Trem da Terra tem previsão para iniciar operação em 2018. O trem ligará Cataguases MG a Três Rios RJ

O projeto criado em 2015 tem o objetivo de reativar o movimento ferroviário na zona da mata mineira e no sul fluminense através do turismo em um trecho de 120 km, passando pelos municípios de Cataguases, Leopoldina, Recreio, Volta Grande, Além Paraíba e Chiador, em Minas, e, Sapucaia e Três Rios, no Estado do Rio.

Segundo informações do presidente da ONG Amigos do Trem, Paulo Henrique do Nascimento, “o projeto contará com duas locomotivas, quatro vagões e dois carros-restaurantes. Os equipamentos são da década de 1970, oriundos da Fábrica de Santa Matilde, estão sem utilidade, foram cedidas pelo DNIT e serão recuperadas em parceria com a iniciativa privada”.

No início deste ano a ONG recebeu a cessão da oficina de Recreio por meio da VLI, controladora da Ferrovia Centro Atlântica, e pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes “DNIT”. “Na oficina já estão sete macacos eletromecânicos que serão utilizados para reparos e manutenções de locomotivas e vagões, além de três autos de linha que passarão por reformas e modernizações em parceria com o DNIT, prefeituras da região e apoio técnico da VLI”, disse Paulo Henrique.

A respeito das locomotivas que serão utilizadas, Paulo Henrique contou que a projeção da ONG é conseguir trazê-las durante este mês de abril. “As locomotivas virão de Lavras (MG), vão passar por Vitória (ES); de Vitória até Campos (RJ) e de Campos até a oficina de Recreio”, destacou.

Em janeiro o prefeito de Recreio, Zé Maria Barros, encontrou-se com o presidente da Organização Amigos do Trem e firmou total apoio a reativação do movimento ferroviário.

Os interessados em apoiar o Trem Rio Minas podem entrar em contato e conhecer o projeto pelo site http://www.amigosdotrem.org/.

(fonte desta matéria:http://www.polisrecreio.com.br)
O trecho tem 120 quilômetros de malha ferroviária. A composição terá duas locomotivas, quatro vagões e dois carros-restaurantes.
A rota do Trem da Terra nos Trilhos

Cataguases
Com pouco mais de 74.609 habitantes, segundo estimativa do IBGE de 2016, Cataguases é um município mineiro fundado em 1877 por Guido Thomas Marllière. Ele fora enviado à região com o objetivo de realizar trabalhos referentes a povoação da área, caracterizada por abundância em diamantes, nunca efetivamente encontrados.

Não apenas Marllière participou da construção da cidade, uma vez que o município recebeu também imenso apoio de estruturação vindo da família Vieira, instalada nas localidades atualmente denominadas Glória e Sereno – distritos de Cataguases, com a fundação das fazendas Glória, no distrito de mesmo nome, e a fazenda do Rochedo, nas proximidades do distrito de Sereno.

A denominação Cataguases causa controvérsias quanto ao verdadeiro sentido: uns alegam ser o nome escolhido por José Vieira em homenagem ao riacho que banhava a casa dele e possuía este nome em sua cidade natal (atual cidade de Prado). Para alguns o nome significa “terra de gente boa”, para outros é “povo que mora no país das matas”.

Recreio
Com pouco mais de 10.682 habitantes,segundo dados de 2016 do IBGE, Recreio é um município calmo e acolhedor que oferece muitas opções de turismo, lazer e descanso. A cidade fica localizada na Zona da Mata Mineira e na Microrregião da Mata de Cataguases.

Com o traçado da estrada de ferro Leopoldina alterado, por volta de 1870, deslocando-se em direção à fazenda do Mato Dentro, foi inaugurada oficialmente a estação local em 1876. Nas adjacências da estação foi erguida a capela do Menino Deus de Recreio e ali desenvolveu-se o povoado, elevado a distrito em 1890. Desmembrado de Leopoldina, Recreio emancipou-se em 1938.

Leopoldina
Pertencente à Zona da Mata Mineira, Leopoldina é um município localizado a sudeste da capital do estado de Minas Gerais. Sua população, segundo o IBGE de 2016 era de pouco mais de 53.252 habitantes.

O município teve sua emancipação política em 1854. Seu nome é uma homenagem à princesa Leopoldina de Bragança e Bourbon, filha do Imperador D. Pedro II. Hoje é formado pelo distrito-sede e pelos distritos de Abaíba, Piacatuba, Providência, Ribeiro Junqueira e Tebas. A cidade, à época do ciclo do café, foi uma das mais importantes da antiga província de Minas Gerais. Atualmente sua economia se apoia na pecuária leiteira, no cultivo de arroz e no setor de serviços.

Volta Grande
Pouco mais de 5.302 habitantes, segundo dados do IBGE de 2016, essa é a população da pequena Volta Grande, em Minas Gerais. Foi lá que nasceu o cineasta Humberto Mauro.

O município se originou de um povoado formado em 1835 e que foi elevado a distrito do município de Além Paraíba em 1891. Sua emancipação ocorreu em 1938.

Além Paraíba
Além Paraíba é um município do interior do estado de Minas Gerais, na divisa com o estado do Rio de Janeiro. De acordo com o censo realizado pelo IBGE em 2016, sua população é de pouco mais de 35.795 habitantes.

Coberta pela Mata Atlântica e habitada pelos índios Puris, a região, onde hoje se situa a cidade, era conhecida somente por tropeiros vindos da Côrte até fins do século XVIII. Com o descobrimento de minerais preciosos nas redondezas, intensificou-se a travessia do Rio Paraíba do Sul. Por volta de 1784 às margens do mesmo rio, um cais de madeira foi denominado de Porto do Cunha. A então Vila, em 1880, foi transformada por lei no distrito que recebeu a denominação de São José de Além Paraíba e apenas em 1883 foi elevada à categoria de cidade. Em 1923 passou a ter o nome atual.

Chiador
Com quase 2.798 habitantes, segundo dados de 2016 do IBGE, Chiador é um município de Minas Gerais, situado na Zona da Mata. Sua economia se baseia na pequena lavoura (cana-de-açúcar, feijão e milho) e na pecuária bovina leiteira.
O município possui cinco distritos: Sapucaia de Minas, Parada Braga, Chiador Estação, Santa Fé e Penha Longa. Foi lá que morou o Barão de São Geraldo, proprietário da antiga Fazenda Santo Antônio da Cachoeira e diretor de Estrada de Ferro Pedro II.

Sapucaia
Com a origem do nome devido à existência de grande quantidade de árvores conhecidas por sapucaias, que têm origem no termo indígena yaçapucaí, o município de Sapucaia, no Rio de Janeiro, possui uma população de pouco mais de 17.604 habitantes segundo o censo do IBGE de 2016.

Com quatro distritos, Jamapará, Anta, Aparecida e Volta do Pião, o município já não possui atualmente tantos exemplares que batizou a cidade.
Habitada inicialmente pelos índios Puris, a cidade recebeu primeiramente colonizadores de origem europeia no início do século XIX. A ocupação se efetuou quando Antônio Inácio Lemgruber e Vicente Ubherlato foram à região tomar posse das sesmarias que lhes foram concedidas, ainda fazendo parte de Nova Friburgo. Por iniciativa de Antônio Inácio Lemgruber, construiu-se uma capela em homenagem à Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Em 1842, a localidade recebeu o título de freguesia.

A rapidez com que o povoado prosperou o levou a atingir, em 1871, o predicativo de Freguesia de Santo Antônio de Sapucaia e, em 1874, a categoria de Vila de Sapucaia, constituindo-se sede do novo município, instalado em 1875.

O desenvolvimento da sede municipal remonta ao período de implantação da Estrada de Ferro Dom Pedro II em 1871 quando uma estação intermediária do ramal de Porto Novo do Cunha impulsionou o crescimento da vila. O segundo momento de crescimento deu-se com a implantação da BR-393.

Três Rios
Segundo dados do IBGE de 2016, Três Rios, no Rio de Janeiro, possui quase 79.230 habitantes. Em uma área estratégica a cidade é cortada por duas grandes rodovias federais, fazendo com que Três Rios tenha o maior entroncamento rodoviário do país. Seu acesso às grandes cidades é feito através das rodovias BR-040 e BR-393.
A referência mais remota sobre o território do município data do início do século XIX, quando Antônio Barroso Pereira obteve, por requerimento , em 1817, “terras de sesmaria no sertão entre os rios Paraíba e Paraibuna…”.

Em 1861 foi inaugurada a rodovia União-Indústria (que ligava Petrópolis a Juiz de Fora) e que passava pelas terras. Essa rodovia contou com grande colaboração do fazendeiro e, por esse motivo, o imperador Pedro II agraciou-lhe, em 1852, com o título honorífico Barão de Entre-Rios. Ainda em sua homenagem à estação rodoviária local, foi dado o nome de Estação de Entre-Rios. Com o batismo da estação não tardou que o pequeno povoado, formado às margens da rodovia, passasse a ser conhecido como Entre-Rios.

Os trilhos da Estrada de Ferro D. Pedro II chegaram à região em 1867 e, tal a rodovia, essa ferrovia recebeu o importante apoio do Barão que, falecido em 1862, transmitiu sua fazenda para a filha Mariana Claudina Pereira de Carvalho, feita Condessa do Rio Novo em 1880.

Viúva e sem filhos, a Condessa, faleceu em 1882, deixando a fazenda de seu pai para a obra assistencial com a recomendação de que “as terras próximas à Estação de Entre-Rios”, poderiam ser aforadas para os que ali quisessem residir. Tratava com essa recomendação de garantir recursos perpétuos à futura Casa de Caridade de Paraíba do Sul.

Já reconhecido como importante entroncamento rodoferroviário da região, em 1890 o povoado foi elevado a 2º Distrito de Paraíba do Sul, e em 1938, o distrito conseguiu a sua emancipação político-administrativa.

Por ter o mesmo nome de alguns outros municípios brasileiros, órgãos federais obrigaram as autoridades locais a rebatizar a cidade, que a partir de 1943, passou a chamar Três Rios, graças aos três mais importantes rios que cortam o seu território, Paraíba do Sul, Piabanha e Paraibuna.


Fonte: Entre Rios Jornal

Um comentário:

  1. Fico muito feliz , tomara que essa iniciativa dê frutos e outros trechos sejam reativados também!

    ResponderExcluir