quinta-feira, 4 de maio de 2017

26 lindas cidades da Região do Vale do Rio Doce

A Região do Vale do Rio Doce e formada pela união de 102 municípios agrupados em sete microrregiões, e tem como cidades principais Aimorés, Caratinga, Coronel Fabriciano, Governador Valadares, Guanhães, Ipatinga, Mantena, e Timóteo. Tem como atividades econômicas principais a indústria, comércio, agricultura e pecuária.

A Micro Região de Aimorés é formada pelos municípios de Aimorés, Alvarenga, Conceição de Ipanema, Conselheiro Pena, Cuparaque, Goiabeira, Ipanema, Itueta, Mutum, Pocrane, Resplendor, Santa Rita do Itueto, Taparuba.

01 – Aimorés

Fotografia de Elpídio Justino de Andrade
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 440 km e sua população foi estimada em 2016 em 25 703 habitantes.
Os principais atrativos da cidade são a Usina Hidrelétrica da cidade e o Instituto Terra do fotógrafo Sebastião Salgado, natural da cidade. Na UHE destaca-se o Parque Botânico, que além de ter a função de preservar a fauna e flora local, é aberto diariamente ao público e conta com auditório, teatro de arena, espaço cultural, centro de educação ambiental e a realização de palestras, exposições e atividades ecológicas. Também organizam-se visitas temáticas para crianças e escolas. O Instituto Terra também é aberto ao público e nele são realizadas palestras e atividades ecológicas, havendo ainda o Cine Teatro Terra, com exibições de filmes e apresentação de peças teatrais com foco na preservação ambiental.
Vários agrupamentos rochosos também são alguns dos principais atrativos, tais como a pedra Bonita, a pedra da Fundanga, a pedra da Onça e a pedra Lorena, sendo esta última propícia para escaladas e saltos.

02 – Conselheiro Pena
Fotografia de Gleiziane Dias 
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 400 km. Ocupa uma área de 1 483,884 km², sendo que 3,2 km² estão em perímetro urbano, e sua população em 2016 era de 23 192 habitantes.
A agricultura e a exploração mineral foram por muito tempo as principais fontes de renda municipal, mais tarde substituídas pela pecuária bovina, cuja atividade destaca-se no município. Atualmente, um dos principais atrativos é o Parque Estadual de Sete Salões, uma das principais reservas ambientais de Mata Atlântica da região do Vale do Rio Doce, que possui um complexo de montanhas, matas, cachoeiras, e grutas com pinturas rupestres, com destaque também para a Serra da Onça, situada no interior do parque, e a Serra do Padre Ângelo, com suas montanhas propícias à prática de esportes radicais.

04 – Ipanema
Praça da Matriz. Foto:http://www.ipanema.mg.gov.br
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 360 kme sua população em 2016 era de 19 603 habitantes.
O artesanato e a presença de grupos musicais, teatrais e de dança configuram-se como algumas das principais manifestações culturais, juntamente com os eventos festivos tais como o Carnaval, as comemorações do aniversário da cidade e as celebrações tradicionais religiosas da Semana Santa e Corpus Christi. O turismo rural também se faz presente em Ipanema, com fazendas, trilhas e cachoeiras e propriedades rurais e escaladas e saltos em voo livre na Serra da Pipoca.
Atrativos e eventos
Dentre os principais eventos realizados regularmente em Ipanema, que configuram-se como importantes atrativos, destacam-se o Carnaval da cidade, o IpaFolia, em fevereiro ou março, com desfiles dos blocos carnavalescos do município e espetáculos musicais com bandas regionais durante quatro dias de festas; as celebrações da Semana Santa, em março ou abril; as celebrações do Corpus Christi, em maio ou junho; as festas juninas, entre junho e julho, com apresentações de quadrilha, espetáculos musicais e barraquinhas com comidas típicas; e as festividades do aniversário de emancipação política, que é comemorado em 7 de setembro, juntamente ao aniversário da Independência do Brasil, mas tem programação que envolve dias seguidos de espetáculos musicais e concursos.
A Festa do Queijo, que é organizada pela prefeitura em parceria com a Cooperativa Agropecuária de Ipanema (Capil), envolve uma feira gastronômica de alimentos derivados do queijo e doce de leite, além de espetáculos musicais e distribuição de alimentos à população. O município se destacou durante a Festa do Queijo de 2014 com a produção do maior queijo minas padrão do país, segundo a RankBrasil, com um total de 1 770 kg, além do maior doce de leite, com 507 kg.
O Parque Natural Municipal Edmundo Kuhlmann Filho é um dos principais atrativos da cidade, contando com arborização, pista para caminhadas, viveiro de aves exóticas, playground e área de eventos.[88] As praças da Matriz, Coronel Calhau e Genuíno Magalhães também contam com áreas de lazer e para descansos.[89] Fora da cidade, o turismo rural se faz presente através de pesque-pagues, recantos, trilhas, fazendas e cachoeiras propícias a banhos situadas em propriedades rurais e as elevações rochosas da Serra da Pipoca são frequentemente utilizadas para escaladas e saltos em voo livre.

05 – Mutum
Fotografia de Elpídio Justino de Andrade
Sua população informada segundo dados do censo 2016 é de 27.512 habitantes. O município de Mutum localiza se na região do Rio Doce do Estado de Minas Gerais e pertence a microrregião homogênea Vertente Ocidental do Caparaó.Possui uma área de 1.256,08 km², sendo limitado ao norte pelos municípios de Aimorés e Pocrane,ao sul pelos municípios de Chalé e Lajinha, a leste por Ibatiba (ES), Brejetuba (ES) e Afonso Cláudio (ES) e a oeste por Taparuba e Conceição de Ipanema.O município possui 6 distritos; Sede, Ocidente, Roseiral (que tem seu cartório constituído em 28 de agosto de 1892), Centenário, Humaitá e Imbiruçu, 4 povoados; Santa Rita, Santa Maria, Santa Efigênia, Lajinha do Mutum e 54 comunidades.
Mutum é servida pela rodovia MG-108 que faz ligação com a BR-262 na direção sul, asfaltada e na direção norte, com a BR-474 que dá acesso a cidade de Aimorés, parte asfaltada 42 km e parte sem asfalto 28 km.

06 – Resplendor
Fotografia de Dório Costa
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 440 km e sua população em 2016 era de 17 695 habitantes.
A agricultura foi por muito tempo a principal fonte de renda municipal, mais tarde substituída pela extração mineral. Um dos principais atrativos é o Parque Estadual de Sete Salões, uma das principais reservas ambientais de Mata Atlântica da região do Vale do Rio Doce, que possui um complexo de montanhas, matas, cachoeiras, e grutas com pinturas rupestres. Também destaca-se o lago da barragem da Usina Hidrelétrica de Aimorés, no caminho do Rio Doce, onde tornou-se comum a prática de esportes aquáticos, náuticos e da pesca.
Atrativos
Resplendor, juntamente com os municípios de Dores de Guanhães, Gonzaga, Governador Valadares, Guanhães, José Raydan, Marilac, Santa Maria do Suaçuí, São Félix de Minas, São João Evangelista, São José do Divino, São Sebastião do Rio Preto, Senhora do Porto e Virgolândia, faz parte do Circuito Turístico Trilhas do Rio Doce, que foi criado em 22 de agosto de 2005 pela Secretaria de Estado de Turismo com o objetivo de estimular o turismo na região dessas cidades.
Um dos principais atrativos turísticos de Resplendor é o Parque Estadual de Sete Salões, que além de ser uma das principais reservas ambientais de Mata Atlântica na região do Vale do Rio Doce, possui um complexo de montanhas, matas e cachoeiras, além da Gruta dos Sete Salões, com pinturas rupestres. Muitos dos atrativos do parque são abertos ao público, sendo interligados por trilhas. Também se destaca o conjunto paisagístico formado pelo lago da barragem da Usina Hidrelétrica de Aimorés, no caminho do Rio Doce, onde tornou-se comum a prática de esportes aquáticos, náuticos e da pesca e a apreciação das paisagens formadas pelo curso hidrográfico em meio ao relevo ondulado, principalmente durante o pôr do sol

A Micro Região de Caratinga é formada pelos municípios de Bom Jesus do Galho, Bugre, Caratinga, Córrego Novo, Dom Cavati, Entre Folhas, Iapu, Imbé de Minas, Inhapim, Ipaba, Piedade de Caratinga, Pingo-d'Água, Santa Bárbara do Leste, Santa Rita de Minas, São Domingos das Dores, São João do Oriente, São Sebastião do Anta, Tarumirim, Ubaporanga, Vargem Alegre.

07 – Caratinga
Fotografia de Sara Calazans
Localizando-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 310 km. Em 2016, sua população foi estimada pelo IBGE em 91.342 habitantes, sendo então o 37º mais populoso de seu estado e o primeiro de sua microrregião.
Turismo e eventos
Caratinga ainda conta com diversos pontos turísticos, como: a Praça Cesário Alvim, cujas obras tiveram início em 1880, sendo que em 1930 foi construída, ao lado da praça, a Catedral de São João Batista, e seu coreto, feito em 1980, foi planejado por Oscar Niemeyer; a Pedra Itaúna, já citada anteriormente, tombada pelo patrimônio histórico por seu valor paisagístico, sendo utilizada para a prática de esportes radicais o Santuário de Adoração Perpétua, utilizado para preces e adorações de fieis Católicos; a Reserva Feliciano Miguel Abdala, já citada anteriormente, destacando-se pelo turismo ecológico; o Palácio Episcopal, que, inaugurado em 28 de abril de 1944, que serve como residência dos Bispos da Diocese de Caratinga; a Escola Estadual Princesa Isabel, criada em 24 de agosto de 1909, destaca-se pelo sua arquitetura, fazendo parte do Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Praça Cesário Alvim; além da Lagoa Silvana, área de recreação localizada próxima a Ipatinga, que oferece trilhas, praias, restaurantes e parques.
Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura de Caratinga, juntamente ou não com empresas locais, investe no segmento de festas e eventos. Essas festas, muitas vezes atraem pessoas de outras cidades, exigindo uma melhor infraestrutura no município e estimulando a profissionalização do setor, o que é benéfico não só aos turistas, mas também a toda população da cidade. As atividades ocorrem durante o ano inteiro. Há: a Festa da Folia de Reis, em janeiro; O Carnaval de Caratinga, em fevereiro; o Pedra Itaúna Open de Voo Livre, competição de voo livre do município, em julho; o Festival Folclórico, em agosto; a Feira da Paz e da Solidariedade, em setembro;a Semana da Consciência Negra, em novembro;e as comemorações do Natal, em dezembro.

08 – Bom Jesus do Galho
Fotografia de Elvira Nascimento
Localiza-se a leste da capital do estado, estando desta cerca de 300 km. Ocupa uma área de 592,289 km², sendo que 2,2 km² estão em perímetro urbano, e sua população em 2016 era de 15 500 habitantes.
As principais manifestações culturais presentes no município são o artesanato e os grupos teatrais e de manifestação tradicional popular, além dos eventos festivos, tais como o Carnaval, a Festa do Bonjesuense Ausente e as comemorações religiosas da Semana Santa e da Festa do Jubileu do Senhor do Bom Jesus. Também destacam-se as cachoeiras e lagoas propícias a banhos e os atrativos naturais ligados ao complexo do Parque Estadual do Rio Doce (PERD), além do Cristo Paz da cidade.

09 – Pingo D´Água
Fotografia de Elvira Nascimento
Sua população estimada em 2016 era de 4 832 habitantes. A cidade está situada no Vale do Rio Doce e é cercada por cerca de 40 lagoas naturais, próximas ao Parque Estadual do Rio Doce, que conta com cerca de 35 mil hectares de floresta nativa e configura-se como um dos últimos remanescentes da Mata Atlântica em Minas Gerais.

10 – Tarumirim
Fotografia de Zano Moreira
Sua população estimada em 2016 era de 14 670 habitantes. O topônimo Tarumirim significa "céu pequeno". Provavelmente o nome seja uma formação híbrida da palavra krenak taru "céu" e o sufixo diminutivo tupi "pequeno". A palavra céu em tupi é ybáka.
A principal fonte de renda do município é a agropecuária, e os principais produtos são leite e carne bovina.Embora o leite seja o principal responsável pela geração de renda, o município atualmente não conta com nenhum estabelecimento de processamento, laticínio ou fábrica de derivados.
Cachaça - O município também é sede de uma fábrica de cachaça de qualidade. A cachaça Lenda Mineira é produzida pela Agropecuária Roda D´Água Ltda e possui selo da AMPAQ-Associação dos Produtores de Cachaça de Qualidade. O produto destaca-se pela qualidade superior e pela grande conceituação no mercado de exportação.
Além desta fábrica, existem vários alambiques no município, que fabricam cachaça artesanal, comercializada no município e em cidades do entorno.

A Micro Região de Governador Valadares é formada pelos municípios de Alpercata, Campanário, Capitão Andrade, Coroaci, Divino das Laranjeiras, Engenheiro Caldas, Fernandes Tourinho, Frei Inocêncio, Galiléia, Governador Valadares, Itambacuri, Itanhomi, Jampruca, Marilac, Mathias Lobato, Nacip Raydan, Nova Módica, Pescador, São Geraldo da Piedade, São Geraldo do Baixio, São José da Safira, São José do Divino, Sobrália, Tumiritinga, Virgolândia.

11 – Governador Valadares
Fotografia de Sérgio Mourão
 Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 320 km e sua população em 2016 era de 279 665 habitantes. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,727, considerando como alto em relação ao estado.
Turismo
Fotografia de Sérgio Mourão
Uma das principais fontes de renda da cidade ainda é o turismo. O município possui várias atrações turísticas. Com destaque para o Pico da Ibituruna. Com 1.123 metros de altitude acima do nível do mar, possui as melhores térmicas do mundo e se consagra como cenário nacional e internacional na prática do voo livre. Além do vôo livre, a área do pico é propícia para a prática de outros esportes de aventura. É uma marca registrada de Governador Valadares, sendo um dos mais lindos cartões postais. Atualmente, o Ibituruna é considerado como APA (Área de preservação ambiental).
O município possui ainda outras diversas atrações turísticas em seu território, sendo em área rural ou na zona urbana de Governador Valadares. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH), existiam no ano de 2000 cerca de 43 hotéis em toda cidade
Ilha dos Araújos: É um bairro residencial de alto padrão e paisagens ao som do Rio Doce quebrando entre as pedras no fundo do rio. Excelente para a prática de esportes como uma caminhada ou um passeio de bicicleta e até mesmo para o lazer. Possui 4,5 km de extensão e intensa arborização.
Açucareira: Antiga usina de cana-de-açúcar, a Açucareira foi recentemente tombada como patrimônio histórico de Governador Valadares. Está em estudo um projeto para transformá-la em um grande centro cultural da cidade.
Praça Serra Lima: É uma homenagem a um dos pioneiros de Governador Valadares: José Serra Lima, o homem que projetou a área central da cidade. É um dos pontos mais tradicionais, e que não passa despercebida. É exuberante para quem trafega pelo centro. Possuía um chafariz com iluminação, e no Natal, ela destaca-se pelos arranjos natalinos nas noites (árvore urbana predominante).
Praça da Estação: Conhecida também por Praça João Paulo Pinheiro, tem a primeira locomotiva a cruzar a cidade entre as décadas de 1920 e 1930. Possui uma enorme fonte onde fica a locomotiva, cercada de lindos jardins floridos e árvores centenárias. O parque fica na entrada da estação ferroviária, e próximo ao GV Shopping.
Ponte do São Raimundo: É a primeira ponte da cidade. Surgiu com o progresso da rodovia BR-116 (Rio-Bahia). Quem passa por ela, vê a grande extensão do Rio Doce e uma vista parcial de Governador Valadares bem ao fundo.
Rio Doce: Visto em vários bairros da cidade, o Rio Doce é admirado por sua largura e comprimento. Em toda a sua margem há árvores e gramas. Alguns pontos com pedras, fazendo assim um barulho de cachoeira inconfundível. Pássaros também são vistos com frequência. Lindas garças brancas e outras espécies canárias.
Museu da Cidade: O Museu Histórico do Município de Governador Valadares foi fundado em 1983, com o nome de Museu da Cidade. Abriga uma variada gama de objetos, com um acervo de mais de 1.200 peças, desde instrumentos de suplício (utilizados para castigar escravos), trajes litúrgicos antigos, aparelhos telefônicos, cerâmicas indígenas, documentos e fotografias até pequenas curiosidades como a cópia da Planta Original do Traçado da Cidade.
Mercado Municipal: Após passar por um processo de revitalização com recursos do governo estadual, o velho mercado, inaugurado na década de 1940, foi entregue à população em março de 2007 completamente reestruturado. Os trabalhos de recuperação de um dos principais centros comerciais da cidade se prolongaram por cerca de dois anos. Uma gigantesca estrutura metálica foi erguida sobre a área de 9.500 metros quadrados.

12 – Tumiritinga
Fotografia da Prefeitura Municipal
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 380 km e sua população em 2016 era de 6 705 habitantes. 
Situa-se em Tumiritinga uma das principais praias de água doce da região, a Praia do Jaó, às margens do Rio Doce, cujo conjunto paisagístico abrange pontos como uma área de eventos com 5 mil m², uma área de preservação ambiental e a Praça Silvio Perez. Na praia é realizado um dos maiores carnavais do entorno da cidade, o Carnajaó, que em algumas edições atrai milhares de pessoas em seus dias de festa.

A Micro Região de Guanhães é formada pelos municípios de Braúnas, Carmésia, Coluna, Divinolândia de Minas, Dores de Guanhães, Gonzaga, Guanhães, Materlândia, Paulistas, Sabinópolis, Santa Efigênia de Minas, São João Evangelista, Sardoá, Senhora do Porto, Virginópolis.

13 – Guanhães
Fotografia de GildazioGil "Panorâmio"
Situa-se na região Leste do estado, conhecido como Vale do Rio Doce. Sua população estimada é de 33.815 habitantes, de acordo com dados do IBGE em 2016.
Turismo, cultura e esporte
Guanhães faz parte dos Circuitos da Estrada Real e das Trilhas do Rio Doce. O município também se destaca pelas belas cachoeiras em áreas de mata atlântica, como a cachoeira do Sereno e a cachoeira dos Witú.
No dia 11 de maio de 2016, a chama olímpica passou pelas ruas de Guanhães em um revezamento com participação de cerca de 25 pessoas, a maioria das quais moradoras da cidade. A primeira tocha saiu do coreto da Praça JK e o revezamento passou por alguns locais importantes, como a Avenida Governador Milton Campos, a Rodoviária Municipal, as Igrejas Catedral e Matriz e as Escolas Estaduais Altivo Coelho e Odilon Behrens.
Culinária local
A tradicional comida mineira ganha alguns incrementos notáveis na culinária guanhanense. Alguns pratos típicos, certas vezes desconhecidos por pessoas de regiões vizinhas, incluem a bananinha-frita (ou banana-chips), a luminária, doce típico local, feito com massa folhada e creme, e o coscorão, doce feito de massa frita com formato que lembra as rodas dos antigos carros de boi. Há ainda uma iguaria salgada tradicional na cidade, as Empadas da Stael, feitas com uma receita secreta de família, vendidas nas ruas do centro da cidade em tabuleiros artesanais.
Parque Estadual Serra da Candonga
O Parque Estadual Serra da Candonga foi criado pelo Decreto Estadual nº 40.170, de 17 de dezembro de 1998. Possuindo uma área de 3.302,66 hectares, o parque abriga diversos exemplares do bioma da Mata Atlântica.
Lagoa Grande
Localizada a 12 km de Guanhães, a Lagoa Grande foi, supostamente, formada por uma tromba d’água; sua cabeceira é alimentada por quatro nascentes.
Festas
Anualmente, comemora-se com shows e eventos, em 25 de outubro, o aniversário de Guanhães. Nessa data, em 1875, o distrito de "São Miguel y Almas de Guanhães" foi elevado à categoria de Vila, adquirindo autonomia administrativa e política e tornando-se sede do novo município.
Todos os anos comemoram-se também as festas de São Miguel, padroeiro da cidade, no dia 29 de setembro, e a de Nossa Senhora Aparecida, padroeira da Paróquia de mesmo nome, no bairro Pito, no dia 12 de outubro, com novenas e quermesse.

14 – Virginópolis
Fotografia de Elpídio Justino de Andrade
Sua população estimada em 2016 era de 10.801 habitantes.
A cidade é regionalmente conhecida pela tradicional Festa da Jabuticaba, que ocorre anualmente em setembro desde. Um aspecto interessante é que, apesar da festa, a cidade não se configura como grande produtor da fruta.
Outro aspecto cultural interessante é a presença da Capela de Nossa Senhora do Patrocínio, que possui uma das maiores escadarias de igreja do mundo, com mais de 500 degraus, construídos pelos próprios moradores da cidade em mutirões realizados no fim da década de 1980.

A Micro Região de Ipatinga é formada pelos municípios de Açucena, Antônio Dias, Belo Oriente, Coronel Fabriciano, Ipatinga, Jaguaraçu, Joanésia, Marliéria, Mesquita, Naque, Periquito, Santana do Paraíso, Timóteo.

15 – Ipatinga
Fotografia de Elvira Nascimento
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 200 km e sua população em 2016 era de 259 324 habitantes, sendo então o décimo mais populoso do estado mineiro. A cidade localiza-se exatamente no local em que as águas do rio Piracicaba se encontram com o rio Doce.
Ipaneminha. Fotografia de Elvira Nascimento
Tradições culturais como o artesanato e o congado das comunidades rurais se fazem presentes no município, bem como atrativos recreativos, a exemplo do Parque Ipanema, do Shopping Vale do Aço e da Usipa. Parte do entretenimento em Ipatinga é fruto de investimentos da Usiminas destinados à comunidade, cabendo ressaltar nesse ponto o Centro Cultural Usiminas, que sedia espetáculos culturais de relevância regional ou mesmo nacional. De acordo com a Secretaria de Cultura do Estado de Minas Gerais, as intensas manifestações, grupos teatrais e eventos diversos concedem ao município o título de segundo polo cultural de Minas Gerais, atrás apenas de Belo Horizonte.

16 – Jaguaraçu
Fotografia de Elvira Nascimento
Sua população estimada em 2016 era de 3.147 habitantes.
Principais atrativos turísticos
Dado às suas belezas naturais e ao clima de montanha, Jaguaraçu tem descoberto seu potencial de turismo ecológico.
Área de Proteção Ambiental: São quase 8.000 ha tomados por uma reserva da biosfera da Mata Atlântica de Minas Gerais, com 50 nascentes e 10 cachoeiras que proporcionam aos turistas belezas imensuráveis. A APA Jaguaraçu apresenta uma extraordinária diversidade de fauna e flora, onde não faltam atrações para os turistas. Pousadas, Camping com restaurante e trilhas ecológicas completam a diversidade desta Porção da Mata Atlântica e Refúgio da Vida Silvestre.
Fazenda Paiol: Berço da maior produtora de rapaduras do município, lá encontra-se os mais variados doces e saborosos queijos. Nos domínios da Fazenda situa-se a “Serra do Urubu” com cerca de 800 metros, de onde se tem uma visão belíssima da cidade e de toda região. É agraciada com uma enorme cachoeira que surpreendem com suas esculturas rochosas elaboradas pela força das águas.

17 – Marliéria
Fotos e arte de Elvira Nascimento
Sua população em 2016 era de 4 128 habitantes.Marliéria tem boa parte de seu território demarcada pelo Parque Estadual do Rio Doce (PERD), maior reserva de Mata Atlântica de Minas Gerais e um dos maiores sistemas lacustres do mundo, sendo o município considerado porta de entrada para a reserva ecológica. O PERD foi um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento do turismo rural e ecológico local, que é fortalecido pela presença de pousadas, propriedades rurais e áreas de camping e corresponde a uma das principais fontes de renda municipais, ao lado da agropecuária.
Cachoeiras e mirantes também estão entre os principais atrativos rurais, bem como as construções de valor histórico no perímetro urbano, a exemplo da Igreja Matriz, da Capela Santo Antônio e dos casarões no Centro de Marliéria que preservam a arquitetura original. O artesanato e eventos festivos, tais como a festa do Judas, a "Romaria Ecológica" no aniversário do PERD e as comemorações religiosas do dia de Nossa Senhora das Dores, padroeira municipal, são algumas das principais manifestações culturais.

18 – Santana do Paraíso
Fotografia de Arnaldo Silva 
Sua população em 2016 era de 32 232 habitantes.Além da importância econômica e demográfica, o município também abriga diversas trilhas, matas, lagoas e cachoeiras abertas à visitação. Na cidade, um dos principais marcos é a Igreja Matriz de Santana, mantida pela paróquia local. O grupo de congado, o artesanato e eventos festivos, tais como o aniversário da cidade e as comemorações religiosas da Festa do Divino e do dia de Santa Ana, padroeira municipal, são algumas das principais manifestações culturais.

19 – Coronel Fabriciano
Fotografia de Elvira Nascimento
Sua população estimada em 2016 era de 109 857 habitantes.Tradições culturais como as marujadas, o artesanato e de celebrações religiosas como as festas de São Sebastião, da Semana Santa e de Corpus Christi se fazem presentes no município, bem como os monumentos de valor histórico e patrimonial da Igreja Matriz de São Sebastião, uma das primeiras igrejas da cidade, o Colégio Angélica, fundado em 1950 e cuja fachada preserva sua arquitetura original, e o Monumento Terra Mãe, marco zero fabricianense. Na Serra dos Cocais estão concentrados diversos atrativos naturais, a exemplo de cachoeiras, trilhas e montanhas, que propiciam desde a simples visitação até a prática de esportes radicais, como mountain bike, escaladas, trekking, saltos de paraquedas e trilhas 4x4.

20 – Antônio Dias
Fotografia de Elvira Nascimento
Sua população em 2016 era de 9 660 habitantes.A manutenção da atividade siderúrgica contribuiu para que o município se tornasse um dos principais fornecedores de mão-de-obra e matéria prima. O artesanato e os grupos teatrais, de manifestação tradicional popular e música configuram-se como principais manifestações culturais, juntamente com os eventos festivos tais como o Carnaval de Antônio Dias (CarnaDias), as comemorações do aniversário da cidade e as celebrações tradicionais religiosas da Festa de São Benedito e das homenagens à Semana Santa.

21 - Timóteo
Fotografia de Elvira Nascimento
Localiza-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 200 km. Ocupa uma área de 144,381 km², sendo 14,545 km² em área urbana, e sua população em 2016 era de 88 255 habitantes.
O município tem cerca de 35% de sua área protegida pelo Parque Estadual do Rio Doce, que constitui a maior reserva de Mata Atlântica de Minas Gerais. Tradições como o artesanato, as escolas de samba carnavalescas e o congado se destacam na cidade, da mesma forma que atrativos como o Pico do Ana Moura; a Igreja São José Operário, construída pela Acesita para a celebração das atividades religiosas dos fiéis da antiga vila operária; e as praças 29 de Abril e 1º de Maio, que estão entre as principais áreas de lazer e de promoção de eventos da região. A Aperam South America, sob intermédio da Fundação Aperam-Acesita, mantém um centro cultural que conta com teatro, um museu da empresa e áreas destinadas a exposições, cursos e aulas de teatro, além de ministrar oficinas em escolas e áreas públicas.

22 - Mesquita 
Fotografia de Sérgio Mourão
Sua população estimada em 2015 era de 5 993 habitantes.
Mesquita é conhecida tradicionalmente pela Festa de Santo Antônio, realizada todo o mês de junho. O evento reúne milhares de participantes, com a queima da tradicional fogueira de 20 metros de altura. O município possui vários pontos turísticos, dentre eles: Lagoa do Budeca, Cachoeira dos Britos, Cachoeira do Tamanduá e a Torre de TV, que é propicia à prática de voo livre. A pracinha da cidade, situada em seu centro, concentra um considerável movimento noturno, especialmente nos finais de semana, quando as pessoas se reúnem para ouvir música, contar causos e namorar.

6 – Micro Região de Mantena é formada pelos municípios de Central de Minas, Itabirinha, Mantena, Mendes Pimentel, Nova Belém, São Félix de Minas, São João do Manteninha.

23 – Mantena
Fotografia de Clésio Robert Caldeira
Segundo os dados fornecidos pelo IBGE referentes a última contagem em 2016, a população da cidade é de 28.097 habitantes. O censo omite dados interessantes, pois a cidade de Mantena tinha quase 50.000 habitantes antes da emancipação dos distritos de São João do Manteninha e Nova Belém que se elevaram a cidade e seus respectivos distritos de Divino das Palmeiras, Santa Rita e Vargem Grande, que juntos faziam parte de seu município e nessas emancipações diminuíram cerca de 20.000 habitantes.
Atualmente, o Município de Mantena apesar da distancia com sua capital, vem lutando contra qualquer estagnação, tem diversificado sua economia, se destacando através de grandes empresas da área têxtil como a Rabbit, e mineradoras de exploração de granitos, sendo estes exportados por todo o mundo, atividades como a pecuária e a produção de leite também geram receitas e fortalece o comércio local. A prefeitura de Mantena conta ainda com uma Secretaria de Indústria e Comércio para dar suporte a novos empreendedores que se interessam em plantar suas empresas na região.

24 – Itabirinha de Mantena
Fotografia de Nélio Franco
Sua população estimada em 2016 era de 11 434 habitantes. A cidade conta com vários pontos de lazer, há varias cachoeiras, rios, alguns propícios à pesca. Há também a "Pedra Boneca" que é a imagem principal da cidade. Atrás dela, dentro de uma enorme pedra, sete "salões" que quando preparados, é aberta para pessoas entrarem.

A Micro Região de Peçanha é formada pelos municípios de Água Boa, Cantagalo, Frei Lagonegro, José Raydan, Peçanha, Santa Maria do Suaçuí, São José do Jacuri, São Pedro do Suaçuí, São Sebastião do Maranhão.

25 – Peçanha
Fotografia de Jerônimo Nunes
Sua população estimada em 2016 era de 17.854 habitantes.A festa do padroeiro da cidade, Santo Antônio (13 de junho) mostra um folclore rico, com a apresentação da "Marujada", "Caboclos", "Bonecos Gigantes" Banda de Musica, Lira Paroquial Treze de Junho e crianças brincando nos "Cavalinhos de Jacá".
O carnaval de Peçanha reúne tradicionais blocos carnavalescos, tal como o Bloco dos Sujos, em que as pessoas apresentam as mais variadas fantasias. Uma grande parte dos foliões ficam em blocos como A Liga, Bicho Maluco Beleza e o Tá Bombando. Em 2007 a Escola de Samba Liberdade voltou a desfilar na ladeira, deslumbrando com paetês e plumas os olhos do povo; uma rica cultura a ser preservada. E com a notória hospitalidade dos habitantes da cidade, o carnaval de Peçanha fica cada vez mais conhecido, atraindo, assim, inúmeros turistas. Em 2012 o carnaval da cidade conseguiu a inédita classificação como 2º melhor carnaval do interior de Minas Gerais, ficando atrás apenas de Diamantina.

26 – Àgua Boa
Fotografia de Sérgio Mourão
Reza a tradição que o nome "Água Boa" vem da época em que os desbravadores, bandeirantes e tropeiros, circulavam pela região, transportando mantimentos e produtos no lombo de mulas de carga, para colonizar e abastecer o interior de Minas Gerais. Alguma das diversas nascentes, rios e córregos do local onde hoje está a cidade se tornou ponto de referência, parada e descanso dos colonizadores, que se referiam ao lugar como sendo "naquela nascente de água boa", ou seja, cuja água não era salobra ou barrenta, permitindo aos homens e animais beberem e servindo também para encher os cantis. Com o uso, o termo passou a ser resumido em "parada da Água Boa", que veio a originar o nome da cidade.
A estimativa de população para em 2016, segundo o IBGE, era de 14.524 habitantes, somando-se a população da sede do município e de todos os vilarejos e região rural. Possui, como festa principal, o "Água-boense Ausente", que ocorre tradicionalmente na última semana de julho, quando os egressos da cidade voltam à terra natal para se confraternizar. (Fonte das informações: Wikipédia)

AVISO LEGAL

Este conteúdo pode ser publicado livremente, no todo ou em parte, em qualquer mídia, eletrônica ou impressa, desde que contenha um link remetendo para o site www.conhecaminas.com

Nenhum comentário:
Faça também comentários