sexta-feira, 12 de maio de 2017

28 lindas cidades da Grande BH e Colar Metropolitano

A mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte é formada pela união de 105 municípios agrupados em oito microrregiões sendo as sedes dessas microrregiões os municípios de Belo Horizonte, Conceição do Mato Dentro, Conselheiro Lafaiete, Itabira, Itaguara, Ouro Preto, Pará de Minas, Sete Lagoas.
A Micro Região de Belo Horizonte é formada pelos municípios de Belo Horizonte, Betim, Brumadinho, Caeté, Confins, Contagem, Esmeraldas, Ibirité, Igarapé, Juatuba, Lagoa Santa, Mário Campos, Mateus Leme, Nova Lima, Pedro Leopoldo, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Sabará, Santa Luzia, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, Sarzedo, Vespasiano.


01 – Belo Horizonte

Fotografia de Charles Tôrres 
De acordo com a mais recente estimativa realizada pelo IBGE em 2016, sua população era de 2 513 451 habitantes, sendo o mais populoso município de Minas Gerais, o terceiro da Região Sudeste, depois de São Paulo e Rio de Janeiro, e o sexto mais populoso do Brasil. A capital mineira é também sede da terceira concentração urbana mais populosa do país. Belo Horizonte já foi indicada pelo Population Crisis Commitee, da ONU, como a metrópole com melhor qualidade de vida na América Latina e a 45ª entre as 100 melhores cidades do mundo. Em 2010, Belo Horizonte gerou 1,4% do PIB do país, e em 2013 era o quarto maior PIB entre os municípios brasileiros, responsável por 1,53% do total das riquezas produzidas no país. Uma evidência do desenvolvimento da cidade nos últimos tempos é a classificação da revista América Economía, na qual, já em 2009, Belo Horizonte aparecia como uma das dez melhores cidades para fazer negócios da América Latina, segunda do Brasil e à frente de cidades como Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba.
A cidade é mundialmente conhecida e exerce significativa influência nacional e até internacional, seja do ponto de vista cultural, econômico ou político. Conta com importantes monumentos, parques e museus, como o Museu de Arte da Pampulha, o Museu de Artes e Ofícios, o Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, o Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, o Mercado Central e a Savassi, e eventos de grande repercussão, como o Festival Internacional de Teatro, Palco e Rua (FIT-BH), Festival Internacional de Curtas e o Encontro Internacional de Literaturas em Língua Portuguesa. É também nacionalmente conhecida como a "capital nacional dos botecos", por existirem mais bares per capita do que em qualquer outra grande cidade do Brasil.

02 – Lagoa Santa
Fotografia de Sônia Fraga
Lagoa Santa tem uma população de 60.787 habitantes (IBGE/2016). Está localizada a 35 km de Belo Horizonte.
Gruta da Lapinha
Fotografia de Arnaldo Silva
A Gruta da Lapinha é uma atração turística da cidade, fica a 48 km da praça 7, em Belo Horizonte e possui linha de ônibus que faz o percurso, Belo Horizonte-Lapinha, diariamente. Está localizada no Parque Estadual do Sumidouro. Compreende um bloco de pedra calcária formado há 600 milhões de anos. Tem 40 metros de profundidade e 511 de extensão. A composição é de barros e resíduos endurecidos do fundo do mar que foram acumulados em camadas sobrepostas. Seu interior apresenta ornamentações formadas de cálcitas cristalizada, e que em suas várias formas dão nomes aos salões: Salão de Entrada, Sala da Catarata, Sala da Couve-flor, Salão da Catedral, Sala das Pirâmides, Canto do Abajur, Sala dos Carneiros E Galeria do Presépio. Além disso a Gruta possui uma grande área verde à sua volta.

03 – Mateus Leme
Fotografia de Arnaldo Silva 
Localiza-se a 61 km de Belo Horizonte e á 21 km de Itaúna e sua população em 2016, segundo o IBGE era de 30.423 habitantes.
Foi assim nomeado em homenagem bandeirante paulista Mateus Leme, que fundou em Minas Gerais o arraial de Itatiaiaçu. Seria o mesmo que, como capitão-mor, chegaria à Bahia, onde, de 1715 a 1717, combateu índios bravios.
É o local de instalação do 1º radar meteorológico de Minas Gerais.
Seu território é composto pelos distritos de Serra Azul e Azurita, e pelo povoado de Sítio Novo.

04 – Santa Luzia
Fotografia de Thelmo Lins 
Santa Luzia é uma cidade histórica Mineira, fundada em 1692. Sua população de acordo com a Estimativa 2016 pelo IBGE é de 217.610 habitantes, com a maior concentração populacional e atividade comercial no distrito de São Benedito, situado a oito quilômetros do centro do município.
Tradições e Patrimônio histórico
Por ser uma cidade colonial, Santa Luzia possui um patrimônio histórico, pequeno, mas interessante. A comunidade também tem mostrado seu esforço na manutenção das coisas antigas da gloriosa cidade, procurando preservá-las em museus instalados em antigos casarões, no centro histórico. Santa Luzia é uma cidade voltada para o turismo religioso, pois mantém viva a cultura popular através de festas religiosas como: Nossa Senhora do Rosário, Folia de Reis e a padroeira da cidade, Santa Luzia. Faz parte do circuito da Estrada Real, porém não tem trechos da mesma dentro do seu limite. Vem se destacando também no município o turismo de eventos e o turismo rural.

05 – Confins
 
Santuário Mãe Rainha: um dos pontos mais visitados de Confins. Fotografia de Ronaldo Caldeira 
Sua população em 2016 era estimada em 6.545 habitantes. Pertence à Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). É onde se encontra o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, principal porta de entrada de MG e ponto de ligação de Belo Horizonte com o Brasil e o mundo. É o 5º aeroporto mais movimentado do país e está em operação desde 1984.
Em Confins está localizado também o Aeroporto Industrial de Belo Horizonte, primeiro aeroporto industrial do Brasil.
Confins é referência obrigatória para os estudiosos de Arqueologia, Paleontologia e de formações minerais. Ossadas pré-históricas foram retiradas das grutas de Confins, assim como de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo, e fazem parte do acervo do Museu de História Natural da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro. Já o Museu de Copenhague, na Dinamarca, guarda o crânio que ficou conhecido como O Homem de Confins, um exemplar encontrado na Gruta de Confins. Na Lapa Mortuária, uma missão arqueológica feita por norte-americanos em 1950 encontrou 44 esqueletos, que hoje também estão no museu do Rio de Janeiro. Antes disso, Lund já havia achado três esqueletos em suas escavações no local. Outra importante área de estudo é o sítio paleontológico e arqueológico da Lapa do Galinheiro.
Fotografia de Thelmo Lins
Talvez o mais importante achado arqueológico de Confins, porém, seja o fóssil feminino apelidado de Luzia, encontrado no sítio arqueológico Lapa Vermelha IV, localizado no município de Confins, apenas cerca de 2 km ao norte da cabeceira 16 da pista do Aeroporto Internacional. Descoberto no início da década de 1970 pela arqueóloga francesa Annette Laming-Emperaire, foi datado em 11 mil anos de idade, muito mais antigo do que se presumia possível na América do Sul, e provocou muita controvérsia e o surgimento de novas teorias sobre o povoamento original do continente.
No centro da cidade fica a Lagoa de Confins, formada por rocha calcária, que passa atualmente por um processo de despoluição.

A Micro Região de Conceição do Mato Dentro é formada pelos municípios de Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Congonhas do Norte, Dom Joaquim, Itambé do Mato Dentro, Morro do Pilar, Passabém, Rio Vermelho, Santo Antônio do Itambé, Santo Antônio do Rio Abaixo, São Sebastião do Rio Preto, Serra Azul de Minas, Serro.

06 – Conceição do Mato Dentro
Fotografia de Arnaldo Silva 
Localiza-se a 167 km de Belo Horizonte, rodovia MG-10, passando por Lagoa Santa e pela Serra do Cipó. Sua população estimada em julho de 2016 era de 18 160 habitantes.É considerado por muitos como a capital mineira do ecoturismo e tem como principal atração a Cachoeira do Tabuleiro (considerada pelo Guia 4 Rodas de 2005 como a cachoeira mais bonita do Brasil)
Atualmente a cidade recebe um dos maiores planos de mineração do mundo, o projeto Minas-Rio da empresa inglesa Anglo American.

07 – Congonhas do Norte
Fotografia de Hudson Reis
Sua população estimada em 2016 era de 5.128 habitantes.
Localizado nos entornos da Serra do Espinhaço e Estrada Real, possui um complexo de águas cristalinas e cavernas rupestres.
Pontos turísticos mais importantes: Cachoeira Barragem, Cachoeira da Fumaça, Rio de Pedras, grutas com pinturas rupestres
Festas tradicionais: Festa de Sant'Ana em Julho, Festa de Nossa Senhora do Rosário em Setembro, Festa do Divino Espírito Santo e Aniversário da Cidade em Março.
No turismo histórico, tem destaque a Igreja Matriz de Santana, erguida em início do século XVIII e que em 2010 foi tombada pelo IEPHAMG.

08 – Morro do Pilar
Fotografia de Marcelo Santos
Sua população estimada em 2016 era de 3.358 habitantes. Morro do Pilar é uma sossegada e pacata cidade do interior mineiro, distante 151 km de Belo Horizonte. O município possui exuberantes paisagens, com belas cachoeiras, rios e montanhas.

09 – São Sebastião do Rio Preto
Fotografia do Barbosa
Sua população estimada em 2016 era de 1.591 habitantes. Destacam-se os festejos populares, como a Festa do Padroeiro, com a realização de novena, missa e procissão comemorativas, além de repique de sinos, shows musicais, leilão de gado e apresentação das marujadas de São Sebastião, Itauninha e Itabira. A cidade também é conhecida pelas serestas.

10 – Serra Azul de Minas
Fotografia da Prefeitura Municipal
Serra Azul de Minas faz parte do Parque Estadual do Pico do Itambé com (840 ha), constituindo assim uma flora característica da região que é muito rica e campestre. Na região de Serra Azul de Minas podem-se encontrar diferentes fisionomias, mas o bioma que prevalece é o do cerrado. Sua população estimada em 2016 era de 4.368 habitantes.

A Micro Região de Conselheiro Lafaiete é formada pelos municípios de Casa Grande, Catas Altas da Noruega, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Cristiano Otoni, Desterro de Entre Rios, Entre Rios de Minas, Itaverava, Ouro Branco, Queluzito, Santana dos Montes, São Brás do Suaçuí

11 – Conselheiro Lafaiete
Fotografia de Fabinho Augusto
Sua população estimada em julho de 2016 era de 126 420 habitantes, o que o torna o 22º município mais populoso do estado.Conselheiro Lafaiete encontra-se na Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte, à 96 km da capital do estado, Belo Horizonte. Localiza-se dentro da região do antigo Queluz de Minas, atualmente, o Alto Paraopeba - onde ficam também as cidades de Belo Vale, Congonhas, Ouro Branco, Entre Rios de Minas, Jeceaba e São Brás do Suaçuí.

12 – Catas Altas da Noruega
Fotografia do Barbosa
Sua população estimada em 2016 era de 3 652 habitantes. Apesar do nome semelhante e da proximidade geográfica, é diferente de Catas Altas, outro município mineiro.
Minas Gerais é o estado brasileiro onde floresceram os primeiros municípios, através da riqueza da terra (o ouro) que originou o enriquecimento cultural e os traços de nossa gente. Catas Altas da Noruega é também uma dessas primeiras civilizações urbanas. Começou a ser povoada aproximadamente em torno de 1690 por membros das Bandeiras de Miguel Garcia e do Coronel Salvador Furtado de Mendonça enquanto exploravam a região da Serra de Itaverava. Como a cata de ouro era fácil, encontrando o precioso mineral até nas raízes das plantas, o povoado cresceu e assim nasceu as "Catas Altas", seu primeiro nome.
Pelos idos de 1750, surgiram os primeiros sinais de decadência da mineração do ouro, ocasionada pelo progressivo esgotamento das minas superficiais, e ainda pelo elevado montante fixado para a cobrança dos quintos do Rei, que não era somente estendido aos mineiros, mas também a pessoas que se dedicavam a outras profissões. Muitos ficaram reduzidos à miséria. Diante dessa situação, e incentivados pela iniciativa do Conde de Bobadella, o Governador da Capitania das Minas Gerais, que procurou incentivar novas descobertas, os garimpos de Catas Altas e o da Noruega (atual localidade rural do município) foram reativados e se uniram, originando o nome atual da cidade: Catas Altas da Noruega.

13 - Queluzito
Fotografia de Sérgio Mourão/Encnatos de Minas
Sua população segundo o censo do IBGE em 2016 é de 1.953 habitantes.Cidade tranquila e bucólica, rodeado por bela natureza muito procurado por banhistas, trilheiros e motociclistas. Sua praça Central é a Praça Santo Amaro, rodeada por frondosas árvores, possui uma bela igreja e um casario de época muito charmoso no entorno.

A Micro Região de Itabira é formada pelos municípios de Alvinópolis, Barão de Cocais, Bela Vista de Minas, Bom Jesus do Amparo, Catas Altas, Dionísio, Ferros, Itabira, João Monlevade, Nova Era, Nova União, Rio Piracicaba, Santa Bárbara, Santa Maria de Itabira, São Domingos do Prata, São Gonçalo do Rio Abaixo, São José do Goiabal, Taquaraçu de Minas

14 – Itabira
Fotografia de Terezinha Souza
Localiza-se a nordeste da capital do estado, distando desta cerca de 110 km. Ocupa uma área de 1 253,704 km², sendo que 12,4377 km² estão em perímetro urbano, e sua população foi estimada em 2016 em 118 481 habitantes.
Além de se relevar no setor de exploração mineral, Itabira também se destaca por ser terra natal de Carlos Drummond de Andrade, contista, cronista e poeta modernista que se inspirou em sua cidade-natal para algumas de suas obras. Também há uma série de atrativos naturais, tais como a Mata do Limoeiro, a Pedra da Igreja, a Serra do Bicudo e a Serra dos Alves, além das cachoeiras dos Cristais, do Campo, da Boa Vista, do Limoeiro e do Meio.

15 – Catas Altas 
Fotografia de Marley Mello
De acordo com o censo realizado pelo IBGE em 2016, sua população é de 5.274 habitantes. O nome 'provém das profundas escavações que se faziam no alto do morro' (Eschwege, Rev. A. P. M., II, 628)
Catas Altas é um típica cidade do interior mineiro onde a religião faz parte da cultura local. Fundada sobre domínios Católicos, a cidade conta hoje com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e movimentos sociais como o Clube da Terceira Idade que também é ligado à Igreja. Além da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, a cidade tem hoje outras três capelas, a de Nossa Senhora do Rosário, de Santa Quitéria e de Senhor do Bonfim. Porém, de uns anos pra cá foram ganhando espaços na cidade outras denominações cristãs, como os protestantes. Congregações como Assembleia de Deus (a mais antiga da cidade, fundada na década de 60), Deus é Amor, Igreja Nacional Batista Vida Nova, Congregação Cristã Maranata entre outras fazem o número de evangélicos do município crescer a cada dia.
Patrimônio preservado
O conjunto arquitetônico barroco formado não só pela Igreja da Matriz, mas também por casas antigas ao redor da Praça Monsenhor Mendes, entre outras construções, traz para o presente a história do passado da pequena e bucólica cidade mineira.
Para proteger este rico acervo histórico, cultural e religioso, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA) tombou todo o perímetro urbano de Catas Altas. O conjunto arquitetônico e paisagístico do Santuário do Caraça, a Praça Monsenhor Mendes e a Igreja Nossa Senhora da Conceição são tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Além disso, o Parque do Caraça, de propriedade da Província Brasileira da Congregação da Missão, situado no município de Catas Altas (parte dele em Santa Bárbara), também foi transformado em Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), outra medida que visa preservar a área.

16 – Dionísio

Reprodução de vídeo do canal de Elias Antônio no Youtube
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 160 km. Ocupa uma área de 343,422 km², sendo que 1,7 km² estão em perímetro urbano, e sua população em 2016 era de 8 373 habitantes.
O principal atrativo localizado no município é o Parque Estadual do Rio Doce, criado em 1944, sendo hoje a maior floresta tropical de Minas e um dos principais remanescentes de Mata Atlântica nativa existentes no Brasil. Algumas de suas 50 lagoas situam-se em Dionísio e são propícias a banhos, contando ainda com centros de educação ambiental, pesquisas, instrução e treinamento e um núcleo de turismo ecológico. Devido a existência de vários atrativos naturais, há uma grande concentração de estabelecimentos comerciais, hotéis, pousadas, restaurantes e áreas de camping nos municípios integrantes da reserva, assim como em Dionísio. No perímetro urbano há a Capela de Santo Antônio, tombada como patrimônio histórico municipal, e a Igreja Matriz.

17 – São Domingos do Prata
Fotografia de Elvira Nascimento
Sua população estimada em 2016 era de 17.792 habitantes. Situa-se na região do Médio Rio Piracicaba. Uma cidade histórica, cheia de encantos, lugar aconchegante e um povo muito hospitaleiro. A cultura vive em todos os cantos do lugar.
São Domingos do Prata também é conhecida como uma das cidades mais festeiras da região. Dentre elas destacam-se: O Aniversário da Cidade (Festa de São Domingos) - que acontece anualmente no fim de semana mais próximo ao dia 4 de Agosto, quando são realizadas as homenagens ao padroeiro da cidade. O carnaval do Prata, tido como um dos melhores de toda a região, atrai um expressivo público, das cidades vizinhas e até mesmo de outros estados. Há também as cavalgadas realizadas em cerca de dez distritos e agrovilas da cidade, sendo no Parque de Exposições da cidade, que ocorre a cavalgada mais famosa, viabilizada através de parcerias. Cavaleiros de toda a região se mobilizam para concorrer nos concursos de diversas categorias. E para completar o calendário de eventos da cidade, há o Encontro Nacional de Motociclistas, realizado sempre no mês de Maio, com o apoio da Prefeitura atraindo motociclistas de todos os lugares do Estado e do Brasil.
Para os interessados em turismo, há antigas fazendas a serem visitadas, igrejas históricas, rico artesanato, muitas cachoeiras, voo livre, motocross dentre outros. A cidade possui clubes de lazer e casas de shows. A pedra da baleia é uma grande atração turística.
Está localizada a 9 km da Br-262, sentido Belo Horizonte/Vitória

18 – Taquaraçu de Minas 
 
Fotografia de Marcos Silva
"Taquaraçu" é um termo proveniente da língua tupi que significa "taquara grande", através da junção dos termos takûara ("taquara") e usu ("grande"). Sua população em 2016 foi estimada em 4.053 habitantes. (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-2010) 
Espraiada no sopé da Serra da Piedade, a sessenta km da capital, Taquaraçu de Minas guarda, ainda, o aspecto colonial das cidades do ciclo do ouro, fundada que foi no século XVIII, nas cercanias da austera Caeté, frequentada então pelos coronéis que ali fundaram fazendas, aproveitando sua bela topografia e o vale verdejante fértil onde está assentada.

A Micro Região de Itaguara é formada pelos municípios de Belo Vale, Bonfim, Crucilândia, Itaguara, Itatiaiuçu, Jeceaba, Moeda, Piedade dos Gerais, Rio Manso.

19 – Itaguara
Fotografia de rafael_itaguara
A sede do município está localizada a 95 quilômetros de Belo Horizonte. Devido ao grande fluxo migratório para a capital do estado, a população da cidade se mantém na mesma média populacional há vários anos. Sua população estimada pelo IBGE em 2016 era de 13.253 habitantes.
"Itaguara" é uma palavra de origem tupi-guarani. Significa "pedra do lobo", através da junção de itá ("pedra") e Guará ("lobo"). Segundo estudiosos, também pode significar "pedra lascada".
Itaguara hospedou um ilustre morador na década de 1930, Guimarães Rosa, médico recém-formado, que veio clinicar em Itaguara e que proferiu as seguintes palavras: "Mas, meu Deus como isto é bonito! Que lugar bonito pra gente deitar no chão e se acabar!..."

20 – Belo Vale
Fotografia do Barbosa 
Sua população estimada em 2016 era de 7.829 habitantes. É o maior produtor de Mexerica Ponkan de Minas Gerais.
Seus principais distritos são: Salgado, Laranjeiras, Roças Novas, Costas, Pintos, Santana, Lajes, Curral Moreira, Chácara, Moreira, Posse, João Alves, Noiva do Cordeiro, Chacrinha, Pedra, Troia, Arrojado, Palmital, Boa Morte e Barra Nova.
 Os principais destaques turísticos são:
Fazenda Boa Esperança, (na foto acima de Glauco Umbleino) com pinturas do famoso Mestre Ataide, provavelmente construída em meados do século XVIII com influências arquitetônicas do Norte de Portugal. A fazenda pertenceu ao Barão do Paraopeba. Atualmente, é tombada e pertence ao IEPHA, situando-se a 6 km da sede do município.
Museu do Escravo, único museu no gênero em todo Brasil. Esta localizado na sede do município.
Calçada, trecho da Estrada Real, que ligava Vila Rica(Ouro Preto) a Fazenda Boa Esperança.
Igreja de Santana, fundada em 1735 em São Pedro do Paraopeba, criada pela bandeira de Fernão Dias, onde ainda se pode ver ruínas deste povoado, a 08 km da sede do município.
Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, fundada e, 1760 pela bandeira de Gonçalo Alvares e Paiva Lopes, a 06 km da sede do município.
Igreja de São Gonçalo, fundada em 1764 por Gonçalo Alvares e Paiva Lopes na sede do município.
Forte das Casas Velhas, antiga alfândega e forte militar da época do ciclo do ouro, situa-se no alto da serra do mascate, aproximadamente a 12 km da sede do município.
Casarão dos Araújo, (sobrado da praça), datado de 1929, construídas em estilo inglês, predominante da época, na sede do município.
Conjunto Ferroviário, composto de duas residências, duas plataformas e mas sede da EFCB, inaugurada em 1917, construídas em estilo inglês, predominante na época, na sede do município.
Cachoeiras:  Cachoeira da Boa Esperança Cachoeira da Serra,  Cachoeira da Usina, Cachoeira do Moinho, Cachoeira do Zé Pinto, Cachoeira do Geraldão, Cachoeira das Lages.

21 – Moeda
Fotografia de César Rocha
É uma pacata, charmosa e aconchegante cidade, de um povo simples e hospitaleiro. Sua população estimada em 2016 era de 4. 940 habitantes, segundo estimativa do IBGE. Moeda oferece a oportunidade de se conhecer um trecho da Estrada Real. O pessoal adepto à prática de vÔo livre tem no alto da Serra da Moeda seu ponto de encontro.

A Micro Região de Itabirito é formada pelos municípios de Diogo de Vasconcelos, Itabirito, Mariana, Ouro Preto.

22 – Itabirito
Fotografia de Thelmo Lins 
Segundo informações do IBGE, o município contava com uma população de 50.305l habitantes em 2016.
Turismo
Culinária típica
Fotografia de Carlos Oliveira
O pastel de angu de Itabirito é considerado patrimônio cultural do município. Há uma variedade grande de recheios. A cidade realiza inclusive a Festa do pastel de Angu desde 2000[8], que envolve degustação da quitanda, quadrilhas, apresentações musicais e apresentações folclóricas.
Julifest
Na tradicional Julifest, que todos os anos acontece na segunda semana do mês de Julho, na Praça dos Inconfidentes, são oferecidos várias delícias da culinária itabiritense como, por exemplo, o pastel de angu que é o prato típico da cidade. Os pontos de venda (barracas, que retratam as construções típicas da zona rural) são construídas pelos próprios moradores. Outras delícias como frango ao molho pardo, feijão tropeiro, caldos, vinho quente, pinga com mel, quentão, canjica, doces, umbigo de banana com angu e carne, podem ser encontradas durante os quatro dias de festa.

A Micro Região de Pará de Minas é formada pelos municípios de Florestal, Onça de Pitangui, Pará de Minas, Pitangui, São José da Varginha

23 – Pará de Minas
Fotografia de Maurício Azevedo
Localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 90 km e sua população em 2016 era de 91.969 habitantes.
Eventos como o carnaval da cidade (ParáFolia), a Cavalgada de Pará de Minas e a Fest Frango (Feira Estadual do Frango e do Suíno) configuram-se como alguns dos principais atrativos de Pará de Minas, bem como as programações culturais da Casa da Cultura, do Cine Café e do Teatro Municipal Geraldina Campos de Almeida. Em meio ao perímetro urbano, o Parque Bariri reserva espaços para caminhadas, descansos e lazer infantil. Na Serra de Santa Cruz, o monumento do Cristo Redentor de Pará de Minas se tornou um dos principais marcos do município, inspirado no Cristo Redentor carioca.

24 – Florestal

Fotografia de Wellington Diniz
 Segundo o censo realizado pelo IBGE em 2016, possui 7.278 habitantes. Integra a Região Metropolitana de Belo Horizonte, estando a uma distância de 65 quilômetros da capital.Cidade pacata, calma, limpa, bem tranquila. Um convite para quem gosta de sossego e a calmaria do interior, bem pertinho da capital.
Fotografia de WDiniz
A cidade possui um campus da Universidade Federal de Viçosa.
Fazenda Boa Esperança. Foto Arquivo da Fazenda
Além disso, a Fazenda Boa Esperança, localizada na cidade, é um dos mais belos lugares de Minas Gerais. A fazenda Boa Esperança é um conjunto de construções de estilo colonial, com roupa de cama de tear e móveis na linha rústica mineira. Para descansar há muitas áreas de convívio, como o bar da piscina, o salão com lareira e varandão com vista em frente ao lago.


25 – Pitangui
Fotografia de Vicente Oliveira
Sua população é estimada em 27.495 habitantes, de acordo com o IBGE em 2016.Pitangui surgiu no fim do século XVII e foi elevada a vila em 1715. Em 1855, recebeu o título de cidade. Uma importante cidade histórica mineira.Fica situada no sopé da Serra da Cruz do Monte, um dos mais altos pontos da região. É conhecida popularmente como Velha Serrana. 
Pontos Turísticos: Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar, Igreja da Penha, Igreja de São Francisco, Mina da Lavagem, Museu Histórico, Casarões coloniais, Rio Pará, Mata do céu, Mata da pedreira, Estrada real (porém não incluída no roteiro)
Fotografia de Nicodemos Rosa 
Cultura
Sétima vila do ouro do estado, Pitangui guarda parte da arquitetura da sua formação inicial, embora a cidade tenha sido parcialmente descaracterizada, com a demolição de casarões, desaparecimento de imagens sacras, altares e peças de adorno. Em 2008, seu conjunto arquitetônico foi tombado em caráter definitivo pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais.

A Micro Região de Sete Lagoas é formada pelos municípios de Araçaí, Baldim, Cachoeira da Prata, Caetanópolis, Capim Branco, Cordisburgo, Fortuna de Minas, Funilândia, Inhaúma, Jaboticatubas, Jequitibá, Maravilhas, Matozinhos, Papagaios, Paraopeba, Pequi, Prudente de Morais, Santana de Pirapama, Santana do Riacho, Sete Lagoas.

26 – Sete Lagoas
Fotografia de Leonardo Soares
Grande polo industrial, localizado a aproximadamente 72 quilômetros de Belo Horizonte, possuía em julho de 2016 uma população estimada de 234.221 habitantes, segundo o IBGE. Sua área de influência abrange cerca de 38 municípios.
Seus principais pontos turísticos são:Gruta Rei do Mato, Lagoa Paulino, Casarão - Centro Cultural Nhô Quim Drumond, Cat JK
Serra de Santa Helena.

27 – Caetanópolis
Fotografia de Arnaldo Silva
A sua população em 2016 era de 11.287 habitantes. Caetanópolis está situada a 100 km de Belo Horizonte pela BR-040 em direção a Brasília. O município ocupa uma área de 156,25 km², tendo como vizinhos os municípios de Paraopeba e Sete Lagoas. As principais atividades econômicas do município são: indústria têxtil, extração e beneficiamento de pedra ardósia, agricultura e pecuária.
Os principais pontos turísticos do município são: o Memorial Clara Nunes, inaugurado em 2012, a Igreja Matriz de Santo Antônio, um dos maiores templos dedicados ao santo no Estado de Minas Gerais e o Museu da Indústria Têxtil, localizado nas dependências da centenária fábrica de tecidos.
Clara Nunes
Em agosto de 2006 a Prefeitura Municipal de Caetanópolis lançou o 1º Festival Cultural Clara Nunes, com o objetivo de desenvolver a cultura no município e região, e também resgatar a obra da cantora. O Festival Cultural Clara Nunes faz parte dos eventos culturais da cidade e todo ano é realizado no mês de agosto, mês de nascimento de Clara Nunes. Em 04 de agosto de 2007, na abertura do 2º Festival Cultural Clara Nunes, a Prefeitura Municipal de Caetanópolis inaugurou a Casa de Cultura Clara Nunes, onde havia sido o cinema da cidade e onde Clara se apresentou pela primeira vez. Administrada pela Secretaria Municipal de Cultura, é o local onde se realizam oficinas de dança, música, pintura e teatro, oferecidas gratuitamente à população.
Peças de Clara Nunes, exposta no Memorial que leva seu nome. Fotografia de Eliane Torino
Em agosto de 2012 foi inaugurado na cidade o Memorial Clara Nunes, que abriga um rico acervo com mais de 6.000 peças, catalogadas por equipe da Universidade Federal de São João del Rei. Os objetos foram cuidadosamente guardados pela irmã mais velha e madrinha da cantora, Maria Gonçalves da Silva, conhecida como dona Mariquita. Muitos deles foram doados pelo marido de Clara, Paulo César Pinheiro: fotografias, matérias de jornais e revistas, documentos pessoais, discos de ouro, santos, colares, vestidos, sapatos, bolsas, objetos de decoração. O Memorial é administrado pelo Instituto Clara Nunes, fundado em 19 de maio de 2005 e instalado no mesmo prédio onde funciona a Creche Clara Nunes e o Artesanato Ponto de Luz, que produz tapetes, cuja venda ajuda na manutenção da Creche.

28- Cordisburgo
Portal Grande Sertão Veredas. Fotografia de Arnaldo Silva
Sua população estimada em julho de 2016 era de 9.014 habitantes. É a terra natal do escritor João Guimarães Rosa.A composição do nome Cordisburgo é mistura das palavras Cordis, que do latim significa Coração e Burgo, que do alemão significa cidade, ou seja "Cidade do Coração, alcunha do local.
Pontos turísticos
Fotografia de Arnaldo Silva
Gruta de Maquiné
Um dos atrativos turísticos do município é a Gruta de Maquiné, descoberta em 1825, pelo fazendeiro Joaquim Maria Maquiné. A partir de 1834 a gruta foi explorada cientificamente por Peter Wilhelm Lund, um naturalista dinamarquês.
Casa de Guimarães Rosa
A casa onde nasceu o famoso escritor foi reformada e transformada em museu em 1974, após passar por vários proprietários. Os visitantes são recebidos por jovens voluntários que contam histórias sobre o escritor e narram trechos de suas obras. A venda mantida pelo pai de Guimarães Rosa e que funcionou até 1923 ressurgiu no mesmo cômodo; agora vende lembranças da cidade, e livros variados. A casa está localizada em uma esquina, em frente à linha férrea que corta a cidade.
Zoológico de Pedras "Peter Lund"
A praça denominada Zoológico de Pedras "Peter Lund" expõe as estátuas de animais cujos fósseis foram encontrados na Gruta do Maquiné por Peter Lund, dentre eles a Preguiça Gigante e o Tigre Dente-de-Sabre.
Casa Elefante
A "Casa Elefante" é uma casa construída em formato de elefante pelo mesmo escultor dos animais do Zoológico de Pedras "Peter Lund" e foi o local onde o escultor morou.

Fonte de partes de algumas matérias: Wikipédia
AVISO LEGAL
Este conteúdo pode ser publicado livremente, no todo ou em parte, em qualquer mídia, eletrônica ou impressa, desde que contenha um link remetendo para o site www.conhecaminas.com

Nenhum comentário:
Faça também comentários