Araxá tem o maior spa de águas sulfurosas e radioativas do Brasil

Fotografia de Celso Flávio do Centro de Araxá. A esquerda o Museu Dona Beja
Localizada a 367 km de Belo Horizonte e a 591 km de Brasília, Araxá, em Minas Gerais, é muito mais do que a cidade onde viveu Dona Beja, cortesã que fez história na região. O nome indígena que significa “um lugar onde se vê o sol primeiro” explica a tradição e a história locais, principalmente a altura das construções. A Igreja Matriz de São Domingos, por exemplo, está no alto de um morro. Em frente a ela, de braços abertos, está o Cristo Redentor de Araxá, com 8 metros de altura, uma estátua em cimento armado construída pela empresa Ottaviani Papaiz, de Campinas (SP), que possui réplicas em várias cidades brasileiras.
Igreja de Nossa Senhora das Graças em frente ao Grande Hotel. Fotografia de Arnaldo Silva
Além dos dois pontos turísticos, a cidade orgulha-se do Grande Hotel e Termas do Araxá, uma construção no estilo colonial iniciada em 1938, projetada pelo arquiteto Luiz Signorelli, cujas dimensões também chamam a atenção: são 9 pisos e aproximadamente 27 metros de altura, do térreo ao sótão da fachada principal. O paisagismo foi elaborado pelo artista Roberto Burle Marx. Hoje é conhecido por ser o maior spa de águas sulfurosas e radioativas do Brasil e pela lama negra, usada para fins medicinais.
Lago do Grande Hotel do Barreiro. Fotografia de Arnaldo Silva
Com uma população de pouco mais de 100 mil habitantes, a cidade preserva fragmentos de sua história em alguns casarões do centro. Em um deles está abrigado o Museu da Dona Beja, com cerca de 300 peças e mobiliário do século 19. Araxá também é procurada por aventureiros, por ser uma das portas de entrada para o Parque Nacional da Serra da Canastra. Repleto de cachoeiras, trilhas e paredões de pedra, tem como destaque uma rampa de voo livre, classificada pelos desportistas como uma das cinco melhores rampas do Brasil. Para quem procura comidas tipicamente mineiras, a cidade é o berço do queijo Minas, o mais conhecido e premiado do estado, além de dos famosos doces produzidos em uma fábrica histórica localizada no centro da cidade.
Casarios históricos de Araxá. Fotografia de Celso Flávio
De corpo e alma
O Grande Hotel e Termas do Araxá é um dos pontos turísticos principais do Circuito das Águas de Minas Gerais. Localizado no Parque do Barreiro, o hotel foi construído durante a Segunda Guerra Mundial e inaugurado em 1944 pelo então presidente Getúlio Vargas e pelo governador mineiro Benedito Valadares. Seus grandes salões finamente decorados remetem ao passado colonial brasileiro e convidam ao relaxamento. Foi projetado pelo arquiteto Luiz Signorelli e seus jardins são assinados pelo pintor e paisagista Roberto Burle Marx.
Lago do Grande Hotel. Fotografia de Arnaldo Silva
A exuberância do projeto e os relatos sobre os benefícios dos tratamentos oferecidos ganharam fama na região e se espalharam pelo resto do país, atraindo turistas, que logo descobriram os encantos da região. Patrimônio tombado de Minas Gerais, o palácio é administrado pela Rede Tauá de hotéis e oferece conforto e gastronomia de primeira para seus hospedes, além de uma programação rica e diversificada aberta à população da cidade.
Lateral do Grande Hotel de Araxá. Fotografia de Arnaldo Silva
A construção abriga restaurantes, bares, um cinema e diversos salões luxuosos, decorados com lustres europeus e móveis da época. Lá funcionou o maior cassino do país, que foi fechado em 1946, por determinação do presidente Eurico Gaspar Dutra. O hotel está integrado às Termas de Araxá por uma galeria suspensa, decorada por paisagens e pontos turísticos do estado.
Thermas de Araxá. Lugar de extrema paz e relaxamento. Fotografia de Arnaldo Silva
As Termas de Araxá são um convite ao relaxamento. As águas termais e a lama negra ficaram famosas por suas propriedades e a fama foi alimentada pela história de Dona Beja, cuja beleza viria dos banhos nas águas e na lama do Barreiro, região onde o Grande Hotel foi construído. As famosas termas funcionam como um verdadeiro spa, oferecendo, além dos banhos terapêuticos de águas sulfurosas e radioativas e de lama, que são utilizadas em diversos tratamentos de saúde (leia quadro ao lado), banhos de pérolas, diversos tipos de massagens, acupuntura, sauna e duchas. No espaço denominado Mandala das Termas, é possível relaxar, meditar, praticar ioga, pilates e alongamentos.

Delícias de Araxá
A cidade é conhecida por seus doces tradicionais, feitos na fábrica de doces Dona Joaninha. Fabricados com doce de leite e frutas da região, os doces atraem turistas e são uma das marcas registradas de Araxá. Com uma pequena linha de fabricação no centro da cidade, a loja Dona Joaninha abre suas portas para que seus clientes conheçam suas instalações e vejam de perto como são feitos os doces.
Produtor já venceu sete concursos regionais
(Foto: Alexandre Honorato/ Arquivo Pessoal)
Para os turistas que procuram o queijo minas tradicional da região, a fazenda de Alexandre Honorato está aberta para receber clientes.
O araxaense já foi premiado mais de dez vezes por seus queijos, que são de produção artesanal. Em sua queijaria, Alexandre produz cerca de 100 queijos por dia e atesta que a qualidade de seus produtos é de primeira. “Para fazer um bom queijo, tudo depende, o leite, a altitude da microrregião, do jeito como é feito. Aqui eu faço tudo pro queijo ficar gostoso, de boa qualidade, e para que, tanto fresco, como curado, o cliente possa apreciar e sempre voltar para comprar”, afirma o produtor.

» Fé iluminada
Realizada pela Rede Tauá de Resorts e pelo Ministério do Turismo (MTur), a Páscoa Iluminada é o maior evento temático em comemoração à data religiosa no Brasil. Com um público médio de 30 mil pessoas, oferece dois grandes espetáculos gratuitos: Jesus: Paixão, Vida e Luz, em que é retratada a história da paixão de Cristo por meio de imagens projetadas na fachada do Grande Hotel, interpretações teatrais e música; e Aleluia! A Grande Jornada”, que tem como palco o lago do Grande Hotel e uma cortina de água onde são projetadas imagens que narram a jornada entre os quatro elementos fundamentais da natureza e o homem.
Fonte Dona Beja - Fotografia de Arnaldo Silva 
 » Beldade 
A cortesã foi uma personalidade influente na cidade no século 19. Conhecida por sua beleza, Ana Jacinta de São José era apaixonada por um fazendeiro da região, mas foi raptada, ainda jovem, por um ouvidor do Rei Dom João VI, com quem foi obrigada a viver como amante durante dois anos, até que ele voltou para Portugal. Dona Beja ficou e precisou enfrentar o preconceito da conservadora sociedade mineira, que a via como uma mulher perigosa e sedutora. Para se vingar de todos, construiu um bordel na cidade e colocou o nome de Chácara do Jatobá. Lá, ela escolhia os homens casados com quem pretendia dormir em troca de joias, favores e dinheiro. Com isso, arrematou fortunas e alimentou a lenda sobre uma fonte miraculosa de águas termais e lama negra, que seria o motivo de sua beleza estonteante. A cortesã deu nome a um museu, localizado no centro de Araxá, a uma fonte de águas termais, localizada dentro do Grande Hotel de Araxá, e uma cachaça típica da região.

» A medicina do Barreiro
Fotografia de Arnaldo Silva
Lama negra
A lama negra purifica a pele, eliminando as toxinas e trazendo oxigênio e nutrientes para o corpo. Ela pode ser aplicada como terapia complementar de doenças crônicas, especialmente nas áreas de ortopedia (artrites, artroses, sequelas reumáticas e dores osteofíticas), dermatologia (psoríases, cloasmas, parasitoses, cicatrizes e queimaduras), venologia (problemas no sangue) e medicina interna (para estímulo dos órgãos intra-abdominais)”. A lama negra também é indicada para tratar problemas emocionais (estresse e ansiedade) e estéticos (manchas, rugas, acnes, pele oleosa e envelhecimento precoce).
Água Sulfurosa
Fonte Andrade Júnior de Águas Sulfurosas. Fotografia de Arnaldo Silva
De alta temperatura, contêm enxofre e são indicadas para o tratamento de doenças reumáticas, diabetes, asma, colites, problemas de pele, intoxicações e inflamações.
Água Radioativa
Fonte de Águas radiotivas, onde Dona Beja se banhava. Fotografia de Arnaldo Silva
Traz radônio em sua composição — um gás nobre de origem natural que ajuda a estimular o metabolismo. A Água radioativa é indicada para tratamento de diabetes, fortalecimento do sistema imunológico, estresse e infecções.

Por Giulia Roriz -Matéria do Jornal Correio Brasiliense. 
As fotos, exceto a do Doce Joaninha, são inserções nossa. Link original:
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/turismo/2017/03/10/interna_turismo,579179/araxa-tem-o-maior-spa-de-aguas-sulfurosas-e-radioativas-do-brasil.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário