaram a chamar o doce de lamparina e o nome se popularizou.
          Sempre que vou à Nova Lima faço questão de experimentar o pastel doce e não me surpreende ter aguçado o paladar do Imperador, o doce é muito bom mesmo. Que me perdoem os portugueses, nossa Lamparina é tão deliciosa quanto o Pastel de Belém.
Veja como fazer o Pastel doce Lamparina 
Utensílios: Forminhas e rolo para pastel
Esse pastel é diferente do comum, é assado em forminhas, tipo para empadas. (fotografia abaixo de Júlio de Freitas)
Ingredientes para a massa
. 500 g de farinha de trigo
. 1 colher (chá) de sal
. 1 colher (sopa) de fermento em pó
. 2 ovos inteiros
. 2 colheres (sopa) bem cheias de banha de porco
. 1 copo (requeijão) de água
Recheio
. 3 cocos ralados
. 400 gramas de açúcar
. 1 noz-moscada ralada
. 400 gramas de manteiga
.9 gemas
Para folhar a massa
. Banha de porco
. 200 g de farinha de trigo misturada com 1 colher de sopa de fermento
Modo de preparo
- Coloque numa vasilha a farinha, o sal e o fermento e misture tudo
- Em seguida, faça um buraco no meio e coloque os ovos e a banha.
- Despeje devagar a água e mexa apenas com as pontas do dedo, sem sovar. A massa não pode ser sovada.
- Mexa bem até que fique uma massa homogênea. Após isso, cubra e deixe descansando por 1 hora.
Enquanto a massa descansa, comece a preparar o recheio
- Pegue o coco, o açúcar e uma parte da noz-moscada e coloque numa vasilha. Misture e coloque a manteiga. Mexa bem até que os ingredientes fiquem bem incorporados.
- Em seguida, coloque as gemas de ovos e misture bem com uma colher. Reserve
Agora vamos folhar a massa que já descansou
- Pegue um pouco da mistura de farinha de trigo com fermento e espalhe sobre uma bancada e no rolo.
- Coloque a massa sobre a bancada e passe o rolo até que fique uma massa mais fina.
- Em seguida, passe a banha sobre a massa e salpique mais a mistura de farinha de trigo com fermento.
- Vire a massa, passe a banha e salpique mais farinha de trigo com fermento.
- Cubra e deixe descansando por mais 10 minutos.
- Pegue as forminhas, unte com manteiga e coloque-as todas sobre a bancada, lado a lado.
- Agora pegue a massa e coloque-a sobre as forminhas.
- Com ajuda de uma tesoura, vá cortando a massa, tirando os excessos de massa nas laterais.
- Aperte com o dedo a massa na forminha e com uma colher, vá colocando o recheio em cada forminha.
- Pré-aqueça o forno a 180 graus e leve as forminhas para assar por uns 40 minutos ou até que comecem a dourar.
- Antes de servir, se preferir, pulverize açúcar sobre as lamparinas. 
          Já o bolo Queca é uma das grandes contribuições gastronômica dos ingleses para Nova Lima. Uma das receitas mais populares de Nova Lima é a Queca. (na foto acima do Júlio de Freitas)
          É um bolo que as nova-limenses, que trabalhavam nas casas dos ingleses aprenderam a fazer. Elas adaptaram uma tradicional receita inglesa, ensinada por suas patroas, aos nossos ingredientes, como as frutas, substituindo as frutas europeias, pelas frutas tropicais que existiam na região. 
          As cozinheiras gostaram muito do resultado final e sabor do bolo, até então, diferente dos bolos que existiam em nossas terras. As patroas também gostaram do resultado final do bolo. Além de fazer a Queca para os ingleses, passaram a fazer para seus familiares. Era tão bom que a guloseima passou a se popularizar entre os moradores da cidade e de outras cidades da vizinhança. O bolo Queca caiu no gosto de todos.
         Na verdade, o nome original do bolo era Cake English, que traduzindo, significa: bolo inglês. As patroas, falavam um português com forte sotaque, e as nova-limenses da época, que trabalhavam para os ingleses, não entendiam muito o que as patroas e patrões falavam. Da palavra Cake (pronuncia-se keik,), entendiam “queca”, assim escreviam e assim pronunciavam, ficando assim o nome. 
         É um bolo muito comum na época de natal, típico da Inglaterra, feito com frutas cristalizadas, castanhas, nozes, passas, ameixas e cerejas. A fôrma para fazer esse bolo era também diferente, até então não existente no Brasil, que é a fôrma pequena e bem retangular, chamada de fôrma para bolo inglês, muito comum hoje e fácil de encontrar.  
         Assim surgiu a “Queca”, um bolo mineiro, com origem em Nova Lima, com inspiração no English Christmas Cake. Um bolo tradicional, principalmente na época natalina, em Nova Lima, encontrado nas confeitarias e padarias da cidade, já vindo bem embrulhado, no capricho.
          
O Queca é um dos bolos que eu faço questão de experimentar e trazer para casa, sempre que vou à Nova Lima. Para fazer o bolo Queca, você vai precisar de 4 fôrmas para bolo inglês. 
Receita do bolo Queca
Ingredientes
. 1 quilo de farinha de trigo
. 9 ovos
. 1 colher (sopa) bem cheia de banha de porco
. 250 gramas de manteiga em temperatura ambiente
. 1 colher (sopa) de fermento em pó
. 1/2 noz-moscada ralada
. 1 colher (chá) de canela em pó
. 1 colher (chá) de erva doce
. 1 colher (chá) de cravo moído
. 1 colher (chá) de sal
. 150 gramas de figo cristalizado
. 150 gramas de cidra cristalizada
. 250 gramas de frutas diversas cristalizadas
. 150 gramas de passas pretas sem sementes
. 150 gramas de passas brancas sem sementes
. 150 gramas de ameixas pretas sem caroço e já picadinhas
. 150 gramas de nozes picadinhas
. 150 gramas de cerejas picadinhas
. 1/1/2 de conhaque
. 1 pitada de bicarbonato de sódio dissolvido no suco de um limão
Para a calda: 500 gramas de açúcar e 3 copos de água
Preparando o bolo Queca
- Coloque o açúcar numa panela, derreta e vá aos poucos despejando a água fria, deixando no fogo e mexendo, até ficar uma calda densa. Reserve
- Numa vasilha, coloque as passas pretas e brancas, despeje o conhaque e deixe de molho.
- Numa bacia coloque as frutas cristalizadas, a ameixa, as passas, as nozes, as castanhas e as cerejas (deixe um pouco de nozes, castanhas e cerejas para decorar o bolo)
- Acrescente 250 gramas e misture tudo com uma colher de pau. Reserve
- Em outra vasilha, coloque os ovos, a manteiga e a banha e bata com uma colher.
- Despeje a calda de açúcar e bata novamente.
- Acrescente agora o restante da farinha, o fermento em pó, o sal, a noz moscada, a canela, a erva doce e o cravo.
- Misture tudo com a ajuda de uma colher de pau e adicione em seguida o conhaque molho com as passas.
- Bata bem a massa com a colher até ficar firme e homogênea.
- Coloque na massa as frutas cristalizadas e misture, com as mãos.
- Acrescente agora o limão com o bicarbonato misturado e misture a massa novamente, com as mãos.
- Ligue o forno em 180 graus e na prateleira mais baixa do forno, coloque água e deixe o forno ligado por 15 minutos, antes de colocar as fôrmas com as Quecas
- Unte as 4 fôrmas com manteiga e farinha ou use papel manteiga e despeje a massa nas fôrmas, mas sem encher muito porque crescerão.
- Enfarinhe um pouco de nozes, castanhas e cerejas e espalhe por cima das Quecas e leve para assar por mais ou menos 90 minutos.
- Após esse tempo, faça o teste do palito. Caso esteja no ponto, desligue e reque por cima, um pouco de conhaque.
- Espere esfriar e sirva.
- Caso queira sobre, guarde as Quecas, embrulhadas com papel filme e coloque-as em potes fechados. Assim elas preservarão o sabor por 3 dias.
Outras Atrações de Nova Lima 
          Nova Lima é uma cidade muito bem cuidada, elegante, acolhedora e com uma arquitetura variada nos estilos colonial inglês, barroco mineiro, neoclássico, art décor, eclética, modernista e contemporânea. Esses estilos variados presentes em sua arquitetura chama a atenção pela riqueza, beleza e qualidade dos detalhes e entalhes. (fotografia acima de Júlio de Prestes)
          A Rua do Zigue-zague (na foto de Cássia Almeida) é muito interessante. Foi construída por volta de 1894 em forma de Z, ligando a parte baixa da cidade à parte alta, onde estava sendo construído um novo bairro, sendo essa subida o único acesso para o Largo da Matriz. Para chegar material de construção à parte alta, o transporte era feito em lombos de mulas e burros, e mesmo para quem subia a pé, era um sacrifício muito grande. A forma encontrada, para aliviar, tanto o peso da carga nos animais e facilitar a subida das pessoas, foi fazer uma escadaria em Z, fazendo com que a subida fosse menos cansativa, tanto para as pessoas, quanto para os animais. É um dos símbolos da cidade e uma das grandes referências em Minas na preocupação com a mobilidade humana, bem como no respeito aos animais. 
          A Lagoa dos Ingleses é um dos mais belos cartões postais da cidade. É uma lagoa artificial, criada em 1932 para ser uma barragem de armazenamento de água de chuva, para gerar energia para mina de Morro Velho, que é a concessionária do uso das águas da represa. Com o passar do tempo, a lagoa passou a ser usada para prática de esportes e em seu entorno, já que a região está na divisa com a zona sul da capital, começaram a surgir construções, prédios e o residencial Alphaville. Hoje a lagoa é um dos mais belos lugares de Nova Lima, muito procurada por turistas e praticantes de esportes náuticos, tanto de Nova Lima, quanto de Belo Horizonte. (foto acima de John Brandão/@fotografo_aventureiro)
          A art décor, um movimento que surgiu na Europa no início do século XX, está presente em dezenas de construções na região Central da cidade, em destaque para o Teatro Municipal Manoel Franzen de Lima (na foto acima de Elpídio Justino de Andrade), projetado pelo arquiteto italiano Raffaello Berti, em 1939, inaugurado em 1943. São 3 pavimentos, com capacidade para 800 pessoas.
          Outro destaque em sua arquitetura é o prédio da Câmara Municipal e Biblioteca Municipal. Construído em estilo neoclássico, predominante na Europa no século XVIII. Os edifícios tem traços greco-romanos, com colunas e arcos. 
          Os ingleses construíram suas casas no estilo da Era Vitoriana, quando Vitória, era a Rainha da Inglaterra. (na foto acima do Júlio de Freitas, a Igreja Anglicana de Nova Lima) Uma das características desse estilo era o uso de madeira nas construções como vigas, telhados e assoalhos, bem como paredes pintadas com cores diferentes para a época, como o cobre, vermelho, marrom e o dourado, que para os ingleses significava a riqueza. Além disso, o uso excessivo de adornos, objetos e móveis em madeira muito bem talhados, era uma de suas principais características. 
          O estilo arquitetônico da Era Vitoriana, na Inglaterra, pode ser visto em Nova Lima, no bairro Quintas (foto acima de construção em estilo vitoriano, de autoria de Elpídio Justino de Andrade), onde boa parte dos ingleses optaram por viver, quando aqui vieram a partir de 1834, para explorar a Minas de Morro Velho. Usavam as madeiras da região para fazerem as bases de suas casas, bem como os assoalhos, as sacadas e varandas em treliças. As casas eram cercadas com cercas vivas. Os ingleses não faziam muros. O bairro é um exemplo típico da arquitetura colonial inglesa. Algumas das construções do século XIX do bairro, se transformaram em cartões postais da como a Casa Grande, que sedia o Centro de Memória da Anglo Gold, o Clube das Quintas, a Sede da Companhia Independente da PMMG, dentre outros casarões. 
          Além da tradicional arquitetura eclética, colonial barroca, colonial inglesa, neoclássica e art décor, a cidade tem vários traços modernos em sua arquitetura urbana, como a Torre Alta Vila com 103 metros de altura, que conta com restaurante e mirante, de onde tem uma ampla vista de Belo Horizonte e Nova Lima. (fotografia acima e abaixo de Marley Mello)
          A cidade conta ainda com restaurantes e bares requintados e tradicionais, com pratos de várias cozinhas do mundo, além da mineira, casas de shows, shoppings, prédios e casas moderníssimas, formando uma mescla de estilo de épocas diferentes, atrativos a todos os gostos. 
          Além das atrações citadas acima, em Nova Lima o visitante tem ainda como atração a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a Igreja de Santo Antônio (na foto acima de Elpídio Justino de Andrade) a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, o Estádio Castor Cinfuentes, o Parque Ecológico Rego dos Carrapatos, o Concordia Corporate.
          O Bicame é outro atrativo histórico. Trata-se de um aqueduto feito para levar água até a Mina de Morro Velho. Foi projetada pelo inglês George Chalmers, (Falmouth, 1857 - Golders Green Crematorium, Londres, 1928), um minerador e empreendedor britânico, radicado no Brasil, superintendente da Mina de Morro Velho, na época. George Chalmers teve participação na ornamentação interna da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar (na foto da Andréia Gomes), erguida no século XVIII, doando obras do Mestre Barroco Mineiro, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, que ornamentam altar-mor, o coro, o batistério e as laterais do altar. É uma igreja de grande valor artístico e cultural não só para Nova Lima, mas para Minas Gerais.
          Nova Lima é uma cidade acolhedora, com um povo hospitaleiro e muito gentil. A conta com uma ótima rede hoteleira e gastronômica, além de várias opções de lazer, naturais, com seus parques, matas, trilhas, montanhas, cachoeiras e belezas naturais diversas, além de atrativos culturais, religiosos e folclóricos durante o ano todo.

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores