quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

O maior PIB do Sul de Minas é de Extrema

Compartilhe:

O município de Extrema, no Sul de Minas Gerais, com 36.225 habitantes em 2019, segundo o IBGE, detém hoje o maior PIB do Sul de Minas, ultrapassando a anteriormente primeira colocada, Pouso Alegre com 150.737 habitantes. 

É o que diz os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes a 2017, divulgados no mês de dezembro de 2019. O PIB de Extrema, segundo o IBGE, é de R$7,530 bilhões. Pouso Alegre, agora em segundo, tem o PIB de R$7,388 bilhões. 

O crescimento do PIB de Extrema impressiona. Em 2018, o IBGE já havia adiantado o crescimento do PIB de Extrema, deixando para trás Poços de Caldas, com 167.397 habitantes e agora, confirmando que o município ultrapassou Pouso Alegre, detendo hoje o maior PIB da Região Sul de Minas Gerais.

O Produto Interno Bruto (PIB) é a média das riquezas produzidas num município, estado e país por habitante. A medição do PIB no Brasil é feito pelo IBGE.

Segundo dados do IBGE, o PIB de Extrema teve crescimento de 21,8% entre 2016 e 2017, passando de R$6,179 bilhões para R$7.530 bilhões. Assumindo o primeiro lugar entre os maiores PIBs de Minas Gerais.

Já Pouso Alegre, no mesmo período, teve crescimento em seu PIB de 8,3%, passando de R$6,819 bilhões, para R$7,388 bilhões, estando agora em segundo lugar.

Poços de Caldas, com 167.397 habitantes é agora o terceiro maior PIB de Minas, R$6.366 bilhões, crescimento de 4%.

Em quarto lugar hoje está Varginha, com 135.558 habitantes com um PIB de R$5.443 bilhões, crescimento de 21,4%.

Em quinto lugar está Itajubá, com 96.869 habitantes com PIB de R$3.011 bilhões, crescimento de 13,8%.

O crescimento do PIB de Extrema deve-se ao desenvolvimento industrial crescente nas últimas três décadas, graças às políticas de atração de empresas para o município. São 14 setores diferentes do ramo industrial, entre eles, a produção de chocolates. Extrema é a quarta maior produtora de chocolates do Brasil. O comércio de eletrônicos é outro setor importante para a economia local, respondendo por 12,5% de todas as compras onlines no país.

Extrema, nos últimos anos, vem chamando atenção de todo o Brasil por seu crescimento, qualidade de vida e boa gestão dos recursos municipais.

Por três anos consecutivos, foi município melhor avaliado pelo índice anual que avalia a gestão de recursos das prefeituras em todo o Brasil, elaborado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) em Minas Gerais e 8º em todo o Brasil. Foram quatro quesitos avaliados: autonomia, investimentos, liquidez e gastos com pessoal. Nos três primeiros quesitos, Extrema tirou nota máxima. 

Saindo de Belo Horizonte, sentido São Paulo, pela Fernão Dias (BR 381), Extrema é a última cidade, literalmente no extremo Sul de Minas. Fica a 492 km de Belo Horizonte, 110 km de São Paulo e a 480 km do Rio de Janeiro, via BH 116.
(Por Arnaldo Silva, com fotografia ilustrativa de Marcelo Lagatta)

Nenhum comentário:
Faça também comentários