segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Pirapora: embarque nos prazeres das águas do Rio São Francisco neste fim de semana

O Benjamim Guimarães, que deverá passar por reforma, funciona como museu e mostra a história do barco a vapor (foto: Alexandre Guzanshe/EM)
“Sou caipira pirapora nossa Senhora de Aparecida...”. A canção Romaria, que busca trazer um olhar mais generoso das músicas e tradições caipiras, não faz referência à cidade mineira, mas seu refrão cita o nome Pirapora. A 347 quilômetros ao Norte de Belo Horizonte, o distrito de Pirapora foi criado em 1847 e, durante o ciclo da mineração, tinha a navegação como ponto mais forte, uma vez que o Rio São Franscisco foi, por muito tempo, o principal canal de transporte para o abastecimento da região das minas.

Porém, a cidade não vive apenas do rio. Segundo a Empresa Municipal de Turismo de Pirapora (Emutur), a cidade recebe aproximadamente 400 mil visitantes por ano, que também encontram como fontes de entretenimento cachoeiras, trilhas, artesanatos locais e turismo religioso. Ingredientes suficientes para fazer com que a família tire o carro da garagem e vá desfrutar um fim de semana maravilhoso no Norte de Minas Gerais.
Os peixes do Rio São Francisco são o forte da gastronomia na cidade mineira (foto: Euler Junior/EM)
Entre as pessoas mais vividas, Pirapora é conhecida pela sua excelente gastronomia. Como o Rio São Francisco sempre foi ponto importante e referência na cidade, a pesca é uma prática bastante comum por ali, o que torna as ofertas bem diversificadas. Porém, nos dias atuais, a gastronomia vem sofrendo com a seca que atinge Pirapora, reduzindo drasticamente o volume do Velho Chico.

MUSEU E não é só a gastronomia que sofre com isso. Além dos danos ambientais, navegar pelo rio a bordo do Benjamin Guimarães, único barco a vapor em funcionamento no mundo, não tem sido mais possível. Construído em 1913, nos Estados Unidos, o Benjamin Guimarães é um dos mais valiosos atrativos turísticos que tem o estado de Minas Gerais. Ele costumava fazer frequentes passeios pelo rio. O percurso, de 28 quilômetros, era repleto de paisagens bucólicas, emolduradas por comunidades ribeirinhas e pescadores em plena atividade.

Porém, além da seca que está impossibilitando navegar, a embarcação está precisando de reformas no casco e nas partes laterais, como informou Geraldo Cardoso, guarda municipal da cidade. Mas os turistas ainda podem subir a bordo da embarcação, que virou museu, o Museu São Francisco. Além de conhecer o barco, o visitante encontra algumas peças que simulam o seu funcionamento, de forma a contextualizar a história do barco a vapor.
Ponte Marechal Hermes, de 1922, liga Pirapora a Buritizeiro, deverá ser reformada (foto: Paulo Filgueiras/EM)
Quem se interessar pela história, também pode aproveitar a viagem para conhecer a primeira ponte metálica do Brasil, a Ponte Marechal Hermes, inaugurada em 1922, para transportar minério e que liga Pirapora à cidade de Buritizeiro, na outra margem do rio. Temporariamente, está sendo possível atravessá-la a pé ou de bicicleta, pelo menos até ser reformada, segundo a prefeitura.

Como um município antigo, Pirapora também tem suas festas típicas regionais. O Encontro Nacional de Motociclistas, a Feira de Agronegócios e o Expociapi são exemplos que movimentam a cidade. O primeiro evento ocorre, geralmente, entre maio e junho, reunindo motociclistas de todas as partes do Brasil.

O segundo foi realizado pela primeira vez em 2012 e, desde então, vem ocorrendo todos os anos, no Parque de Exposição de Pirapora. O objetivo é apresentar novas tendências no setor primário e tecnologias a serem utilizadas nas máquinas. Por fim, a Expociapi reúne empresários que apresentam propostas para melhorar o comércio local. O evento conta com desfile de moda, gastronomia típica de Pirapora e feiras de artesanato. A cidade fica muito movimentada também no carnaval, quando bandas arrastam foliões pelas ruas, fazendo uma das melhores folias da região.
Carrancas fazem parte da vida e artesanato da cidade. Fotografia de Sérgio Mourão (Inserção nossa)
CARRANCAS Falando nas feiras de artesanato, aqui vai mais uma dica imperdível: não deixe de visitar a Casa do Artesão, que fica no Bairro Santos Dumont. Lá os artistas entalham, na hora, as tradicionais carrancas, figuras coloridas e feitas de madeira. Antigamente, eram usadas na proa dos navios para afastar maus espíritos, segundo a crença. Hoje servem como enfeites para as residências. Andando pela cidade é possível ver muitas delas nas portas de casas ou restaurantes.

Por Paulo Pianetti - Jornal O Estado de Minas/Portal Uai.com.br
Link original:https://www.uai.com.br/app/noticia/turismo/2017/12/15/noticias-turismo,218331/pirapora-embarque-nos-prazeres-das-aguas-do-rio-sao-francisco.shtml

Nenhum comentário:
Faça também comentários