Vinhos brasileiros premiados em Londres têm tecnologia da nossa Epamig

A tecnologia da dupla poda da videira, criada pela Epamig, contribuiu para o surgimento de inúmeras vinícolas na região da serra da Mantiqueira, que, agora, estão até ganhando prêmios (foto extraída da fanpage:facebook.com/vinhosmariamaria)
 Minas Gerais é reconhecida como a terra da cachaça, e também já vem sendo chamada de "Bélgica Brasileira", devido ao grande número de cervejarias artesanais. Agora, é a vez do vinho projetar o nome do estado internacionalmente. É o que mostra o resultado do prêmio Decanter World Wine Awards 2017, realizado em Londres, Inglaterra. Dos 27 vinhos brasileiros participantes da premiação, cinco são elaborados com a tecnologia da dupla poda, desenvolvida pelo Núcleo Tecnológico Uva e Vinho da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em Caldas, no sul do estado.

O vinho Maria Maria Bel Sauvignon Blanc 2015, vencedor da categoria bronze, é de Três Pontas (MG). A uva é plantada na fazenda Capetinga, do produtor Eduardo Junqueira, e processada na vinícola experimental da Epamig em Caldas. Já os vinhos da vinícola Guaspari – Vista do Chá, Vista da Serra, Vale da Pedra, Vista do Bosque – são produzidos em Espírito Santo do Pinhal (SP), em vinícola própria.

Eduardo Junqueira, produtor do Maria Maria, que carrega esse nome por causa da célebre música do cantor Milton Nascimento, conta que a primeira safra foi produzida em 2013 e que enviou a de 2015 para participar, pela primeira vez, de um concurso. O rótulo sagrou-se vencedor. "No fim do mês de junho, vou viajar para Londres e receber a premiação. É muito gratificante. Foi uma decisão muito acertada ter selado essa parceria com a Epamig, que veio desde a compra de mudas, e dura até hoje, com assessorias técnicas remotas do órgão aqui na minha propriedade", comenta o produtor.

Fabrizia Zucherato, gerente da vinícola Guaspari, credita o nascimento da iniciativa à tecnologia da Epamig. "Nosso impulso foi o uso das podas invertidas, para que pudéssemos colher uvas no meio do ano, pois, só assim, poderíamos produzir vinhos finos numa altitude como essa, em um país tropical", explica a gerente sobre as características da uva destinada à vinicultura. "São 50 hectares de parreiras, todas plantadas com a tecnologia da Epamig. Além do prêmio deste ano, vencemos também o Decanter 2016", complementa Fabrizia.

Foto da fanpage:facebook.com/vinhosmariamaria
Tecnologia mineira
O sucesso no prêmio londrino deste ano é reflexo de um trabalho bem sucedido da Epamig, que aperfeiçoou a qualidade dos vinhos finos produzidos no Brasil em propriedades do sul de Minas, do Rio de Janeiro e de São Paulo. Só nas montanhas mineiras, cerca de 2,5 milhões de litros de vinho são elaborados, incluindo tintos, brancos e espumantes. Trata-se da técnica da dupla poda, que implica na inversão do ciclo produtivo da videira – a planta passa a produzir os frutos o Inverno do Hemisfério Sul.

O método consiste na realização de duas podas: uma de formação dos ramos no mês de agosto; e outra de produção no mês de janeiro. A informação é do pesquisador Murillo Albuquerque Regina, da Epamig em Caldas (MG), responsável por desenvolver a iniciativa. A combinação do tempo seco, dos dias ensolarados e das noites frias ocasionam na colheita de uma uva sã, de maturação plena, que apresenta mais aroma e maior concentração de cor, contribuindo para o incremento da qualidade do vinho. A tecnologia mineira possibilitou a produção de vinhos finos na serra da Mantiqueira, onde, tradicionalmente, eram vistas apenas plantações de café.

Decanter Award
O prêmio Decanter World Wine Award 2017 foi organizado pela revista inglesa Decanter – uma das mais tradicionais e respeitadas publicações sobre vinhos no mundo. Contou com avaliação de mais de 17 mil vinhos, julgados por 219 experts, sendo 65 mestres na área e 20 sommeliers.


Quem se interessar e quiser conhecer o vinho Maria Maria, pode entrar em contato com a vinícola na fanpage www.facebook.com/vinhosmariamaria

(com Agência Minas) - Fonte da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticia/vinhos-premiados-em-londres-tem-tecnologia-da-epamig (ilustrações nossa)

35 comentários:

  1. "Categoria bronze" seria o terceiro lugar na premiação? O "vencedor", melhor do mundo, não seria o primeiro colocado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bronze é categoria seletiva do concurso de acordo com o tipo de vinho e não 1º, 2º ou 3º lugar. Os vinhos podiam ser inscritos na categoria ouro, prata ou bronze, de acordo com o tipo de vinho e os critérios dos organizadores do concurso e seleção. Na categoria bronze, o vencedor foi o Maria Maria, não quer dizer que ficou em terceiro, entendeu?

      Excluir
    2. Sim mas já é uma ótima coisa, já que este mundo do vinho é ultra supra competitivo. Todos os vinhos brasileiros que estão na lista estão de parabéns.

      Excluir
    3. Entendi em parte. Seria como a primeira, a segunda e a terceira divisão no futebol?

      Excluir
    4. Não entendeu foi nada. Existe vinhos secos, suaves, com coloração branca, branco escuro, da cor da uva. Depende do processo, das espécies de uvas usadas. Dai se define as categorias de acordo com o processo de produção, uva e fermentação. Encerrando, premio outro não é primeiro lugar ou primeira divisão, nem segundo lugar. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Criaram nomes para as categorias, podia ser qualquer nome, optaram por ouro, prata e bronze. O mesmo processo é feito na escolha das cachaças. São critérios que os enólogos entendem.

      Excluir
    5. Também não é bem assim. Vejam os resultados de vários anos no site da Decanter. Vinhos brasileiros ganharam prêmios Platinum em 2016 (dois, um Melot e um Chardonay do rótulo Leopoldina, da Casa Valduga). Até hoje, nenhum vinho brasileiro ganhou algum prêmio Platinum Best in Show. Os da Guaspari ganharam prêmios Ouro em 2016 e em 2017.

      Excluir
    6. Mesmo assim estar disputando um concurso mundial, competindo e vencendo é uma grande vitória. Ser outro, prata, bronze, platinium, seja lá qual for, em meio a não sei quantos milhares de vinhos no mundo, estar entre os primeiros, para o Estado de Minas, que é recente na produção de vinhos, é uma grande vitória. Com certeza, os nossos produtores irão aprimorar mais a produção e a qualidade será mais competitiva e nossos vinhos irão se sobressair ainda mais.

      Excluir
  2. Ah, entendi; mesmo assim representa um avanço, uma conquista dos produtores de Minas que acreditaram em seu trabalho e confiaram na competência tecnica da Epamig. Estão de parabéns, daí para melhor!

    ResponderExcluir
  3. Levei para um amigo em Portugal o Vinho "Paralelo 8" da Rio Sol, produzido com uvas das margens do Rio São Francisco (seria o "Alentejo" dos trópicos?)... Este amigo é um apreciador da bebida e ficou impressionado com a qualidade do "Paralelo 8"... Não obstante a isto, a maioria dos "entendidos em Sangue de Boá" se forem submetidos a testes cegos, irão passar vergonha com certeza... Certos vinhos nacionais já estão a nível dos bons vinhos europeus... Do paralelo 8 ao paralelo 31... Pitoresco, não é ? Creio que em nenhum país do mundo, dois vinhos de qualidade, sejam fabricados tão distantemente e distintivamente ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adorei o Paralelo 8, mas não sei se entendi seu comentário ;-)

      Excluir
    2. Concordo.os avancos no Brasil sao muitos em diversas etapas do processo de produçao de vinho e valem muita distinçao.sem desmerecer ninguem!!!!

      Excluir
  4. Fantástico! Prova mais uma vez que o Brasil é um país maravilhoso; porém, muito mal administrado e desprezado pelos próprios governantes deste. Uma pena mesmo!! É deveras um privilégio para poucos países no mundo produzir vinhos de boa qualidade. Uma das coisas nefastas do Brasil são os elevados impostos tributados e coletados sobre os vinhos nacionais, que são utilizados para malversações, fraudes, corrupções satisfazendo cobiças desenfreadas aliadas às impunidades das quais presenciamos no cotidiano. De fato, uma vergonha e asco! Parabéns à Minas e sobretudo à Epamig!!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns!!! Quero muito experimentar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.adegaquintadolago.com.br/classificacao/branco/maria-maria-bel-sauvignon-blanc/

      Excluir
  6. Assim como temos, em âmbito nacional a EMBRAPA, que é um show em competência em pesquisa e novas tecnologias, temos em Minas a EPAMIG, um outro show! Mas temos ainda, empresários, empreendedores e agricultores, que acreditam no trabalho destas instituições e abraçam com dedicação a tarefa de produzir alimentos com qualidade, como estes vinhos agora premiados! Como brasileiro, mineiro e um apaixonado por vinhos, só tenho a agradecer: MUITO OBRIGADO! Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. É um prêmio maravilhoso, eu nunca imaginaria que o brasil um país tropical fosse capaz de fazer um vinho dessa qualidade, mas ai está!! Minas produz os melhores queijos, doces, cachaça, café e agora vinho, eu mineiro, sou orgulhoso, de um estado que na década de 70 era tido como um deserto no brasil, me lembro de minas ser abandonado por todos os ricos, comprando terras em Mato Grosso e no Paraná, minha família fez isso, Sei da história do fazendeiro tido como louco por todos da minha região de piumhi, que comprou 10.000 mil mudas de café e plantou em sua terras, ele quase passou fome, até obter a primeira colheita que foi um sucesso, e ele ficou rico, morreu logo depois e seus filhos e netos herdaram, isso. Essa atuação deste fazendeiro, mineiro, mudou a história do estado, onde todos os outros fazendeiros deixaram de só investir no Mato Grosso ou Paraná e voltar a investir aqui, com o café, e a coisa cresceu muito rápido, virou a terra do café. Depois da cachaça, do queijo, doces e agora do vinho. Imagina!! ??? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário é brilhante, deixa -nos orgulhosos.

      Excluir
  9. Parabens a todos vinheiros ,so espero q nos brasileiro ,começamos a dar mais valor no q e nosso.Nos somos muito bons em td q fazemos.

    ResponderExcluir
  10. Ô Minas Gerais,quem Te conhece,nao esquece jamais....orgulho de ser mineira,uai!

    ResponderExcluir
  11. E Minas mostrando o seu potencial.
    Quero experimentar!

    ResponderExcluir
  12. Oi, eu moro na Inglaterra e gostaria de saber se tem onde comprar o vinho Maria Maria aqui. Obrigada, Cristina Budden

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No fim da matéria tem o link da página do vinho Maria Maria no facebook. Entre em contato com eles através da fanpage e eles te darão respostas precisas.

      Excluir
  13. Meus sinceros PARABÉNS à EPAMIG pela excelência de sua atuação junto aos produtores mineiros de vinho. Uma nova frente se abre a Minas Gerais!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns Minas e à Epamig, orgulhosa da minha terra!

    ResponderExcluir
  15. Seria possivel ter este o vinho a venda em www.vinhos.com ?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confio nesse site: https://www.adegaquintadolago.com.br/classificacao/branco/maria-maria-bel-sauvignon-blanc/

      Excluir
  16. Pessoal, para quem quiser comprar esse vinho, super recomendo a Quinta do Lago: https://www.adegaquintadolago.com.br/classificacao/branco/maria-maria-bel-sauvignon-blanc/

    ResponderExcluir
  17. Por falar em vinho, Minas é também o primeiro estado da união que produz oliveiras e fabrica azeite de oliva das melhores qualidade.

    ResponderExcluir
  18. Pelos critérios do Prêmio da Decanter, os melhores vinhos, pontuados entre 95 e 100 pontos, recebem o Prêmio Platinum - Best in Show; também entre 95 e 100 pontos, mas não Best em Show, recebem a medalha Platinum, ou a medalha de Ouro (os que não são tão bons quanto os Platinum). A medalha de Prata é para vinhos pontuados entre 90 e 94 pontos, e a de Bronze para vinhos pontuados entre 86 e 89 pontos. Por último, vinhos pontuados entre 83 e 85 recebem o selo Commended. É só visitar o site http://www.decanter.com/awards-home/dwwa-en/how-the-dwwa-works-276629/

    ResponderExcluir
  19. Parabéns a esses novos bravos mineiros que estão colocando Minas no mapa do vinho mundial.
    Já em 1819 o botânico francês Auguste-Saint Hilaire quando percorreu as montanhas do Sul de Minas Gerais registrou a notável superioridade das uvas colhidas no inverno com relação as do verão. Quase 2 séculos depois viticultores brasileiros e franceses se uniram para instalar um moderno vinhedo na Fazenda da Fé em Três Corações situada na mesma região percorrida por Sanit HiLAIRE ALIANDO HISTÓRIA, PAIXÃO PELA VITICULTURA E TECNOLOGIA, para criar um vinho pioneiro o SYRAH PRIMEIRA ESTRADA. Não deixem de degustar este maravilhoso vinho! Santé !Elizabeth Cascão Enófila , Professora da ABS- Rio.

    ResponderExcluir