Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

sábado, 15 de janeiro de 2022

A tradição da Festa do Divino em Minas Gerais

(Por Arnaldo Silva) Por tradição, a Festa do Divino Espírito Santo é realizada 50 dias após a Páscoa, entre agosto e setembro. Algumas cidades podem realizar a festa em meses diferentes, de acordo com sua tradição e história.
          É uma das mais antigas tradições religiosas da humanidade, que antecede a cristandade. Tem origem no Oriente Médio. Nos dias de Pentecostes, no fim da colheita, os israelitas agradeciam a fartura e distribuíam parte da colheita ao povo, conforme ordenança divina. (fotografia acima de Giselle Oliveira a Capela de Nossa Senhora do Amparo, construída na primeira metade do Século XVIII é conhecida ainda por Capela Imperial, por ser a sede da Festa do Divino em Diamantina MG)
          A celebração israelita foi incorporada pela Igreja Católica na Idade Média, passando a festa ser a comemoração da vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos, nos primórdios da era cristã. Na cristandade, o Espírito Santo é simbolizado em forma de uma pomba branca.
          Segundo a fé cristã, o Divino Espírito Santo não é um santo ou um padroeiro e sim uma divindade, que junto a Deus e Jesus Cristo, forma a Santíssima Trindade.
A tradição milenar da Festa do Divino
          Na Festa do Divino, os devotos fazem pedidos e promessas ao Divino Espírito e também, agradecem pelas bênçãos, colheita e fartura. (acima, a Festa do Divino em Diamantina MG, registrada por Giselle Oliveira)
          É uma festa totalmente diferente das festas cristãs tradicionais, como conhecemos. As festas religiosas, comemoram um fato que aconteceu no passado, como vitórias em batalhas, o nascimento, a morte ou os feitos de um santo, um líder religioso ou mesmo, um herói.
          A Festa do Divino Espírito Santo, não reverencia o passado ou os feitos de alguém, e sim, o futuro. É algo que vai acontecer. É a celebração do Reino de Deus. Um mundo justo, fraterno, de paz, que virá através da ação do Espírito Santo de Deus em nossas vidas e no mundo.
          Ao longo dos séculos, essa tradição foi preservada e se estendeu pela Europa, durante a Idade Média. Era uma forma de agradecimento pela colheita e um momento de caridade coletiva, pois os devotos eram exortados a ajudar os mais necessitados com doações.
          A devoção ao Divino Espírito Santo passou a se tornar festa, na Alemanha, tornando-se tradição nesse país. A festa se expandiu para vários países da Europa, como Portugal.
          No país lusitano, a devoção ao Divino Espírito Santo foi instituída pela Rainha Isabel (1271/1336, posteriormente canonizada pela Igreja Católica como Santa Isabel de Portugal.
A Festa do Divino Espírito Santo
          A Festa do Divino, em sua origem no Brasil, consistia na escolha de uma pessoa, seja adulta ou criança, como Imperador do Divino. Com as bênçãos do Espírito Santo, a pureza invadia o coração do escolhido, e sua benevolência trazia fartura, paz, perdão e prosperidade. Cheio do Espírito Santo de Deus, o Imperador do Divino, se tornava mais bondoso e benevolente. Distribuía alimentos aos mais necessitados, promovia justiça, dentre outras benevolências. (na foto acima de Ane Souz, Festa do Divino e de São Bartolomeu em São Bartolomeu, distrito de Ouro Preto MG)
          Na tradição original, o Espírito Santo é simbolizado por uma pomba branca, com bandeira de uma pomba, hasteada em um mastro colorido. O ritual simboliza o recebimento dos sete dons, de quem recebe suas bênçãos que são a piedade, o temor a Deus, a ciência, a sabedoria, a fortaleza, o conselho e o entendimento.
          A Festa do Divino Espírito Santo, chegou ao Brasil no século XVII, pelos portugueses. Com o tempo, a devoção ao Divino Espírito Santo, saiu dos casarões e igrejas suntuosas da fidalguia, para as camadas mais simples do Brasil, se tornando popular, principalmente, a figura do Imperador, já que era o Imperador do Divino, que recebia os dons do Espírito Santo e distribuía benevolências.
          De tão popular que era a figura do Imperador do Divino, representado na festa, que serviu de inspiração para José Bonifácio Andrada, mudar a nominação monárquica do Brasil, em 1822. Em Portugal e na Família Real portuguesa, não existia o título de imperador ou imperatriz e sim, rei e rainha.
          Dom Pedro I não foi coroado Rei do Brasil e sim, Imperador do Brasil. O objetivo era popularizar a figura do líder do Império brasileiro, Dom Pedro I, ligando a figura do Imperador, à popularíssima figura do Imperador do Divino.
A Festa do Divino em Minas Gerais
          A devoção ao Divino se tornou uma das mais importantes festas religiosas portuguesas, tendo sido introduzida no Brasil no século XVII, tornando-se uma das mais populares festas religiosas e folclóricas do Brasil, principalmente em Minas Gerais, onde a Festa do Divino é uma das maiores identidades culturais do Estado.
          As comunidades se organizavam em grupos, geralmente entre parentes, vizinhos e amigos mais próximos e formavam os chamados “cortes”.
          O objetivo dos cortes é o de reverenciar o Divino Espírito Santo, preservar a tradição, agradecer bênçãos, visitar os lares dos fiéis, entoando cantos e fazendo rezas, além de arrecadar fundos, através de doações, para suprir a carência da própria comunidade.
          Em pouco tempo, se tornou uma das mais populares festas da religiosidade brasileira, principalmente mineira, já que o Estado, recebeu um grande número de portugueses, durante o Ciclo do Ouro. Os portugueses trouxeram sua gastronomia, arquitetura, cultura, música, vestuário, artesanato e tradições religiosas para Minas Gerais.
          Embora sua origem seja estritamente religiosa, tendo em sua essência novenas, missas e procissões, no Brasil e em Minas Gerais, a festa recebeu elementos da cultura local, de acordo com as características de cada região do país. Além de festa religiosa, tornou-se festa folclórica, devido a incorporação de elementos culturais dos negros, índios e portugueses.
          Em Minas Gerais, a Festa do Divino Espírito Santo é registrada como Patrimônio Imaterial de várias cidades mineiras de tão importantes que é para cultura e histórias dessas cidades.
          Durante a festa, que dura em média, 10 dias, é levantado um mastro, pelos homens, nos dias que antecede a Páscoa, simbolizando a força masculina e o início do período da Festa, que acontece 7 semanas após a Páscoa cristã. No última dia da Festa, é feito o descerramento da bandeira do Divino do mastro, simbolizando o encerramento da Festa.
          Nesse tempo, os membros dos cortes preparam suas roupas, seus instrumentos musicais, ensaiam os cânticos, coreografias e buscam doações da comunidade para preparem a festa.
          Nos dias da Festa do Divino, os membros da corte, formados por grupos de Congadas, Marujadas, Moçambiques e Folias de Reis, se reúnem, cantam e dançam pelas ruas da cidade, parando nas casas para recolherem ofertas e doações dos devotos.
          À frente do cortejo está a Corte Imperial, com figurinos vestidos com roupas coloridas e luxuosas, do tempo do Império, representando o imperador, imperatriz, príncipes e princesas, escolhidos pela comunidade.
          Toda a comunidade cristã participa da festa, seguindo a corte, aplaudindo, rezando e soltando foguetes
          A comunidade organiza as quermesses, no entorno da Igreja do Divino, bem como também, nas casas, onde a Corte passará. Quermesse são comidas e bebidas típicas de cada cidade e região, preparadas pela comunidade, seja em barracas ou mesmo, em suas casas.
          Em algumas cidades, durante a Festa do Divino, são realizadas as tradicionais encenações das batalhas entre Cristãos e Mouros, na Idade Média, as cavalhadas. É uma incorporação brasileira, à festa, bem como os mascarados que participam da festa, com o rosto e corpo todo cobertos, a pé ou a cavalo.
          No tempo da Escravidão no Brasil, os escravos não podiam participar das festas e como forma de devotar ao Divino Espírito Santo, usavam máscaras e roupas que os cobriam por inteiro, para não serem reconhecidos. Virou tradição e faz parte da Festa do Divino.
          Durante os dias da Festa do Divino, outros eventos foram incorporados aos festejos tradicionais, como shows, apresentação de fanfarras, bandas e corais locais, cavalgadas, carreadas de bois, mostra de artesanatos, barraquinhas com comidas e bebidas típicas, são feitos leilões para arrecadar fundos para a comunidade, dentre outras atividades, de acordo com as tradições de cada cidade.
A Festa do Divino é tradição secular, presente em Minas Gerais há mais de dois séculos.
          São centenas de cidades mineiras onde a Festa do Divino é tradicional e faz parte do calendário folclórico, cultural e litúrgico.
          Citaremos apenas algumas, como exemplo, como as cidades de Porteirinha, Espinosa, Montes Claros, Lontra, Cristália, São Romão e Espinosa (na foto acima do Elpídio Justino de Andrade) no Norte de Minas.
          No Vale do Jequitinhonha, a Festa do Divino é bastante popular, em Francisco Badaró, Coronel Murta, Turmalina e Veredinha (na foto acima do Elpídio Justino de Andrade).
          Na Zona da Mata, a festa é uma das maiores festividades religiosas nas cidades de Juiz de Fora, Ubá, Leopoldina, Belmiro Braga, Lamim, Piau, Mar de Espanha, Divino e Divinésia (na foto acima do Pedro Henrique.
          Belo Horizonte, Lagoa Santa, na Grande BH. Divinolândia de Minas, Divino das Laranjeiras e Carmésia (na foto acima do Elpídio Justino de Andrade) no Vale do Rio Doce
          Barbacena no Campo das Vertentes, Cristina, Alterosa, Claraval, Varginha, Campanha, Pratápolis, Elói Mendes e Delfinópolis, no Sul de Minas.
          Tem ainda Uberaba e Uberlândia no Triângulo Mineiro, Patos de Minas, no Alto Paranaíba, Curvelo, Sete Lagoas e Quartel Geral, na Região Central e Divinópolis, no centro Oeste. 
          Nessas cidades a Festa do Divino, é uma de suas mais importantes festividades religiosas. Toda a comunidade católica se envolve na festa, ajudando nos adornos e preparativos.
Há 300 anos em Minas
          Introduzida em Minas Gerais, durante o Ciclo do Ouro no século XVIII, pelos portugueses que para o Estado vieram, nas cidades históricas mineiras, a Festa do Divino Espírito Santo é uma das mais populares e tradicionais das cidades formadas nos séculos XVIII e XIX.
          Nas cidades histórica, como Ouro Preto, Minas Novas, Datas  (na foto acima de Elpídio Justino a Matriz do Divino de Datas), São João Del Rei, Ouro Branco, Sabará e Diamantina, a Festa do Divino é um secular e com forte participação popular.
          A festa nessas cidades, mobiliza os moradores, bem como faz parte da identidade cultural dessas cidades.
          Através desta Festa do Divino, o povo mineiro revive sua história, demonstra sua fé e mostra seus sabores e saberes tradicionais.
Diamantina 
          Em Minas Gerais, a Festa do Divino Espírito Santo, tem como protagonista, a cidade histórica de Diamantina (na foto acima da Giselle Oliveira).
          A cidade histórica, Patrimônio da Humanidade desde 1999, revive a época do Império Brasileiro, com figurinos rigorosamente representando a Família Real Brasileira e todo o cortejo e cortes, seguindo a Corte Imperial.
          Diamantina realiza há mais de 200 anos, geralmente no mês de maio, é uma das mais belas, emocionantes e originais festas do Divino no Brasil. A Festa do Divino é tão importante pra Diamantina que, desde 2014, é reconhecida como Patrimônio Imaterial da cidade.
          Em Minas Gerais, a Festa do Divino Espírito Santo é mais que uma festa religiosa, é uma das maiores identidades culturais, folclóricas e históricas do Estado.

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

O pastel de fubá de Machado

(Por Arnaldo Silva) Cidade charmosa, tradicional e acolhedora, Machado, no Sul de Minas, conta atualmente com cerca de 43 mil habitantes. Distante 381 km da capital Mineira, e a menos 100 km de Varginha, Pouso Alegre e Poços de Caldas, o município faz divisa com Alfenas, Carvalhópolis, Poço Fundo, Serrania, Campestre, Turvolândia, Paraguaçu e Cordislândia.
          A cidade de Machado tem origem no início do século XIX com a formação de um pequeno povoado. Ao longo dos anos, o povoado foi crescendo, sendo elevado a freguesia, vila, distrito e por fim, à cidade emancipada em 13 de setembro de 1881.
          Machado se destaca em Minas Gerais pela produção de café desde as primeiras décadas do século XIX, pela festa de São Benedito, na foto acima, pelas Congadas e pelo pastel de fubá.
Da senzala para a Casa Grande
          O pastel de fubá de Machado tem origens no final do século XIX nas fazendas cafeeiras de famílias de origens lusitanas. Saiu das senzalas para a cozinha das casas grandes.
          Diferente dos pasteis portugueses, a base da massa do pastel de fubá não era o trigo e sim o fubá e o polvilho. Era preparado pelas escravas e chegou às mesas dos senhores das casas grandes.
          A iguaria agradou o paladar da grande colônia de imigrantes italianos que chegaram à cidade nas últimas décadas do século XIX e início do século XX, para trabalharem nas fazendas de café. Foram os italianos os responsáveis pela preservação e difusão do modo de fazer do pastel de fubá.
Patrimônio cultural imaterial
          O pastel de fubá surgiu junto com a formação social, política, econômica e cultural de Machado, sendo um bem de grande valor para a cidade (na foto acima).
          De tão tradicional e importante que a iguaria é para a cidade, foi reconhecida como patrimônio cultural imaterial do município.
          Além disso, está em discussão na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, projeto de lei que reconhece o pastel de fubá de Machado, como bem imaterial de relevante interesse cultural e gastronômico do Estado de Minas Gerais.
Identidade única
          O pastel de fubá de Machado não tem nada a ver com o pastel de angu de Itabirito MG, que usa o angu já pronto em seu preparo e nem com pastel de farinha de Milho de Pouso Alegre MG, que usa a farinha de milho como base em sua receita.
          O ingrediente principal do pastel de fubá de Machado é o fubá puro, com polvilho azedo, água, sal e o recheio, tradicionalmente de queijo e carne moída.
          Já o modo de preparo é um segredo guardado a sete chaves, desde o final do século XIX, há mais de 130 anos. Consiste em saber a temperatura exata do óleo quente para iniciar a fritura, a proporção de um a um dos ingredientes para evitar que a massa venha a rachar e o pastel perder sua crocância.
           Você pode até encontrar um pastel parecido com o de Machado, mas não será igual ao original. O pastel de fubá de Machado é único, não tem igual em lugar algum no Brasil. Pode encontrar um parecido, mas igual, nunca.
          Mesmo sendo encontrado em grandes mercados do Brasil, como no Mercadão de São Paulo e de Brasília, o bom mesmo é experimentar o pastel de fubá em sua origem, nas cozinhas das fazendas, casas, Mercado Municipal, lanchonetes e padarias da cidade Machado.
          E vale a pena. Sabor único, inconfundível e especial.
Informações fornecidas pelo professor João Alexandre, secretário de Cultura e Turismo de Machado MG. Fotografias: Arquivo Público Municipal/Casa da Cultura/Secretaria de Cultura e Turismo de Machado.

sábado, 8 de janeiro de 2022

Esmaltados: origem, tradição e arte

(Por Arnaldo Silva) Canecas, bules, chaleiras, pratos e outros utensílios esmaltados, fizeram parte da vida da maioria do povo brasileiro. Substituídas pelos utensílios de vidro e cerâmica, os esmaltados estão voltando às nossas casas, para uso e até mesmo, decoração.
          São peças com acabamentos simples, mas carregada de beleza, charme e nostalgia, principalmente. Ter um utensílio esmaltado, hoje, é como ter um pedaço de nosso passado em casa. É uma gostosa lembrança, uma saudade da casa da avó, da vida no interior.
          Mesmo que seja uma simples canequinha branca, ela traz sempre lembranças em nossas vidas. É esse o encanto que os esmaltados proporcionam. É nostalgia pura.
Origem dos esmaltados
          Esmaltar utensílios é uma prática bem mais antiga que se pensa. Essa técnica surgiu no século 13 a.C, no antigo Egito. Era usada pelos egípcios na decoração de pedras, utensílios domésticos de cerâmicas, artesanatos e objetos de metal, principalmente joias. (acima, esmaltados da década de 1960 em antiquário em Bom Despacho MG)
          A partir do Egito, a técnica se expandiu para o mundo antigo e passou a ser usada também pelos persas, celtas, gregos, chineses, georgianos, romanos, bretões, etc. 
          Na antiguidade, o esmalte era usado na decoração e ornamentação, joias em metal, utensílios e artesanato em cerâmica e nos ornamentos religiosos.
          Uma técnica revolucionária, desde a antiguidade, presente na decoração dos mais belos templos religiosos e palácios e em detalhes arquitetônicos de cidades.
          Artesanatos e joias esmaltadas da antiguidade, são hoje valiosíssimas peças de museus em vários países do mundo, principalmente na Ásia e Oriente Médio.
O processo dos esmaltados
 
          O esmalte é obtido através da dissolução de vidro em pó com outros componentes minerais. As peças já prontas, em metal ou cerâmica, mergulhadas no esmalte. (escondidinho debaixo da cama, estava sempre o penico esmaltado. Peça que fotografei em fazenda do início século XX em Bom Despacho MG)
          Após secarem, as peças são levadas ao forno, onde são aquecidas entre 750°C a 850°C. Com o aquecimento, acontece a fusão do esmalte com o suporte (metal ou cerâmica) ocasionando a incorporação do esmalte às peças, garantindo assim sua fixação e segurança no uso.
A popularização dos esmaltados
          Até o século XVIII, esmaltado era restrito a camadas mais abastadas, já que seu uso era mais comum nas artes e na decoração de joias. Foi durante a Revolução Industrial (1760/1840), na Alemanha, que a antiga técnica egípcia começou a se popularizar. (acima, uma foto que fiz de uma máquina de fazer sorvetes no século passado, em uma antiquário em Bom Despacho MG)
          Com o surgimento da siderurgia, utensílios domésticos em ferro fundido como panelas e canecas, começaram a serem feitos em larga escala. Eram mais práticos e mais resistentes que os utensílios em cerâmica e pedras, que existiam.
          Porém, eram bastantes rústicos, enferrujavam com rapidez e modificavam o sabor dos alimentos, já que desprendiam os metais existentes no ferro durante o cozimento e obviamente, causavam problemas à saúde.
          A necessidade de melhorar a qualidade dos utensílios feitos em ferro fundido, fez com que se buscasse um revestimento que evitasse os problemas causados pelo ferro bruto fundido.
          Além disso buscavam melhorar a qualidade e aumentar a segurança dos utensílios em ferro fundido durante o cozimento e que não encarecesse muito as peças, para que fossem acessíveis à todas as camadas da sociedade.
          Foi aí que a antiga técnica de esmaltar peças dos egípcios começou a ser usada pelos alemães, sendo aperfeiçoada, surgindo assim uma tinta esmaltada que atendesse às indústrias de fundição na época.
          Esse tipo de esmalte garantia a qualidade e beleza das peças, além de torna-las mais resistentes, por exemplo, aos ácidos presentes nos alimentos e evitar a ferrugem e desprendimento de metais.
A popularização dos esmaltados
          Com o avanço da Revolução Industrial e popularização da tinta esmaltada, foram surgindo inovações ao longo do tempo como o uso do esmalte em fogões, utensílios para lojas, hospitais, móveis, sinalizações de ruas, brinquedos em metal, outros utensílios domésticos como penicos, bacias, lavatórios, etc. (na imagem acima que fiz em um antiquário em Bom Despacho MG, bicicletas do século passado)
          Com a industrialização e novas tecnologias, novos tipos de esmaltes foram surgindo, bem como a inovação de cores e produção industrial em larga escala. Antes tradicionalmente brancos, passaram a ter a coloração vermelha, preta, amarela, azul, verde, etc.
          São peças lindas e acima de tudo, refletem a cultura, estilo de vida e tradição de uma família, comunidade e até de uma cidade.
A arte nos esmaltados
          Esmaltar objeto de cerâmica como vasos e jarras, joias e metais, na antiguidade, tinha fins artísticos. Os objetos esmaltados recebiam por fim, acabamentos em pinturas diversas, de acordo com as tradições e estilo de vida dos povos e de quem os encomendava. (a imagem acima de autoria de Sila Moura, mostra um bule e canecas esmaltadas)
          As peças esmaltadas, encontradas no antigo Egito, na Pérsia, Grécia, Roma, China e outros países, mostram claramente isso. São desenhos que retratam a arquitetura, personagens, instrumentos camponeses, animais, batalhas, etc.
          A beleza da arte antiga nos esmaltados, impressiona, principalmente no acabamento final das joias.
Diferencial
          Os esmaltados coloridos e artísticos se destacam, tem personalidade e um diferencial que cristais e peças mais bem trabalhadas, não tem. (a imagem acima da Katita Jardim da loja Trem de Ferro em Belo Horizonte, mostra uma pratos e canecas esmaltadas com desenhos feito pela artesão Fabiana Natalino)
          Esse diferencial é a nostalgia, o laço sentimental e familiar que esses utensílios carregam, até mesmo por gerações.
          Em algumas famílias, esmaltados compõe herança familiar. São relíquias herdadas de pais, avós e bisavós, de alto valor sentimental, que os herdeiros guardam e preservam com muito carinho e dificilmente vendem.
          Isso porque seria como se fossem vender uma parte da vida de seus antepassados, uma parte de suas histórias.
Em Minas Gerais
          Em sua origem, o esmalte era usado pelos povos antigos para fazer pinturas nas peças, em cerâmica e metal. Na produção em larga escala predominava a cor branca, sem desenhos. (acima, uma chaleira esmaltada e com desenhos artísticos feitos por Fabiana Natalino de Espera Feliz MG, fotografada pela Katita Jardim da loja Trem de Ferro em Belo Horizonte)
          Essa prática de mais de 3 mil anos, está voltando aos esmaltados pelas mãos de nossos artistas, que colocam seus talentos na arte de pintar, em bules, chaleiras, pratos, copos e canecas.
          No caso de Minas Gerais, as pinturas nos utensílios esmaltados retratam o cotidiano do interior, a vida na roça, o mineirês e a simplicidade do povo mineiro. (na imagem acima e abaixo, canecas esmaltadas com escrita em mineirês e com direito a caixa personalizada, feita pela Thalyta Moreira/@amoreira_loja em Divinópolis MG)
          Os esmaltados são trabalhados com a arte mineira, com figuras de galinhas, ovos, vacas, carro de bois, fogão a lenha, cavalos, paisagens rurais, café no coador, flores, etc.
As canequinhas
 
          As charmosas canequinhas esmaltadas são as queridinhas, tanto para uso doméstico, quanto para a arte e decoração. Estão mais presentes no cotidiano da vida no interior e também, na vida dos que deixam sua terra natal, para viverem na cidade grande. (a imagem acima da Marluce Ferreira Barros, de Ipatinga, mostra a hora do cafezinho e sempre uma canequinha esmaltada está presente)
          Não tem um que não conheça, tenha em casa ou ao menos, usado um dia na vida uma canequinha esmaltada.
          Elas transmitem simplicidade, nos faz voltar ao tempo e reviver uma gostosa saudade da vida no interior, em família. É a lembrança da casa de vó, da infância, dos cafés da manhã e da tarde nas canequinhas. (na imagem acima, prato esmaltado com desenhos feitos pela artesã Daniela, registrado pela Katita Jardim da loja Trem de Ferro em Belo Horizonte)
          Os esmaltados antigos são difíceis de encontrar. Bem resistentes, pesados, mas charmosos. São relíquias de famílias, encontradas em casarões seculares e em antiquários, mas continuam sendo fabricadas e presentes em nossas casas.
          Tanto as canecas, como os bules, panelas, chaleiras, copos, são práticos, bem resistentes e até os dias de hoje, continuam a nos encantar e emocionar. Continuam ainda acessíveis a todas as camadas sociais sendo feitos em escala industrial.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2021

Broa e bolo, biscoito e bolacha, rosca e pão

(Por Arnaldo Silva) A cozinha mineira, em sua origem, tem como base a gordura de porco, a galinha caipira, a mandioca e seus derivados, como o polvilho. A carne de porco, a galinha caipira, o fubá, as hortaliças de quintal e pomar como couve, ora-pro-nobis, quiabo e frutas, além do leite e seus derivados como queijos e doces.
          São sabores, que se tornaram fazeres e saberes de Minas Gerais, responsáveis pela identidade da culinária mineira. (acima, quitandas feitas por Lourdinha Vieira de Bom Despacho MG)
          O leite e a nata, que é a camada de gordura que se forma na superfície do leite do leite, são ingredientes indispensáveis na culinária. É a nata que dá sabor às roscas, broas e biscoitos mineiros, sem falar no queijo, claro.
          Da nata do leite, são feitos em Minas Gerais, biscoitos, roscas e broas. Receitas centenárias, tradicionais, que sobrevivem a gerações. Quitandas presentes no cotidiano das cozinhas de toda Minas Gerais.
          São tradições mineiras, que saíram dos fornos de nossas cozinhas para todo o Brasil.
          Algumas quitandas populares no Brasil, como bolos e bolachas, se confundem com as broas e biscoitos mineiros. Embora pareçam a mesma coisa, não são. Tem suas diferenças que veremos a seguir
Biscoito ou bolacha?
          É uma das grandes confusões que existem. Em Minas Gerais é tradicionalmente, biscoito. Bolacha não é um termo usado para os biscoitos mineiros. Embora pareçam ser a mesma coisa, não são. Biscoito é biscoito, bolacha é bolacha. (biscoitos, rosquinha e pão, feitos por Mariline Rodrigues de Felício dos Santos MG)
          Na região Sul e Centro Oeste e parte do Norte do Brasil, se fala bolacha. Em vários estados nordestinos, é biscoito, bem como em Minas Gerais.
          Bolacha ou biscoito não é opção de nome. São quitandas diferentes. Em Minas Gerais biscoito é biscoito porque é biscoito, simples assim.
          Mesmo sendo feito com ingredientes parecidos, a diferença entre biscoito e bolacha está no modo de preparo e formato. Bolachas são secas. Já os biscoitos são mais macios e úmidos, além de boa parte, serem escaldados com água, óleo ou leite quente.
          Biscoito não tem uma forma e nem tamanho padronizados, já que seus moldes são feitos à mão, seja em formato anelar, rosqueado ou espiral. Já as bolachas ao contrário. Tem o formato mais padronizado. São geralmente planas e achatadas. As bolachas são mais comuns na indústria alimentícia do que os biscoitos.
- A origem do nome
          Essa diferença é explicada na origem do nome das duas iguarias.
          A palavra Biscoito tem origem francesa. É a junção das palavras “bis” = duas com “coctus” = cozido. Traduzindo: Cozido duas vezes.
          Já a palavra Bolacha tem origem na palavra do latim, “bulla” = Objeto esférico, com a palavra “acha” = diminutivo. Dai o nome, bolacha, no literal, um objetivo esférico pequeno.
          Então, bolacha não é biscoito e nem biscoito é bolacha.
É Broa ou Bolo?
          Um leigo dirá que tanto faz, que é a mesma coisa. Mas não é mesmo. (na foto acima, broa de nata feita pela Lourdinha Vieira de Bom Despacho MG)
          As broas mineiras, estão presentes nos fornos de nossas cozinhas desde o século XVIII. Numa época de carência de alimentos e com a chegada cada vez mais de portugueses, durante o Ciclo do Ouro em Minas Gerais, novas receitas foram surgindo ou adaptadas da original, para atender a demanda.
          Como naquela época, o trigo, não existia no Brasil, e bolo era uma tradição antiga na Europa, o fubá substituiu o trigo. Essa é a diferença entre broa e bolo.
          No bolo, a farinha de trigo predomina. Já na broa, é o fubá o ingrediente principal. Com a facilidade de encontrar trigo hoje, nos bolos de fubá, a farinha de trigo foi incluída à receita para dar mais liga.
          Se a predominância for de farinha de trigo, é bolo. Se na receita, tiver mais fubá, que farinha de trigo, é broa. No original, broa mineira é feita somente com fubá.
          A diferença também pode ser percebida na cor da massa. A broa, tem a coloração da cor do fubá. Já o bolo, segue a tonalidade da farinha de trigo, mais claro.
- Origem da palavra broa

          A palavra broa passou a ser usada a partir de meados do século XIX. Tem origem na palavra inglesa “bread”, que significa pão. Nessa época, Minas Gerais recebeu um grande número de imigrantes ingleses que vieram para o Estado explorar minas de ouro.
          Pão feito com trigo não existia muito no Brasil, já que a farinha de trigo vinha da Europa e demorava para chegar. Também, bolo não era uma iguaria popular, principalmente em Minas Gerais.
          Os ingleses sentiam a necessidade de seus bolos e deram um jeito de adaptar a broa feita de fubá dos mineiros às suas tradicionais fôrmas para bolos, estreitas e retangulares.
          As cozinheiras que trabalhavam nas casas dos ingleses, passaram a fazer o “bread” que os ingleses pediam. Como as cozinheiras e mineiros não entendiam bem como se pronunciava “bread”, passaram a falar como entendiam, broa. E assim ficou broa, o nome de uma de nossas mais tradicionais iguarias.
- Bolo Cake e Bolo Queca
          Caso parecido é do tradicional bolo Queca de Nova Lima, a 35 km de Belo Horizonte. É uma iguaria de enorme tradição na cidade, sendo inclusive patrimônio imaterial do município.

          O Queca é outra influência da língua inglesa, no sotaque mineiro.
          Os ingleses vieram para Nova Lima, explorar a Mina de Morro Velho. As esposas dos ingleses, queriam fazer o seu tradicional “English Cake” (Bolo Inglês)
          Esse bolo tem como cobertura frutas típicas europeias como cerejas, framboesas, morangos, etc., não existentes no Brasil à época. As cozinheiras adaptaram à receita do cake, frutas tropicais.
          O bolo tão bom, que as próprias cozinheiras passaram a fazer para suas famílias e vizinhos. Só que tinham dificuldades em pronunciar corretamente a palavra “cake”. Pronunciavam como entendia, “queca”. E assim ficou nome e surgiu um dos mais saborosos e tradicionais bolos de Nova Lima MG.
Rosca e pão
          A diferença de rosca e pão é apenas no formato. Rosca é um pão enroscado. O pão tem suas características definidas e formatos definidos, bem como, fôrmas próprias. (na foto acima, rosca e pão, feitos pela Mariline Rodrigues de Felicio dos Santos)
          Já a rosca não, pode ser feita em vários formatos como redondos ou formato menor, as chamadas, rosquinhas. O molde é sempre em forma de rosca.
          O nome tem origem em Portugal e Espanha, inspirado nas formas cilíndricas dos parafusos, porcas, tubos e peças metálicas em rotação. É uma forma diferente de moldar um pão. Apenas isso.
Receitas de biscoito, rosca e broa
Receita de biscoito de nata
Ingredientes

. 500 gramas de farinha de trigo peneirada
. 50 gramas de nata fresca, de preferência
. 2 ovos
. 1 xícara (chá) de açúcar
. 1 colher (sopa) de fermento em pó
. 1 pitada de sal
Modo de preparo
- Coloque a nata e o açúcar na batedeira e deixe batendo até conseguir uma consistência cremosa.
- Acrescente os ovos e bata até os ingredientes ficarem homogêneos.
- Desligue, acrescente o fermento e misture com uma colher.
- Acrescente a farinha de trigo e comece a mexer, com as mãos.
- Sove bastante
- Pegue um punhado de massa com as mãos, enrole, faça uma tira, pegue a tira pelo meio e enrosque, torcendo e unindo as duas pontas.
- Coloque as rosquinhas num tabuleiro untado com manteiga e farinha e espalhe e um pouco de açúcar refinado sobre as rosquinhas.
- Leve para assar em forno pré-aquecido a 180 graus por uns 15 minutos ou até que doure.
- Só esperar esfriar um pouco e servir com café!
Receita de rosca
Ingredientes

. 1 quilo de farinha de trigo + ou -
. 2 copos (americano) de nata
. 3 ovos
. 1 xícara de açúcar
. 1 colher (sopa) de fermento biológico
. 2 colheres (sopa) de manteiga
. 1 copo (americano) de óleo
. 1 pitada de sal
Modo de preparo
- Coloque no liquidificador o açúcar, os ovos, o sal, a nata, a manteiga, o óleo e bata por 5 minutos.
- Desligue e acrescente o fermento, misturando com uma colher.
- Despeje numa vasilha e vá colocando aos poucos a farinha de trigo, mexendo com as mãos.
- Como a massa estiver grossa, comece a sovar bem firme, até que a massa desgrude das mãos.
- Cubra a massa e deixe descansando por 30 minutos
- Após esse tempo, espalhe a massa sobre uma bancada enfarinhada, passe um rolo de macarrão e corte a massa em várias tiras.
- Pegue duas tiras, junte as pontas e vá trançando, até unir a outra ponta.
- Coloque em fôrmas já untadas e enfarinha, cubra e deixe descansando por 1 hora.
- Após esse tempo, leve para assar em forno pré-aquecido a 180 graus por 30 minutos ou até que fique dourada.
Receita de Broa de nata
Ingredientes
. 500 gramas de nata
. 1 quilo de fubá mimoso
. 1 ½ xícara de farinha de trigo
. ½ xícara de manteiga
. 2 xícaras (chá) de açúcar
. 6 ovos
. 1 copo americano de leite
. Erva doce a gosto
. 1 colher rasa (sopa) de fermento em pó
Modo de preparo
- Coloque numa vasilha a nata, o leite, os ovos, a manteiga, a erva doce e o açúcar e mexa com uma colher.
. Acrescente a farinha de trigo e mexa.
. Aos poucos, vá despejando o fubá, mexendo com as mãos até adquirir consistência e estar desgrudando das mãos.
- Unte uma fôrma retangular com manteiga e fubá e leve para asar em forno pré-aquecido a 180 graus por 25 minutos ou até que fique dourada.

sábado, 25 de dezembro de 2021

Labneh: o queijo de coalhada seca

(Por Arnaldo Silva) Um dos queijos mais antigos e um dos mais fáceis de se fazer no mundo. Além de muito saboroso, é saudável, bastante nutritivo, leve e cremoso. Feito à base de coalhada seca e formato de bolinhas, tem origem no Líbano, no Oriente Médio com o nome de Labneh, que significa, coalhada seca.
          É ainda bastante consumido no Sudeste da Ásia e na Grécia. Só que neste país, é feito com o tradicional Iogurte grego. Mas o tradicional, é com leite puro, de ovelha. Mas pode ser feito também com leite de cabra, de búfala e de vaca, pasteurizado, o mais comum, feito no Brasil. Por isso, é um queijo mais leve, com baixo teor de gordura e maior concentração de proteínas.
          No seu preparo final, usa-se as tradicionais especiais árabes, o que dá um sabor mais leve e exótico a esse tipo de queijo. Por usar leite pasteurizado, o de saquinho, pode ser feito na cidade facilmente.
          É modelado em bolinhas e originalmente, com ervas e ainda em conserva de azeite de oliva ou de abacate. Acompanha muito bem pães, pratos doces e salgados. É ótimo como lanche e ainda, como tira gosto, acompanhado de cerveja ou vinhos.
          Vamos aprender agora como fazer o Labneh – O queijo de Coalhada Seca.
Ingredientes
. 5 saquinhos de leite de vaca cru
. 2 gotas de coalho
. 1 grama (apenas 1 grama) de cloreto de cálcio (encontrado em supermercados) Sua função é ajudar na coagulação do leite pasteurizado.
. 4 gramas ou 1 saquinho de fermento para coalhada (encontrado em supermercados) 
. Sal (1,5% proporcional ao peso da massa)
. Tempero: pimenta calabresa, orégano, tomates secos picadinhos, salsa, gominho, etc.
Modo de preparo
- Despeje todo o leite num tacho, ferva no fogo alto por 20 minutos, mexendo sempre..
- Desligue, tampe e espere esfriar.
- Coloque o fermento para coalhada, o cloreto e o coalho. Mexa bastante, cubra e deixe descansando de um dia para o outro.
- No dia seguinte, "quebre" a massa com a ajuda de uma faca, fazendo cortes.
- Tampe e deixe mais 1 hora descansando.
- Escorra o soro da massa com a ajuda de uma peneira bem fina ou um pano bem limpo. Esprema até sair todo o soro.
- Acrescente o sal de acordo com o peso da massa. 1,5% de sal. Se deu, por exemplo, 2 quilos de massa, 1,5% da 30 gramas de sal.
- Assim que colocar o sal, comece a sovar a massa com as mãos. A textura, mais seca ou cremosa, é você que decide. Quanto mais sovar, mais seco será o queijo.
- Após sovar, faça os moldes em formato de bolinhas e espalhe os temperos.
- Coloque as bolinhas em um vidro junto com todas as especiarias e cubra  com azeite de oliva extra virgem ou de abacate.
- Tampe e deixe em conserva. O queijo absorverá o sabor das especiarias e do azeite.
- Em conserva ou em geladeira, dura por bastante tempo.
O queijo fica com um leve sabor de coalhada. É ótimo mesmo!
(fotografias e receita fornecidas pela Marília Marquez Lino do @emporiodavaquinha)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2021

Ah, Minas!

A verdade de Minas
é de quem
nunca saiu de lá
mesmo que os sonhos
tenham engendrado voos
para as grandes capitais
onde não se ouve o rorejar das águas cristalinas
despencando do alto
virando rio
buscando outras águas
pra alimentar o Velho Chico.

Quem não sabe de Minas a verdade
por certo não sabe do pó
da terra
da pedra
da limalha de ferro
que vai entrando pelos pulmões
sufocando vozes
no seu grito de liberdade
ou vira arte bela
nas mãos dos artesãos....

Quem nunca andou pelo solo mineiro
quem não parou pra ouvir o sotaque brejeiro
que é assim meio caipira
meio poesia
não sabe das angústias de um povo
que tem o horizonte encurtado pelas montanhas
as alterosas tão lindas
que impressionam o visitante
mas não revelam o grande segredo
dessa terra gigante
desse estado-diamante.

Quem sabe de Minas a verdade?
A que se esconde nas fissuras gigantescas
abertas por mãos ávidas de lucro
que transformam rejeitos tóxicos
em lama avassaladora e faminta
que a tudo devora num minuto
sem fazer distinção de nada?

É preciso ser mineiro
de coração ou de nascença
pra entender a verdade possível
a que escapole por uma pequenina fresta
quando um olhar mais atento
aquele que sai do fundinho do coração
olha assim de soslaio
e apreende o tesouro escondido.

Minas não é evidente!
Não. E nunca será.
E pra saber de Minas
é preciso intenção
e pernas pra andar.
Bom também ter ouvidos desejosos de prosa boa
e um olhar perscrutador
Se tiver ainda poesia na alma,
aí sim
a verdade de Minas se revelará
não de forma escancarada
mas aos poucos
como água saindo da nascente
à espera do tropeiro-viajante.

As riquezas de Minas
as que provocam rompimentos de barragens
explosões, inundações
vidas interrompidas
são fantasias capitalistas

O essencial
a verdade mais bonita
Ah!
É preciso ter olhos pra ver e sentir
todos os nossos Brumadinhos
Bentos Rodrigues
Marianas
tudo tão pequenino
lembrando presépio a céu aberto
e soberbo a um só tempo.

Minas é um grande mosaico
costurado de amores
Nenhum retalho é igual ao outro
mas essas sutilezas
só quem sabe da verdade de Minas
vai decifrar.

Poema de Amarília T. Couto
Imagem ilustrativa de Marselha Rufino em Itumirim MG

domingo, 19 de dezembro de 2021

1910: ano que Minas comprou acesso ao mar

(Por Arnaldo Silva) Minas encanta por seus rios, paisagens naturais, culinária, cachoeiras, arquitetura, hospitalidade e deslumbrantes montanhas. Um cenário idílico e cinematográfico, chegando à quase perfeição de tão espetacular que é.
          
Só falta o mar, banhar Minas, o que já aconteceu. Isso foi há pouco mais de 120 anos. O “litoral mineiro” era formado por 12 km de largura e 142 km de extensão. São 12 km de praia.
          Esse pedaço de chão “mineiro”, iniciava em Serra dos Aimorés/MG na Divisa com a Bahia, seguindo pelo extremo sul baiano, até Ponta de Areia, no Oceano Atlântico (na foto ilustrativa acima do Deocleciano Mundim, praia do litoral Sul da Bahia) 
A Estrada de Ferro Bahia e Minas
          Esse filete de terra fazia parte dos 578 km de extensão da Estrada de Ferro Bahia e Minas. Inaugurada em 1881, ainda a época do Império, a ferrovia ligava Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, a Ponta de Areia, distrito de Caravelas, no litoral baiano. Foi construída pela Companhia Estrada de Ferro Bahia e Minas, em parceria com o Governo de Minas.
          A ferrovia foi desativada em 1966, na época do Governo Militar, sob o argumento de que asfalto e transporte rodoviário, traria mais desenvolvimento para a região, do que manter os trens de passageiros. Na visão dos políticos do século XX, asfalto significava desenvolvimento e trilhos, atraso.
          Optaram então por desativar as ferrovias e abrir estradas. Na verdade, esse era o argumento para o desmonte da malha ferroviária brasileira, desde Juscelino Kubistchek, sacramentado durante os 20 anos do Governo Militar no Brasil. Com o fim dos trilhos, estradas federais (BR´s) e rodovias estaduais, começaram a serem abertas por todo o Brasil. Saíram os trilhos e os trens, entrou o asfalto, caminhões, ônibus e carros.
A compra que ficou na história
          Essa história começou em 1881, ainda no período imperial com a criação da Estrada de Ferro Bahia e Minas com a abertura da linha férrea que ligava o Vale do Jequitinhonha, ao litoral da Bahia, construído e gerenciado pela Companhia Estrada de Ferro Bahia e Minas.
          A visão da época era ligar o Brasil através dos trens para escoar a produção agroindustrial e ligar cidades e pessoas, através dos trens de passageiros. O trem significava desenvolvimento e encurtava a distâncias num país de dimensões continentais, como o Brasil
          Para incentivar os investimentos privados nas ferrovias, o Imperador do Brasil, Dom Pedro II (1825/1891), criou vários incentivos. No caso da Companhia Estrada de Ferro Bahia e Minas, Dom Pedro II concedeu à empresa, 12 km de extensão de terras devolutas, margeando os trilhos, por 142 km, em território baiano, na divisa com Minas Gerais. Eram seis quilômetros em cada lado da ferrovia.
          No início do século XX, na era republicana, a companhia começou a enfrentar dificuldades financeiras, tendo que recorrer a financiamento junto ao Banco de Crédito Real do Brasil, hipotecando 142 km das terras devolutas da ferrovia, concedidas à época do Império.
          O financiamento não foi pago e em 1908, o banco executou a dívida, ficando com as terras devolutas do extremo sul baiano. Em 1910, o próprio banco entrou em liquidação, com seu patrimônio tendo sido liquidado.
Governo de Minas compra as terras hipotecadas
          Ciente disso, o Governo de Minas à época, se interessou pelas terras hipotecadas pelo banco. Foi feita a compra, no valor de 300:000$000 (trezentos contos de réis, algo em torno hoje de R$40 milhões), pagos com títulos da dívida pública, lavrada em escritura de cessão de crédito e transferência de direito.
          Há época, a compra dessas terras significava a ligação que faltava de Minas Gerais com o Oceano Atlântico.
          Pagou, mas não levou. A grande questão a saber é por quê Minas Gerais não levou, pelo que pagou.
Minas comprou o acesso ao mar
          Dos 578 km de extensão da ferrovia, Minas Gerais comprou 142 km do trecho, com margem de 12 km, sendo seis km de cada lado, pertencentes à Companhia Estrada de Ferro Bahia e Minas iniciando em Serra dos Aimorés/MG, na divisa com a Bahia. 
          Em território baiano, essas terras margeavam a ferrovia, passando por Argolo, Posto da Mata e Helvécia, distritos de Nova Viçosa/BA, Aparaju, distrito de Alcobaça/BA, entrando na cidade histórica de Caravelas/BA e estações nos seus distritos de Juerana, Barra de Caravelas e Ponta de Areia.
          O km 0 da Ferrovia Bahia e Minas era Ponta de Areia, na Bahia e o km 578, final, era em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha. (na foto acima do Elpídio Justino de Andrade, a antiga estação de trem da cidade, construída em 1942)
Por que Minas não explorou as terras compradas?
          Minas não tomou posse de imediato de sua compra. Entre 1908 e 1910, época da aquisição das terras do litoral baiano, Minas Gerais vivia momentos conturbados em sua vida política, com trocas constantes de governadores, em espaços curtos de tempo, além da questão do Contestado, entre Minas e Espírito Santo e outros problemas.
          O primeiro foi Júlio Bueno Brandão que governou o Estado de 27/10/1908 até 03/04/1909, quando nesse dia, assumiu Wenceslau Brás Pereira, se afastando em 05/02/1910. Em seu lugar, assumiu o governo mineiro, Antônio do Prado Lopes Pereira, que ficou no cargo até 21/03/1910, quando Wenceslau Brás Pereira, retornou ao cargo, ficando até 07/09/1910. Em seguida, assumiu o Governo de Minas, Júlio Bueno Brandão, que voltou ao governo, ficando no cargo até 07/09/1914.
          Com o momento conturbado da vida política mineira, a compra do acesso ao mar, acabou ficando em segundo plano. Com o tempo, esquecido por completo e até mesmo, desconhecido por boa parte dos governadores mineiros e do próprio povo, que desconhecia essa história.
          Isso porque a compra foi um ato corriqueiro do Estado e não teve muito alarde à época, ficando o assunto restrito ao círculo político e empresarial mineiro da época.
          Boa parte dessa região do extremo sul baiano, onde passavam os trilhos da “Baiminas”, estão hoje em áreas de manguezais, sistema de transição entre o ambiente terrestre e marinho, portanto, áreas de preservação ambiental.
“Olha aí o Mar de Minas”
          Décadas depois, a história do Mar de Minas volta à tona pelas mãos de Fernando Brant, mineiro, natural de Caldas MG. Formado em direito e um dos grandes compositores brasileiros, com mais de 200 músicas feitas em parceria com Milton Nascimento. (imagem ilustrativa acima do Deocleciano Mundim, praia do litoral Sul da Bahia)
          Na a partir da década de 1960, se dedicou ao jornalismo, exercendo a função de repórter em veículos de comunicação, entre eles, a extinta Revista O Cruzeiro.
          Na revista O Cruzeiro, uma de suas reportagens de maior impacto, feita em 23 de maio de 1973, com o título ‘Olha aí o Mar de Minas”, trouxe de volta à tona a questão das terras do litoral baiano compradas por Minas Gerais em 1910 e esquecida há décadas.
          A reportagem teve grande repercussão e discussão à época, deixando boa parte dos mineiros perplexos. Isso porque, a ligação de Minas ao mar da Bahia era desconhecida pela maioria dos mineiros e até das autoridades.
          Viajando até a região fazendo fotos, entrevistas e pesquisando fatos e documentos sobre a compra feita por Minas das terras baianas, Fernando Brant fez uma reportagem que entrou para a história da imprensa mineira. Mais que isso, graças ao alcance da revista, mineiros e baianos tomaram conhecimento de um fato sequer imaginado até então. Minas tinha acesso ao mar.
          Além da reportagem, o tema inspirou Fernando Brant, que compôs, em parceria com Milton Nascimento, Ponta de Areia, uma de suas mais populares canções.
          “...Ponta de areia, ponto final, da Bahia a Minas, estrada natural, que ligava Minas, ao porto, ao mar, caminho de ferro mandaram arrancar...” é um dos mais nostálgicos e emocionantes versos da música, composta durante sua viagem de trabalho à região.
          Em um dos trechos da reportagem, Fernando Brant descreve a possibilidade de Minas ter acesso ao mar: “É o fim da nostalgia do mar. Minas Gerais já têm o seu, de direito, desde 1910. O Cruzeiro descobre e mostra documentos e fatos que comprovam: Minas é um estado marítimo. A história começa no segundo Império e se arrasta até hoje (23/05/1973), encoberta por inexplicável silêncio”.
          Mesmo sendo um pequeno trecho de terras, Fernando Brant valorizou a importância da aquisição do Governo de Minas, em 1910: “É apenas um fiapo no mapa, mas é o quanto basta para Minas. Um fio de linha, uma modesta e tímida maneira de se chegar ao mar. O direito real é aclarado pelos documentos; falta a posse de fato para que o mineiro possa um dia dizer, debaixo das amendoeiras de Grauçá e Aracaré: ‘Olha aí o nosso mar’”.
O Contestado
          Fernando Brant deixa bem claro na reportagem que a compra das terras baianas pelo governo mineiro, não tinha relação alguma com o Contestado, uma disputa territorial entre mineiros e capixabas, que quase culminou em guerra entre os dois estados.
          O Contestado começou no início do século XVIII, quando o Rio Doce foi aberto a navegação, dando início a ferrenha disputa sobre a divisões territoriais entre Minas Gerais e o Espírito Santo. 
          Mineiros e capixabas contestavam as divisões territoriais em suas divisas, seja na esfera politica, judicial e até armada, com os dois estados vivendo décadas de tensão de um possível conflito armado. 
          Tropas mineiras e capixabas se entrincheiraram em suas divisas, com o conflito se intensificando no início do século XX, tendo como epicentro a região de Mantena no Vale do Rio Doce e Barra do São Francisco, Noroeste do Espírito Santo.
          A situação começou a ser resolvida a partir de 1958, quando os dois estados decidiram retirar suas tropas das divisas em busca de um acordo de paz entre mineiros e capixabas.
          Em 1963 o conflito foi finalmente resolvido, quando as armas deram lugar ao diálogo e consequentemente, definições das divisas territoriais de Minas Gerais e Espírito Santo. O acordo foi firmado entre o Governador de Minas Gerais à época, Magalhães Pinto e Lacerda Aguiar, do Espirito Santo. 
          Durante os mais de 150 anos de disputa entre mineiros e capixabas, não houve guerra declarada, mas ocorreram ao longo desses anos todos, confrontos armados isolados. O saldo, entre mineiros e capixabas, foi um incontável saldo de mortes de ambos os lados, entre civis e militares.
          Por isso Fernando Brant, deixou bem claro, em um dos trechos de sua reportagem que a compra das terras baianas por Minas, em 1910, ligando o Estado ao mar, não tinha nada a ver com a disputa dos mineiros com os capixabas de 1800 a 1958. “Não se trata do Contestado, motivo de tanta briga, em passado recente, entre mineiros e capixabas. Uma briga inútil, pois, desde 1910, trezentos contos de réis tornaram Minas Gerais proprietário, de direito, de um trecho no extremo Sul da Bahia, que vai dar em Caravelas, Ponta de Areia e Barra de Caravelas”.
O que significa a compra de terras baianas?
          Minas Gerais não comprou terras do Governo da Bahia e sim, terras pertencentes à Companhia Estrada de Ferro Bahia e Minas, hipotecadas pelo Banco de Crédito Real do Brasil. O negócio foi feito entre o Governo de Minas e o banco, que tinha posse das terras. Nenhum centavo foi pago ao Governo da Bahia e nem o tema foi discutido ou negociado entre os dois governos na época.
          O fato de Minas Gerais ter adquirido terras em outro estado da Federação, não significa um acréscimo à extensão territorial de Minas Gerais e nem pode. Os estados são soberanos em suas divisas.
           O que Minas fez foi o que qualquer pessoa jurídica ou física no Brasil pode fazer. Comprar bens e imóveis à venda em território nacional. Evidentemente, respeitando-se as leis vigentes nos estados.
          Foram simplesmente terras adquiridas da iniciativa privada que Minas Gerais pagou, mas não levou. E ainda, não recebeu de volta o dinheiro gasto com a compra. Ao menos, é o que se sabe.
          Como foi uma compra escriturada e documentada, cabe uma análise mais detalhada da documentação, saber onde foi registrada, de qual instituição sucedeu o extinto banco e o destino de sua massa falida, para uma análise mais profunda desta questão.
O que fez o governo mineiro?
          Desde 1910, apenas três governadores se interessaram pelo tema.
          O primeiro foi Milton Campos que governou Minas de 19/03/1947 a 31/01/1951. Ao tomar conhecimento dessas terras adquiridas por Minas Gerais em 1910, Milton Campos solicitou oficialmente informações ao Governo da Bahia sobre a questão. Não obteve resposta ou pelo menos, não tornou público a resposta do governo baiano, com o caso voltando ao esquecimento.
          Nos anos 1980, durante o Governo Newton Cardoso (15/03/87 a 15/03/1991), também ocorreu discussões na imprensa e governo sobre as terras que Minas teria comprado da Bahia, mas não houve avanços na discussão do Governo Mineiro sobre a questão.
          Em 19 de agosto de 2015, após uma série de reportagens e vídeos do Jornal O Estado de Minas, baseada na matéria da Revista O Cruzeiro em 1973, trouxe novamente à tona, a questão do Mar de Minas, no litoral baiano.
          A reportagem e os vídeos feitos pelo Jornal O Estado de Minas sobre a Ferrovia Bahia e Minas, teve enorme repercussão, despertando novamente o interesse do povo mineiro pela intrigante história do acesso de Minas ao Oceano Atlântico. 
          O próprio governador de Minas Gerais, à época, Fernando Pimentel (2015/2019), se interessou pela história, mas sem nenhuma conclusão final sobre o assunto. 
          Apenas a reafirmação de que não foi encontrado no mapa de Minas Gerais, nenhum acréscimo da citada faixa de terras adquiridas em 1910. E o assunto parou por ai.
          Minas Gerais comprou terras hipotecadas de um banco. Não foi um acordo de extensão territorial entre governos, por isso não podia ser inserida no mapa geográfico de Minas. As divisas de Minas Gerais com a Bahia foram definidas pelo decreto 24.155 e não pode ser mudada.

          Na época, a reportagem do Jornal O Estado de Minas, consultou o governo baiano sobre a questão, que respondeu não ter nenhuma informação sobre o assunto.
          Assim, retornou ao silêncio e esquecimento, a curiosa, interessante e intrigante história do “Mar de Minas”, sem ainda um capítulo final.
O que fazer com as terras que Minas comprou?
          A reivindicação das terras adquiridas por Minas Gerais, em 1910, não se discute. O Estado da Bahia é soberano em suas divisas, como todo estado brasileiro é. Seria uma discussão desnecessária e totalmente inútil no momento.
          O que se discute hoje é a reativação desse trecho, ligando novamente Minas Gerais ao litoral baiano, para transporte de cargas e passageiros. Mas através de discussão, interesse e acordo, envolvendo o Governo Federal, Governo da Bahia, Governo de Minas e iniciativa privada. Seria ótimo para Minas Gerais, Bahia e Brasil.
         Se não conseguir a reativação total do trecho, ao menos em partes, colocando nos trilhos, trem de passageiros, para fins de passeios turísticos, o que facilitaria a vida dos mineiros da região.
         Isso porque, mineiros do Vale do Mucuri, Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha, são frequentadores assíduos das praias do extremo Sul da Bahia, como exemplos, Porto Seguro, Prado, Ponta de Areia, Alcobaça, Abrolhos e Trancoso, além das cidades históricas baianas como Caravelas, fundada em 1503, dentre outras. (na foto acima do Deocleciano Mundim, praia no litoral Sul da Bahia)
          É uma discussão longa e uma luta para sua concretização, mais longa ainda. Mas a sociedade brasileira vem se conscientizando da importância da volta dos trens, buscando sensibilizar deputados, governos estaduais e o governo Federal, sobre a importância da volta dos trens de passageiros.
         Seria também uma redenção econômica da região, principalmente das cidades do Vale do Jequitinhonha, que foram bastante afetadas em suas economias e crescimento, com a extinção da ferrovia em 1966.
          A reativação do trecho da Bahia e Minas, de Araçuaí a Ponta de Areia ou em partes, está em discussão por iniciativa popular, sem nada de concreto por enquanto, bem como a reativação de antigos ramais e construções de novos por todo o Brasil. A iniciativa vem do povo, que ver trilhos lingado todo o Brasil, não apenas transportando cargas, mas passageiros.
A necessidade dos trens de volta aos trilhos
          No século XXI, o debate da volta dos trens de passageiros, surge como solução como o melhor transporte de massa, principalmente em regiões metropolitanas.
          Além disso, trens facilitam a ligação de regiões brasileiras, reduz os gastos com manutenção de estradas, gera lucros, empregos, renda e desenvolvimento. Era esse o objetivo, quando da criação dos trilhos no Brasil no século XIX. Essa velha teoria, implantada por Dom Pedro II, não perdeu validade, está mais que atual e necessária, hoje.
          A volta dos trens é mais que um anseio e apelo popular. E uma necessidade devido ao aumento crescente da produção agroindustrial, e da necessidade urgente de alternativas de transportes de massas, nas grandes cidades, principalmente.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores