sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

O escultor das violas de bambu

Compartilhe:

A viola que fabrica está nas mãos de vários artistas brasileiros como Almir Sater, Adriana Farias do Barra-da-Saia, Chico Lobo, Fernando Sodré, Pereira da Viola, Zico e Zeca, Zé Mulato e Cassiano, dentre outros. Não é só no Brasil não. Amantes da viola e artistas de vários países do mundo compram sua viola como artistas Japão, Estados Unidos, Argentina, Portugal, Inglaterra e outros países. 

Mas quem é esse luthier tão famoso que fabrica violas que encantam tantos artistas no Brasil e no mundo? É o Antônio José Cabral, mais conhecido como "Seu" Cabral das Violas. Um senhor simpático, que recebe todos bem em sua residência, onde nos fundos da casa, tem sua pequena fábrica suas violas. "Seu" Cabral tem 76 anos e mora no bairro São Vicente, em Bom Despacho, Centro Oeste de Minas Gerais.

Antes de continuarmos falando do trabalho do "Seu" Cabral, vamos explicar o que é um luthier. Essa palavra é de origem francesa, lutherie, em português, luteria. É a arte da construção e concerto de instrumentos musicais. A expressão em francês é a mais usada porque a arte de fabricar instrumentos de cordas era bastante comum na França nos idos antigos. Hoje a profissão de luthier é abrangente a todos que consertam e fabricam instrumentos musicais. É uma profissão respeitadíssima no mundo artístico. O que seria de um músico sem instrumentos musicais?

Para ser um luthier tem que ter talento, conhecer bastante sobre o instrumento que fabrica e claro, de música.

Esse é o caso do "Seu" Cabral. Pela idade que tem, 76 anos, você imagina que ele esteja nesse ofício desde muito jovem, como é comum nesses casos. Mas não é.

"Seu" Cabral vem de uma família ligada a carpintaria. Pai, avós, bisavós. Herdou de seus ancestrais a arte de fazer móveis, que é uma atividade tradicional em Bom Despacho, onde existem várias fábricas de móveis.

Somente em 1995, aos 52 anos que o "Seu" Cabral resolveu mudar de ramo e fabricar violas, instrumento que desde muito jovem gostava de ouvir e tocar. Assim, resolveu começar a fazer o instrumento.

E fez sua primeira viola aos 52 anos e não parou mais. Hoje tem 76 e perdeu a conta de quantas violas já fez na vida, mas garante que é mais de mil.
A qualidade das violas fabricadas pelo luthier bom-despachense começou a ganhar fama e atrair os ouvidos de artistas e violeiros do mundo inteiro. A imprensa também se interessou por seu talento.

A viola do "Seu" Cabral já foi tema de reportagem do programa Globo Rural, e ainda foi entrevistado pela reportagem da Rede Integração, afiliada da Rede Globo em Minas Gerais. Uma revista inglesa, sediada em Londres, mandou um repórter a Bom Despacho para documentar o seu trabalho. Ele não lembra o nome da revista e nem o nome do repórter que o entrevistou.

O que chama a atenção no trabalho do "Seu" Cabral é o carinho que ele tem pelas violas e o prazer que tem em fazer esse instrumento. Pra fazer as violas ele usa madeiras de cedro, jacarandá-mineiro, pau-marfim, caviúna e outras madeiras. Mas você pensa que ele derruba árvores para fazer suas violas? Não, ele não faz isso.

O interessante nesse trabalho do "Seu" Cabral é que ele aproveita madeira antiga. Várias pessoas que tem móveis antigos em casa como mesas, cadeiras, guarda-roupas, de madeira maciça, que não querem mais, ao invés de jogá-los fora, doam ao luthier. Com esse material ele reaproveita a madeira boa e faz suas violas. Ficam perfeitas!

Além de usar madeira antiga, usada, "Seu" Cabral inovou em sua arte e passou a usar madeira de bambu. É o pioneiro nessa arte de fazer violas usando bambu.

Segundo explicou "Seu" Cabral,  o processo não é o mesmo das violas feitas com as madeiras maciças. Exige muito conhecimento para escolher o bambu e prepará-lo.

Segundo "Seu" Cabral, tem uma época certa para cortar o bambu. O corte tem que ser feito na lua minguante, mas não pode ser no início e nem no fim do mês. Tem que ser num dia intermediário. E ainda, o mês do corte em lua minguante não pode ter a letra R.

Passado o corte, vem o preparo. O melhor bambu é aquele grosso. Corta o bambu, cozinha com água e querosene. Segundo "Seu" Cabral, esse cozimento com querosene e água, evita que surjam carunchos na viola.

Depois de cozida o bambu fica secando. Quando está seco, ele pega a madeira e prepara a chapa de fundo, batente e tampa. Vai trabalhando pedaço por pedaço com as tiras do bambu, colando uma a uma. Assim vai dando forma à futura viola. O cavalete, a escala e o braço das violas são feitos com madeira normal, o corpo da viola é todo feito de bambu. As vezes ele faz toda a viola em bambu.
É um trabalho que requer muita concentração e conhecimento, isso porque os amantes da viola são exigentes. Esse é o diferencial do "Seu" Cabral, ele conhece, gosta de viola e sabe fazer e faz viola por amor, por prazer acima de tudo.

Perguntei a ele se havia alguma diferença no som da viola, usando madeira de bambu, cedro, caviúna, pau-marfim e jacarandá. Ele garantiu que sim. Para um leigo que não conhece muito de instrumento e som de viola, pode ser a mesma coisa, mas para um músico, com ouvido apurado, é diferente. O som que a viola de bambu, por exemplo, produz, é diferente do som que sai da viola feita com madeira de cedro. Mesma coisa a viola feita com madeira de jacarandá, é diferente do som de uma viola feita com caviúna, e por ai vai.

O cantor e violeiro Almir Sater comprou e gostou demais da viola de bambu fabricada por "Seu" Cabral, bem outras pessoas em Minas, no Brasil e no mundo que compram suas violas. 
A viola é Patrimônio Imaterial de Minas Gerais. Está presente na cultura mineira há séculos e reconhecida pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico de Minas Gerais como um bem imaterial dos mineiros, por sua identidade com o povo e por fazer parte da história do Estado Mineiro. 
A viola de bambu do "Seu" Cabral das Violas custa em média R$1500,00 e quem quiser contactá-lo pode ligar para seu whatsapp: 37 99912-3363 - Fotografias e Reportagem de Arnaldo Silva

Nenhum comentário:
Faça também comentários