domingo, 3 de fevereiro de 2019

As ruínas do antigo Forte de Brumadinho

Compartilhe:

A Construção de fortes na antiguidade era uma estratégia militar e tinha como objetivo a defesa e proteção das ações militares, bem como para guardar armamentos. Por isso as construções serem feitas com o máximo de segurança possível para a época, com paredes em pedra bruta sobrepostas e espessuras largas. No topo do muro dos fortes eram colocados vidros e no entorno dos fortes  plantavam plantas espinhentas como cactus e coroas de Cristo. O objetivo era inibir a ação de quem tentasse escalar o muro.

Uma construção com essas características citadas acima foi feita em Brumadinho, no século XVIII no início do ciclo do Ouro. Por isso tem o nome de Forte. Fica num ponto estratégico da Serra da Calçada, no complexo da Serra da Moeda, em Brumadinho, na divisa com Nova Lima. A construção foi feita com pedra sobre pedra, muito bem sobreposta e bem trabalhada. O Forte tem 50x40 metros de comprimento e sua construção lembra um retângulo. A muralha que cerca o forte tem 5 metros de altura, com 1 a 1,5 metro de espessura das paredes.

Tem apenas uma única entrada e no centro do forte existe uma outra construção, também em pedras, com 5 metros de altura com 2 portas, uma na frente e outra atrás e 6 janelas, laterais, bem amplas. Cada porta tem 3,60 metros de altura e 2 metros de largura, características do século 18. Acreditam que essa casa que fica no interior do Forte tinha também uma cobertura que facilitava a visualização de tudo que estava em torno do Forte.

Devido a sua grandiosidade e detalhes estratégicos de defesa, essa obra do século 18 em Brumadinho com certeza teve importância muito grande para a época. Está num local privilegiado que permite uma visão geral das redondezas.

Essa construção teve um objetivo. Não há uma conclusão exata do motivo de construírem um forte com essas proporções.

Segundo consta, o Forte de Brumadinho chegou a ser usado como instrumento de defesa. A quem diga que o Forte foi construído para ser um entreposto de mercadorias que seguiam para Paraty, via Estrada Real. Outra versão diz que no local funcionava um ponto de fiscalização da Coroa Portuguesa da atividade de mineração na região, que já existia desde aquela época.


A versão mais coerente e aceita, afirma que o local era usado para práticas comerciais ilícitas. Vestígios de mineração como represamento de água em muros de pedra, canalização e cavas são indícios de que no Forte existia atividade de extração de ouro. Naquela época, a exploração desse metal era uma febre e era comum naqueles tempos atividades ilícitas como fundições de moedas ilegais e exploração de ouro clandestina . Baseado nesses indícios, acredita-se que no interior desse forte, em Brumadinho, existia uma fundição de ouro e produção ilegal de moedas.

Algumas trilhas nessa região tem calçamento em pedra muito bem feitos e ainda hoje em bom estado, levando diretamente ao Forte. Isso indicada que a presença de tropas e circulação de pessoas era intensa quando o Forte estava ativo.

Hoje a área que está o Forte pertence à Mineradora MBR e a grandiosa obra do século XVIII está em ruínas, totalmente abandonado e com mato tomando conta de boa parte. Mesmo assim é um local que atrai grande número de turistas com interesse pela história do local, bem como as belezas naturais da região, que favorece a prática do ecoturismo. 

Texto de Arnaldo Silva - Fotografia de Fernando Góes

Um comentário:
Faça também comentários
  1. E a história vai se perdendo no meio da Mata e do descaso público..... Vergonhoso

    ResponderExcluir