quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Conheça Chapada Gaúcha

Compartilhe:

A cidade de Chapada Gaúcha fica no Norte de Minas e distante 722 km de Belo Horizonte e 350 km de Brasília. Faz divisa com os municípios de Januária, Pintópolis, São Francisco, Formoso, Arinos, e Urucuia. Segundo o IBGE, em 2018, o município contava com 13.397 habitantes. Apesar do pequeno número de habitantes, é um dos maiores municípios de Minas Gerais em extensão territorial com 3214.498 km2. (na foto abaixo, vista parcial da cidade de Chapada Gaúcha MG. Sem autoria identificada até o momento)

        A cidade foi formada por três distritos: Vila dos Gaúchos, Novo Horizonte e Serra das Araras, que pertenciam a São Francisco MG. Em 1994, já com o objetivo de se transformar em cidade, esses três distritos se uniram e numa votação entre os moradores, decidiram que seriam um único distrito que se chamaria Chapada Gaúcha. Nesse mesmo ano, em 19 de dezembro, a Câmara de Vereadores aprovou a criação do novo distrito, através de Lei nº 1523/94. Um ano depois, em 21 de dezembro de 1995, o distrito vira cidade através da Lei Estadual 12.030. No ano seguinte, em 1996, a cidade elegeu seu primeiro prefeito e seus primeiros vereadores. (na foto abaixo, de Vicente Queiroz, a Igreja Matriz de Santo Agostinho)
Mas porque o nome Chapada Gaúcha?
        A região hoje onde está o município possui terras muito férteis, ideal para o agronegócio. Na década de 1970 iniciou-se um projeto de assentamento, organizado pela antiga RuralMinas, que integrava os municípios de Formoso e Arinos, no Noroeste de Minas e Januária e São Francisco no Norte de Minas, denominado Padsa (Projeto de Assentamento Dirigido a Serra das Araras) 
        Por causa desse projeto, a partir de 1976, começaram a chegar na região migrantes vindos do Rio Grande do Sul, principalmente da cidade gaúcha de Chapada, atraídos pelo preço das terras, que eram muito baratas, em relação às terras do Sul. Vieram para produzir e trabalhar a terra, já que tinham bastante experiência em agricultura.
        As famílias gaúchas que chegaram, começaram construir suas casas e o local em que viviam passou a ser chamado de Vila dos Gaúchos. A cultura e tradição gaúcha era mantida pelos migrantes que com seus conhecimentos e vontade trabalhar, ajudaram em muito no desenvolvimento da região, além de deixar e manter um rico legado cultural, misturado com a cultura mineira, principalmente com a rica cultura do povo do Cerrado, bioma predominante na região. 
Chapada Gaúcha hoje
        Economicamente o município é um dos que mais cresce no Estado. Sua atividade econômica principal é o agronegócio onde predomina agricultura extensiva, mecanizada e com tecnologia avançada. 
        Sua principal atividade agrária é a produção de sementes de capim, sendo o município o maior produtor de sementes do país.
(a fotografia acima mostra a atividade agrária no município. Imagem sem autoria identificada até o momento)
        Além das atividade agrícola mecanizada, tem os pequenos agricultores que cultivam a terra da forma tradicional, produzindo para consumo próprio ou para o venderem no comércio. São produtos oriundos das atividades extrativistas, pesca, pecuária, artesanato, principalmente feitos com buritis, que é abundante na região. Com o apoio da Emater MG (
Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais ) os pequenos produtores complementam suas rendas também com os frutos do Cerrado e produzem polpas, sementes, farinhas e óleos, para serem vendidos. Em muitos casos, as colheitas acontecem em mutirões e os produtos de seus trabalhos são vendidos para mercados de cidades mineiras e de outros estados como São Paulo, Rio de Janeiro de Distrito Federal. Os frutos do Cerrado e as delícias que desses frutos originam, ajudam também a enriquecer a merenda escolar das escolas do município. 
Potencial turístico
Além do agronegócio, cultura mineira e tradições gaúchas, Chapada Gaúcha MG tem um forte potencial para o turismo ecológico. 
É no município que está o maior parque ambiental do Cerrado, o Parque Nacional Grande Sertão Veredas (foto acima de Thelmo Lins). O nome é uma homenagem a uma das mais importantes obras literárias brasileiras, o romance Grande Sertão Veredas, de João Guimarães Rosa, que retrata com extrema sensibilidade a realidade regional onde a unidade está inserida, repleta de passagens que descrevem os locais, a relação do homem com a natureza e as características culturais, ainda hoje encontradas. (foto abaixo de Thelmo Lins)
Ainda no município está o Parque Estadual da Serra das Araras, a Reserva de Desenvolvimento sustentável do Acari e várias reservas particulares (RPPN´s). A paisagem do Cerrado de Chapada Gaúcha MG possui uma rica fauna e flora, além de muitas cachoeiras e as tradicionais veredas com lindas palmeiras de buriti. (foto abaixo de Thelmo Lins)
Encontro dos Povos do Grande Sertão Veredas
        O município sedia com orgulho o encontro dos povos do grande sertão veredas. Esse encontro acontece todos os anos e já está em sua 18ª edição. Durante os dias de evento acontecem debates e palestras, além de comidas típicas, artesanato, oficinas, exposições, danças como batuque, tamanduá, catira e manzuá, manifestações religiosas populares como folias de reis e do divino, capoeira, quadrilha caipira, teatro, sarau,  apresentações de violeiros, repentistas e bandas de forró de sucesso nacional. Acontece também a famosa caminhada pelo "Caminho do Sertão". (abaixo, arte do fotógrafo e ambientalista Eduardo Gomes)
A Festa de Santo Antônio de Serra das Araras
        Apesar de ser um município novo, Chapada Gaúcha preserva uma das mais antigas festas de Minas Gerais. A festa de Santo Antônio de Serra das Araras. Esse evento religioso é realizado há mais de 100 anos no distrito de Serra das Araras, geralmente no mês de junho.

        Durante os dias da festa, o pequeno distrito recebe milhares de romeiros, devotos de Santo Antônio e pagadores de promessas da região e de várias outras cidades. Chegam ao distrito a pé, em peregrinação, em carros, caravanas, a cavalo. 
        Vão para agradecer  a Deus as graças recebidas pela intercessão do santo, carinhosamente chamado pelos fiéis de Santo Antônio da Serra das Araras. Essa manifestação de fé do povo em Santo Antônio é narrada no livro de Guimarães Rosa, Grande Sertão Veredas. Para o povo da região, é a fé no Santo dos Pobres, no Santo do Povo Sofredor.
        A presença de tanta gente muda a rotina do pequeno vilarejo que  durante os dias do evento já que durante a festa religiosa,  acontecem shows com artistas locais e regionais, tem cavalgadas,  grupos de motociclistas e barracas com comidas típicas. Esse evento ajuda a movimentar a economia local.
--------------------------------------------------------------------
Algumas fotos não tem autoria identificada, infelizmente, mas assim que identificarmos os autores, os créditos serão inseridos. Estamos a procura de novas fotos e mais fatos sobre a cidade de Chapada Gaúcha. Assim que tivermos, serão inseridos na matéria.

Nenhum comentário:
Faça também comentários