Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

sábado, 25 de novembro de 2023

9 paraísos com cachoeiras e poços espetaculares em Capitólio

(Por Arnaldo Silva) Capitólio, a 276 km de Belo Horizonte, no Sudoeste de Minas, é referência em Minas Gerais em qualidade de vida, turismo natural e de aventuras, graças à belíssimos paraísos naturais e o Lago de Furnas. 
          É a mais badalada cidade turística em Minas, não apena por seus cânions, águas esverdeadas e passeios de lancha pelo “Mar de Minas”, o Lago de Furnas, mas também por suas dezenas de cachoeiras e complexos que formam poços de águas limpas, cristalinas e geladas, além de trilhas, imensas formações rochosas. São paisagens de tirar o fôlego.
          Algumas dessas paisagens vamos conhecer agora. Listamos 9 paraísos imperdíveis com impactantes cachoeiras em Capitólio ou nas cidades de São João Batista do Glória e São José da Barra, com acesso por Capitólio.
          Vamos então conhecer 9 belíssimos paraísos naturais com cachoeiras e paisagens de tirar o fôlego em Capitólio MG.
1 - Paraíso Perdido
          Em São João Batista do Glória, na divisa com Capitólio MG, temos uma das mais belas paisagens naturais de Minas. É o Paraíso Perdido, formado por uma vasta e rica fauna, composta por lobo-guará, onça-parda, pato mergulhão, tamanduá-bandeira, dentre outros e flora de cerrado e Mata Atlântica.
          Além disso, a reserva conta com água em abundância, esverdeada, cristalina e gelada e ainda cachoeiras, pequenos ofurôs, piscinas naturais e gigantescos rochedos de quartzito. Fica numa reserva particular, totalmente preservada.
          O acesso é pago e a área é bem estruturada com camping com churrasqueiras, mesinhas, pia para lavar utensílios, banheiros com chuveiros de água quente e restaurante aberto nos fins de semana e feriados prolongados, barracas simples com luz elétrica e duas camas de solteiro. Custos de hospedagem e alimentação devem ser consultados.
2 – Retiro Vikings
          Também chamado de Recanto dos Vikings é um impressionante complexo natural formado pela Cachoeira do Trovão, Cachoeira do Patinho Feio, Cachoeira da Caixinha de Surpresas, Cachoeira Pequena Sereia e Cachoeira do Quelé. Essas 5 cachoeiras formam várias poços e piscinas de águas cristalinas, geladas e transparentes.
          O acesso é por uma trilha de 2.600 metros a pé ou em veículos 4x4. A portaria do Retiro dos Vikings está a 7 km da MG-050. O acesso é pago e fica aberto todos os dias de 8h as 18h.
3 – Paraíso Achado
          Reserva particular em Capitólio, na divisa com São João Batista do Glória MG, o nome faz jus ao lugar. É um verdadeiro oásis, um paraíso fácil de achar e chegar, mas difícil de sair. O lugar é incrível e quem vai quer ficar mais tempo e voltar. Um lugar bem estruturado com banheiro, passarelas, corrimões, estacionamento, espaço para acampamento, energia elétrica e lanchonete.
          Lugar ideal para passar com a família. O Paraíso Achado é formado por trilhas e várias cachoeiras, que formam poços de águas cristalinas impressionante, rodeados por paisagens naturais de tirar o fôlego.
          O Paraíso Achado está apenas no km 371 da MG-050. Desse ponto até a portaria, são apenas 5 km. Está aberto todos os dias, inclusive em feriado, de 9h às 17h. A visita é feita acompanhada de guia eu acesso é pago.
4 – Cachoeira do Vale
          Cachoeira de queda baixa, mas que forma um poço espetacular com água esverdeada e cristalina. Um convite irrecusável a um mergulho. Rodeada por uma exuberante mata nativa, além de trilhas, o visitante tem uma linda vista para o Mar de Minas. 
          A área é particular e cobra-se para entrar. O acesso à Cachoeira do Vale é pela MG-050, no km 28,4, a 5 km do Mirante dos Cânions, no lado direito da rodovia. Fica aberta entre 9h a 18h às terças, quarta, quarta, quinta, sexta, sábado e domingo. Na segunda-feira não abre. A visita é guiada.          
          Para quem quer apenas passar o dia, o espaço abre todos os dias das 8h até as 17h.
5 – Cachoeira da Capivara
          E como falamos do Ribeirão Capivara, vamos conhecer agora a Cachoeira da Capivara. Fica perto da Cachoeira do Beija-flor, a 33 km do Centro de Capitólio MG. O lugar oferece uma boa estrutura para visitantes com banheiros, lojas de souvenirs e de doces, queijos, cachaça, bonés, canecas, etc., restaurante, guias, instrutores, estacionamento, além de oferecer passeios guiados pelas belezas naturais das redondezas.
          Além da Cachoeira da Capivara, tem nas proximidades a Cachoeira da Pedra Ancorada, a 200 metros do estacionamento. Fácil de chegar, é adequada para crianças e idosos, devido o acesso fácil e ser um lugar tranquilo para banhos.
          A Cachoeira da Capivara está um pouco mais distante, a 900 metros, às margens do Ribeirão Capivara, mas é um caminho curto e no caminho, o visitante se deslumbrará com belíssimos cenários naturais, ótimos para fotos. O poço formado pelas águas da cachoeira tem a profundidade de 16 metros, portanto, ideal para mergulhos.
           As águas do Ribeirão Capivara formam vários poços e ofurôs em seu trecho. Ofurôs naturais são pequenos pocinhos formados no leito desse ribeirão, como podem ver na foto acima do Guia Pércio. 
O lugar conta ainda com cerca de 40 piscinas naturais, com águas cristalinas e geladas.
6 – Cascata Eco Parque
         Esse lugar incrivelmente lindo, está localizado bem pertinho do Mirante dos Cânions, no km 35 da MG-050, bem próximo da entrada para a Cachoeira da Capivara.
          O Eco Parque é um complexo natural formado por cachoeiras, mirantes e trilhas, muito bem sinalizado, além de contar com hostel, estacionamento e área de camping, possui ainda uma a ótima estrutura para receber turistas. A entrada é paga e fica aberto todos os dias da 9h às 18h.
7 – Cachoeira da Lagoa Azul
          É uma das cachoeiras mais visitadas em Capitólio MG por sua beleza cênica e paradisíaca. As águas da cachoeira são esverdeadas e cristalinas. Deságuam numa lagoa bem azul, onde está um pequeno porto para embarcações, que saem do porto da Ponte do Rio Turvo, deixando e buscando turistas. Fica aberto todos os dias de 8h às 18h, inclusive nos feriados. O poço formado pela Cachoeira da Lagoa Azul, que fica na parte baixa, só pode ser acessado por embarcações.
          A parte alta da cachoeira está localizada numa área privada, de propriedade do Empório Lagoa Azul, no km 311 da MG-050, com acesso pago. O lugar está apenas 400 metros da rodovia MG-050 e a 6 km da Ponte do Rio Turvo. Lugar de beleza cênica e paradisíaca, com montanhas, rios, lagos e formações rochosas impressionantes, é uma parada obrigatória para quem vem a Capitólio.
8 – Vale do Tucanos
          Um lugar formado pela natureza, causado pela erosão natural de rochedos, há milhões de anos. São gigantescos rochedos e canais abertos pela força da natureza que impressionam, extasiam e nos convidam um mergulho nas águas limpas e esverdeadas, que correm pelos canais do Vale dos Tucanos, em São José da Barra, na divisa com Capitólio MG.
          Além dos gigantescos rochedos, o som da natureza soa como música aos ouvidos. O vento, o barulho das águas, o barulho dos animais silvestres, os voos e o cantos do pássaros, principalmente de tucanos que são vistos em bandos no lugar, encantam e nos convivam a fotografar. É um lugar de plena paz, sossego e harmonia.
          Para chegar ao Vale dos Tucanos, o acesso é feito por barcos e lanchas e com guia especializado. Fica aberto todos os dias de 7h às 19h, inclusive nos feriados.
9 – Cachoeira Beija-flor
          É uma pequena queda d´água que formam um poço enorme, profundo, ótimo para mergulhar, nadar e boiar. Suas águas são bem geladas e o fundo e o entorno todo revestido por pedra de quartzito e paredões naturais, além de vasta natureza em redor.
          Embora o acesso seja gratuito, não é muito fácil chegar até a cachoeira, requer apoio de guia e um veículo 4x4. O acesso é por estrada de terra com muita pedra e mesmo assim, vale muito a pena porque é uma das mais belas cachoeiras de Minas Gerais. Impressiona no primeiro olhar.
          Fica no Ribeirão Capivara (na foto acima), em Capitólio MG, na divisa com São João Batista do Glória. Está apenas 2 km do Paraíso Perdido.
Dicas importantes
          Vale lembrar que esses lugares são reservas ambientais particulares e o acesso, em, sua maioria, são pagos. Uma outra dica, é o período do ano para aproveitar melhor as belezas naturais do município e região.
          O mais aconselhável é visitar Capitólio entre maio e outubro, meses de estiagem. Durante o período chuvoso, entre novembro e abril, as águas estão turvas, além dos riscos de cabeças d´águas e cheias dos rios e córregos. (na foto acima a Lagoa da Pedreira e abaixo a Cascatinha, que fica entre São Capitólio e São João Batista do Glória MG)
          A cidade não conta com aeroporto e por isso, o acesso é rodoviário, através da Rodovia MG-050. Essa rodovia tem início em Belo Horizonte e termina em São Sebastião do Paraíso, no Sudoeste de Minas, na divisa com Ribeirão Preto em São Paulo. O acesso à MG-050 pode ser feito pela BR-262 a partir de Mateus Leme e pela BR-381 (Fernão Dias) em Perdões MG.
As fotos acima são de autoria do Guia de Turismo Pércio/@percio_passeioscapitólio. Contato: 35 9749-0699

sábado, 28 de outubro de 2023

Estrada Real é oficializada como Monumento Nacional

(Por Arnaldo Silva) Com a descoberta de ouro em Minas Gerais, no final do século XVII, inicia-se a abertura da Estrada Real, iniciando em Ouro Preto em Minas, terminando no porto de Paraty/RJ, onde o ouro de Minas era despachado para Portugal. De Ouro Preto a Paraty, a extensão era de 700 km. Era a estrada oficial da Coroa Portuguesa e exclusiva para o transporte de cargas, alimentos, metais e pedras preciosas.
          Ao longo dos anos e descobertas de novas Minas, o caminho original foi sendo ampliado e ligado a outros cominhos como o Caminho do Sabarabuçu, em Sabará MG, o Caminho dos Diamantes, em Diamantina MG e o caminho Novo, que ligava a Estrada Real até a cidade do Rio de Janeiro. (na foto acima de Ane Souz, o marco da Estrada Real em Glaura, distrito de Ouro Preto MG)
          Dos 700 km originais, o trajeto passou para 1630 km de extensão, entre Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, em sua imensa maioria, cortando cidades, vales, montanhas e rios do território mineiro.
          Ao longo de todo o percurso da Estrada Real, cidades e povoados foram surgindo, nos deixando uma riqueza cultural, arquitetônica, tradições folclóricas e gastronômicas riquíssimas, além de impactantes e belíssimas paisagens com cachoeiras, montanhas, matas nativas. É atualmente a principal via terrestre histórica e turística do Brasil. (na imagem acima, o mapa do trajeto da Estrada Real. Criação e arte de: Instituto Estrada Real)
          São 183 localidades, entre cidades e distritos formados ao longo da existência da Estrada Real. Desse total, 162 estão em Minas Gerais. Entre os 183 municípios da Estrada Real, Ouro Preto (MG), Diamantina (MG), São João del Rey (MG), São Lourenço (MG), Juiz de Fora (MG), Paraíba do Sul (RJ), Três Rios (RJ), Petrópolis (RJ), Magé (RJ), Cruzeiro (SP), Guaratinguetá (SP), Cunha (SP) e Paraty (RJ), era na época, as principais rotas da Estrada Real. Hoje são importantes centros históricos e de turismo no Brasil.
Monumento Nacional
          Reconhecendo esse valor e importância do trajeto da Estrada Real para a história de Minas, a principal via terrestre para escoação da produção mineral mineira durante a colonização, tornou-se Monumento Nacional através da Lei Federal 14.698 de 2023, sancionada pelo presidente da República e publicada no Diário Oficial da União (DOU).
          A lei sancionada pelo presidente da República teve origem no PL 1.854/2021, do deputado Reginaldo Lopes/MG, aprovado em decisão terminativa pela Comissão de Educação (CE), tendo como relator da matéria o senador mineiro Carlos Viana.
          A Lei reconhece a grandeza da Estrada Real, dando assim mais visibilidade às riquezas turísticas ao caminho aberto durante a colonização portuguesa, visando com isso a preservação de parte da história de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

segunda-feira, 16 de outubro de 2023

Cachoeira da Prata: o charme das pequenas cidades mineiras

(Por Arnaldo Silva) Cidade tranquila, alegre, muito bonita, pacata, povo simples, hospitaleiro e acolhedor, Cachoeira da Prata é uma cidade charmosa turística mineira de 3693, segundo último censo do IBGE. Distante 96 km de Belo Horizonte e apenas 28 km de Sete Lagoas e acesso pela BR-040, o município faz divisa com Fortuna de Minas e Inhaúma.
          Cidade com boa estrutura urbana, casario colonial e eclético charmoso e bem preservado, conta com um pequeno e variado comércio, um bom setor de prestação de serviços, hotéis e pousadas aconchegantes, além de bares e restaurantes com comidas típicas, com destaque para salgados, como por exemplo a empadinha “capa seca”, doces e quitandas diversas e a galinha caipira com quiabo, angu e ora-pro-nóbis, tradicionais na cidade. (fotografia acima e abaixo de Thelmo Lins)
          Até a década de 1990, a principal atividade econômica da cidade era a tecelagem. Com a decadência do setor no Brasil, a antiga tecelagem fechou suas portas. Hoje a economia da cidade tem como base pequenos comércios, funcionalismo público, atividades agrícolas e extração de areia para a construção civil, graças ao seu subsolo arenoso e rico em calcário.
          Seu primeiro nome foi Cachoeira dos Macacos, devido à cidade ter surgido às margens do Ribeirão dos Macacos, que deságua no Rio Paraopeba. Com fundação da Cia. Têxtil Cachoeira dos Macacos em 1896, a região começou a ter povoamento mais rápido, principalmente no entorno da fábrica. Esse ano marca o surgimento do município.
          A companhia trouxe povoamento ao arraial, que cresceu, se transformou em vila, distrito e a cidade emancipada em 30 de dezembro de 1962. O nome da cidade permaneceu Cachoeira dos Macacos até 1975, quando foi mudado para o atual, Cachoeira da Prata, através de plebiscito.
O que fazer em Cachoeira da Prata?
          Como toda pequena e pacata cidade do interior mineiro, Cachoeira da Prata preserva suas tradições religiosas, tradições gastronômicas, o charme e beleza de suas construções históricas, suas belezas naturais e as características bem mineiras de seu povo.
          Cidade tipicamente mineira, Cachoeira da Prata é um convite ao sossego e descanso. Tem como atrativos:
- A Festa de Nossa Senhora do Rosário em setembro de cada ano;
- As Folias de Reis, entre 24 de dezembro e 6 de janeiro;
- As apresentações da banda de música do Sagrado Coração de Jesus;
- Festa de São Judas Tadeu;
- O Carnaval tradicional em fevereiro e o temporão, em julho;
- Caminhadas e práticas de esportes pela orla da represa; (foto acima de Thelmo Lins)
- Trilhas em matas nativas para passeios prática de ciclismo e atividades ao ar livre;
- A Matriz do Sagrado Coração de Jesus, construída em 1930, o Cruzeiro, a estátua do Cristo, o estádio municipal Dr. Geraldo Pereira da Rocha, a antiga pensão da Dona Olga, que abrigava tropeiros e viajantes, o conjunto de casas em estilo barroco, colonial e eclético; (fotografia acima e abaixo de Thelmo Lins)
- A Feirinha do Calçadão que acontece na orla da represa entre 8h e 16h, no segundo domingo de cada mês, com barracas de comidas típicas, artesanato local, produtos da agricultura familiar, brinquedos para crianças e apresentação de cantores locais e regionais; 
- A gastronomia de Cachoeira da Prata é garantia de uma experiência deliciosa pelos sabores da boa mesa mineira é um de seus atrativos também.

A represa
          A represa do Ribeirão dos Macacos, oficialmente Represa Dr. Geraldo Azevedo da Rocha, é sem dúvida o seu maior atrativo. Construída em 1905, conta com uma passarela que permite ao turista vislumbrar a beleza da represa e da cidade. Além disso, o lugar permite descanso, caminhadas em sua orla e prática de esportes ao ar livre, já que conta com academia. (fotografia acima e abaixo de Thelmo Lins)
          Não tem quem passe por Cachoeira da Prata e não fique admirado com a represa. Sua beleza cênica e bucólica, encanta!
          Além de sua beleza, o cartão-postal é a história viva da cidade, já que ao longo de mais de um século de existência, foi cenário das transformações e desenvolvimento de Cachoeira da Prata. Por esse motivo é um bem tombado do município. (foto acima de Elpídio Justino de Andrade)
          Essa é Cachoeira da Prata, uma cidade hospitaleira, povo alegre, simples e que recebe todos de coração e braços abertos!

quinta-feira, 12 de outubro de 2023

João Alves: o artesão que preserva a tradição da arte em barro

(Por Arnaldo Silva) Um dos grandes artesãos de Minas Gerais. Suas obras impressionam e emocionam pela simplicidade história que cada peça conta. Isso porque o artista transfere para o barro a sua experiência e vivência, dando assim vida, emoção e história às peças, mas também a história da vida cotidiana do povo simples, do trabalhador e da religiosidade inocente do nosso povo.
          Não são apenas contornos humanos moldados no barro. São peças que expressam as emoções e sentimentos do artesão em cada cena que retrata em sua arte. É a beleza do artista que transfere para a arte o seus sentimento, amor, conhecimento e sensibilidade. (fotos acima de autoria de Thelmo Lins)
          Não são simples obras moldadas à mão e sim, obras moldadas com o coração. E para o nosso coração se dirige. Impossível não se emocionar com a riqueza expressada na história que cada peça retrata.
Quem é o artesão?
          O artesão que falamos é João Alves. Nascido em 24 de junho de 1964, em Tingui, comunidade rural de Rio Pardo de Minas, no Norte de Minas, a 732 km de Belo Horizonte, João Alves é o caçula de uma família de quatro irmãos. Seu pai, Aldemar Alves Martins (“Seu” Dena) e Braulina Alves (Dona Bróla), já falecidos, vieram para a cidade vizinha de Taiobeiras em busca de uma vida melhor, quando João Alves tinha apenas 5 anos. (fotografia acima de autoria de Lori Figueró - Acervo de João Alves, fornecida pelo artista)
          De família muito humilde, seu pai trabalhava na olaria Piuna, de propriedade do conhecido João da Cruz Santos, o João Lozim. Sua mãe era ceramista. Era João Alves que levava o almoço todos os dias para seu pai. João Alves cresceu nesse meio, do barro, numa região que a terra sustentava famílias, não só pelas olarias, mas sim pelo artesanato em barro, uma das mais antigas tradições do Norte de Minas.
Artista autodidata
          Foi no ano de 1972 que o talento de João Alves começou a despertar. Em suas idas a olaria para levar o almoço para seu pai, João brincava com o barro na olaria, enquanto seu pai almoçava. Era uma diversão de criança. Fazia cavalinhos e cachorrinhos.
          Como a fé estava presente no dia a dia do povo, começou a moldar, no barro, elementos da tradição e fé religiosa. Isso despertou em João Alves sua vocação. Era um artista autodidata. Suas mãos tinham habilidades para moldar o cotidiano, a fé, tradições e a vida do povo de sua cidade e do Norte de Minas. (imagens acima de autorias não informadas. Fotos fornecidas por João Alves)
          Como vivia em uma região onde a vida era dura e fé e confiança do povo do sertão eram característica do povo, João Alves começou a se inspirar em sua própria história, nas histórias de seus antepassados e das pessoas que convivia.
A religiosidade e fé com inspiração
          A fé, os sentimentos, sofrimentos e a religiosidade do povo, junto com a simplicidade, o cotidiano de suas vidas no cuidado com os filhos, nas atividades da roça, no descascar do milho, do trabalho no pilão, nos momentos de fé, no andor que levava os santos nas procissões, no cozinhar no fogão a lenha. São essas cenas que João Alves retrata em suas obras. (imagens acima de autorias não informadas. Fotos fornecidas por João Alves)
          Cercado pela beleza da riqueza cultural do Norte de Minas e se inspirando na fé, simplicidade, jeito de se vestir e as manifestações religiosas do Norte de Minas, João Alves começou a moldar suas peças retratando o cotidiano do povo simples, dos ofícios e modo de vida e do dia a dia de suas vidas, tendo como inspiração a cultura afro-brasileira e o cotidiano de seus parentes, o povo da roça, fogão a lenha, em sua mãe que benzia, sua avó, que fiava, as festas e manifestações de fé do povo de sua comunidade.
Suas primeiras obras
          Desde cedo, suas habilidades na arte de moldar o barro impressionavam tanto que começou a chamar atenção dos vizinhos que logo começaram a adquirir as peças para decorarem oratórios e presépios, uma forte tradição em Minas Gerais. Aos 8 anos, João Alves moldava os 3 reis magos, os animais, anjos, José e Maria, personagens presentes no nascimento do menino Jesus.
          Com o tempo João Alves foi crescendo e aprimorando sua técnica com o artista buscando outros temas para moldar suas peças, sempre inspirando na simplicidade e cotidiano do povo de sua cidade e também na história que os mais velhos lhe contava.
          Sua primeira peça, fora da temática religiosa, foi inspirada em sua avó, fiando algodão. A partir desta obra, começou a fazer outras peças retratando o dia a dia do povo, contando suas histórias através da arte em barro. Foi a partir daí que seu trabalho começou as expressivas e impactantes formas, caracterizando seu estilo próprio, com as peças tendo vida, história e expressando seus sentimentos. (imagens acima sem autorias identificadas. Fotos fornecidas por João Alves)
          O artista contou com o apoio de sua esposa, que aprendeu a manusear o barro para, com seu marido, se dedicar a arte que se tornou a fonte de renda da família.
Talento reconhecido
          Com o tempo, o talento de João Alves se expande para a região, além do artista participar de feiras, eventos e exposições. Isso despertou interesse de amantes da arte mineira, fazendo com que o interesse pela aquisição dos trabalhos de João Alves crescesse substancialmente, fazendo com que seu trabalho se expandisse e se tornasse conhecido em Minas Gerais e no Brasil.(imagens acima sem autorias identificadas. Fotos fornecidas por João Alves)
          A arte que começou como uma brincadeira de criança, foi se aprimorando para a modelagem de peças para decoração de presépios e aprimorando com o tempo, ganhando novas formas e impressionando pela essência natural e simples as peças transmitem
          Isso porque o barro moldado por João Alves, conta histórias, retrata o dia a dia do povo geraizeiro e sertanejo, retrata a simplicidade da fé e religiosidade do povo do Cerrado.
A transformação da argila em cerâmica e arte
          Cada peça, leva em média 20 dias para ficar pronta. É um processo totalmente artesanal. Primeiro extrai-se a argila, deixa secar por 3 dias. Depois disso, a argila é socada no pilão e peneirada. Por fim, é amassada em uma gamela de madeira e deixada em descanso por 2 dias. (imagens acima sem autorias identificadas. Fotos fornecidas por João Alves)
          Somente após esse processo que começa a modelagem das peças e secagem ao natural. Esse processo dura duas semanas. Por fim, a peça é colocada no forno a lenha e queimada por 12 horas. Esse é o processo da transformação da argila em cerâmica. Após todo esse processo, o artista dá o acabamento e a pintura das peças.
Premiações
           A perfeição e simplicidade de suas obras, tornaram João Alves conhecido e premiado, não apenas em Minas, mas no Brasil e com reconhecimento no exterior.
          João Alves foi premiado em 2005 com o quarto lugar no prêmio da Unesco de Artesanato da América Latina e Caribe. Unesco é a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. É uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Paris, capital francesa. 
          A entidade tem como objetivo de contribuir para a paz e segurança no mundo através da educação, ciências naturais, humanas, sociais, além da comunicação e informação. Daí a importância dessa premiação a João Alves. 
          Foi a partir dessa premiação em 2005, que o talento de João Alves se expandiu para todo o país, além de sua participação em exposições, feiras e eventos culturais por todo o Brasil.
          Durante a 5ª Edição do Prêmio Sebrae Top 100 de Artesanato, realizado no Rio de Janeiro em 2022, João Alves entrou para a lista dos 100 melhores artesãos do Brasil, tendo sido eleito entre 1.208 artesãos de todas as regiões do país que participaram dessa edição. (imagem acima fornecida por João Alves)
          A premiação tem caráter técnico-científico e tem como objetivo promover as melhores práticas artesanais do Brasil, tendo como base a qualidade técnica, estética, inovação, melhoria contínua do desenvolvimento da arte e experiência comercial.
          Com a premiação, os 100 escolhidos ganham reconhecimento nacional, além do direito de usar o selo Prêmio Sebrae Top 100 de Artesanato.
Obras únicas
          O talento de João Alves e os detalhes expressivos nos moldes de suas peças, são marcas de um talento refinado e envolvente que encanta, impressiona e emociona. São obras únicas, carregadas de sentimentos e histórias reais. (imagens acima de autoria do fotógrafo Lori Figueiró - Fornecidas por João Alves)
          Não só isso, sua origem, sua trajetória e sua paixão e perseverança é um exemplo para as novas gerações. De uma simples brincadeira de criança, surgiu um dos grandes nomes da arte em barro do Brasil. Fruto de seu amor e dedicação à arte de moldar a história de seu povo no barro.
          O contato com o artesão João Alves pode ser feito através do WhatsApp 38-9103-0054.
(Nota: As fotos fazem parte do acervo do artesão João Alves, que nos forneceu as imagens para ilustrar a reportagem, sem contudo precisar a autoria individual das imagens. Caso autores das imagens que não tenha a autoria citada, nos informe para que os créditos autorais sejam citados.) 

sexta-feira, 6 de outubro de 2023

13 distritos mineiros que vão fazer você se apaixonar – Parte VI

(Por Arnaldo Silva) Esta é a quinta parte com 13 pacatos e charmosos distritos de Minas Gerais. Já foram feitas as partes 1, 2, 3, 4, 5, e essa é a sexta parte. Em Minas Gerais, segundo dados da Fundação João Pinheiro, são atualmente 1.816 distritos e 853 cidades, além de mais centenas de vilas e pequenos povoados. Não dá para postar tantos distritos de uma vez só, por isso optamos por dividir a matéria em partes. Conheça 13 acolhedores, pacatos, charmosos e apaixonantes distritos mineiros.
01 – Tabuleiro do Mato Dentro
          É distrito da cidade histórica de Conceição do Mato Dentro MG, a 167 km de Belo Horizonte, na Serra do Espinhaço. O distrito está distante 20 km da sede.
          Tabuleiro é uma joia colonial do Espinhaço. É uma típica vila mineira, casario colonial charmoso, uma igreja típica do Barroco Mineiro, erguida no alto de uma colina, campo de futebol, tradicionais vendas, botecos e mercearias. Na pitoresca vila colonial vivem mais de 1250 pessoas. É um povo simples, acolhedor, hospitaleiro e muito bom de prosa. (foto acima de Marselha Rufino)
          Pra quem não sabe, o distrito recebeu no século XIX algumas famílias de imigrantes alemães que vieram para a trabalhar na siderurgia, já que a região contava com várias de minério de ferro. Uma dessas famílias era a Utsch, especialistas sem siderurgia. Trabalhavam numa siderúrgica fundada em 1822, na região onde é hoje o distrito de Cubas, que tem esse nome devida a medida, “cuba”, usada para pedir o ferro e o aço. 
          O porque Tabuleiro tem esse nome é incerto, apenas história oral, contada pelo povo. Segundo uma dessas histórias, o nome é em alusão a aparência das serras que lembram um tabuleiro. Outros dizem ser referência ao tabuleiro utilizados no século XIX e XX usados pelos moradores da região no transporte de mercadorias até a cidade de Conceição do Mato Dentro. Há ainda a versão que tabuleiro surgiu com os canteiros de plantações da época de sua origem, que tinham o formato de um tabuleiro. (fotografia acima do @gustavosimoes.art)
          A base econômica do distrito é a agricultura familiar, mas devido a Cachoeira do Tabuleiro e os parques ambientais, é o turismo que movimenta a economia do distrito, principalmente nas lojinhas de artesanato, botecos, restaurantes e pousadas locais que atendem todos os gostos e bolsos. Toda a comunidade do distrito, seja na área urbana da vila ou rural, estão inseridas no contexto do turismo.
          Tabuleiro é o distrito mais conhecido e visitado de Conceição do Mato Dentro devido a Cachoeira do Tabuleiro, a maior cachoeira de Minas, com 273 metros de queda, o equivalente a um prédio de 91 andares. É a terceira maior cachoeira do Brasil. O poço formado por suas águas tem cerca de 20 metros de profundidade, rodeado por blocos de pedras e também, com muitas pedras submersos. Pra completa toda essa beleza no entorno da cachoeira existem belíssimos jardins naturais com orquídeas, sempre-vivas e bromélias gigantes.
          A cachoeira está na área do Parque Natural Municipal do Tabuleiro e no Parque Estadual da Serra do Intendente, ambos pertencentes ao distrito de Tabuleiro. (fotos acima de Nacip Gômez)
          É tão impactante e linda que foi eleita com 40 mil votos em concurso realizado pelo Instituto Estrada Real, órgão ligado à Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), como uma das 7 maravilhas da Estrada Real.
02 - Furquim
          Com origens nos primeiros anos do século XVIII, o distrito foi criado oficialmente em 16 de fevereiro de 1718. É distrito de Mariana, na Região Central, está distante 28 km da sede e a 120 km de Belo Horizonte.
          O distrito de Furquim é formado ainda pelos subdistritos de Goiabeiras, Cuiabá, Constantino, Gurujanga, Curvanca, Margarida Viana, Paraíso, Pedras e Crasto. No distrito e subdistritos, vivem cerca de 2 mil pessoas. (fotos de Leandro Leal)
          Seus moradores vivem da Agricultura Familiar, com destaque para a produção artesanal de doces caseiros como a goiabada e doce de leite, cachaça de alambique, queijos, quitandas, cultivo de hortaliças diversas e pequenas lavouras, como de milho.
          O artesanato é outra forte atividade em Furquim com destaque para confecção de tapetes de pita; flores e balaios de palha; esteiras e peneiras de taquaras de bambu; chicotes, cabrestos e bolsas de couro; bordados e crochês; pintura em tecidos; artesanato feito com pedra sabão como esculturas, panelas e arte decorativa; e também, artesanato em madeira como móveis rústicos, gamelas, colheres de pau e pilões.
Origem de Furquim
          Seu nome tem origem em Antônio Furquim da Luz, sertanista que fundou o Arraial dos Furquim nos primeiros anos do século XVIII. Foi Antônio Furquim o descobridor de minas de ouro na região, tornando-a um efervescente centro de mineração.
          Como todo arraial do interior mineiro, tinha como centro de fé uma igreja ou capela. Em Furquim, a fé no Bom Jesus do Monte. Uma pequena capela foi erguida 1704, começou a ser ampliada a partir de 1745, tendo sido concluída no século XIX.
          Uma obra setecentista rica em detalhes das ornamentações, talhas pinturas do estilo Joanino. Conta com belíssimos acervos sacros, que contribuíram com a igreja ao longo de sua construção renomados arquitetos, construções e artistas da época como Francisco Xavier Carneiro, Francisco Machado Luz, José Pereira Arouca. Sua importância para a história do Brasil Colônia é tão grande que a Igreja foi tombada em 1949 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)
          Em 1745, é instalado nas proximidade da capela o Cruzeiro Patriarcal, hoje um das principais atrações turísticas da Vila Colonial Barroca de Furquim. Além disso, em Furquim a Igreja de Nossa Senhora do Carmo e os Dozes Passos da Via Sacra, são outros atrativos, juntamente com seu preservado e charmoso casario colonial. (fotos acima de Leandro Leal)
          Furquim preserva sua história, seu passado e suas características há três séculos. Uma vila colonial, tipicamente mineiro com casario colonial, simplicidade e requinte em suas construções, principalmente nos adornos e talhas de seus casarões e igrejas históricas.
Atrativos de Furquim
          A Matriz e o Cruzeiro do século XVIII são marcos da história de Furquim, bem como sua antiga estação ferroviária, reformada e preservada. Inaugurada em 28/08/1926, a estação fazia parte do ramal Ponte Nova. Ligava Furquim a estação Miguel Burnier em Ouro Preto MG, na época, capital da província de Minas, até Ponte Nova. Reformada, funciona atualmente na antiga estação um Centro Cultural.
          Além disso, Furquim tem como atrativos o encontro das águas do Ribeirão do Carmo com o Rio Gualaxo do Sul, a Cachoeira de Rosa, no subdistrito de Pedras, a Cachoeira do Jadir e a Cachoeira do Pedro, no subdistrito de Cuiabá. Tem ainda a Pedra do Urubu, o Rio do Coito e o Rio Gualaxo como atrativos naturais e a Ponte dos Macacos, a Fonte da Gameleira.
          Furquim conta com boa estrutura urbana para atender os turistas como pousadas, botecos e restaurante com comida típica, pequeno comércio onde o visitante encontra os produtos locais como queijos, doce e artesanato, além de poder acompanhar as tradicionais festas religiosas como Semana Santa, Corpus Christi, o Dia do Padroeiro, a Festa de virada de ano e do Furquiense ausente, em 1° de janeiro, Mês de Maria, Festa da Virgem do Carmelo em 16 de julho, Festas Juninas, dentre outras.
03 - Porto dos Mendes
          Porto dos Mendes é distrito de Campo Belo, município da região Oeste de Minas, distante 226 km de Belo Horizonte. O distrito, está na divisa de Campo Belo com Nepomuceno e por isso conta com dois portos, um em cada cidade. Isso porque Porto dos Mendes é banhado pelo Lago de Furnas e a travessia é feita e barcos e balsas. 
          São dois portos. O porto “De Cá” como chamam o porto do lado de Campo Belo e o porto “De Lá”, como é mais chamado o porto de Nepomuceno, embora seu nome antigo seja Porto Sapecado. Mas é mais fácil falar “porto de lá” e “porto de cá”. (na foto acima do Daniel Souto)
          Além dos dois portos, as atividades de pesca e náutica, as balsas transportam carros, ônibus e tudo que puder sobre as águas do Lago. Porto dos Mendes é um dos mais importantes atrativos distritos de Campo Belo, não apenas pelo Lago de Furnas, mas por sua história e origem.
          Porto dos Mendes surgiu de um povoado formado no século XVIII, com o nome de Vila São Sebastião de Porto dos Mendes. Em 9 de agosto de 1864 foi elevado a distrito, passando a ser apenas chamado de Porto dos Mendes.
          É uma charmosa, pacata e atraente vila mineira, formada por pessoas igualmente pacatas, acolhedores e hospitaleiros. Tem ainda como destaque a Igreja de São Sebastião, construída em meados do século XVIII, o Cruzeiro no alto da serra, matas nativas, trilhas ecológicas e belas cachoeiras. (foto acima de Daniel Souto)
          Lugar com boa estrutura para receber turistas, conta com bons restaurantes, bares e pousadas, tanto em Campo Belo e Nepomuceno, quanto na própria vila. Lugar ideal para passeios em família, pesca esportiva, passeios de barcos e ainda para quem gosta de viajar pelos encantos da simplicidade das vilas coloniais mineiras.
04 - Chacrinha dos Pretos
          É distrito de Belo Vale, no Vale do Paraopeba, distante 82 km de BH.
          A comunidade da Chacrinha dos Pretos tem origem no século XVIII, há mais de 180 anos. Foi formada entre as fazendas Chácara e Santa Cecília, que pertenceu ao Coronel José de Paula Peixoto, influente fazendeiro que tinha o apelido do valor sua fortuna, “Milhão e Meio”. (fotos acima de Mauro Euzébio/@mauroart)
          Por influência de sua esposa, a qual amava muito, não seguia os padrões no trato com os escravizados na época. Tratava-os bem. Após sua morte, sua esposa alforriou todos os escravos da fazenda. Além isso, como herdou toda a propriedade de seu falecido esposo, colocou em testamento os escravos que alforriou como seus herdeiros diretos. Após a morte da viúva do coronel “Milhão e Meio”, os escravos alforriados assumiram a posse legal da fazenda, de acordo com a vontade da viúva do coronel “Milhão e Meio”.
          A área da antiga fazenda e onde foi formado o quilombo da Chacrinha dos Pretos, formam um sítio arqueológico de grande valor histórico para a cidade e região por ter sido o início da formação do Quilombo. É um bem tombado como Patrimônio Cultural e Material de Belo Vale MG, através do Decreto N° 1240/2011, devido sua grande importância para a história da comunidade quilombola da região. (fotos acima de Mauro Euzébio/@mauroart)
          Além disso, Chacrinha dos Pretos é uma comunidade quilombola certificada pela Fundação Cultural Palmares. Isso garante que os moradores de Chacrinha dos Pretos tem origem em comum e tem como base a preservação dos valores de seus antepassados, bem como a preservação de suas práticas culturais, além de preservarem a identidade cultural e histórica da comunidade.
          Os moradores atuais, descendentes os quilombolas que formaram a comunidade, realizam manifestações culturais, religiosas e folclóricas no sítio arqueológico, onde começou o quilombo. Isso por ser um lugar de uma riqueza histórica e cultural impressionante, bem como a história da formação do quilombo que se formou na fazenda, totalmente diferente da origem dos quilombos na época.
05 - Padre Pinto (Caxambu)
          É distrito do município de Rio Piracicaba, no Médio Piracicaba, distante 127 km de Belo Horizonte. O distrito conta com cerca de 1500 moradores e está a 5 km da BR-381, a 14 km do centro de Rio Piracicaba e possui uma boa estrutura urbana.
          É um lugar simples, pacato, sossegado, com povo acolhedor e bastante hospitaleiro, que se orgulha de sua comunidade, de preservar suas festas tradicionais, principalmente religiosas e ainda, valorizam e respeitam a memória de seus antepassados, principalmente os de origem africana. O distrito tem raízes históricas no tempo da Mineração e Escravidão. (fotografia acima do Duva Brunelli)
          Durante o ano ocorrem eventos populares, folclóricos e religiosos em Padre Pinto, com destaque para a Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, a tradicional Congada. Além disso, no mês de maio, acontece a tradicional Festa do Boi Fogueira, uma tradicional festa folclórica com danças e cantigas de roda.
          Seu nome de origem era Caxambu, passando a se chamar Padre pinto, em homenagem ao padre Manoel Fernandes Pinto Coelho, a partir de 8 de agosto de 1927. Mesmo alterando o nome, Caxambu é o nome mais popular, devido existir no distrito a Comunidade Quilombola Caxambu.
          Uma charmosa vila, com um casario antigo em estilo colonial, eclético e moderno, povo simples, acolhedor e de fé. Além de igreja católica, construída em 1911, em Padre Pinto existem duas igrejas evangélicas. Seus moradores vivem da agricultura familiar. (foto acima de Duva Brunelli)
          Sua antiga usina elétrica, é hoje patrimônio tombado de Rio Piracicaba. Além disso, Padre Pinto é um dos distritos de grande importância cultural para a cidade por sua história e tradições populares, oriundas do tempo da Escravidão.
          Por sua origem africana, a comunidade Caxambu, em Padre Pinto é área reconhecida pela Fundação Palmares como comunidade Quilombola. O Quilombo de Caxambu, que significa, na língua africana que para alguns historiadores a junção dos vocábulos cacha (tambor) e mumbu (música). Mas há outros historiadores que afirmaram que seu significado seria a junção dos vocábulos de caa (mato), xa (ver), umbu riacho, sendo então mato que vê o riacho.
A família Alcântara de Caxambu
          É em Caxambu (Padre Pinto) que vive a Família Alcântara, que forma o coral Família Alcântara. Fundado há mais de meio século, o coral já está na quarta geração da família.
          A Família Alcântara, bem como todos que vivem no Quilombo, é formada por descendentes de escravos trazidos de Angola, por volta de 1760 para trabalharem nas fazendas da região.
          A história da Família Alcântara, bem como o coral é conhecida e reconhecida em Minas, no Brasil e também no mundo. O coral tem discos gravados, já fizeram várias apresentações em várias cidades e festivais e também em programas de TVs, entre eles do programa de Jô Soares, na Rede Globo, além de terem sido tema de documentário produzido e exibido pela TV Rede Minas.
06 - Bom Jesus do Vermelho
          Bom Jesus do Vermelho é distrito subordinado a Santa Rita do Ibitipoca, município distante 70 km de Barbacena e a 241 km de Belo Horizonte, nos limites territoriais com Ibertioga, Piedade do Rio Grande, Santana do Garambéu, Lima Duarte, Bias Fortes e Antônio Carlos, no Campo das Vertentes com a Zona da Mata. O acesso é pela MG-135 E MG-338. (foto acima de André Duarte)
          Bom Jesus do Vermelho é uma pequena vila típica do interior mineiro, com uma singela igreja, praça, um casario colonial bem cuidado, destacando as velhas e antigas vendas, como a Venda Salles, como podem ver nas fotos acima do André Duarte, a Venda, a Igreja e o casario visto da entrada da vila.
          Seu povo é simples, hospitaleiro, valorizam suas tradições folclóricas, religiosas e a tradição mineira dos tempos dos tropeiros e boiadeiros, presente nas cantorias da tradicional música caipira mineira, além da culinária mineira, principalmente as quitandas, sempre presente nas cozinhas mineiras e nas rodas de viola e sanfona, que sempre acontece nas casas e quintais da Vila.
          Lugar calmo e tranquilo, onde todos se conhecem. Na charmosa e pequena vila, vivem pouco mais de 1000 pessoas. Sua economia se baseia em pequenos comércios, na agricultura familiar e no turismo, já que a Santa Rita do Ibitipoca e seus distritos estão na área do Parque Estadual do Ibitipoca. Por esse motivo, restaurantes, bares e pousadas se encontra com facilidade no distrito, em Santa Rita e redondezas.
          Além disso, Bom Jesus do Vermelho oferece a seus moradores e visitantes um convívio pelo com a natureza, com trilhas diversas, cachoeiras, montanhas e as belíssimas paisagens paisagens do Parque do Ibitipoca, como por exemplo a Janela do Céu, principal atração do Parque, situado nas terras do município de Santa Rita, no qual faz parte Bom Jesus do Vermelho.
          Uma época boa para visitar Bom Jesus do Vermelho é julho, quando acontece a tradicional festa do Bom Jesus, com shows com bandas e artistas locais e regionais, barracas com comidas típicas, celebrações religiosas, dentre outras atrações.
07- Coco
          Coco é uma típica e tradicional Vila Colonial Mineira, distrito de Moeda MG, no Vale do Paraopeba, distante 60 km de Belo Horizonte.
           O casario colonial, típico do período barroco é um dos atrativos do distrito, suas belezas naturais nativas como matas nativas, trilhas, cachoeiras, bem como a Igreja do Sagrada Coração de Jesus. É uma igreja simples, mas com talhas, entalhes, forros e ornamentos requintados, típicos da arte sacra da século XIX e XX. (fotografia acima de Evaldo Itor Fernandes, o casario e a Igreja do Sagrado Coração de Jesus)
          Tanto a Igreja, quando a formação do povoado, tem origens no século, segundos os moradores mais antigos. Seu povo tem orgulho de sua comunidade, de sua igreja e recebem muito bem os visitantes, como todo bom mineiro. A principal atividade econômica de Coco é agricultura familiar, turismo e pequenos comércios. 
08 – Betânia
          É distrito da de Pedra do Indaiá, no Oeste de Minas, distante 174 km de BH. Em Betânia vivem cerca de 700 pessoas. Está situado no KM 145 a MG-050, entre Divinópolis e Formiga MG.
          É uma pequena vila, que tem como base econômica a extração de pedras que são trabalhadas para serem usadas em calçamento, mistura em concreto e outros usos. Por esse motivo, a vila é pavimentada e conta com uma boa estrutura, poluição zero e um povo muito hospitaleiro e gentil. (fotografia de Maurício Soares)
09 – Córrego do Nhonhepe
          É distrito da cidade de Tarumirim, distante 344 km de Belo Horizonte, no Vale do Rio Doce. Um típico povoado mineiro, com um povo simples, acolhedor e hospitaleiro que vive a agricultura familiar. Um lugar calmo, pacato, tranquilo, um casario no estilo colonial bem simples e aconchegante.
          Segundo Romário e Priscila/@viagens_por_minas, que nos forneceu as fotos  informações, Nhonhepe é lugar de gente de boa prosa, e tem como referência a tradicional Venda do Djalma, na ativa desde 1973. É aquela charmosa venda que ao mesmo tempo é boteco, lugar de contato social da vila e onde você encontra de tudo e mais um pouco. É mais que um ponto de encontro dos moradores da vila, é um lugar para rever os amigos, fazer amigos, prosear bastante e vivenciar o dia a dia de uma típica venda do interior.
          Atrás do balcão está o Sr. Djalma, sempre simpático e que adora uma boa prosa e os fregueses, também, bons de prosa e fazem amizades bem fácil. É um lugar em que todos são de casa.
10 - Porto Alegre 
          Porto Alegre é distrito de Moeda MG, Vale do Paraopeba, distante 60 km de BH. Tem origem no início do século XVIII, quando chegou à região, as bandeiras lideradas por Fernão Dias Paes Leme. Aportaram em um pequeno arraial onde viviam algumas poucas pessoas que trabalhavam na agricultura, já que em sua origem, desde o final do século XVII, o Vale do Paraopeba era uma região de produção de alimentos, devido à qualidade de suas terras. Eram pessoas simples, muito alegres e receptivas.
          O pequeno vilarejo ficava no encontro das águas do Ribeirão da Barra com o Rio Paraopeba. Esse encontro de águas formava um porto era usado ancorar embarcações que fazia a travessia do rio, levando e trazendo alimentos, além de pessoas. Por isso o nome dado ao lugar, Porto Alegre.
          Seu crescimento foi devagar, em torno da igreja do seu padroeiro, o Senhor Bom Jesus. Inclusive, a Igreja do Senhor Bom Jesus de Porto Alegre é um dos seus principais atrativos, bem como a beleza e o charme do seu casario colonial, suas belezas naturais e belas cachoeiras, além claro, da alegria de seu povo, que faz jus ao nome do lugar. (fotos acima de Evaldo Itor Fernandes)
11 – Conceição de Minas
          É distrito do município de Dionísio, distante 189 km de Belo Horizonte, na Região do Vale do Rio Doce, compondo o Colar Metropolitano do Vale do Aço, nos limites territoriais com os municípios de São Domingos do Prata, Timóteo, Marliéria, São José do Goiabal.
          Conceição de Minas é uma pequena e pacata vila, onde vivem pouco mais de 1000 pessoas. Foi elevado a distrito em 30 de dezembro de 1962. O acesso é pela BR-381, com entrada pelo entroncamento da BR-381 em Dionísio e mais 30 km em rodovia pavimentada.
          Seus moradores vivem da agricultura família e pequenos comércios.
          A vila é sossegada e bem tranquila. Conta boa estrutura para seus moradores com igreja, pracinha, academia ao ar livre, ruas calçadas com bloquetes, um simples mas charmoso casario. É um lugar gostoso de se viver.
12 – Baixa Verde
          É distrito de Dionísio MG a 189 km de Belo Horizonte, no Vale do Rio Doce. Em Baixa Verde vivem cerca de 3 mil pessoas que vivem de pequenos comércios, da agropecuária, da extração de madeira e de carvão vegetal, além do artesanato feito com fios, pinturas e trabalhos no estilo Barroco, que contribui para a movimentação da economia local.
          O distrito conta com uma boa estrutura urbana com escola de ensino fundamental e médio, Unidade Básica de Saúde, Agência dos Correios, abastecimento de água e coleta de esgoto, igrejas e praças. Enfim, é uma charmosa e atraente vila interiorana, com casario típico, povo hospitaleiro, que valoriza suas tradições e religiosidade. (foto acima de Duva Brunelli)
          Em Baixa Verde, matas nativas de Mata Atlântica bem preservadas, são atrativos, bem como dezenas de lagoas naturais, além da beleza do Rio Mumbaça.
13 – Conceição de Tronqueiras
          É distrito de Coroaci, no Vale do Rio Doce, distante 306 km de Belo Horizonte. Faz limite territorial com Sardoá, Peçanha, Governador Valadares, Nacip Raydan, Marilac e Virgolândia.
          É uma pequena e pacata vila, típica do interior mineiro com praça, matriz, festividades religiosas, um casario bem cuidado. (fotografia acima de Duva Brunelli)
          Seu povo é muito religioso, acolhedor, hospitaleiro e adoram uma boa prosa. Além disso, Conceição de Tronqueiras conta com uma boa estrutura urbana para seu moradores que vivem basicamente de pequenos comércios e agricultura familiar.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Postagens populares

Seguidores