quarta-feira, 18 de abril de 2018

Conheça o nosso Tremruá

Por Osvaldo Filho*
Na Europa fala-se muito em terroir (terruá). Terroir é uma palavra francesa que designa ‘uma extensão de terra cultivada’ ou um conjunto das terras exploradas por uma comunidade rural. O significado etimológico é: território. Aprofundando mais um cadinho: todas as características naturais e interferência humana daquele território ou região.

Como bons mineiros que somos mudamos esta palavra, nada contra o estrangeirismo. E assim, nasceu a palavra: tremrúa.


Tremruá aqui em Minas Gerais significa: determinado território, ou região de terras, com sua altitude, clima, geologia, ar, água, capim, somados à tradição, ao saber fazer, à cultura, à história daquele local. É o tremruá que torna um queijo único, ímpar e singular. Não só o queijo, mas o azeite e o vinho.

Um queijo feito na Canastra jamais será Araxá. Um queijo feito no Serro, jamais será Salitre. Um queijo feito no Cerrado jamais será Campo das Vertentes. Um queijo feito em Alagoa jamais será Triângulo Mineiro. Justamente porque cada região tem suas características intrínsecas que diferenciam um queijo do outro.

Pasmem! Dentro de um tremruá existem microtremruás. Um queijo artesanal preparado num território de elevada altitude apresenta diferenças no sabor de um queijo preparado num território mais baixo. Não só a altitude, mas são vários os fatores que podem diferenciar os sabores, ou ainda, interferir na maturação. Dependendo da região surge certo tipo de mofo que em outro local não aparece. Tremruá é, realmente, um tesouro de Minas Gerais.


O Tremruá de Alagoa
Alagoa (cidade do Sul de Minas com menos de 3 mil habitantes, foto acima de Jerez Costa) é a mais alta das Terras Altas da Mantiqueira e está no mesmo patamar dos alpes suíços. A altitude é um elemento do tremruá que faz uma grande diferença no sabor do queijo. Em certas épocas do ano o termômetro atinge temperaturas abaixo de zero, já chegou a fazer -8ºC. Este ano meu termômetro marcou temperatura máxima de 32ºC. Ameno em comparação com Rio de Janeiro, Mato Grosso ou São Paulo, o clima é outro elemento que faz a diferença. E por aí vai: o tipo de solo, pastagem, a água que a vaca bebe, a raça do gado, todo este conjunto que temos aqui em Alagoa confere singularidade e peculiaridade ao nosso queijo. (na foto abaixo, de Júlio Monteiro, dia típico de inverno em Alagoa MG)
Sei de histórias de alagoenses que vararam a noite viajando com o fermento (soro do dia anterior – lá na Canastra chamam de pingo) pra tentar fazer o queijo em outras cidades. O resultado: um desastre! Diz o ditado que não adianta chorar o leite derramado. Neste caso, não adianta chorar o leite coalhado fora de Alagoa. É um privilégio dos nossos conterrâneos.

É evidente que dentro do tremruá de Alagoa existem micro terruás. O queijo artesanal Alagoa feito lá no Garrafão (o bairro mais alto de Alagoa onde está o Pico do Santo Agostinho com 2.370m de altitude) tem características levemente diferentes do queijo artesanal Alagoa feito aqui no bairro onde moro, Ilha das Cabras. Repito: a altitude, o clima, a geologia, a água, a pastagem fazem total diferença no queijo. O saber fazer (know how) é transmitido de pai pra filho, de tio pra sobrinho, de padrinho pra afilhado, e por aí vai, a tradição é perpetuada e também diferencia o queijo.

Vale ressaltar que nosso queijo é patrimônio histórico cultural municipal registrado no IEPHA/MG. Integra a cultura do município, é a identidade da cidade, faz parte da nossa história. E por falar em história, se meu bisavô Jeremias Sene – que levava os queijos no lombo dos burros, dentro de canudos de bambu – fosse vivo certamente defenderia com muito orgulho nosso Queijo Artesanal Alagoa.
--------------------------------
* Osvaldo Martins Filho é Bacharel em Direito, bisneto de tropeiro, neto de pecuarista, fundador da “Queijo d’Alagoa-MG”, pioneiro na venda de queijo pela internet, proprietário das vacas Alagoa, França e Paris, garimpa e matura queijos artesanais. Seu queijo foi medalha de bronze no Concurso Internacional de Queijos em Paris/2017. Contato@queijodalagoa.com.br Instagran: @queijodalagoamg
A primeira foi extraída da fanpage: https://www.facebook.com/QueijodAlagoaMG/

Nenhum comentário:
Faça também comentários