5 Igrejas e suas arquiteturas diferenciadas

Minas Gerais tem milhares de igrejas. Tanto as igrejas históricas, como as góticas e modernas, seguem um padrão normal, mas tem algumas arquiteturas que diferenciam das demais. Você vai conhecer as igrejas de Santo Expedito, da Baleia, Melquita, N. S. da Agonia e de São Pedro. Todas com arquiteturas diferentes.

01 Igreja Melquitá Greco-Católica Melquita (Juiz de Fora/Zona da Mata)
Foto:Mister Sanderson/Wikipedia
A Igreja Greco-Católica Melquita (em árabe كنيسة الروم الكاثوليك, Kanīsät ar-Rūm al-Kāṯūlīk) ou Igreja Patriarcal Melquita[1] é uma igreja oriental católica particular sui iuris. Esta Igreja utiliza o rito litúrgico bizantino e utiliza o grego e o árabe como línguas litúrgicas.
Criada em Antioquia, é a mais antiga Igreja enquanto instituição do mundo e é a única entre as orientais que não é uma Igreja nacional, apesar de estar intimamente ligada à Síria. Seu Patriarcado envolve três sés apostólicas: Antioquia, Jerusalém e Alexandria, chamando-se Patriarcado Greco-Melquita de Antioquia e de todo Oriente, Alexandria e Jerusalém.
O nome Melquita vem de mèlek que é a raiz siríaca para palavras como "rei", "real" e "reino". Todos aqueles que ficaram ao lado do imperador bizantino Marciano no Concílio de Calcedônia em 451, defendendo a realidade das duas naturezas de Cristo, foram pejorativamente apelidados de "reais" pelos monofisistas.
Com o tempo, o nome foi usado para designar especificamente os cristãos bizantinos de Antioquia, Alexandria e Jerusalém, que passaram a humildemente aceitar a alcunha jocosa que lhes conferiram.
Já a adjetivação de sua catolicidade - "greco" - vem do fato de os então futuros melquitas, assim como os outros cristãos que habitavam o Império Bizantino, antigo Império Romano, serem chamados pelos muçulmanos de rumi, "romanos", uma identidade que veio a ficar estreitamente ligada à língua que falavam: o grego, tanto que ambos nomes se tornaram sinônimos. Tal ligação com o Império Bizantino veio acrescentar alguns elementos bizantinos ao seu rito antioqueno de origem, tornando-o conhecido como rito bizantino. Assim, Igreja Melkita passou a ter, assim, a Divina Liturgia escrita por São João Crisóstomo e São Basílio de Cesareia.
Ainda como elemento de identidade, a Igreja Melquita é árabe. Seu processo de arabização começou desde segunda metade do século VIII. Foi a primeira igreja a usar o árabe como língua litúrgica, e teve como um dos seus filhos o primeiro escritor cristão que escreveu regularmente em árabe, Teodoro Abuqurra (ca. 755 - ca.830).
Ícones
A Igreja Melquita, fiel à tradição bizantina, não usa esculturas em suas igrejas, mas apenas ícones: antes de entrar no Sancta Sanctorum pode-se sempre ver uma ícone de Maria e uma de Jesus. (Fonte desta informação: Wikipédia)

02 - Igreja de São Benedito (Andrelândia/Sul de Minas)
Fotografia de Rafael Siqueira 
A Igreja São Benedito, no bairro do Areão, foi construída sob a orientação do Padre José Tibúrcio, e sua história pode ser conhecida fielmente através das palavras do próprio vigário num texto que ele preparou às vésperas da consagração desse templo.
Fotografia de Rafael Siqueira 
"Ergue-se esteticamente bela e liturgicamente funcional", no bairro do Areão, em Andrelândia a Igreja de S. Benedito, projetada pelo engenheiro Jéder José Assi, que lhe acompanhou a construção, dessa paróquia, sob a orientação do Padre José Tibúrcio do Nascimento, pároco de Andrelândia. Em 15 de outubro de 1989, foi solenemente consagrada pelas mãos do Bispo Diocesano, D. Antônio Carlos Mesquita. Antes de existir a Igreja de S. Benedito, existia a Capela de São Benedito; a qual foi construída por Arthur Felizberto de Carvalho (Arthur Capitão), Pio Nunes de Azevedo, Victor Antônio Teixeira, Anthero Arantes, José de Paula Carvalho, João de Matos e com a ajuda de muitas outras pessoas.
O que também se sabe da antiga Capela de S. Benedito, é que ela era edificada no centro da atual Praça Dr. Simplício Dias Nascimento; com um cruzeiro ao lado. Sabe-se também que sua construção foi na década de 1930 e teve doações de terreno e material. A sua inauguração foi no dia 27 de setembro de 1936, quando a imagem do padroeiro, São Benedito, foi transladada da Igreja Matriz para lá, onde permaneceu até a derrubada da capela e conseqüente construção da atual igreja. Possui arquitetura moderna, imitando o gesto acolhedor de Jesus Cristo.

03- Igreja a Baleia (Belo Horizonte)
Pastor evangélico, dizendo-se inspirado por Deus, ergue templo em forma do animal. Obra no bairro Santa Cruz, Nordeste de Belo Horizonte, atrai atenção pelo tamanho e formato inusitado
A praia mais próxima de Belo Horizonte está a 450 quilômetros, mas a capital mineira também tem sua baleia. Ela é azul e fez da rua Coronel José Castro, 170, no bairro Santa Cruz, Nordeste de BH, seu hábitat. Não se trata de alucinação, mas sim do sonho realizado pelo pastor Adalto Setembrino de Oliveira, um missionário de 74 anos, que comanda a igreja evangélica Casa de Oração para Todos os Povos. A congregação tem sua sede na cidade de Campos dos Goytacazes, no estado do Rio de Janeiro, e nove templos: sete no Rio, um no Espírito Santo e o de Belo Horizonte, o único em forma de baleia.
Segundo o pastor Flávio Miranda, que prega no local, o projeto começou a ser delineado a partir de um sonho que o pastor Adalto teve há 35 anos. “No sonho”, diz Miranda, “o missionário teve uma visão: o Senhor pedia a ele que construísse um templo em forma de uma baleia, uma alusão a Jonas, que, segundo o Velho Testamento, esteve por três dias e três noite no ventre de uma delas”, explicou. “Depois da obra concluída, uma grande nuvem vai pairar sobre o templo e dela sairá um luz muito forte, que irá abençoar a igreja. A partir daí, as pessoas que vierem ao templo serão curadas de suas doenças. E elas sairão curadas glorificando o Senhor”, explica o pastor, enquanto esboça um tom profético às suas palavras.
Miranda, que atualmente mora dentro da baleia azul com sua esposa e os filhos Natan e Ana Clara, para acompanhar as obras, conta que o pastor Adalto divide seu tempo entre o Rio de Janeiro e Belo Horizonte e que a igreja está quase pronta. Ela começou a ser construída em 1995 e deve estar concluída nos próximos meses , já que faltam pequenos detalhes de acabamento. Na entrada, que equivale à boca da baleia, fica um tanque azulejado, onde serão criados peixes, um dos símbolos do cristianismo.
E não se confunda a baleia azul com elefante branco, que é a imagem da falta de utilidade. O templo, apesar de ainda não estar pronto, já sedia cultos, que acontecem às quartas, quintas, sábados e domingos. Com 35 metros de comprimento e dez de largura, a construção de três andares se destaca no bairro Santa Cruz, principalmente agora, que ganhou a pintura azul. Uma das freqüentadoras do templo, Mirian Murta, não vê absurdo algum no enorme cetáceo. Para ela, é uma bênção que o sonho do pastor Adalto esteja perto de se realizar, de se tornar algo “concreto”.(Fonte: Alfredo Durães/Estado de Minas - Portal Uai.com.br)

04 - Igreja de São Pedro (Seritinga/Sul de Minas)
Fotografia de Marlon Arantes
A Capela de São Pedro teve sua arquitetura inspirada num navio e sua semelhança com a embarcação é quase que perfeita.
Fotografia de Marlon Arantes
O Altar foi projeto como se fosse um leme e todo o seu interior é pequeno mas bem confortante e aconchegante.
Fotografia de Marlon Arantes
A igreja é um dos cartões postais da cidade, além de um lugar de reflexão e paz. 
Não temos informações até o momento, suficientes sobre a história e de quem projeto a igreja de São Pedro. 

05 - Igreja de Nossa Senhora da Agonia em Itajubá
Fotografia de Jô Casarini
A igreja de vidro, umas das mais belas de Itajubá! A Igreja de Nossa Senhora da Agonia está localizada na Avenida Nossa Senhora da Agonia - Bairro N.S. da Agonia. O Santuário é atualmente o único no Brasil e o segundo no mundo dedicado a Nossa Senhora da Agonia.
Interior do Santuário de N. S. da Agonia. Foto da Arquidiocese
O templo começou a ser construído a partir de agosto de 1990 por iniciativa dos fiéis locais, se tornando uma das mais belas igrejas de Minas Gerais, que atrai fiéis de todo o Brasil ao Santuário.

Um comentário:

  1. Existem formatos de igrejas para todos os gostos. Igrejas católicas são dedicadas a "santos e santas"; os evangélicos, geralmente, dedicam ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo porque não creem em ídolos feitos por mãos humanas. O que chama a atenção, também, no Brasil é o preconceito que ainda existe contra os evangélicos, até em relação ao formato de seus templos (como este que foi construído em forma de uma baleia em alusão à passagem bíblica de Jonas no ventre do grande peixe). Na verdade, as igrejas evangélicas, em geral, não são reconhecidas, talvez até por isto elas crescem e se espalham aos milhares pelo Brasil, especialmente pelo Estado de Minas, que sempre teve uma tradição católica muito forte, mas agora vê o Evangelho crescendo em centenas de municípios. Parece que o feitiço virou contra o feiticeiro.

    ResponderExcluir