Prosa Mineira

Mineiro adora prosear;
É mais do que simplesmente conversar;
Tem uma história e um jeito;
Num tem lá um português perfeito;
Mas como o minerês é mais avançado;
Temos todas as conjugações ao nosso lado;
É um jeito de contar cantado;
Deixa o forasteiro meio atabalhoado;
Ainda mais com as abreviaturas;
Comuns em nossas faladas literaturas;
Cê va lá nu Zé...
De onz ô a pé?
Dizem que tem a ver com o francês puro;
Outros falam que até nas palavras o mineiro é pão duro;
Tem sempre uma cumade na sentença;
E o cumpade que entra sem pedir licença;
Falamos de palhoças e velhos casarões;
Cenários das veredas e seus sertões;
Sempre com suas emendas;
Como aquelas colchas de velhas fazendas;
Alguns proseam em orações;
Nas igrejas barrocas falam ao Pai sobre suas aflições;
Não somos santos varões;
Soltamos vez por outra nossos palavrões;
Nossa prosa fala de onde o sol encontra as montanhas;
Histórias belas e lendas estranhas;
Contos de coisas e trens da terra;
Falatório que se abre e nem sempre se cerra;
Lá em Minas a prosa é tradição;
É a alma do amor e da nossa paixão!


Texto de autoria de FREDJOGER
Pintura ilustrativa. Pintura do artista plástico José Rosário

5 comentários:

  1. Eu sou o autor, Fredjoger Barbosa Mendes. Está lá na minha página de poemas, Versos Transversos, no Facebook.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Fred. Você mandou para mim mas não disse que era o autor. Irei inserir os créditos. Obrigado.

      Excluir
  2. Vejam também: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=654064004738963&substory_index=0&id=650622255083138

    ResponderExcluir
  3. Tão puro e verdadeiro, que senti como se você estivesse ao meu lado lendo para mim.
    Saudades amigo :)

    ResponderExcluir
  4. Muito legal. Um talento. Tem que lançar um livro com os poemas!

    ResponderExcluir