O inverno chegou: veja dicas de turismo nas cidades mais frias do Sul de Minas

Monte Verde MG. Fotografia de Ricardo Cozzo
O frio já faz parte da rotina dos brasileiros nesta época do ano, mas o inverno chegou oficialmente ao nosso país à 1h24 desta quarta-feira (21). Região de temperaturas bem baixas nesse período, principalmente nas cidades da Serra da Mantiqueira, o Sul de Minas possui diversas opções para os turistas.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o inverno deste ano será mais ameno comparado aos últimos anos, mas as baixas temperaturas não vão deixar de marcar presença na região. Pensando nisso, o G1 preparou um roteiro turístico para quem quer curtir o inverno nas cidades mais frias da região, segundo o Inmet. Confira!
Distrito de Camanducaia, Monte Verde carrega fama de registrar algumas das menores temperaturas da região
 (Foto: Nelson Pacheco)
Monte Verde e Gonçalves
Distrito de Camanducaia (MG), Monte Verde está a 1,6 mil metros de atitude e é cercada pelas montanhas da Serra da Mantiqueira e já é destino carimbado nesta época do ano. O distrito está localizado a cerca de 166 km de São Paulo (SP), a capital mais próxima.


As baixas temperaturas registradas no inverno fazem da cidade um polo turístico nesta estação. As opções são para todos os públicos: desde aqueles mais caseiros até os mais radicais.
Gastronomia e arquitetura de países europeus atrai turistas para distrito (Foto: Daniela Ayres/ G1)
Um “city tour” de 2h30 pelos principais pontos turísticos, custa em média R$ 120 por casal. Já quem prefere estar em contato com a natureza, a opção é o passeio pela zona rural, com visitas a cachoeiras, com 4h de duração. O valor é de R$ 350 por casal. Para os mais aventureiros, há a opção do circuito radical, com tirolesas, passeio de quadriciclo, escalada e arvorismo. Os valores variam de R$ 20 a R$ 120.

Quem vai para Monte Verde pode se hospedar em hotéis, pousadas ou chalés. A diária para hospedagem na cidade varia de R$ 180 a R$ 1,8 mil, de acordo com a opção escolhida. Já no setor alimentício, o distrito oferece desde o prato feito comum, até o eisbein, prato alemão à base de joelho de porco. Os valores variam de R$ 13 a R$ 89.
Fotografia de Ricardo Cozzo
Mais informações sobre Monte Verde podem sem encontradas em agências de turismo e na Associação de Hotéis e Pousadas da cidade.

Outra opção bem perto de Monte Verde é a cidade de Gonçalves. Também cercada pelas belezas da natureza, a pequena cidade tem chalés e pousadas aconchegantes no frio. Os valores de hospedagem ficam entre R$ 150 a cerca de R$ 1 mil.
Gonçalves atrai pelo clima europeu, culinária e artesanato (Foto: Associação Pró Turismo de Gonçalves/Divulgação)
Os turistas mais radicais também podem fazer trilhas e passeios 4x4. Os picos mais altos da cidade alcançam cerca de 2,1 mil metros de altitude, cercados por cachoeiras e as corredeiras do Rio Capivari, atrativas para esportes de aventura e pesca de truta.

A cidade também é conhecida por concentrar diversos ateliês de artesanato, que produzem peças com madeira, tecido, argila, palhas, e outros materiais da região. Mais informações podem ser encontradas no site da prefeitura.

Passa Quatro
Com média mínima de 8°C, a cidade localizada no centro do eixo Rio-São Paulo registrou sua menor temperatura no dia 9 de junho de 1985, quando os termômetros marcaram -2°C. Segundo o Inmet, a média anual na cidade é de 13°C. Os turistas que visitam a podem conhecer as antigas igrejas, fazer passeios pelas matas nativas, cachoeiras e montanhas. O roteiro pode ser feito a pé, a cavalo, trem, jipe ou bicicleta.

Uma das atrações da cidade é o passeio de Maria Fumaça pela Serra da Mantiqueira. Com duração de 2h, eles acontecem aos sábados às 10h e às 14h30 e nos domingos às 10h. O trem percorre a Serra da Mantiqueira e para duas vezes para os turistas conhecerem o artesanato e a história da cidade por meio de exposição fotográfica. Os turistas podem também caminhar até o túnel que marcou a divisa entre Minas Gerais e São Paulo durante a revolução de 1932. O preço é de R$ 55 por pessoa e é necessário reservar anteriormente.
Passeio de trem é uma das principais atrações de Passa Quatro (
Foto: Associação Brasileira de Preservação Ferroviária/Divulgação)
Os mais aventureiros podem optar por conhecer as montanhas de perto com a ajuda de guias. As opções são as travessias pelas montanhas e picos, como a Pedra da Mina, considerada o 4º ponto mais alto do Brasil. Além disso, há a caminhada pelo Parque do Itatiaia. Os passeios podem variar de 1 a até 5 dias e os valores variam de R$ 80 a R$ 600 por pessoa.

Para se hospedar, as cidade oferece pousadas, chalés e hotéis dos mais variados estilos. Os valores variam entre R$ 130 e R$ 300.

Machado
Outra cidade listada pelo Inmet como uma das mais frias da região é Machado. Localizada a 381 km de Belo Horizonte, a cidade fica próxima a Alfenas (MG). Conhecida pela cafeicultura, Machado abriga um polo do Instituto Federal de Minas Gerais. A média mínima de temperatura para o mês de junho é de 9,4°C, sendo que a média anual é de 14,3°C. De acordo com o Inmet, a menor temperatura já registrada na cidade foi de -1,4°C no dia 9 de junho de 1985.

Uma das atrações da cidade é o monumento do Cristo, exposto no alto de uma das montanhas que rodeiam o município. O acesso é pela Avenida Doutor Feliciano Vieira, sentido Bairro Santa Luzia. Outro ponto turístico é o Lago Artificial, inaugurado em 1981 e conhecido como prainha.
Casa da Cultura tem acervo histórico em Machado (Foto: Secretaria de Turismo de Machado/Divulgação)
Para quem gosta de exposições, a Casa da Cultura contém acervos que contam a história do município. O local é aberto de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h. Com mais de 100 anos de história, a Festa de São Benedito é considerada uma das maiores manifestações religiosa, cultural e folclórica do estado. Ela acontece durante 12 dias no mês de agosto.

Quem optar por conhecer Machado, não pode deixar de experimentar o tradicional pastel de fubá, que custa aproximadamente R$ 3 e pode ser encontrado em vários pontos da cidade, mas especialmente no Mercado Municipal. Além dos pasteis, a cidade oferece diversas opções gastronômicas como pesqueiro, pizzaria, comida japonesa, bares e restaurantes tradicionais. Os valores variam de R$ 16 a R$ 52.

Culinária mineira com pastel de fubá é atração em Machado (Foto: Secretaria de Turismo de Machado/Divulgação)
Para aproveitar as atividades da cidade, os hotéis oferecem diárias de R$ 70 a R$ 250. Dentre os serviços inclusos estão o café da manhã, internet e estacionamento.

Caldas
A cidade, que é conhecida pela tradicional Festa do Biscoito, é cercada por montanhas e cachoeiras e possui altitudes que variam de 960 a 1,8 mil metros. Um dos principais cartões postais é a Pedra Branca. Além da paisagem, ela possui grutas, cavernas e rochas que podem ser visitadas. Outro local é a Pedra do Coração e a Igrejinha de Santa Bárbara.

Natureza e culinária são atrações em Caldas (Foto: Joelmir Barbosa/Secretaria de Turismo de Caldas/Divulgação)
Pra quem prefere um passeio pela cidade, é oferecido um “city tour” que varia de R$ 20 a R$ 50 por pessoa. Os turistas podem participar da produção de queijos, visitar a sede da Epamig e fazer passeios a fazendas de parreiras, entre outras visitas. Em julho, a Festa do Biscoito se torna uma atração pra quem quer aproveitar o inverno na cidade.

Nos restaurantes, a comida típica mineira se destaca. As refeições custam em média R$ 15. Já no setor hoteleiro, Caldas oferece opções como chalés, pousadas, chácaras, espaço para camping e hotéis tradicionais. As diárias variam de R$ 70 a R$ 420.

No mês de julho é realizada a tradicional Festa do Biscoito de Caldas que atrai muitos turistas (Foto: Christian Jauch)
Maria da Fé
Com a menor temperatura do ano no Sul de Minas registrada no dia 11 de junho, Maria da Fé tem temperatura média mínima de 5,4°C em junho, enquanto a média anual é de 10,1°C. No dia 2 de junho de 1978, os termômetros marcaram -6,8°C, a temperatura mais baixa já registrada no estado, segundo o Inmet.

Uma das opções para o turista é a fazenda Maria da Fé, com produção de leite, azeitonas e um restaurante. Para os aventureiros, a cidade é rodeada pelos picos da Bandeira e a Pedra do Pedrão.

Casa em meio à geada em Maria da Fé parece estar na Europa (Foto: Leonardo Bueno / Arquivo Pessoal)
A Matriz Nossa Senhora de Lourdes é outra opção para o turista que chega à cidade. Localizada na Praça Nossa Senhora de Lourdes, o monumento foi tombado como patrimônio histórico municipal.

Dentro da cidade as opções de hospedagem variam, assim como nas outras cidades, entre chalés, pousadas, chácaras e hotéis. As diárias giram em torno de R$ 130 a R$ 800.

Este ano, o 8º Festival de Inverno da cidade acontece entre os dias 14 e 23 de julho, com produtos de arte e design, produzidos na cidade, e ainda o azeite, um dos principais produtos produzidos em Maria da Fé.

Culinária mineira com azeite produzido em Maria da Fé atrai turistas (Foto: Reprodução EPTV/Edson de Oliveira)
Mais turismo: Outras cidades da região que não deixam a desejar no inverno são Poços de Caldas e Extrema. Já famosa por suas fontes de águas minerais, Poços de Caldas tem todos os tipos de atrativos, como natureza, restaurantes, cultura e festas. O guia completo da cidade pode ser acessado na reportagem do G1 Sul de Minas. Extrema é outra cidade que fica encravada na Serra da Mantiqueira e entre suas atrações, estão um roteiro que explora as belezas naturais, culinária e religiosidade do município. Mais informações também podem ser acessadas na reportagem do G1 Sul de Minas.

Por Lara Silva

*Sob supervisão de Samantha Silva, do G1 Sul de Minas
Link original:http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/turismo/noticia/o-inverno-chegou-veja-dicas-de-turismo-nas-cidades-mais-frias-do-sul-de-minas.ghtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário